palomaleroy Paloma leroy

Voces vão conhecer Eliza Shefold uma jovem de 20 anos que vive no ano de 1790. Eliza vive uma vida feliz e tranquila ao lado de sua família muito amorosa e está a alguns dias de um casamento arranjado, ainda assim considera-se com sorte pois ela e o noivo diferente da grande maioria dos casamentos arranjados se gostam. Em uma festa tradicional em sua cidade ganha de presente um lindo colar, porém nem desconfia que se trata de um colar mágico que a fara viajar no tempo, mais precisamente para 2019. Esse acontecimento inusitado faz Eliza questionar se está realmente vivendo a vida que gostaria. O que Eliza ira escolher ? Fazer o que todos esperam dela ou pela primeira vez seguir seu coração e buscar sua felicidade. #alguns acontecimentos não acompanham a época, inclusive o vocabulário.


Romance Suspense romântico Todo o público.

#amor #aventura #amizade #casamento-arranjado #viagem-no-tempo #triangulo-amoroso #amuleto-magico
2
677 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Domingos
tempo de leitura
AA Compartilhar

cap 1- dias tranquilos

Eu diria que Eliza é uma garota de sorte, e acordou especialmente disposta. Tomou seu banho, escolheu um vestido azul claro e enquanto se vestia pensou em como o dia estava lindo e ensolarado.

Prendeu seus cabelos em um longo rabo de cavalo e por fim gostou do que viu.

Tinha muito o que fazer hoje! Começava todos os dias da mesma forma, tomando o café da manhã com seus pais Rose e Antony Shefold. Que inclusive já estavam sentados à mesa.

Eliza parou no espaço entre a cadeira dos dois, e os abraçou.

— Bom dia – disse com um sorriso no rosto.

— Bom dia meu amor – responder juntos, o que foi um motivo de risadas.

Os momentos com sua família eram sempre muito descontraídos, e a sintonia entre seus pais era clara. Naquele momento Eliza se perguntou se também seria assim com Phellipe. Sentou-se na mesa ao lado de seu pai e escolheu provar o bolo que sua mãe havia feito.

— O bolo está uma delícia mãe, não sei como vou me acostumar a ficar sem isso.

— Não precisa se acostumar a ficar sem, pode comer meus bolos sempre que quiser, estaremos sempre juntas e isso não vai mudar.

— E certamente você cozinha tão bem quanto sua mãe - foi a vez de Antony se manifestar.

— Para o bem de Phellipe espero mesmo que sim .

—Tenho certeza que fará até melhor que eu meu amor.

Era impossível não acreditar em algo que Rose falava, sua doçura era comovente.

—Nós vamos a festa de hoje certo? – perguntou Eliza.

—Claro, estamos todos animados não é mesmo? – disse Rose olhando para Antony.

— Na verdade nunca fico animado com essas festas , mas como diria não para as mulheres da minha vida não é mesmo?

— Verdade, não tem como. –Eliza disse com o ar brincalhão — trate-se de se animar.

Dizendo isso se levantou e deu um beijo em seus pais.

— Eliza você mal comeu e já está saindo, porque a pressa ?

— Mamãe eu…

então o pai a interrompeu.

— Deixe-me adivinhar, Phellipe ou Sophie? Qual dos dois está te esperando?

— Na verdade os dois papai, vou indo... Amo vocês... Ah não volto pro almoço.– disse já fechando a porta.

Ao sair de casa reparou que a rua estava mais movimentada que o normal. Esse era o efeito que a festa das flores causava nas pessoas. Estavam todos animados enfeitando as janelas e as ruas , separando suas melhores roupas para a festa, que aconteceria à noite . Para Eliza essa era a melhor época do ano.

Logo avistou Phellipe ,que vinha segurando um punhado de flores. Ele adorava esse tipo de coisa, sempre estava tentando agradar, era uma das coisas que mais amava nele.

Eliza parou de caminhar para observar seu noivo e ficou admirando a forma como andava, o seu sorriso, a forma como seus cabelos ruivos se destacava na multidão.

—Meu amor! – Phellipe se aproximou e abraçou carinhosamente.

— Que saudade , não te vejo a quanto tempo? Quase um dia. –Brincou ela

—Quase isso. –Sorriu e segurou nas mãos de Eliza. —Trouxe flores!

Era um buquê de flores do campo bastante colorido

—São lindas! obrigada.

— Combinam com você!

Eliza sorriu, mas desviou os olhos de seu noivo.

—O que foi ? Ficou distante de repente, fiz algo?

— Não não..só estou aqui pensando que faltam apenas três dias pro nosso casamento.

— E isso é ruim ? Porque não vejo a hora de me casar com você. – disse tocando-lhe o rosto a fazendo olhar de novo em seus olhos

— Não! De forma alguma meu amor.. Também não vejo a hora de me casar com você. – sorriu tentando tranquilizar o noivo. — É só que..

Não puderam terminar aquela conversa porque Sophia (melhor amiga de Eliza ) apareceu, e como de costume se colocou entre os dois sem se preocupar em atrapalhar.

— Olá como estão ?

Sem esperar resposta, continuou.

— Espero que bem porque tenho muito o que falar.

Eles se encararam por alguns segundos

— Estamos bem. Fale, queremos muito ouvir, não é mesmo Phellipe?

— Claro!

o que soou bem menos espontâneo do que ele planejou.

Então Sophia não parou mais de falar, provavelmente o dia todo seria assim. E na verdade Eliza ficou grata por aquilo , não queria terminar aquela conversa com Phellipe. Pelo menos não agora.

12 de Agosto de 2020 às 03:17 0 Denunciar Insira Seguir história
2
Leia o próximo capítulo festa das flores

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 3 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas