karimy Karimy Lubarino

A sombra cresce, e eu sinto no meu âmago que ela sugará tudo o que eu sou e depois me extinguirá.


Horror Histórias de fantasmas Impróprio para crianças menores de 13 anos. © Todos os direitos reservados

#medo #sombra #poltergeist #fantasma #terror #arrepiainks
Conto
6
6.4mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

O inquilino

Estaciono o carro próximo às árvores e caminho pela trilha de terra vermelha que leva direto à entrada da casa da chácara. Paro alguns metros admirando aquela porta marrom-escuro e velha. Não consigo evitar a voz de minha recém-falecida mãe em minha cabeça, Um lugar amaldiçoado, ela diz... ela sempre dizia isso, mas ignoro e procuro as chaves dentro da minha bolsa.

Está calor, e meus cabelos curtos grudam no meu rosto, afasto-os e abro a porta. O cheiro de poeira e de fuligem do fogão a lenha invadem minha narina.

Minha mãe costumava vir aqui todos os finais de semana para limpar, mas nunca permitiu que eu a acompanhasse. Agora que ela se foi, porém, sinto uma necessidade inexplicável de estar em todos os lugares que ela já esteve, de tocar em todas as coisas que ela já tocou, de eternizar em mim a presença dela mesmo agora que ela não mais está aqui.

O pôr do sol se aproxima. Eu sabia que deveria ter vindo mais cedo, mas o receio e o peso de todos os avisos da minha mãe me deixaram um pouco apreensiva. Lembro de suas últimas palavras, pouco antes de a vida ser levada de seu corpo: Júlia, aquela casa... E nada mais ela disse, nada mais diria, porque seu tempo aqui na Terra terminou.

Há uma pilha de lenha seca do lado do fogão. Faço o melhor que posso para acender essa velharia, mas o máximo que consigo é um fogo baixo e bruxuleante, além de ficar coberta de cinzas. Arrisco fazer um café, e pelo menos isso dá certo, fico um pouco mais relaxada com esse pequeno sucesso.

Por sorte, há luz elétrica, pois não sei como me sentiria em um lugar tão isolado, cercado por árvores e mato, sem ao menos isso. Me sento à mesinha de madeira, mesa que minha mãe dizia com orgulho ter sido talhada por meu pai, e tomo meu café enquanto aprecio o zumbido dos insetos e o jeito como o cômodo fica estranho sob a luz amarelada da lâmpada.

É quando tudo começa. Depois de a escuridão engolir o mundo. Eu não percebo de imediato, talvez porque o som começa muito baixo, como se mesclado ao dos insetos que cantam do lado de fora, mas o barulho de algo se partindo ao chão me faz derramar o resto do café que há em minha xícara e me levanto em um pulo, o coração na boca.

Com passos lentos, vou até a sala, acendo a luz e contemplo um prato de porcelana de enfeite quebrado em três. Três, um número divino. Me abaixo para pegar os cacos quando enfim percebo o zumbido aumentar, sinto um tremor e caio de quatro no chão, ofegante.

— O que é isso? — murmuro, olho para os lados e tento entender o que está acontecendo.

A casa não treme como em vídeos que mostram terremotos; em vez disso, ela vibra, provocando um ranger que mais parece o grito agudo de um gigante louco. Ergo-me do chão com a voz de minha mãe em meus pensamentos e me apresso para alcançar a porta, mas a sensação que tenho é de que o caminho se alonga e se estica de maneira colossal, até que as luzes se apagam. Tonta, apoio minhas mãos em meus joelhos e balanço a cabeça com os olhos fechados. Devo estar louca, talvez um efeito do luto.

Um frio percorre minha espinha. A certeza de um corpo gélido e sombrio atrás de mim faz com que eu fique ereta e prenda a respiração.

— Amaldiçoada. — Ouço minha mãe dizer. — Aquela casa...

O silêncio se faz presente, o zumbido e a vibração cessaram e a única coisa que resta é a certeza daquela presença. Viro-me devagar, trêmula e soltando o fôlego aos poucos para não fazer barulho.

É quando a vejo. Está escuro, mas sua silhueta magra e de dois metros e meio de altura é muito mais negra que seu entorno. Abro a boca para gritar, mas não consigo. A sombra cresce, e eu sinto no meu âmago que ela sugará tudo o que eu sou e depois me extinguirá.

Mãe... agora entendo o que a senhora sempre tentou me falar.

