dan-yanagashi1550698773 D.Y Holland

Matthew é um jovem de 17 anos que tem sua vida arruinada após uma nude sua vazar em sua escola, devido a esse fato o garoto junto a sua família mudam de cidade. Após a família se mudar para uma pequena cidade no sul da califórnia os pais do jovem tentam se reaproximar dele e reverter tal situação, porém o que eles e nem Matthew contava era que uma garota amante da cultura geek assim como ele pudesse surgir nos caminhos do garoto em sua nova escola e vida. Alicia conseguiria mudar o modo e vida de Matthew atualmente após perder a confiança das pessoas tanto na vida real quanto virtual ? Cheio de referencias da cultura geek/nerd Loveek trata assuntos como exposição de fotos nas redes sociais, problemas familiares, descriminação de estilos e bullying.


Romance Romance adulto jovem Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#gamer #namoro-gamer #namoro-nerd #kpop #namoro-geek #superação #romance-teen #romance-geek #lisa-blackpink #adolescente #teen[ #high-school #namoro #romance #nerd #geek #preconceito #bullying #aplicativo #nude #escola #ensino-medio #dylan-o-brien #lisa #blackpink
1
501 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Quartas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prefácio

Era para ser um dia, apenas mais um, como todos os outros que haviam passado, sem ser notado, visto, ou reconhecido por ninguém, assim como sempre foi a minha vida toda no ensino médio.

Mas havia algo diferente naquele dia, os olhares estavam centrados até demais na minha pessoa, eu não entendia o porquê ou o que ao certo estava causando aquilo.

Uma pena eu demorar demais, pois poderia ter evitado tudo aquilo, todo aquele sentimento, e toda a situação constrangedora que marcou meu último ano do ensino médio.

Mas isso apenas aconteceu por que eu permiti confiar em alguém, entregar o mais puro dos sentimentos, para alguém atrás de uma tela de celular, alguém ao qual dizia gostar de verdade de quem eu era.

Porém devido aquilo e tudo o que passei em 14 de outubro de 2009, que me fez ser mais fechado quando o assunto era AMOR.

- Olha lá se não é ele, o Romeu nerd da East High. – Apontava para mim Ethan enquanto falava alto para que todos olhassem, assim que coloquei os pés na sala de aula.

Fico nervoso com aquilo, mas havia me acostumado com a encheção de saco dele e de seu grupinho. Apenas ignoro aquilo e sigo caminho em direção a minha carteira, me sentando na mesma. Noto que os olhares da sala me seguiram e não desviaram em qualquer segundo de mim, para piorar eu sentia que os mesmos fofocavam algo, alguns riam enquanto olhavam para algo na tela do celular, fico nervoso com aquilo, meus pés começam a bater freneticamente contra o chão, um após o outro. Fico coçando a palma da minha mão passando meus olhos por cada rosto ali já conhecido por mim.

- Matthew amigão. – Era Ethan novamente, colocando suas mãos envolta meu pescoço enquanto os seus seguidores de mente fraca ficavam logo atrás dele observando a situação. Eu não estava sequer me importando com ele, já que queria saber o porquê de ser o centro das atenções naquele dia. – Sempre achei que você fosse Gay, mas com isso que foi vazado vi que você é pior...Covarde ? – Ele olha para os dois amigos deles que afirmam com a cabeça rindo. – Não sei ao certo como chamam alguém idiota que acha que chegar em uma garota na internet pode levar a mesma se apaixonar ou querer ser sua namorada. Você é idiota mesmo. – Diz ele rindo junto a algum na sala.

Fico em choque ao cair a ficha do que eles estavam falando, olho para ele me colocando de pé e digo dando uma risada sem graça e de descrença. – Do que está falando seu tonto ? Que garota ? Chegar ?

- Além de frouxo é mentiroso agora Summers ? – Ele ergue a tela do celular mostrando prints de conversas a qual eu estava tendo com Diana, pego o celular na mão dele e vou passando e vendo que ela pegou as conversas mais intimas nossas e jogou na internet, passando mais especificamente para todos de minha escola.

Entrego o celular para ele e pego minha bolsa com uma grande tristeza misturada a um sentimento de raiva e sigo em direção a saída da sala de aula, quando eu sinto algo me segurando, mas naquele momento eu não sabia que poderia ser meu professor ao qual eu passei do lado a poucos segundos.

Eu estava magoado e com raiva e aquilo me cegou, me fazendo agir apenas por esses dois sentimentos.

- Ele não fez isso. – Era só o que eu ouvi naquele momento do pessoal da sala, assim me fazendo cair a ficha e me dar por conta do que eu acabara de fazer.

Olho para meu punho direito fechado sentindo o mesmo dolorido e ganhando um tom vermelho. Olho então para a frente tendo a sensação do mundo ficar silencioso em poucos segundos.

