Contagem regressiva para a Copa dos Autores 2020. Registre-se agora e tenha a chance de ganhar prêmios!. Leia mais.
lara_sassenach Lara Marques

Esta é a história de Bryan Dorsey, um garoto de 17 anos que esta cursando o segundo ano do ensino médio e que se vê em um momento complicado de sua vida, ele terá de resolver seus problemas familiares, saber quem são seus amigos de verdade e quem está interessado apenas no seu dinheiro e popularidade e quando ele acha que está tudo acabado uma simples garota aparece em sua vida e o ensina o que sentimento de verdade e o transforma, ele sente uma paixão avassaladora como nunca sentiu antes e ela terá de enfrentar amigas dele que a rebaixam por ela não ter status nem dinheiro, e ela mostrará sua real força.


Romance Romance adulto jovem Todo o público.

#AmorJovem #BryanDorsey #UmNovoAmor
5
1.0mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Segundas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Quando comecei

Chovia forte naquela noite, gotículas geladas de água escorriam pelo meu rosto mas não deixei nem uma lágrima sequer escorrer, meus pés se arrastavam lentamente pelo asfalto negro e molhado, a rua estava pouco iluminada pela luz da lua e meus pensamentos estavam quietos, apenas observações do momento assolavam minha mente. Já era tarde quando decidi entrar em um bar de esquina, haviam poucos clientes e mesmo assim parecia estar agitado com gargalhadas e brincadeiras dos homens a volta; me sento no banco a frente do barmen, coloco os braços sobre o balcão e apoio a cabeça em meus braços e permaneço assim por alguns segundos, ergo meu pescoço e com um longo e pesado suspiro peço uma bebida ao homem velho a minha frente, hoje tinha sido um dia difícil, repleto de complicações, estou cursando o segundo ano do ensino médio e qualquer um diria que tenho uma vida perfeita e que não devo reclamar, pelo fato de meus pais terem dinheiro e um bom trabalho, eu estudar em um colégio particular e ter diversos amigos na escola mas é aquele tipo de amizade sem confiança é apenas parceria para festas, eu sou capitão do time de futebol e esse é mais um dos motivos de eu ter tantos "amigos" assim, me chamo Bryan Dorsey e tenho 17 anos, tenho uma irmã de 15 anos chamada Luna Dorsey ela tem cabelos castanhos escuros e olhos verdes, diferente de mim que tenho o cabelo loiro mas os olhos são os mesmos, ela é bem rebelde na escola e tenho que estar sempre defendendo-a como aconteceu à pouco, ela estava de papo com um cara da minha turma, ele faz parte do time mas nunca falei muito com ele até porque ele sempre estava na companhia de meninas mais novas que ele e eu sempre achei isso não muito legal, os dois andavam conversando mas ele nunca parou de ir para trás da arquibancada com outras meninas e eu sabia como iria terminar isso, Luna arriscava mas ela sempre foi sensível e tímida, apenas se fazia de durona e hoje após o jogo ele levou ela para o mesmo lugar onde leva as outras, eu me demorei falando com o treinador sobre uma nova abordagem no próximo jogo e depois quando estava a caminho do vestiário vi as amigas dela reunidas aos cochichos, me aproximei e escutei as reclamações da minha irmã ela pedia para ele se afastar e sua voz tinha um leve tom de medo, foi quando apareci e ele tentava erguer sua blusa com um largo sorriso no rosto e com uma onda de fúria fui para cima dele o derrubando no chão, fechei o punho e lhe dei três socos no rosto, quando me virei Luna já estava em lágrimas e me abraçou pedindo desculpas, aquela cena tocou meu coração eu queria largá-la e quebrar a cara daquele miserável mas sentia como se, se eu me afastasse dela ela iria se despedaçar como uma leve porcelana, deixei ele ali e levei-a direto para casa, ela se encolheu no banco carona da minha caminhonete e assim ficou, soluçando sentindo uma tremenda culpa por mais que não fosse dela e sabia que isso geraria comentários no dia seguinte, eu não tinha como confortá-la mais; chegando em casa ela subiu as escadas correndo e foi direto para o quarto e eu tomar um banho, respirei fundo diversas vezes para a raiva passar mas toda vez que lembrava da cena ela voltava com cada vez mais força e domínio sobre mim, subi para o meu quarto e quando passei pelo dela podia ouvir seu choro e minha mãe tentava consolá-la, me arrumei e desci para a cozinha onde meu pai estava com os braços cruzados e um olhar sério sobre mim.

- O Que foi? - perguntei passando por ele.

- O que aconteceu hoje? - ele se virou para mim.

- Com Luna?

- Não, com o garoto que você espancou.

Eu fiquei pasmo com aquela pergunta.

