Contagem regressiva para a Copa dos Autores 2020. Registre-se agora e tenha a chance de ganhar prêmios!. Leia mais.
msparkinson LM Lisboa

Lucille “Lucy” Blake é uma Auror em decadência. Após um acidente que lhe deixou incapacitada de exercer sua profissão adequadamente, foi mandada para a parte administrativa do departamento. Sofrendo com pesadelos frequentes e perseguida por demônios, a mulher de vinte e cinco anos luta para encontrar seu lugar no mundo e não se afogar na maré de problemas que é sua vida. Quando é nomeada a nova Ministra da Magia, toda Inglaterra fica tensa. Uma nascida-trouxa, pela primeira vez em toda existência do governo, iria assumir o poder. E aquilo não agradou muitas pessoas. Assim é criada “Imperium”, a organização secreta responsável por dividir o mundo bruxo mais uma vez, trazendo escuridão para tempos de aparente paz. Assassinatos por todo mundo bruxo começam a ocorrer, todas vítimas sendo influentes e com certo poder de decisão. O culpado? Nyx, de identidade não reconhecida, uma assassina fria associada à organização. O que aconteceria se a vida de Lucretia virasse uma caçada letal? O tempo estava acabando, lados devem ser tomados. Uma Auror presa nos próprios pesadelos e uma assassina que deixa rastros de sangue com mais segredos que alguém poderia carregar. Ao cair da noite, os dois lados da moeda começam a jogar.


Fanfiction Livros Para maiores de 18 apenas.

#killing-eve #inspirado-em-killing-eve #ao-cair-da-noite #astoria-greengrass #draco-malfoy #lgbtq #hermione-granger #personagens-originais #harry-potter
1
647 VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

Bocejou pela quinquagésima vez naquele mesmo fatídico dia. Já passavam das cinco da tarde e os inúmeros papéis em cima de sua mesa jaziam muito bem organizados e assinados. Largou a pena no tinteiro e espreguiçou-se. As mãos estavam cobertas por luvas, deixando apenas os dedos finos e longos de fora. O emblema de Auror na jaqueta estava desalinhado, mas quem ligava?

Sua mesa de trabalho ficava em uma sala fechada no Departamento de Aurores, a única desse estilo com exceção da do chefe. Tinha até uma plaquinha na porta! “Mrs. Blake, Arquivos”, era perfeito. Se alguém de fato viesse até sua sala para algo importante que não fosse apenas entregar relatórios.

O único ponto positivo e até animador era que trabalhava diretamente para o Chefe do Departamento de Aurores, o famoso Harry Potter. Não que aquilo fosse realmente bom, mas poder falar com um herói de guerra era mais do que o esperado para uma vida profissional. Especialmente sendo Auror.

Pegou um pequeno frasco de vidro em uma das gavetas. Destampou-o e bebeu o líquido de uma vez só. O líquido forte desceu rasgando sua garganta e, pelo costume, não fez uma careta. Que o Senhor Potter nunca a pegasse fazendo aquilo. Direcionou seu olhar para sua varinha no bolso interno da jaqueta. Fazia quanto tempo que não a usava apropriadamente?

Suspirou novamente, agarrando a pena para assinar mais relatórios que depois seriam encaminhados para o chefe. Quando a ponta da pena iria encostar no papel, uma enorme explosão chacoalhou o local. Sua mesa tremeu e os papéis caíram no chão, segurou-se no lugar.

Mas que merda fora aquela?

Escutou gritos raivosos de Harry Potter do lado de fora. Barulho de feitiços e gemidos de dor. Seu coração batia forte contra seu peito. Um ataque. Por que justo naquele dia? O que tinha de tão especial em uma segunda feira sem graça?

Ela tinha que erguera varinha e sair daquela sala. Lutar por seus colegas de trabalho e pelos outros presentes no Ministério. Por que raios ela não se mexia? Suas pernas tremiam feito uma covarde. As memórias de um trauma passado invadiram sua mente com violência. Sentiu seu braço direito fisgar.

Ela não se mexia, porque aquele escritório era seu porto seguro. Porque ela não tinha que se levantar e se meter em problemas. Por Merlin, ela não precisava nem de um emprego na verdade. A porta explodiu.

Fora jogada com força contra a parede de vidro. Ela deveria ter se mexido, mas para longe dali. Sua visão estava completamente turva e seus tímpanos estavam gritando de dor. Piscou várias vezes, mas a única coisa que conseguia ver era tudo duplo. Porém, tinha certeza que tinha um corpo ali, sujo de sangue e de fuligem. Aquele era oWatson?

Uma bota de caça apareceu em sua visão. Era verde? Suas costas doíam. Tentou se afastar dali, para longe de quem quer que fosse. Com certeza era inimigo. Logo sentiu um feitiço lhe suspender no ar pelo tornozelo. Levicorpus.

— Anjinho. — a voz melodiosa e britânica invadiu seus ouvidos ferrados. Era uma voz feminina. Piscou mais uma vez para tentar visualizar o rosto. Tinha cabelos escuros, não pôde dizer mais ou menos o formato, mas eram curtos. Seu rosto era indecifrável, apenas olhos penetrantes. Gemeu de dor. — Hmm…

A mulher desconhecida, com um perfume marcante, apenas continuou com a varinha erguida, enquanto seguia rapidamente para sua mesa virada e vasculhava alguma coisa. O que ela queria com relatórios? Sua visão foi melhorando. Onde estavam os outros? Os barulhos de gritos e feitiços continuavam.

Tentou alcançar sua varinha, mas a mulher lhe jogou contra a parede.

— Eu conheço você. — ouviu, enquanto sentia o braço dela envolto de um tecido vermelho, apertar seu pescoço. Ela era incrivelmente rápida. — Pensei que fosse a melhor duelista da década. Que desperdício.

Ergueu a mão para empurrá-la. Sua visão melhorando cada vez mais. Recebeu um chute no estômago. Estava tão mal assim?

— Q-Quem é você? — conseguiu murmurar. Sua falta de ar era um problema e sua covardia também. E, aparentemente, ainda estava apta para perguntas idiotas.

— Pensei que tivesse uma inteligência fora do comum. — sim, ela sabia que fora uma pergunta idiota, muito obrigada. Mulher irritante e com um perfume maravilhoso. — Pode me chamar de Nyx.

Espera. Nyx? Ela já tinha escutado aquele nome em algum lugar…Argh, por que foi beber justamente naquela segunda entediante? Quando sua visão normalizou, ergueu os olhos para encará-la. Botas de caça pretas que iam até o joelho e uma calça da mesma cor. Um blazer escarlate e nada por baixo. Era ousado. De quem queria chamar atenção. Quando foi encarar o rosto, viu apenas por segundos, antes de receber um chute no rosto e um único comunicado:

Au Revoir*, princesa das serpentes.

Lucille Blake não ouvia aquele apelido há anos. E lá vinha Nyx, que depois saberia que era a mulher misteriosa e mais procurada da Europa.

9 de Agosto de 2020 às 14:41 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Continua…

Conheça o autor

LM Lisboa | 19y | Queer | Escritora nas horas vagas | Conta Spirit: msparkinson

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Histórias relacionadas

Mais histórias

Banshee Banshee
Tell me a secret Tell me a secret
Poções Poções