Contagem regressiva para a Copa dos Autores 2020. Registre-se agora e tenha a chance de ganhar prêmios!. Leia mais.
u15941544901594154490 Beto Gouvêa

Após 60 anos perdida no espaço, a sonda espacial Andrômeda misteriosamente retorna para a Terra. Porém o que vem a bordo dela, não é humano. O que seria uma descoberta revolucionário no mundo da exploração espacial, rapidamente se transforma em uma situação de emergência mundial. Em busca de vingança e redenção, uma raça de alienígenas vê na humanidade o caminho para alcançar o seu pináculo da evolução. Contra um inimigo desconhecido, a humanidade deverá aprender a trabalhar junta para tentar deter essa ameaça de outra galáxia. Quem está mais preparado para o encontro desses dois mundos? Qual a raça está mais disposta a arriscar tudo para continuar existindo?


Ação Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#batalhas #ação #ficçãocientífica #tecnologia #aliens #invasão
3
2.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

Dizem que a hora de nossa morte é um evento muito especial e particular. Independente de quem você seja, ou da maneira que você escolheu para levar a sua vida, é nesse momento que todo o seu crescimento emocional e sua evolução espiritual adquiridos serão postos à prova. Porque essa é a única e verdadeira oportunidade que você terá para se conhecer. De verdade.

Muitas das pessoas que estão para cruzar essa linha entre a vida e a morte surpreendem-se ao olhar para o seu interior, no momento da sua partida, e não se reconhecem. Alguns dizem que a morte é injusta, iníqua. Que chega de forma tão invisível e silenciosa, que é impossível para alguém estar, de fato, preparado para iniciar uma nova jornada.

Aos olhos daquela criança que é dragada para as profundezas lamacentas do lago, a morte não é justa e nem injusta, mas sim algo que sempre a ensinaram a temer, pois ela a levaria para longe de tudo e de todos. E esse era o seu único sentimento. Um medo cru e real de nunca mais ver seu pai, sua mãe e seus amigos.

Lutando para segurar a vontade de respirar, o garoto nada pode fazer para impedir que a correnteza arraste o seu corpo queimado e quebrado, desfalcado de sua perna esquerda. Pedaços incandescentes de madeira e metal boiando na superfície iluminam parcamente o seu caminho até o fundo, como um fogo fátuo que guia as almas até o mundo dos mortos.

A queimação em seus pulmões, causada pela ausência de oxigênio aumenta a cada segundo, chegando ao ponto dele não conseguir mais ir contra o seu instinto e acaba por abrir a sua boca à procura de ar.

A primeira sorvada de água desce rasgando a sua traqueia e, de certo modo, trazendo-o de volta de seu torpor inicial. A sensação, porém, é bem diferente do que imaginava - para pior. O desespero faz com que o garoto debata seus membros restantes de forma caótica e desajeitada. A segunda e a terceira golada já nem são mais sentidas. Seu cérebro estava lentamente se desligando devido à falta de oxigênio e seu corpo entrando em estado de choque. Estava morrendo e sabia disso.

Em um último esforço a criança abre seus olhos, a fim de se despedir do mundo. Da luz. Na superfície, o que restou do avião bimotor teimava em permanecer boiando. E foi no meio disso tudo que ele a vê pela primeira vez.

Os raios de sol matutino que o guiavam ao abismo da morte emolduram a presença daquela figura celestial. Suas asas, como labaredas de fogo cintilante, dançam livres, sem sofrer as ações da correnteza, da gravidade ou de quaisquer outras leis da natureza conhecidas pelo homem.

A criança consegue distinguir apenas a silhueta da entidade e admite para si mesma que esse anjo - se é que isso fosse um -, não lembra em nada as imagens e ilustrações que estava habituada a ver. Esse anjo parece ser muito maior que um ser humano normal. Uma armadura metálica espacial o protege da cabeça aos pés, lembrando muito mais um explorador alienígena ou um guerreiro cósmico do que uma manifestação divina.

Talvez o céu e o inferno não sejam nossos destinos em outros planos ou realidades, mas sim em outros planetas, afinal de contas.

