Contagem regressiva para a Copa dos Autores 2020. Registre-se agora e tenha a chance de ganhar prêmios!. Leia mais.
val_son_chichi1596535884 Valquíria

Em uma aldeia muito, muito distante nascia uma criança que foi dada como morta, mas aí que surge algo realmente inesperado, uma lenda que ninguém já mais viu e que pode não ser apenas uma lenda.


Conto Todo o público.

#imaginação #criaçãodelenda #lendas #oneshot #original
Conto
1
758 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capitulo único

Em um país muito conhecido por ter tirados negos para ser levados as terras das américas para ser escravos bem no meio de estado chamado Nigéria, escondido de toda a população humana havia uma tribo de negros chamados Oriene.

Nessa tribo o rei tinha descoberto muitas riquezas que ele não sabia que eram riquezas, mas para ele era e seu povo sempre era próspero e escondido de toda a humanidade onde só tinha acesso por eles mesmo por trilhas e barcos pequenos que eles utilizavam para pescar, caçar, procurar pedras bonitas para os adereços das mulheres da aldeia e se locomover pela mata.

Poderia acessar por céu, mas a época ainda não existia helicópteros, nem carro, nem aviões. Mal haviam barcos motorizados e os que tinham eram construídos por esses negros que viviam nessa tribo, tudo era novo para eles e então e nesse momento que começa a lenda.

Em uma noite de lua cheia com o céu carregado de estrelas Mariene sente forte dores e começa a entrar em trabalho de parto o rei seu esposo Obae fica preocupado e manda chamar a parteira da tribo e logo a mesma chega em sua cabana para fazer o parto.

Todos da aldeia estavam ansiosos para a chegada do filho do rei da aldeia.

Após algumas horas a Mariene dá à luz a duas crianças, uma negra como a escuridão da noite sem nenhuma estrela e a outra branca como as nuvens do céu durante o dia.

A parteira entregou as meninas gemias a Mariene e o rei então disse:

- E certo o que eu estou vendo? – ele perguntou em um linguajar africano que só eles compreendiam.

- Eu não sei, melhor chamar o curandeiro da aldeia – ela olhou a Mariene cuidando das filhas e mesmo que fossem diferentes ela as amava igual.

Não demorou muito o curandeiro chegou à cabana do rei e viu as garotas no colo de Mariene mamando.

Ele ficou muito assustado afinal nunca tinha visto isso acontecer durante sua vida e olha que já vivera muito.

- Essa garota não pode ficar aqui, é um mal presságio dos deuses, se ela ficar causara catástrofe em nossa aldeia. – o curandeiro da aldeia falou junto a Mariene.

- Como uma criança pode trazer catástrofe? – ela ficou meio sem saber.

- Magestade essa criança que não é negra não pode ficar na aldeia é um mal presságio.

Mariene olhou seu marido e ele nunca deixava de ouvir o curandeiro e pediu para que todos saíssem e os deixassem a sós.

- Minha amada, não sabemos o que isso significa, temos que ouvir o curandeiro, ele sabe das coisas.

- Mais meu amor ela também é nossa filha – ela passou sua mão no rosto da menina e ela abriu os olhos mostrando o azul da cor do céu.

- Olha esses olhos, são estranhos, a cor dela também é estranha, não sabemos o que os deuses pretendem, mas melhor não deixa-lá aqui.

Mariene deixou uma lagrima cair em seus olhos e afagou a menininha recém nascida.

- Eu te amo mesmo você sendo de cor diferente – ela entregou para o marido e o mesmo colocou em uma cesta e saiu a noite levando a criança pela mata sem saber o rumo que ia tomar a menina.

****

O rei caminhou por uma trilha por hora e horas que o dia já havia amanhecido e então colocou o cesto em formato de barco no rio.

- Nos perdoe minha menina, se cuida e fica bem e que um dia o ciclo possa trazer você de volta.

O rei colocou a criança no rio e ela começou a ser levada o rei retornou a sua aldeia com a fé de que nada de mal poderia acontecer.

Depois ele caminhou de volta pela trilha e quando chegou novamente a aldeia já estava escurecendo.

Ele entrou em sua cabana e viu sua esposa amamentar a outra criança e disse:

- Será que foi certo?

- Eu não sei meu amor, mas eu a amo independente de como ela tinha nascido – Mariene chorou copiosa no ombro do marido.

****

O cesto barco navegou rio abaixo sem rumo, com o choro de uma criança ecoando pela floresta, foram dias, noites e a criança com fome, sede e suja e logo ela encostou em uma barragem com uma casa solitária e foi nela que a criança encontrou uma senhora que ouviu seu choro e caminhou até a barragem e a pegou a olhando.

- Oh! Como uma garota branca esta em meio os negros em – ela sorriu balançando a garota em seus braços e começou a cuidar dela.

A mulher era uma velha bruxa negra que morava sozinha e começou a cuidar do bebê deu ate um nome a ela Yonarxim aquela que vem do rio.

O tempo foi se passando e Yonarxim foi crescendo e mudando a cor da sua pele para um moreno mais acentuado e tomando belas curvas, além de ficar com seus belos olhos azuis que lembrava o seu. Ela aprendeu vários tipos de cura com aquela senhora, mas com o tempo descobriu que tinha um poder oculto o poder de sensualizar, fertilizar, além de saber decifrar qualquer tipo de pedra preciosa sem saber se era realmente valiosa, além de dominar todos os rios e cachoeiras do local, ela pode trazer o sol e a chuva quando ela bem entender.

******

Na aldeia Yansanai também crescia alegre com a família real que continuava do mesmo modo, porém Mariene nunca esquecera a filha que por ser diferente poderia ser um mal presságio e naquela noite ela olhava o céu negro carregado de estrelas orando para que sua menina estivesse bem e a salva, afinal ela a amava, e nunca deixou de ama-lá mesmo que não pudesse ter ao seu lado e o rei vendo ali olhando as estrelas disse:

- Quem sabe ela não vire uma Deusa bela e olhe por nós – Mariene abraça o seu marido Obae com um sorriso nos lábios pensando que sua filha poderia ser uma deusa e poderia olhar por eles.

*******

Muitos anos se passaram e o rei perto de morrer ouviu sobre a lenda de uma deusa chamada Yonarxim.

A lenda diz que é uma deusa que foi enviada aquela tribo para trazer prosperidade e abonança aquele povo, mas o rei ficou com medo de sua cor diferente, afinal não conhecia, não sabia, não existia ninguém ali de olhos azuis e pele morena cor de jambo mas que tinha nascido branca como leite.

Yonarxim ficou isolada nessa casa até descobrirem que ela era uma deusa mandada por um deus chamado Galion para ajudar o rei Obae, por ele ser muito generoso com seu povo, mas agora Yonarxim é do povo de toda a Nigeria e ajuda com os seus poderes todos que precisam e vai onde eles a chamam, para curas, para acolher as crianças que nascem e quem chama ela colhe com amor e sabedoria para cuidar, afinal era fora acolhida em um lugar que ela jamais imaginava que ela fosse parar.

6 de Agosto de 2020 às 21:03 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~