hiore_hrk Hiore Hrk

Repentinamente algumas crianças com menos de 12 anos ganharam capacidades especiais , porém sempre que uma criança assim nascia seus pais morriam, as primairas crianças a passarem por isso usara seu poder para criar novas tecnologias e um novo esporte, para assim reunir dinheiro e montar um enorme orfanato para cuidar de todos que passe por situações similares. 10 anos depois, nosso protagonista que tinha 6 anos quando tudo aconteceu,agora recebe aulas nesse orfanato


Ação Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#magic #mente
0
1.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Terças-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

1 aula

O dia estava frio, a aula estava um saco, estou com sono, não dormi muito ontem, minha cabeça está doendo, tô morrendo de fome, um grande porre de dia, mas de qualquer jeito continuo anotando tudo o mais concentrado que consigo,

- Formem duplas com o aluno ao seu lado, vamos ter prova.

tinha que ter prova bem hoje, apesar de que pelo menos é com a pessoa do lado, já me salva do problema de conseguir a dupla. Estou sentado na ponta da sala a esquerda, por isso olho para direita, pode parecer estranho, mas costumo me concentrar só na lousa, então nem sei que vai ser minha dupla.

- Lila!

- Sim, porque a surpresa? Vêm trás logo sua carteira.

- Claro.

Fiquei surpreso, não é todo dia que eu falo com a garota mais importante, bonita, foda e.. Muito mais, não tô afim de listar todos os adjetivos positivos ligados a ela, são mais do que vale a pena lembrar.

De qualquer forma me sento do lado dela em completo silêncio, começamos a responder as perguntas sem falar qualquer coisa, sou de certa forma inútil, por mais que seja bom na escola ela está em outro nível.

Como não tinha como ajudar na prova, aproveito para observar a bela garota de canto de olho, bem mesmo eu tentando esconder ela deve ter notado e ignorado por ser usual. Lila é uma garota extraordinariamente bonita. Ela tem pele pálida, olhos prateados, que são magníficos mesmo com sua usual expressão morta e desinteressada, mas brilham como jóias em alguns momentos.

Seus cabelos são longos e azuis claros, tendo um brilho especial por causa do seu grande poder mental. Seu corpo é esbelto, alto, com peitos e cintura medianos, além de um rosto fino, delicado, contrastando com sua presença e expressão dominante.

Já sobre suas roupas, naturalmente é o uniforme escolar, porém como aluna especial usa um uniforme escolar diferente das outras estudantes. O seu é composto por um blazer preto e uma saia da mesma cor juntamente com detalhes em azul. Usa, também, uma blusa com babados nas mangas por baixo do blazer, sapatos escuros comuns de uma estudante normal e uma gargantilha preta em volta de seu pescoço.

- Sabe se quer só ficar olhando tirei logo uma foto, para poder fazer isso quanto quiser depois, agora temos que fazer a prova.

- Posso por acaso?

- Por mim tanto faz.

Parece que me perdi em pensamento, vale dizer no fim não tive coragem de tirar uma foto, acho algo bem estúpido, entende.

- Desculpa, eu até pretendia ajudar, mas você respondia tão rápido que desisti e comecei a vagar e…

No fim desisto de me explicar, ela também não estava interessada, apenas queria que eu colocasse meu nome.

- Agora vocês vão se avaliar, entrem no mundo um do outro.

A professora diz e coloca um instrumento curioso na mesa de todos, uma espécie de ampulheta, com um brilho curioso, que se movia. Ela tinha como objetivo permitir, que um entre na mente do outro, no mundo do outro, essa seria minha primeira vez.

- Quem começa?

- Bem se possível poderia começar, eu..

- Entendi, vou te mostrar como fazer, aponte sua mão para a ampulheta, concentre seu poder mental, depois crie uma imagem forte do mundo que imagina, mas também não forte o suficiente para que… Bem você sabe a teoria e tals.

- Obrigado.

Minha visão começa se distorcer, parece que consigo entrar em seu mundo. Quando retomo minha consciência.

- Isso!

Me surpreendo, quando retomo a consciência estou em um lugar completamente diferente da sala, podia ver no horizonte apenas preto, provavelmente os limites do mundo.

Comecei a andar por aí, é um lugar enorme, quase como uma grande cidade, cheia de casa parecidas e ruas desertas, o céu é azul, sem nenhuma nuvem, de certa forma é um lugar que lembra a realidade, mas alguns detalhes acabam sendo bastante estranhos.

É minha primeira vez em um lugar como esse, mas de certa forma acho que consigo compreender como funciona, conforme me concentro sinto o poder mental fluindo, fácil notar tudo aqui é apenas informação, uma simulação, ilusão.

- Finalmente te encontrei, não sai andando por ai, temos que ouvir as avaliações sobre nosso mundo um do outro.

- Desculpa, é só que ele é tão grande, que tive vontade de olhar tudo.

- Poderia ser rápido por gentileza, manter algo dessa escala é cansativo.

- Desculpa eu nunca tinha feito um desse tamanha então..

- Tanto faz, tudo bem, mas e aí, a avaliação por favor.

