Novo app: Inkspired Writer! Escreva, publique e gerencie suas histórias no seu celular!!. Leia mais.
hiore_hrk Hiore Hrk

Um homem de 30 anos desmotivado é obrigado por uma velha a miga a voltar a trabalhar e tentar mais uma vez. foi mal se parece chato não sei fazer sinopse, dá uma chance aí pff.


Histórias da vida Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#drama #vida
0
1.6mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Segundas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo


Let's work

- “Kabum!”

Olhando pela janela pude ver o primeiro fogo de artifício explodir, indicando o início de um novo ano. Não tenho nada contra a comemoração , mas tenho que admitir, o barulho é um pouco irritante, só quero me concentrar nos meus jogos em paz. Ainda bem que rapidamente acaba, Yup! posso voltar a relaxar como de costume pensei, apenas para ser contrariado 1 segundo depois.

“ding ! Ding! Ding!”.

“quem é? Já estou indo atender”. Rapidamente vou até a porta, então me surpreendo. “Susi!? O que faz aqui?”.

“vim comemorar meu aniversário”.

“aniversário, hoje? E por que na minha casa?”.

“não sei a data exata em que nasci, então posso escolher qualquer dia, além do mais esse apartamento está no meu nome”.

Com um argumento desses o que posso a impedir. Ela então entra sem deixar espaço para contestação, a propósito essa é minha amiga de infância (provavelmente) de quando morava num orfanato, além de ser atualmente quem paga minhas contas. Escolho timidamente tentar perguntar novamente.

“então por que quis vir aqui hoje?... Eh! Espera um pouco vou pegar alguma coisa pra beber e comer”.

Mesmo numa segunda tentativa fui completamente ignorado, por isso desisti de entender, me resignei a humildemente oferecer algo para comer e beber.

Rapidamente peguei duas latinhas de cerveja na geladeira, dois pratos, um pedaço de queijo, pão e mais alguma coisinhas para comer. Apesar da surpresa inicial acabei conseguindo relaxar, depois até que tudo correu bem e jogamos bastante conversa fora, acho que vai ser uma noite divertida...

De repente ela resolveu finalmente dizer por que veio me visitar.

“bem foi divertido, mas agora vamos para o tópico principal, Iky você tem que trabalhar ou vai para baixo da ponte amanhã”.

“êh?!!!! Agora, do nada”.

“não tem nada que o impeça, tem? Não seja mais um inútil”.

Ouch! Essa doeu, porém não tenho como contra argumentar, não tenho qualquer doença incapacitante mental ou física, tenho só 30 com um longo futuro e energia para gastar, também não é como se tivesse desenvolvido qualquer fobia social , apesar de estar sem trabalhar a uns 4 anos só comecei essa vida de hikikomori a 2 semanas, ainda assim tem que ter uma desculpa, pelo menos uma…

Me vejo meio sem opção, Então tento pelo menos atrasar o problema.

“mas, êh... Arrumar um emprego não é assim tão fácil, prometo que vou procurar e me esforçar ao máximo assim que conseguir”. Parabéns idiota! Com essa frase acabei de cavar minha própria cova.

“não se preocupe, pensei que isso pudesse ser um problema, então já arrumei algo pra você por garantia, vá amanhã para esse endereço, minto, já são 2 da manhã, então tecnicamente vá hoje trabalhar, não se esqueça de arrumar um terno e chegar às 6:30 boa sorte”.

- Calma aí!

Claro ela não esperou, acho que fudeu….

6:20

Merda, merda, merda! Cadê minhas roupas… Porra perdi a luva… Ah! Fodasse vou a usar a mesma que dormi com. Porra Já estou atrasado e correr de terno é complicado, queria muito ter um carro agora. Ainda bem que não tenho costume de tomar café, por isso apenas uma dose já está fazendo grande efeito.

Ufa! Finalmente chego ao prédio, olho o relógio 6:38. São só 8 minutos não tem problema, né? Então vamos nos acalmar, sem tremer, pose reta, confiança e...