23 de Outubro de 2020 às 14:20 33 Denunciar Insira Seguir história
17
Fim

Conheça o autor

Karimy Lubarino Imagine que a vida é uma ilusão, que a realidade não se passa de um sonho e que tudo aquilo que você acredita ser verdade é apenas uma linha em um livro. Imagine-se um anjo ou um demônio vagando pela terra em busca do seu propósito. Pense como seria se tudo aquilo que desejou se tornasse real, que seus medos fossem embora e o único sentimento que ficasse fosse o amor. Esse mundo é mais factual do que imagina, ele está presente nas histórias que você lê, nos personagens que se encaixam com você!

Comente algo

Publique!
Daniel Trindade Daniel Trindade
Que conto maravilhoso! Não consegui desprender minha atenção. E deixa eu te contar: na parte que a Júlia derrama o café após ouvir o barulho de algo partindo no chão, um trovão assustador me pega desprevenido. Levei um susto tão grande! Foi um ingrediente crucial para enriquecer a minha experiência nessa leitura. Simplesmente adorei! ❤
February 15, 2021, 23:07

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Ahhhhhhhhhhhhhh, mas meu coração não aguenta desse jeito, hein! hahahhaa Eu gostei muito de escrever este conto, na verdade, então fico feliz que tenha curtido. Sei que é uma história simples, mas fiz em um momento de bloqueio, então foi bastante importante. Obrigada pelo comentário e pelo carinho. Adorei ter você por aqui ;). February 17, 2021, 19:28
Inkspired Brasil Inkspired Brasil
Karimy: não só mãe dos dragões, como uma exímia escritora que deu sentido ao nome da tag, #arrepiainks. Primeiramente, deixamos aqui os agradecimentos pela sua participação nesse desafio, tão mais por toda ajuda e mentoria por trás dele. O que dizer de seu conto a não ser que nos deixou arrepiadas do início ao fim? A tensão que paira a cada parágrafo acentuando a maldição que reside na casa nos deixa ansiosos para a chegada do inevitável. Júlia (o nome da sua filha favorita, diga-se de passagem) não parecia se preocupar até que finalmente encontrasse a sombra. Assim como a tensão, ficam as dúvidas: e afinal, o que era essa tal sombra? É uma pena que haja a limitação de palavras, ficamos aqui roendo as unhas de curiosidade, mas não podemos deixar de te parabenizar pela construção do seu conto, uma obra que inspira temor e admiração. No mais, reiteramos que os vencedores do desafio estarão sendo anunciados em 29/10 — hoje — através do Facebook. Fique de olho! Um abraço de suas filhas, Equipe de comunidade da Embaixada Brasileira do Inkspired.
October 29, 2020, 19:09
Lua Baldonado Lua Baldonado
Meu Deus, a história me deu medo de verdade! Eu amei a forma como você descreve os fatos e o medo completamente palpável da personagem. Parabéns pela história incrível!
October 29, 2020, 01:48

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Olá! Ai que felicidade hahaha Muito obrigada pelas considerações. Fiquei contente em saber que gostou do conto. Abraços e boa sorte no desafio! October 29, 2020, 14:51
Litalea Draak Litalea Draak
Eu estava certa em ter medo, obrigada por me tirar o pouco de sono que me restava kkkkkkk Me pergunto se é coragem, idiotice ou inocência dos personagens em sempre ignorarem os avisos e irem até um lugar com fama de mal assombrado. E também, por que uma sorveteria nunca é mal assombrada? Pelo menos o cenário me deixa mais a vontade, do que uma casa no meio do nada (é a fórmula para me deixar com medo!). Tudo bem que tem eletricidade, mas saber que não posso ter sinal para ligar para emergência ou só ficar conversando com alguém me causa uma sensação tão estranha no peito. Eu não posso morrer sozinha, desculpe mãe! Okay, talvez esse seja meu maior medo e você despertou isso. Não sei se digo que te amo ou te odeio, apenas que realmente gostei do conto (não, talvez não tenha gostado, afinal, quem vai me fazer dormir agora?!).
October 28, 2020, 05:18

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    hahhahahahaha Menina, sabe que eu sempre me perguntava isso! Aí veio a pandemia e, com tudo o que aconteceu, percebi que a maioria das pessoas costumam ter mesmo esse instinto louco de ir contra aquilo que, durante um momento de calma, a gente sabe que é besteira fazer haha Fico muito feliz em saber que você gostou, Lit. Mil beijos! October 29, 2020, 14:50
Ruan Gabriel Ruan Gabriel
Eu achava que seria um horror mais psicológico sobre o processo da passagem do luto... mas aí fui surpreendido por um demônio de verdade! Ótimo conto! Boa sorte no concurso!
October 28, 2020, 04:17

