gabrielanobrex Gabriela Nobre

Sinopse: O demônio Crowley ouviu falar de uma festival que aconteceria em Londres e sem ao menos saber do que se tratava convidou o seu amigo, o anjo Aziraphale para tal passeio. Mas eles não sabiam que se tratava da conhecida Parada LGBTQ+. Conto baseado no livro/série Good Omens.


LGBT+ Todo o público.

#orgulho-gay #parada-lgbtq+ #parada-gay #fanfic #belas-maldições #bbc #angel-and-demon #johnlock #inefabble-husbands #crowley-e-aziraphale #good-omens
Conto
0
1.1mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

O amor entre um anjo e um demônio

Londres estava em festa. Havia uma imensa multidão nas ruas e todos pareciam participar de um grande festival de quem chamava mais atenção com suas roupas extremamente coloridas. Além das pessoas, as ruas também ganharam uma decoração extravagante. Havia bandeiras em arco-íris por todos os lados. Confetes e purpurina caíam de algum lugar daqueles altos prédios numa chuva sem fim e até mesmo estes prédios estavam coloridos como nunca. Uma música alegre tocava bem alto, lutando para se sobressair ao grande barulho que todas aquelas pessoas faziam ao cantar, gritar, conversar.

Tudo isso deixava o demônio Crowley e o anjo Aziraphale completamente deslocados no local, pois os tons preto e bege de suas vestes não combinavam em nada com todas aquelas cores berrantes.

Crowley tinha ouvido falar que haveria uma grande festa e sem nem mesmo saber o estilo dela convidou o amigo anjo para esse passeio. Apenas para sair da rotina de sempre, jantar, piquenique e biblioteca.

- É bem diferente de nossos piqueniques. – Aziraphale comentou casualmente admirando as pessoas dançando na rua. – Mas eu até gostei. – E era verdade, ele poderia até mesmo dançar se não soubesse apenas um estilo de dança. A gavota, que estava bastante ultrapassada.

- Eu não sabia que seria assim. – Ao contrário do anjo, Crowley não parecia nada contente. – Afinal, o que os humanos estão comemorando desta vez? – Resmungava com um estalo de língua

- A julgar pela decoração, estão comemorando a existência do arco-íris. – O anjo deduziu inocentemente.

- Ridículo! – Crowley trovejou sempre muito ranzinza. – Um massacre em forma de dilúvio aconteceu pra essa coisa ser criada e eles estão comemorando? Os humanos são macabros mesmo.

- Já que estamos aqui, vamos nos enturmar!

Animado e ignorando os insultos de seu amigo demônio com seu povo do céu, ele entrou na multidão, admirando todos os estilos de roupas dali. E com um longo suspiro Crowley o seguiu, sempre ao seu alcance.

- Crowley, veja! – Aziraphale sacudia levemente o amigo enquanto ao mesmo tempo apontava para várias pessoas com fantasias de grandes asas. – Estão fantasiados, isso significa que podemo...

Não fora preciso o anjo concluir sua frase, pois o demônio já havia posto suas asas para fora e as esticava bem, espreguiçando-as aliviado. Aziraphale rapidamente fez o mesmo. Arrancado elogios das pessoas mais próximas que não faziam ideia de que eram asas de verdade.

Alguns rapazes se aproximaram de Crowley com sorrisos astutos em seus rostos e o enchiam de elogios, desde suas lindas asas, a cor de seu cabelo e o seu estilo. O demônio agradecia sem jeito, pois nunca fora de receber tantos elogios, mas estava gostando muito de toda a atenção e reconhecimento.

Já o anjo mostrava seu evidente descontentamento por ter sido deixado de lado, mas foi só ver o sorriso de Crowley que tudo isso passou. Tal gesto era tão raro que ele só podia aproveitar e admirar enquanto podia.

Quando o ruivo conseguiu se desviar de toda aquela atenção para caminhar novamente com seu amigo anjo ele percebeu que grande parte daqueles humanos andavam de mãos dadas e isso lhe reuniu coragem parar segurar a mão de Aziraphale, que assustou-se imediatamente com o ato.

- O que está fazendo? – Perguntou, parando de andar.

- Você que disse para nos enturmarmos, anjo!

E então Aziraphale percebeu do que seu amigo se referia. A maioria das pessoas ali davam as mãos. Não era algo ruim, mas ele temia ser pego de mãos dadas com um demônio, aquilo era errado demais para o povo do céu.

- E se alguém nos pegar desse jeito? – Perguntou sem jeito.

- Mas não é essa a intenção da parada? – Os dois ouviram uma terceira voz entrar na conversa. Um homem alto, de olhos extremamente azuis e cabelos negros cacheados se meteu entre os dois e parecia levemente alterado por bebida alcoólica. – Na verdade, eu não lembro mais qual é a intenção dessas pessoas. – O homem ria enquanto cambaleava.

Antes que os dois pudessem sequer dizer algo, um outro homem mais baixo e loiro se aproximou e puxou o maior pelo braço.

- Será que você pode ficar perto? – O loiro reclamou com o mais alto, e logo em seguida se virou para o anjo e o demônio. – Desculpa gente. Estamos procurando minha irmã que provavelmente esta desmaiada em algum lugar de tão bêbada e pra completar esse aqui não ajuda!

- Já que você está aqui, pode-nos dizer do que este festival se trata? – Crowley perguntou ainda confuso demais.

- Como assim? Vocês não sabem? – O loiro lançou um olhar desconfiado para os dois. – É a parada LGBT. – Disse, mas rapidamente repreendeu a si mesmo. – Mas eu não sou gay, eu só estou aqui procurando minha irmã.

- Parada o que?

