C
C Clark Carbonera


Em 2018, participei de um Desafio pela Embaixada Brasileira e fiz um conto sobre uma árvore que cantava para um rio. Esse pequeno conto é a resposta-canção daquele rio. Espero que gostem :) Aqui é o link para o outro conto, caso a curiosidade grite nos ouvidos: https://getinkspired.com/pt/story/53707/a-arvore-ao-lado-do-rio/


Conto Todo o público. © Todos os direitos reservados

#vida #fantasia #literatura-brasileira #brazil #500-palavras
Conto
0
385 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

-


Em resposta para a Árvore ao lado, as Águas do Rio marolaram a seguinte canção em meio a minúsculos redemoinhos:

– Ah, esses passos de pés a nos visitar que acreditam terem cruzado terras e rios e mares e montanhas como que heróis a conquistar e conquistar, quando nada mais eram do que marionetes de suas próprias sombras e paixões, que levam-nos a amarrarem-se em seu braço sem qualquer compreensão de fato daquilo que os aflige! Oh, passaram por vales sem compreenderem o que tinham abaixo dos pés altivos e subalternos, sem se aperceberem como ser vale é necessário para se viver, pois que entre duas montanhas o que é que traz o equilíbrio da paisagem? Muitos desses nossos visitantes nos visitam, de fato, e quando não se prendem aos seus galhos para a fatalidade, mergulham seus pés ou a ponta dos dedos, acariciando minhas águas, desejando que o tempo flua com elas como minhas águas fluem comigo. Mas como podem desejar tal coisa, quando não sabem elas ser água nem vale? Vou-me aqui borbulhar uma dica para você, na espera de que possa sussurra-la com suas folhas para os desejosos de sapiência, já que alguns a escutam em melhor altura do que a mim: Eu sei onde, quando e como cada gota do meu ser penetrou. Viver e existir em tantos lugares ao mesmo tempo, sem me perder de minha essência é um dom a ser buscado por todos os seres que se prezem, e até por ti, minha cara, que ainda tem muitos caminhos por que fincar raízes. Querida árvore amiga, aprendeu tanto nesses anos todos aqui ao meu lado! Aprendeu a contemplar e amar minhas águas, a amar o que e é inconstante na sua fluidez e o que é fluido na sua inconstância. Sim, senti as passadas desse novo visitante, que parara brevemente para ver um sapo ao meu lado, lá no início de mim. Sendo assim, abrevio minha fuga a dizer-lhe somente mais isso: Tempo. Tempo. O que é o tempo senão mais uma roupagem líquida que nos serve? Canta para mim sobre isso que os homens causticam corações e mentes em busca árdua, com desejos fátuos e ignóbeis, a fim de controlar com suas mãos de sombras algo feito de luz cósmica! Pois bem, esse tempo virá, com certeza, da mesma maneira que minhas águas cairão interminavelmente por aquele morro logo mais, mas por ora fiquemos tal qual agora, a contemplar e amar nossa amizade e boa vizinhança, observando os passos daqueles que nos perseguem.

22 de Setembro de 2020 às 20:26 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Fim

Conheça o autor

C Clark Carbonera “A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.” Fã de carteirinha de Buffy - The Vampire Slayer.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

Desahogo en forma de cuentos Desahogo en forma de...
Me lo prometo Me lo prometo
Así te manipula la TV Así te manipula la TV