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    hahahahahaha Uh, eu gosto demais dessas "assombrações" hahah Obrigada pelo comentário! Boa sorte no desafio <3 October 29, 2020, 14:48
Junio Salles Junio Salles
A clássica da casa mal assombrada que avisaram para não ir. Apesar de clássico esses tipo de conto sempre tem seu lugar quando é bem explorado como neste caso.
October 27, 2020, 14:28

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Ai, eu amo um fantasminha, não nego hahahha Fico feliz que tenha gostado October 27, 2020, 17:11
amy ⛓️ amy ⛓️
Boa noite, estou vendo vultos no meu quarto depois de ler seu conto. Devo me preocupar? Não esperava menos de dona Karimy como escritora: seu conto me deixou arrepiadinha (insira aqui o meme da mulher Pepita) e você vai ser muito sortuda se eu não aparecer na sua porta de madrugada pedindo pra dormir contigo, porque depois dessa... Muito obrigada por participar do desafio #arrepiaink! Todo o suporte que vem nos dando vai muito além do que eu poderia colocar em palavras, e sou muito grata pela fada madrinha em forma de Daenerys Targaryen que você vem sendo para mim. ♡
October 27, 2020, 03:12

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Ahhhhh! Que maravilhosa! Assim meu coração não aguenta, né! Fico feliz que tenha gostado do conto. Faz bastante tempo que não escrevo uma história e fiquei bastante contente com a sensação de ter conseguido dar da geladeira depois de tanto tempo. Obrigada pelo carinho e dedicação. Esse desafio não seria o mesmo sem você e a Lit! 🥰 October 27, 2020, 23:22
DC David Cassab
Parece muito um pesadelo, bela história!
October 26, 2020, 22:25

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Uhhh, já pensou acordar de algo assim?! hahaha Obrigada! October 27, 2020, 17:12
Daniela Machado Daniela Machado
O.O Eu ainda estou impactada kkkk Caramba, é como se você brincasse com os pesadelos, a história de tentar correr e sentir como se o caminho se alongasse, de tentar gritar e a voz sumir... e honestamente, eu amo tudo isso. Sua história é fluida, gostosa de ler e me dá a sensação de estar ali, junto com protagonista, passando por esses terrores com ela. Eu amei sua história, parabéns ♥
October 26, 2020, 21:29

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Olá! Fico muito feliz mesmo em saber que gostou da história e que conseguiu se sentir dentro dela. Eu também gosto demais de histórias de terror que tem essa pegada de realidade x pesadelo/alucinação, então meio que realmente quis trazer um pouco disso. Fico feliz que tenha notado. Muito obrigada pelo comentário *-* October 27, 2020, 17:14
Lara One Lara One
Sabe aquele arrepio sinistro que vc sente quando "vê" um filme de terror? Então, senti. Imaginei. Não sei o que era, mas aí reside o maior de todos os medos: daquilo que você não pode ver, mas é plausível de acontecer. Sensacional, Karimy! Fora que você é fera em descrever todo o ambiente e deixar o cara ficar situado como se fosse o personagem. Amei!!! <3
October 26, 2020, 15:23

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Olá, maravilhosaaa! Que bom ver você aqui hahaha Fico muitíssimo feliz em ter conseguido passar para você essa sensação do estranho e desconhecido. Ah, eu adoro muito usar o que existe no cenário e ambientação para agregar à história. Fico contente que tenha gostado disso. Muito obrigada de verdade pelo comentário e por ter lido minha história *-* October 27, 2020, 17:16
Alexis Rodrigues Alexis Rodrigues
CA RAM BA eu fiquei tão imersa com a interação da personagem com a casa, essa tranquilidade meio interiorana, que por um momento me esqueci do lance de ser amaldiçoada D: mas afinal de contas, o que é essa coisa? morrendo de curiosidade! amei o conto! <3
October 26, 2020, 06:04