Crowley perguntou, mas o loiro não respondeu, pois o anjo havia estalado seus dedos e o deixado em estado hipnótico, aproximando-se do homem para sussurrar em seu ouvido.

“Ao acordar você encontrará sua irmã sã e salva. Você perceberá que seu amigo gosta de você e se for reciproco você o retribuirá.”

Ao estalar os dedos novamente o loiro piscou os olhos com força ainda atordoado pelo transe. E a cena que Crowley e Aziraphale viram depois disso foi um grande beijo dado pelo loiro no amigo mais alto que mesmo bêbado se surpreendeu, porém retribuiu.

- Por que fez isso, Anjo? – O demônio ainda mantinha sua atenção ao casal recém-formado.

- Você sabe que gosto de ajudar as pessoas.

- E desde quando você facilita a vida do cupido?

- Na verdade, eu dei uma forcinha para ele encontrar a irmã, eu não sabia que ele iria beijar o amigo, se é o que quer saber.

Aziraphale deu de ombros e voltou a caminhar, um tanto feliz por ter ajudado, mas ainda estranho pela sensação da mão de Crowley na sua, momentos antes. E enquanto andava ele reparou em alguns cartazes erguidos com os disseres: “Amar não é pecado!” e “O amor não deve ser proibido!” e também “Meu mundo e não um lugar em que eu tenha que me esconder!”, “Por que não tentar ver as coisas de um ângulo diferente?”, “E o que eu sou não precisa de desculpas”, “Temos uma só vida e não há devolução e nem depósito, portanto, é hora de sair do armário”.

Ao mesmo tempo em que o anjo refletia sobre tais cartazes, o demônio refletia sobre a música que ficava cada vez mais alta. Era de sua banda favorita. “I want to break free” do Queen.

Eu quero me libertar
Eu quero me libertar
Eu tenho que me libertar
Deus sabe, Deus sabe que eu quero me libertar

Se Deus sabia da vontade que Crowley tinha de se libertar ele não tinha tanta certeza, ou talvez ele sabia e esse era seu jogo mais favorito: A eterna tortura do coração de um demônio que se apaixonou por um anjo.

Eu me apaixonei
Eu me apaixonei pela primeira vez
E desta vez, eu sei que é de verdade
Eu me apaixonei, sim
Deus sabe, Deus sabe, eu me apaixonei

- Crowley!

- Anjo!

Os dois disseram em uníssono quando viraram um para o outro no meio de toda aquela multidão. Ambos estavam tão cansados de guardar aquele sentimento por tanto tempo e ali no meio de tantas pessoas se abraçando, beijando, a música, os cartazes, estava praticamente impossível de se controlar.

Aziraphale criou coragem para segurar novamente as mãos de Crowley, mas não coragem o suficiente para olhá-lo diretamente, por isso manteve seu olhar para o chão completamente envergonhado. Ele viu os pés do ruivo aproximarem cada vez mais e tudo ficou escuro, quando olhou novamente para cima, percebeu que o demônio o envolvia com suas enormes asas negras.

Aquilo era o mais próximo que tiveram de um abraço em seis mil anos e suas asas também os envolveu, formando uma grande concha em volta dos dois, isolando-os do resto da multidão.

O coração de Crowley batia forte como nunca antes e ele se repreendia tanto por isso. Era um demônio e não podia amar, pelo menos não devia.

Mas ali estava ele de mãos e asas dadas com seu querido anjo como tanto quis por tanto tempo.

Agora mais confiante, Aziraphale desvencilhou-se do toque apenas parar tirar os óculos de Crowley para admirar seus olhos amarelos e de beleza única. Era palpável a tensão dos dois, que prendiam a respiração como se o mundo pudesse acabar a qualquer momento, só por estarem tão próximos.

- Quem sabe o que Deus quer? – Crowley perguntou ao ver a hesitação do anjo. – Quem sabe o que é certo e errado? E se tudo isso for o que Deus quer de verdade?

- Eu não sei do que está falando. – Ele sabia, mas precisava ouvir mais daquele demônio tão vulnerável a sua frente.

- Meu ponto é... Eu amo você! – O demônio sentiu um grande alivio ao dizer aquilo em voz alta. – Que droga! Eu sempre amei e nem o inferno dói tanto assim!

- Eu também amo você, Crowley. – Aziraphale confessou baixinho e envergonhado.

- Você o que? – O ruivo perguntou surpreso, sua boca em um perfeito “O”, embora os cantos de seus lábios repreendessem um sorriso.

- Eu amo você! – O anjo ditou em alto e bom som.

Ambos queriam ouvir isso há tanto tempo um do jeito que agora que ouviram não sabiam como reagir. A sensação de ter seus sentimentos correspondidos era tão acolhedora e libertadora que ficaram um tempo ali apenas sorrindo bobamente um para o outro.

Crowley finalmente teve a iniciativa de abraçar seu anjo pela primeira vez e uma onda de eletricidade percorreu por todo o seu corpo como se isso o fizesse um anjo novamente.

E foi mútua a aproximação de seus rostos, que mesmo hesitantes, selaram seus lábios em um beijo. Parecendo dois adolescente desajeitados em seu primeiro beijo, com os dentes se batendo e causando risos nos dois por isso.

Ao se beijarem novamente, e desta vez com mais calma, Crowley pode ter a certeza de que estava no céu novamente. E Aziraphale percebeu que aquilo seria uma luta que ele estava disposto a lutar.

Sem que eles percebessem, ali acima de suas cabeças, um discreto arco-íris se formou no céu.

10 de Junho de 2020 às 18:02 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Gabriela Nobre Bem vindos humanos! Aqui posto alguns registros. Você também pode me encontrar no wattpad: https://www.wattpad.com/user/GabrielaNobrex

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~