Quando eu tento falar algo apenas sinto novamente minha bolsa sendo puxada de modo brusco pelo professor com um olhar furioso em seus olhos e sabia que estava bem encrencado a partir daquele momento, mesmo a culpa não sendo minha, eu com aquela atitude deixei a situação não tão boa para mim.

Eu apenas queria entender o porquê de alguém querer brincar com o sentimento de alguém, e o que pode fazer alguém a fazer algo do tipo, expor alguém que apenas falava com o mais puro e sincero dos sentimentos, achando que o mesmo era reciproco.

Poderia eu ter feito algo que a magoou ?

Aonde eu poderia ter errado ?

Era apenas isso que me rondava e cercava durante alguns longos e intermináveis meses. Até a discussões e castigos que consegui dentro do lar perfeito lar, mas isso vocês irão infelizmente presenciar, mas vamos começar pela mudança.

Após esse ocorrido In"felizmente" eu tive que me mudar, não tinha como eu ficar lá, voltar após a suspensão e lidar com os boatos que ainda rolavam na pequena cidade que eu morava não iria me ajudar em nada, fora que aquilo poderia me deixar nervoso e causar mais problemas a minha família, depois das conversas e desabafos que fiz com a pessoa errada eu não poderia questionar as atitudes e o que supostamente seria bom ou melhor para o todo. Acho que ela está feliz ao destruir uma fase nossa, pois não pensou em como isso não iria atingir só a mim, talvez sabia, as pessoas são más afinal, não todas, mas o dom de algumas é destruir a pouca felicidade da outra.

Após colocar tudo dentro do porta malas, vejo do lado de dentro do banco traseiro, meu pai conversando com alguém da imobiliária, vejo de relance não me importando com o que eles estavam falando ou fazendo. Antes de desembaraçar os fones que havia acabado de tirar de meus bolsos, levanto meu olhar ao escutar a voz de minha mãe no banco da frente.

- Não está triste querido ? – Pergunta ela confusa para mim ao ver que não esboçava tal sentimento com aquilo tudo.

- Não, por que da pergunta mãe ? – Digo levemente confuso e intrigado com a mesma.

- Depois de tudo você age como o de costume, não precisa guardar tudo para você, sabe disso não é mesmo ? – Agora ela parecia preocupada e tenta colocar suas mãos em meus cabelos rebeldes de cor castanha, me afasto de sua mão encostando no banco enquanto coloco os fones e falo em uma tentativa falha de convence-la que estava tudo bem.

- Por que eu deveria ficar triste ? Aqui nunca me senti acolhido ou fiz laços importantes, fique tranquila, esse é o menor dos problemas mãe. Eu sei me cuidar, não precisa se preocupar desnecessariamente comigo. – Digo aquilo contendo um pouco da irritação pela pergunta, toco com os dedos na tela de meu celular após colocar os fones e vejo que meu pai adentrara o carro naquele momento.

Não estava nem um pouco afim de escutar o papo chato deles de adulto, simplesmente toco na primeira música da minha playslist de nada a sentir deixando em um volume que abafasse tudo e qualquer barulho do lado de fora. Vejo minha mãe falar algo com ele e parecia ser sobre mim, porém o mesmo diz algo para ela meio que ignorando, vejo ele dando partida no carro e ela olhando de relance para mim, que reviro os olhos, olho pela janela lhe dando com a pacata visão da cidade sem graça e de pessoas vazias de si próprias, não sentiria falta de nada ali, apenas torcia para que o local a qual fossemos fosse diferente e verdadeiro, afinal de contas, quem faz a cidade é o local são seus habitantes.

A música da Billie Eilish – Hostage, nunca definiu tanto como eu me sentia naquele momento, naquela estrada e naquela nova vida que eu estava a começar. Sejam bem-vindos a minha história, mais ao certo a história de como o amor é traiçoeiro, sorrateiro e muitas vezes avassalador. Ele iria me surpreender em breve mesmo eu me fechando mal sabia que aquela nova cidade, escola e vida estava me guardando e preparando para Alicia Queen.

Mas você pode perguntar, nossa como um garoto nos seus 17/18 anos pode ser tão confuso, indeciso, fechado entre outras coisas que definem essa minha personalidade. A resposta é que eu nem sei, controlar sentimentos e sensações pode lhe deixar doido, então por isso eu apenas deixo as coisas fluírem e não tento ser algo que não sou ou forçar algum sentimento ou sensação independentemente da situação.

Acredito que eu e Alicia teremos mais incomum com vocês do que pensam.

📷

Espero que tenham curtido a intro do livro :3

Conhecem alguém que curte um romance teen entre geeks ? Chama ele para teorizar e ler contigo a obra, isso ajuda bastante o crescimento do livro na plataforma e é mais divertido quando temos com quem comentar não é mesmo ?

Obrigado por ler e nos vemos no próximo capi meus amores <3

13 de Julho de 2020 às 17:34 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Vida nova ? Nem tanto!

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 9 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!