lil_cherry E. L

Uma angustiante experiência.


Conto Impróprio para crianças menores de 13 anos. © Todos os direitos reservados

#dream #295
Conto
0
643 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo único

Meu corpo pesado pena para levantar da cama, quando finalmente consigo me sentar, tento abrir os olhos em vão e, juro. Não é preguiça; começo a me desesperar, sinto um nó frio na barriga e minha pele parece estar sendo povoada por formigas, eu tento abrir os olhos com todas as forças que posso e quando finalmente consigo abri-los o suficiente para ver algo, enxergo meu quarto banhado em uma penumbra; Sinto o cheiro desse lugar, não tem cheiro bom e nem cheiro ruim, pode parecer o meu quarto, mas definitivamente não é o meu quarto, o ar é tão pesado quanto meus olhos que eu não consigo abrir totalmente, o que dificulta ainda mais minhas tentativas de manter aberto o pouco que consegui, sou domada pelo pânico, respirar fica mais difícil a cada suspiro, porquê ninguém me ajuda? SOCORRO! Pera, quê? Meu grito está ecoando dentro do meu corpo, não pode ser.

— SOCORRO! EU NÃO CONSIGO RESPIRAR! NÃO CONSIGO ABRIR MEUS OLHOS! O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO? SOCORRO!

Começo a chorar, será possível que ninguém nessa casa vai me ouvir?
Meu olho se abre totalmente em um estalo audível, o que é estranho pra caralho; minha visão está turva e não consigo piscar, o que vejo não me agrada, alguém está parado observando meu desespero e não me ajuda, por quê?

— ME AJUDE! ME AJUDA PORRA!

‘’Estou sufocando! Estou morrendo!’’ então com outro estalo meu corpo destrava e eu caio com tudo no chão, a figura aos meus pés me trás a sensação de pavor, calafrios percorrem meu corpo, me arrasto ofegando até a porta, mas novamente não consigo levantar, não tenho forças para abri-la sinto meu coração palpitar cada vez mais forte, em meus ouvidos um zumbido infernal.

— EU QUERO SAIR! ME DEIXE IR EMBORA!

De repente meu corpo para; estou paralisada novamente, ainda respiro com dificuldade. Sinto dedos grudentos e gelados escorregarem lentamente pela sola dos meus pés, eu tento me mover a todo custo, mas não consigo. Novamente me frustro ao tentar gritar, procuro reagir àquele toque horrendo, mas simplesmente estou parada enquanto essa mão se fecha ao redor do meu tornozelo. Em um puxão, estou cara a cara com aquela coisa, meu grito finalmente ecoa preenchendo o quarto, tudo que eu quis ter gritado estava saindo agora e eu não consigo, nem quero parar de gritar enquanto esses olhos escuros e sem vida se aproximam mais e mais; eu fecho os olhos e quando tento abri-los novamente não consigo, meu corpo pesado pena para levantar da cama...

29 de Junho de 2020 às 18:32 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Fim

Conheça o autor

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

Contos Para Acampamentos #5 Noite de Natal Macabro Contos Para Acampame...
Família Família
O fim do Mundo O fim do Mundo