“já está atrasado no seu primeiro dia! Venha comigo vou te explicar tudo enquanto andamos, você vai trabalhar nessa equipe por um ano, mas antes deixa eu fazer uma pergunta você sabe o que fazemos aqui”.

“tornam o complexo em simples”.

“parabéns! Você sabe nosso slogan de marketing“.

“desculpa”.

“ escute bem nosso...”. Desculpa moça que não sei o nome, sei que se esforçou para explicar tudo, mas meio que não lembro de nada.

“ok”. Finjo ter entendido.

“Tati relexa, está tão pilhada já de manhã, pode deixar que eu mostro tudo”.

“str. suzana! Tudo bem como preferir”.

“susi!”.

pude por fim relaxar um pouco ao ver um rosto familiar, achei que seria esmagado pelo ambiente antes mesmo de começar.

A Propósito agora que parei para reparar esse escritório é bem amplo e bonito, atrás de mim fica à entrada do escritório, já na entrada havia uma sala de reuniões com clientes, do meu lado algumas mesas individuais por funcionário, acho, tinha também ao fundo da sala uma local separada, creio que para algum tipo de chefe ou gerente, podia ver também janelas bem grande para iluminar e refrescar o ambiente de forma a torná-lo agradável. Realmente era um bom lugar, tanto que gostei tanto do interior que por um segundo tive a impressão de que as coisas dariam certo, desnecessário dizer que esse não foi o caso.

“Iky, eu sei que você foi dormir tarde ontem, mas não deveria se atrasar, além de que faça um trabalho melhor escondendo seu sono, pelo menos esconda as olheiras”. ela disse bem calma, então acho que está tudo bem.

“desculpa, podia jurar que estava escondendo bem. Mas e você não está com sono, como é que consegue estar tão animada de manhã e ter tido energia para se arrumar tão bem?”.

“você acha que estou bonita, hehehe! Agradeço o elogio. Respondendo a pergunta é simples cheguei em casa tirei um cochilo e vim aqui às pressas, na verdade tenho sorte por morar aqui perto se não teria me atrasado, não fiz nada demais”.

Assim podemos ver que ela não é humana, como fui acabar sendo amigo de um monstro.

“agora falando sobre o assunto principal, já conhece minha empresa, né?”.

“claro, quem não?”.

“ok, basicamente seu trabalho vai ser gerenciar uma equipe de novatos e…”.

“espera, gerenciar!?”

“sim”.

“mas…”.

“ué, por que não? Você não disse que daria seu melhor assim que conseguisse um emprego”. Susi disse com um sorriso irônico, como quem diz que tudo foi como planejado.

“é, mas eu vou acabar estragando tudo, não seria melhor deixar para outra pessoa”.

“claro, não se preocupe não vou te obrigar a nada, tenho um motorista preparado para te levar para a ponte mais próxima se estiver interessado”.

“não, não , por favor me fale os detalhes e aceito, absolutamente eu aceito!”.

“sério! Ainda bem, fico feliz”. Ela responde com um sorriso puro e inocente, aparentemente ela estudou teatro depois de ser adotada.

“hahaha”. Rio de maneira forçada, melhor do que chorar, espero.

“bem você vai ser responsável por esse escritório, apesar do lugar ser grande, você estará encargo de uma equipe de apenas 5, ok?”.

“....”

“Seu objetivo é ajudá-los a se acostumar com o ambiente e outros membros da equipe, já que acabaram de ser contratados, êh... Acho que tinha mais alguma coisa que esqueci”.

“str. Suzana, esqueceu de dizer que se ele fizer um bom trabalho esse ano, pode fazer o que quiser e vai esquecer tudo que já gastou com ele, os médicos, fiança e outras coisas, além do mais não quero te interromper, mas se não formos logo você se atrasará para a reunião das 8:00”. A secretária relembra Susi.

“verdade, valeu por me lembrar”. Ela responde sua secretária , então se vira para mim, me dá uns papéis e fala.