- É o garoto que tentou abusar Luna, abusar a sua filha! Ele teve o que mereceu.

- O garoto se chama Greg, ele é filho do dono da companhia de vinhos que minha empresa tenta a anos comprar uma parte e hoje você surrou a cara do filho dele!

- Você não ouviu o que eu falei? Ele tentou abusar de SUA FILHA! O que eu deveria ter feito...apenas ignorar?

- É teria sido melhor do que isso, agora quero ver como vou ganhar a confiança dele de novo...

Naquele momento eu senti vontade de socar a cara dele, do meu próprio pai, ele iria se rebaixar para o pai de um garoto que tentou abusar da própria filha dele.

- Você não ouviu o que eu falei? Greg tentou...

- EU SEI! -Ele gritou- Mas ela está bem, logo se recupera disso e talvez, quem sabe até o perdoe e os dois acabam descobrindo que tem muita coisa em comum...

Fiquei enojado com o homem que estava a minha frente.

- Bryan...você terá que se desculpar com ele.

- Você só pode estar de brincadeira comigo - dei uma risada forçada.

Seus olhos voltaram a se escurecer.

- ISSO NÃO FOI UM PEDIDO! - Ele gritou.

- E EU NUNCA VOU ME DESCULPAR! - Falei no mesmo tom. - Tudo pra você é dinheiro não é Senhor Dorsey?! Eu tenho nojo de você.

Ele me agarrou pela camisa e me empurrou contra o armário pressionando o cotovelo em meu pescoço.

- NÃO ME TESTE MULEQUE!

Com uma mão livre lhe dou um soco nas costelas o que faz ele me soltar e tombar para trás.

- JÁ CHEGA! - Gritou minha mãe entrando na cozinha com a mão no peito.

Dou uma última olhada para ele e saio, pego minha jaqueta sobre a mesinha ao lado da porta e saio. Meu pai sempre se importou mais com os negócios e com o dinheiro do que com a família.

A bebida descia quente pela minha garganta, meu cabelo ainda pingava água e já deveria ser uma 02:00 hrs da manhã, só tinha meu celular no bolso e uma boa quantia de dinheiro na minha carteira; tomei mais um copo depois daquele, paguei e sai. Mandei mensagem para Luke meu amigo mais próximo para ele me buscar e deixar eu ficar na casa dele e por sorte ele disse que já estava na rua a caminho de casa e podia passar para me pegar; a chuva já havia parado quando escutei uma voz vindo do beco ao lado do bar, de início eu ignorei mas suas reclamações chamavam minha atenção.

- Eu não acredito... eles deveriam fazer esses latões menores...

Escuto um barulho de vidro quebrando.

- É exatamente isso que estou falando!

Me aproximo e fico escorado na parede observando a situação, era uma menina que provavelmente trabalhava no bar, ela tentava jogar um lixo fora mas sua altura não a ajudava e haviam estilhaços de garrafas espalhados pelo chão e ela estava agachada tentando juntá-los.

- Ai! Que droga. - ela pestanejou.

- Quer alguma ajudar? - perguntei me aproximando.

Ela levantou depressa com os olhos arregalados, uma leve luminosidade me ajudou a ver que eram olhos castanhos, claros como o âmbar. Ela segurava a mão que parecia cortada.

- Deixe-me ajudar, eu junto pra você.

Me abaixei e comecei a juntar com cuidado, os reuni sobre o saco rasgado e com um movimento rápido os joguei dentro do latão.

- Ah...obrigada, me desculpe o incomodo senhor. - Ela disse mais tranquila.

- Não foi incomodo algum, você se machucou?

- A não, está tudo bem, eu já vou colocar um curativo... isso não é nada. - Ela foi se afastando. - Bom, muito obrigada mas tenho que voltar ao trabalho.

- E como você se chama? - Perguntei.

Foi quando Luke buzinou atrás de mim já abaixando o vidro, quando volto a olhá-la ela sorriu e entrou na porta lateral do bar sem responder minha pergunta. Quando entro no carro Luke está me olhando serrando o olhar.

- O que foi? - Pergunto.

- Quem é aquela?

- Ninguém importante... Vamos.

Mas aquele sorriso havia mexido comigo, mesmo sem eu saber seu nome, ela era importante.

8 de Agosto de 2020 às 22:05 2 Denunciar Insira Seguir história
5
Leia o próximo capítulo Quem é ela?

Comentar algo

Publique!
MM Maria Marques
Está ficando interessante!!
August 10, 2020, 14:14
Brida Marques Brida Marques
Bahhhh muito bom. Tem futuro
August 09, 2020, 15:47
WC Weslei Coelho
A história tá muito boa!. Tô curioso pra saber oque vem pela frente...
August 09, 2020, 02:22
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!