O anjo da morte se aproxima flutuando de uma forma graciosa e, gentilmente estende sua mão protegida por uma manopla de combate estelar, em uma tentativa de tocá-lo. O gesto percorre metade da distância entre eles. Caberia ao menino percorrer com a sua mão a outra metade.

A princípio o garoto se contém. Apenas para em seguida, com uma força que ele achava que seu corpo já não mais possuía, estender a sua mão em direção à do celestial e tocá-lo.

O toque no metal de sua armadura, da palma de sua mão não é frio como o esperado. Pelo contrário. O menino sente um calor irradiar por todo o seu corpo, acalentando e aquecendo o seu espírito. De repente ele já não sente mais dor, medo ou desespero. Seus ossos quebrados, seus órgãos esmagados e sua perna decepada já não o incomodam mais.

Os olhos da entidade emitem um brilho azulado por detrás do visor de seu elmo. - Percorri eras atrás de você e finalmente o encontrei. Não se preocupe, você está a salvo. Não vai morrer.

O anjo não possui boca. Pelo menos não aparente. Suas palavras ecoam diretamente na mente do jovem. E, por alguma razão, isso soa como uma verdade absoluta do universo. Ele realmente se sente a salvo e acolhido, como em meio a um abraço maternal.

O celestial subitamente levada sua cabeça, como se tivesse ouvido alguma coisa ou localizado algo que procurava. Algo que chama a sua atenção. Partes retraídas de seu capacete se movimentam e se fecham ainda mais, como se preparando para uma viagem interdimensional. Seus olhos emitem o brilho anil novamente, mas dessa vez a luz se expande envolvendo-o por inteiro. Seu corpo se transforma em uma esfera de energia cósmica e parte em direção aos céus, sumindo em frações de segundos entre as pesadas nuvens de uma tempestade que começava a se formar.

garoto finalmente cerra seus olhos e adormece.

8 de Julho de 2020 às 13:54 2 Denunciar Insira Seguir história
2
Leia o próximo capítulo Capítulo 1

Comentar algo

Publique!
Karina Zulauf Tironi Karina Zulauf Tironi
Olá, Beto! Tudo bem? Faço parte do Sistema de Verificação e venho lhe parabenizar pela Verificação da sua história. Beto, pode ter certeza que se eu me deparasse com esse livro em uma livraria, a sinopse instigante teria me comprado imediatamente! Caramba, a premissa, o convite que faz para desvendar a história e descobrir o porquê de os alienígenas estarem atrás de vingança, juntamente com o fato da humanidade precisar se unir para combatê-los, é muito tentadora e me fez ter uma vontade imediata de ler Armacell! Em relação a história em si, adorei o começo do prólogo e como você inseriu o leitor no cenário criado, fazendo toda a ambientação necessária sobre morte e a visão da criança sobre ela enquanto estava se afogando no lago. Senti um aperto no coração com “Um medo cru e real de nunca mais ver seu pai, sua mãe e seus amigos”. Eu tenho 21 anos, mas, como o menino, o que mais sinto quando penso na morte é a tristeza de me imaginar sem a minha família. A coerência estava no ponto, assim como a estrutura. Notei poucos errinhos de pontuação e ortografia (por exemplo: “chegando ao ponto dele”, onde seria correto “chegando ao ponto de ele”, e “levada” ao invés de “levanta”), nada muito perceptível ou que interferisse na opinião do leitor em relação à sua história (: Aconteceu algumas vezes de ficar arrepiada com certas partes do prólogo. Eu particularmente amei a frase: “Pedaços incandescentes de madeira e metal boiando na superfície iluminam parcamente o seu caminho até o fundo, como um fogo fátuo que guia as almas até o mundo dos mortos”. Achei uma descrição incrível e, poeticamente falando, muito bela. Adorei a forma em que escreve, as palavras que usa e como escolhe apresentar e delinear. Também achei maravilhoso já termos o contato com um possível alienígena! Eu vi aqui que Armacell é seu único livro no Inkspired e desejo muito sucesso para ele e todas as outras histórias e contos que publicar! Um grande abraço, Beto!
August 20, 2020, 21:33
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 13 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Mais histórias