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Oie! hahahhahahaha Ah, a tranquilidade de uma casinha no interior pode ludibriar bastante a gente hahaha Ah, vou deixar pra sua imaginação preencher as lacunas hahaha Muito obrigada pelo comentário e por ler minha história <3 October 27, 2020, 17:19
Isís Marchetti Isís Marchetti
Eita!! Mas vou te falar, que mania é essa que as pessoas tem em ir em lugares que as pessoas falam para não ir, viu! "Não vai lá" ai fulano vai e pá... "Nunca se aproxime de tal lugar" ai fulano diz "Fui vencido pela curiosidade e fui lá ver" Não da para entender, é uma coisa sem explicação e quanto mais dizemos para não ir e não se aproximar, mais as pessoas tendem a fazer cagadas, aushuashuash. Eu adorei seu conto, de verdade. Muito bem escrito e apesar de parecer que a tensão só tem no final, isso é ilusório, pois na verdade só dela chegar próxima a esse lugar, melhor ainda, só de cogitar a ir nesse lugar, já começa a tensão toda. Adorei o texto e torci muito para que ela não virasse a cabeça, mas se não virasse, não ia ter graça!
October 25, 2020, 17:31

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Ahhhhhhhhhhhhh hahahahahah verdade pura! Mas eu confesso que às vezes também cedo à curiosidade hahah Como diz o ditado, a curiosidade matou o gato! Obrigada! Fico feliz em saber que gostou. E talvez você realmente esteja certa: o terror já existia antes mesmo de ela ir lá e o momento em que ela decidiu ir só fez com que isso se tornasse concreto. Bjsss October 25, 2020, 17:40
Antónia Noronha Antónia Noronha
gostei muito do seu conto! Adorei a capacidade de em tão poucas palavras conseguir descrever um ambiente realmente assustador! Para alem disso, a tua história me fez lembrar uma coisa, as mães geralmente têm sempre razão! muito bom trabalho!
October 25, 2020, 16:05

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Olá! Fico muito feliz em saber que gostou. Hahahhaha você tem toda razão, é sempre bom escutar o que as mães têm a dizer, elas acertam sempre! Obrigada pelo comentário <3 October 25, 2020, 16:31
Tomas Rohga Tomas Rohga
Conto excelente. Bem escrito e realmente assustador
October 25, 2020, 02:52

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Oie! Muito obrigada! Fico contente em saber que gostou *-* October 25, 2020, 16:31
CC C Clark Carbonera
Uaaa, não sei exatamente o porquê, mas seu conto me trouxe uma vibe de "A Maldição da Residência Hill"! Não sei se foi a "humanidade" da personagem, as atitudes normais de uma rotina qualquer que depois sofre o baque do sobrenatural, já que ela se encontra na chácara amaldiçoada né...enfim, não sei! hahahha Gostei bastante do conto! Agora tô vendo a capa dele outra vez e notando como ela casa bem com a história :) Ainda não sei se vou participar do desafio, porque estou completamente sem ideias de terror...acho que tá na hora de fazer aquela enquete básica na família perguntando do que eles têm mais medo na vida e partir daí hahahaha
October 24, 2020, 15:20

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Oieeee! Uhhh, gostei da referência haha Eu realmente queria tentar passar um pouco mais sobre os sentimentos da personagem, quem ela é, com simplicidade pra tentar criar um pouco mais de empatia. Fico feliz que tenha gostado da capa, de verdade. Minha habilidade com edição de imagens é quase zero, então gastei muito tempo pra tentar achar alguma coisa que fosse um pouco parecido com a história. Obrigada por notar <3 Vi que você publicou uma história pro desafio já, fiquei bem contente com isso e já tô indo lá ler hahaha (e, caramba, juro que meu tema foi escolhido assim: perguntei pro marido uma ideia de tema pra história hauhauhauhauahua). Obrigada pelo comentário <3 October 25, 2020, 16:36
  • C C C Clark Carbonera
    hahahahhaha e a ideia da minha que foi tirada de conversas que tinha com uma prima mais nova? Olha a família nos salvando XD Vishh, nem falo nada das minhas habilidades com edição ¬¬ só tento usar sempre imagens sem direitos autorais e o canva como editor hahahaha (estamos no mesmíssimo barco!) October 25, 2020, 18:53
Lilac L. Lilac L.
A tensão que eu senti lendo esse conto e torcendo para que ela não se virasse, não cabe em mim! Caramba, torci tanto para ela não virar e ainda assim...
October 23, 2020, 23:09

  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Oiee! Hhahahaha Não imagina como fico contente em saber disso! É sempre maravilhoso quando a gente consegue sentir as emoções que a histórias passam, e eu fiz o que pude pra tentar trazer à tona esse sentimento de medo. Obrigadaaaa! October 25, 2020, 16:38
~