kalastrias Kalastrias

Olhava para o relógio constantemente enquanto lia coisas inúteis na internet. Sabia o que vinha, sabia o que esperar… E não teria ninguém para me amparar. Então sim, eu estava fugindo da minha hora de dormir.


Drama Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#original #angst #drama
Conto
0
923 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Hora de Dormir

Aquela noite… Não queria ir me deitar aquela noite. Sabia que não dormiria bem.

Olhava para o relógio constantemente enquanto lia coisas inúteis na internet. Pouco depois da meia-noite a internet caiu, para meu deleite desespero. Desliguei o computador e arrumei minha cama. Apaguei as luzes e me deitei. Sabia o que vinha, sabia o que esperar, sabia que iria chorar muito, sabia que era inevitável, sabia que minha mente me assombraria…

Não passou muito tempo até a palavra vir a minha mente.

“Irritante”. Soou gravemente.

Encolhi-me timidamente esperando pelas lágrimas. Chorei por longos minutos que pareceram uma eternidade, a única coisa que conseguia pensar era “Me desculpe.” Comecei a sentir falta de ar e me virei na cama. Encarei a parede no escuro enquanto minha mente vagava, jogando insultos para cima de mim.

Procurei alguém em que pudesse pensar alguém que eu sabia que me abraçaria e me acalmaria, ou algum lugar que me recebesse bem. Não consegui achar nada. Vasculhei minha mente novamente. Não havia lugar nenhum que eu poderia ir (mesmo que mentalmente), não havia ninguém que pudesse me ver. Não tinha ninguém a quem recorrer.

Uma pesada dor pousou sobre o meu corpo. Abri os olhos no escuro e encarei a parede. As lágrimas haviam cessado enquanto a dor se apoderava de tudo o que eu tinha. Minha mente ficou em branco por alguns segundos. A palavra saiu como um trovão pela minha mente. “Solidão”. Minha respiração deu uma falha dolorida.

As lágrimas voltaram, ininterruptas. Chorei por muito mais tempo dessa vez. Encolhi-me o máximo que pude. Meus joelhos quase tocavam meu queixo. Abracei o cobertor, depois comecei a mordê-lo, impedindo um grito eminente. Meu coração batia dolorosamente, meu corpo inteiro tremia e minha cabeça começara a doer muito. Muito. Por um breve instante imaginei que aquela dor excruciante fosse me esmagar e transformar em Nada. Ou que minha dor de cabeça fosse me fazer ter um AVC, ou que ela simplesmente fosse explodir.

Encolhi-me mais, tentando em vão fazer a dor daquela… Sensação se esvair.

Por mais que o espaço que eu estava ocupando fosse pequeno, eu sentia olhos sobre mim, me julgando, me jogando para um espaço cada vez menor. Minha sombra parecia incomodada comigo mesma. Passei a ficar incomodada comigo mesma. Não queria meus dedos tocando minha mão, não queria minha mão tocando minha pele, não queria ar saindo por meus lábios secos entreabertos, não queria sentir meu coração batendo sob a minha carne. Minha existência estava me negando. Estava com raiva de ser eu. Estava com nojo de mim.

Minha garganta começou a se fechar devido às lágrimas que ainda caíam. Acabei molhando meus dois travesseiros, parte de meu cobertor e meu urso de pelúcia ao qual eu abraçava com força.

Virei na cama e comecei a encarar as trevas de meu quarto. Não dava para ver um palmo na frente dos olhos de tão escuro. Minha respiração se acalmou com o tempo. Consegui respirar com a boca enquanto meu nariz descongestionava. Ainda encarava meu quarto. Quanto mais eu olhava, mais escuro parecia ficar.

As acusações de minha mente haviam parado, mas… Havia parado tudo. Minha mente estava vazia, em branco. Senti-me estranha, mas não conseguia pensar sobre isso. Só encarava o escuro com vontade de me dissolver nele. A escuridão de meu quarto mesclou-se às minhas interiores, e fechei os olhos sem perceber.

Dormi assim, sem ver, sem pensar, sem sonhar.

30 de Junho de 2020 às 07:12 3 Denunciar Insira Seguir história
2
Fim

Conheça o autor

Kalastrias Bem-vindo ao meu cantinho. Eu nunca sei o que falar em apresentações, sempre entro em panico quando me pedem para falar sobre mim. Não vou entrar em detalhes sobre as minhas inseguranças, não é importante. Então, vou simplificar de uma forma que importa para a internet: Ela/Dela; Pan; Ravenclaw; Sagitariana; INTP; Preto; Café; Gatos e noites sem dormir. Sim, eu sei que é clichê, mas lide com isso.

Comentar algo

Publique!
Kaline Bogard Kaline Bogard
Olá! Que texto intenso! Chega em um momento em que a angustia é tão contagiante que precisamos parar para respirar um pouco antes de retomar a leitura. Poucos são os autores que conseguem fazer o que você fez: nos dar uma sensação tão vivida de se sentir na pele do personagem com tão poucas palavras. O texto tem um tom crescente, pois no começo não fazemos a menor ideia de por onde a narrativa nos levará, mas a personagem sabe -é uma espécie de rotina noturna para ela- e a expectativa nos deixa na defensiva, imaginamos que algo sombrio vem por aí. Eu criei algumas teorias, todas sobrenaturais. Mas nada é mais assustador do que a própria realidade. Chamo a atenção para o seu Português: muito bem utilizado, somou e enriqueceu o texto. Você fez um bom uso das palavras, em alguns momentos a história baila, uma valsa sombria e somos arrastados para angustia da personagem. Parabéns.
Elyse marye Elyse marye
isto está perfeito , não entendo o por que de tão poucos corações , parabéns eu ameii

  • Kalastrias Kalastrias
    Obrigada <3 <3 foi recentemente verificada, então deve ta aparecendo mais agora :v 2 weeks ago
~