Contagem regressiva para a Copa dos Autores 2020. Registre-se agora e tenha a chance de ganhar prêmios!. Leia mais.
imperatore Icaro Imperatore

Uma fantasia feita para ser fluida e simples feita por um autor imprestável.


Fantasia Épico Todo o público.

#32816
0
602 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

O traidor do trono

Mais uma caminhada pelos corredores silenciosos do castelo, onde tudo o que se via eram as extensas paredes compostas por blocos maciços de pedras opacas, e o único som que se ouvia era das ondas e das rajadas de vento que entravam pelas frestas das paredes desgastadas pelo tempo.


Ele dava passos firmes e decididos, mas sem emitir nenhum só ruído, técnica adquirida em um mosteiro, ensinada pelo seu segundo mestre, e reforçada pelas bruxas dos pântanos do Sul no curto período que passou com elas nas terras do Leste.


A tarefa que iria desempenhar hoje necessitava de sigilo e não poderia ter nenhuma margem de erro.


Boa parte de seu treinamento nos anos anteriores foi para que, em uma fração de minutos, tudo pudesse seguir conforme o planejado.


Enquanto ele aproximava-se de seu objetivo, ia esvaziando sua mente até que não houvesse mais nada, exceto uma junção de movimentos corporais precisos como uma coreografia de dança.


Ele chega finalmente a uma porta, e abrindo-a sorrateiramente, entra na penumbra do quarto.


Não se enxerga muito na escuridão, com a exceção de uma grande cama com um corpo coberto que ali repousa, iluminado pela chama frágil de uma vela e pela luz do luar que adentra por uma janela entreaberta.


Ele se detém alguns segundos analisando o quarto, para depois continuar a se aproximar da cama.


Ele para ao lado da vela e puxa algo de suas vestes, movimentando-se em uma velocidade perturbadoramente assustadora, e quando ele posiciona tal objeto levantando-o acima de sua cabeça, por uma fração de segundos a luz do luar o ilumina revelando uma pequena adaga, que corta o ar em direção ao corpo inerte na cama até acerta-lo.


Ouve-se um som abafado de perfuração, e o silêncio cai por alguns segundos, para ser logo substituído por um longo e estridente grito de dor e pavor que se espalha pelo quarto e é carregado pelo vento para o resto do castelo.


O silêncio que habitava os corredores do castelo agora é tomado pelo barulho crescente de passos frenéticos que correm em direção ao grito.


Ele sai o mais rápido possível do quarto e corre em direção as escadas, rumo a torre mais alta do castelo.


Ele percorre tal caminho utilizando todas as suas forças até atingir o topo da escadaria, chegando a uma porta trancada, que não teria sido problema em outra situação, mas com o crescente som de seus perseguidores se aproximando torna-se uma tarefa desesperadora.


Ele perde alguns segundos preciosos, mas finalmente faz a tranca ceder.


Assim que abre a porta, sente o ar frio e o som das ondas do mar, que parece ser mais alto ali.

Ele aproxima-se ofegante do parapeito da torre, ficando de costas para o barulho do mar, encarando a porta a espera de seus perseguidores.


Logo o som suavemente abafado de vozes e passos chega a porta, e em seguida ela cede. Cinco figuras surgem, quatro delas vestindo armaduras e uma enrolada em um espesso manto. Três dos que vestem armaduras portam longas espadas e o último deles possui um arco e uma adaga comprida. Os três portadores de espada investem contra o misterioso encapuzado, enquanto o arqueiro parece concentrar-se em proteger o homem de manto.


Ele puxa uma espada curta enquanto espera os três guardas se aproximarem. Muitos pensariam que a desvantagem numérica influenciaria na pequena batalha, mas para o encapuzado parece não haver diferença, em questão de segundos três corpos de armadura jazem no chão.


Quando ele se vira novamente para encarar os outros dois, uma flecha atravessa o ar e se crava em seu ombro. Ele cambaleia até o parapeito, com sangue escorrendo pelo seu braço, e então olha para cima e pela primeira vez na noite repara nas estrelas que brilham num céu parcialmente nublado.


Enquanto ele olha para cima, seu capuz escorrega revelando o rosto até então oculto. Ele volta sua visão e agora encara seu amigo segurando um arco apontado em sua direção, e seu jovem rei envolto em um pesado manto enquanto segura um pano para estancar um sangramento em seu dorso, e os vários guardas que vem surgindo pela porta aberta.


Todos param por alguns segundos, estarrecidos quando finalmente veem o rosto do encapuzado, que aproveita esse tempo para subir rapidamente no parapeito. Encara mais uma vez os dois rostos conhecidos em meio as armaduras, e sorri, para logo em seguida se jogar na penumbra um abismo negro.


Ouve-se um grito, enquanto um corpo cai, preenchido pelo silêncio, aquele maldito silêncio, e logo volta-se a ouvir o vento e o vem e vai das ondas.


As ondas...


12 de Agosto de 2020 às 22:44 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Continua… Novo capítulo A cada 10 dias.

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~