Droga! Preciso pensar em algo útil para dizer, não quero apenas dizer: nossa é incrível. Convenhamos isso nunca vai ajudar ninguém a melhorar, mas o que mais posso dizer sobre isso além de: é incrível.

Não tenho muita experiência real, mas se eu considerar toda a teoria que já aprendi na minha vida e fazer algumas suposições, nesse caso talvez eu consiga… Eu decido fazer uma pergunta.

- Só uma curiosidade, você tentou fazer isso parecer real?

- Acho que não necessariamente.

- Apenas pensei que ele parece muito estável, você por acaso fez isso baseado na descrição de um livro ou algo do tipo? Porque não consigo criar uma imagem tão clara.

- Bem na verdade, pode vir comigo vou te mostrar algo.

Eu a sigo, entramos em uma casa um pouco diferente, dentro dela não havia nada como todas as outras, porém de repente aparece um computador em cima de uma mesa.

- Isso!

- Não precisa se surpreender por tudo.

- Posso olhar ele. - Digo apontando para o pc.

- Claro fique à vontade.

Eu olho o computador ele é funcional como qualquer um de realidade, abro as configurações mudo brilho e outras coisas, abro o bloco de notas, um enorme texto escrito, a descrição desse mundo, eu apagar algumas coisas, não faz qualquer diferença, deve ser apenas resultado da sua memória.

Começo a olhar outras coisas, agora vamos aos dois testes mais importantes, primeiro abro o google e nada, tudo é estático, depois tento abrir o código do computador, nada de novo.

- Então o que achou?

- Sem dúvidas algo que não conseguiria fazer, apesar de ser um enorme desperdício de energia.

Acabo soltando essa forte crítica sem pensar, droga! Não queria ser ofensivo, tenho um pouco de medo de virar o olhar, mas não tenho escolha, olhou para sua reação e…

- De fato, até tentei criar algumas coisas interessantes com isso, mas aumentar mais o realismo ou qualquer coisa do tipo apenas vai consumir tanto que não conseguiria manter nem por alguns segundo.

- Mas para que fez isso, algum tipo de treino para se forçar ao limite, ou queria criar um arma, para vencer um duelo.

A propósito os duelos eram basicamente competições, em que duas pessoas com poder mental tentavam se derrotar. Funciona assim os dois entram em um mundo mental neutro e quem exaurir o outro primeiro ganha, você pode conseguir isso lutando e desmaiando ele, ou matando ele no mundo, ou só apelando para força bruta se tiver muito mais poder mental.

- Acho que pensei em fazer os dois, porém falhei em ambos, não é um bom treino e não consegue criar nada que valesse a pena.

- Entendo, hummm!

Tento desesperadamente juntar todas as informações no meu cérebro, queria pensar em um concelho, não sei o porque, mas queria fazer isso.Tá na verdade, pensando melhor agora e sendo mais honesto, eu sei o porquê, apenas queria me mostrar para uma garota bonita.

- Posso tentar algo.

- O que quer.

- Sabe que os professores sempre dizem para nunca criar um mundo detalhado demais.

- Sim, afinal é cansativo.

- Não esse não é o único problema, sabe quanto mais detalhado for, mais informação nova ele gera quando destruído.

- Sim eu sei disso e daí?

- Você não entendeu ainda né, vou te mostrar.

Meu não abundante, mas pelo menos existente poder mental começa a fluir. Logo em seguida o mundo começa a tremer, se distorcer as coisas quebram.

- Já entendi, mas você tem energia para manter isso?

- Não preciso.

Sorri de certa forma maliciosamente, conforme o gigantesco mundo criado pela Lila desaba, mais e mais poder mental começa a ser gasto de forma desenfreada, é difícil para mim manter isso, mas para ela é pior.

- Como fez isso.

Boom! O mundo está quase sendo completamente destruído.

- Ha! Ha!

Ela já bufando de exaustão, consegue me impedir de alguma forma.

- Só como fez isso com tão pouco poder mental.

- Bem foi apenas um truque.

- Ha! Ha! Um truque bem interessante, você parece bem inteligente, pena que tem tão pouco poder mental, poderia ser um grande dueler.

- Mesmo que eu tenha pouco ainda, ainda...

Hesito em falar, afinal tenho medo de ser zoado, é meio ridículo que alguém fraco como eu tenha grandes sonhos, como um cara baixo querendo ser jogador de basquete, suspiro! Mesmo assim colocar em palavras é o primeiro passo para torná-lo realidade.

- Mesmo que eu tenha pouco poder mental ainda posso me tornar um dueler.

Deve imaginar pelo nome, mas são pessoas que participam dos tais duelos.

- Entendo, boa sorte não vai ser fácil, mas estou ansiosa para ver o tipo de coisa que vai criar, hummm! Imagino que pode trazer grandes inovações, mas... É acho que pode ser uma boa ideia, que tal assim: se me explicar suas ideias, assim como o que fez para quebrar meu mundo, eu vou te ajudar com o que for necessário, que tal?

- Nesse caso permita-me explicar.

2 de Outubro de 2020 às 13:45 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Um singelo bug

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 8 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!