kztironi Karina Zulauf Tironi

De Tudo que Sou Feita é um conto sobre os dias em que você se sente flor e dias em que você é o próprio espinho. Dias em que você se sente feita de tudo que é bom e dias em que você se sente feita de tudo que é ruim.


Conto Todo o público.
Conto
1
614 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Dias Preto e Branco

Alguns dias parece que sou feita de tudo que é bom. Chuvas na madrugada de sábado com cheirinho de grama molhada e petricor, cobertores quentinhos e uma xícara de chocolate quente, um abraço apertado, um carinho na cabeça e um elogio de mãe. Muitas vezes um filme com um final bom, picolés de uva, dormir na rede ao som das ondas do mar quebrando e uma nota boa em uma prova que estudou muito. Também reencontrar um amigo, marcar de jantar fora, comer cookies com gotas de chocolate sem se preocupar com o peso na balança.

Tem dias que eu sou tudo isso e muito mais, dias em que todo meu corpo parece perfumado como uma flor, suave como suas pétalas e doce como o mel. Dias em que meus lábios se esticam em sorriso muito antes de meus olhos se abrirem e tudo que falo parece cantado em uma voz de anjo. Nada é errado, nada é menos que puro e perfeito. Esses dias são como o gargalhar logo após a realização de uma piada, o arrepio de um cafuné. As lágrimas de orgulho que vêm nunca são salgadas e nada que eu digo é mentira.

Eu trato dias assim com muita reverência e carinho porque sei que, inevitavelmente, haverá os outros dias.

Alguns dias parece que sou feita de tudo que é ruim. Choros em silêncio para não acordar quem está dormindo, vazios no peito e calombos na garganta. Piadas preconceituosas, elogios mal-intencionados e toques não solicitados. Muitas vezes são compromissos desmarcados, amizades sendo dissolvidas com o tempo e o desinteresse, “tudo bem?” sem a vontade de saber a resposta, só para fingir que você ainda se importa. Também as brigas sem conciliação e relacionamentos que terminam sem um ponto final, um molde vazio.

Tem dias que sou tão leve quanto uma rocha, tão suave quanto um espinho e tão doce quanto traição. Dias em que começo a me contorcer em dor e amargura antes mesmo de ver o teto do meu quarto, dias em que as estrelas no céu parecem explosivos que só estão esperando pelo melhor momento para me detonar. Tudo é bagunçado e incerto e assustador. Esses dias são como o engasgar no meio de uma frase, com a realização de que ninguém no cômodo se interessa pelo que você tem a dizer, o ardido de uma cicatriz recém feita. O sangue que jorra sempre é vermelho vinho e tem gosto de veneno.

Mas tem vezes, ainda, que sou tudo junto e misturado. Sou o aperto no coração e a sensação de perder o chão seguido do alívio ao ver um rosto conhecido na multidão esmagadora, a mão calejada que conforta a minha na fila de uma montanha russa, o puxão de orelha para meu próprio bem. Às vezes o mel nem sempre é tão doce, mas, ah, ainda é comestível, e nem todo veneno que engulo me mata.

Meus melhores dias normalmente são esses. Eu aprendi que nada que é perfeito e puro como uma flor dura para sempre e, também, que nada que é doloroso como um espinho machuca para sempre. Eu aprendi que minha vida não precisa ser sempre 8 ou 80, ou que eu preciso estar sorrindo desde o momento que acordei para fazer o dia ou a vida valer a pena.

Eu aproveito o que a vida me dá, seja um limão ou um bilhete premiado. Quem decide a cor que a minha vida tem sou eu e eu cansei dela ser preta e branca. Que venham os dias confusos e assustadores, eu usarei meu pincel e os colorirei do mais lindo rosa que eu puder.

28 de Maio de 2020 às 02:46 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Fim

Conheça o autor

Karina Zulauf Tironi Como escrever sobre mim, quando me torno tantas outras pessoas enquanto estou escrevendo? Só uma menina tentando transformar seus monstros em histórias que possam entreter.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

2 x 2 2 x 2
O gorro, o cachecol e uma jaqueta amarela vibrante O gorro, o cachecol ...
Vermelho Tinto Vermelho Tinto