“bem você ouviu, boa sorte e toma as fichas dos novos empregados, eles devem chegar e mais ou menos meia hora, até mais”.

Ela rapidamente saiu junto a sua secretária sem nem olhar para trás, suspiro! Já nem sei mais como reagir.

Bem pensei em começar lendo os papeis, tinha todo tipo de informação como endereço, me senti até um stalker, me pergunto como obtiveram todos esses dados, havia até alguns detalhes sobre suas famílias, personalidades, cursos, além de claro histórico escolar e universitário, que como o esperados eram impressionantes, todos tinham formação de ponta.

Porém no fim mesmo que sejam competentes, sem um bom gerente não acho que dará certo, mas agora só posso esperar que o fim do ano, venha logo 31 de dezembro! Mudei de ideia adoro ano novo a partir de hoje.

em um caro

“str. suzane, por que vai dar o trabalho para ele, me parece um desmotivado e sem nenhum talento”.

“você está certa, foi uma decisão pessoal não profissional”.

“que inesperado! Str. Suzana, você costuma ser tão racional, pense um pouca nas consequências a nossa imagem, não poderíamos ter arrumado um cargo figurativo nesse caso, se possível reconsidere sua decisão.

“é egoísta, mas não pretendo mudar de ideia”.

“Posso perguntar por que fazer isso e quem é ele, te conheço a muito tempo e...” .

“claro, eu entendo sua dívida, já somos amigas a 14 anos, não tenho por que esconder algo. Ele é um conhecido meu de quando estava no orfanato, por isso, entende”.

“sim, você nunca gostou de falar sobre isso no passado, vou respeitar se ainda for o caso”.

“não precisa fazer essa cara triste, sabe muito bem que superei isso a muito tempo, afinal hoje em dia todos sabem sobre isso, até se tornou uma propaganda para melhorar minha imagem. Não tenho certeza do motivo de estar fazendo isso, como sabe depois de ser adotada não entrei mais em contato com meus antigos colegas, acabei me esquecendo de seus nomes e rostos, mas ele é uma das poucas coisas daquele lugar que sempre levei comigo, foi o garoto que me motivou e ajudou antes de qualquer pessoa, já falei dele”.

“eu imaginei que pudesse ser o caso, porém é uma pessoa completamente diferente de como o descreveu para mim e achei que tivesse perdido o contato com ele pra sempre”.

“metade do que contei foi romantização, mas também não sei o que aconteceu esses anos. Durante uma crise de criatividade acabei lembrando dele e pedi para um de nossos técnicos descobrirem o que aconteceu com ele”.

“usando os trabalhadores da companhia por motivos pessoais, é? Estranho não fiquei sabendo disso, mocinha está mais egoísta agora que ficou rica”.

“hehehe.... Desculpa! Foi só dessa vez juro, não vou fazer de novo, por favor não fique me julgando com o olhar”.

“ok, continue a história, nós conversamos sobre isso mais tarde”.

“bem acabei descobrindo que ele foi preso, acabei ficando preocupada e senti que ainda devia algo a ele por tê-lo abandonado todo esse tempo, conhecendo-o soube que tinha lesões nos braços, acabei o ajudando a pagar fiança, operar e conseguir próteses para poder viver normalmente novamente, mas no final das contas ele parecia sem motivação, meio como se já tivesse desistido, ele é animado quando está conversando, só que é tão vazio, meio que sempre mantendo uma distância ”.

“então Su, você decidiu sem pensar duas vezes que essa seria a melhor opção, quando se tornou tão impulsiva”.

- “não foi impulsivo acredite em mim, mas devo ter te surpreendido, até mesmo usou aquele apelido que tinha abandonado a tanto tempo”.

- “erro meu, isso foi falta de respeito, des...”. Suzana então dá um peteleco na outra garota e diz:

- “eu não sou nenhum tipo de deus a ser respeitado, não precisa se preocupar com isso, al nas fala como quer, é minha amiga afinal, gosto desse apelido”.

1 de Outubro de 2020 às 13:17 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Janeiro

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 15 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!