bucetinhadobyun 𝕤𝕞𝕚𝕝𝕖 𝕠𝕟 𝕞𝕪 𝕗𝕒𝕔𝕖 ⁹⁹

Baekhyun e Baekhoon eram gêmeos que amavam sair em rolês, um conhecido como seda e o outro como lança, populares e cobiçados, quem provava queria de novo mas já avisavam antes, pegavam mas não se apegavam. Tudo muda quando se deparam com a novinha filha do diretor, o flamenguista fanático e o parceiro dele corintiano.


Conto Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#Baekhyuntwins #EXO-BRAU #bissexualidade #baile-funk #exo
Conto
0
961 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

É bailão bailão

Baekhyun encostou com o irmão e olhou ao redor, a rua com nome de fruta estava lotada, mal passava gente quem dirá carro ou moto, mas com muito esforço e empurra-empurra eles seguiam seu rumo, com o som no talo, as motos rosnando e os dedos para o alto. Se entreolharam sorrindo, descendo a rua indo em direção a multidão.

— É bailão bailão, é bailão bailão. — cantou Baekhoon já dando um toque na mão do amigo e um abraço de lado e depois no outro. — Qual é o bom?

— A novinha encostou. — disse um dos amigos apontando para a filha do diretor encostada no portão, bebendo em seu copo verde neon e gravando o baile junto das amigas.

— Depois dou uma sarrada, cadê a askov seus cuzão? Mamaram tudo? — perguntou Baekhyun indignado, os amigos riram e deram o copo de plástico e viraram a askov pura e depois o energético com gelo.

— Vou encosta lá na Virginia, descolar uma seda e quem sabe ganhar uma mamada. — colocou o óculos roxo nos olhos e saiu andando enquanto dançava.

Deu uma piscada para umas novinhas e puxou a amiga pela cintura, dando um selar no pescoço a arrepiando.

— E a seda princesa? — sussurrou no ouvido dela.

— Vai ter que pagar. — virou pra ele e o mesmo riu.

— Tu que vai pagar, um babão. — sorriu malicioso.

— No sigilo que meu namorado tá por aqui.

Ao fundo tocava “quantas botadas cê quer que eu te boto” e ele cantava a melodia enquanto ela apontava o namorado do outro lado cheirando um lança perfume, não era a primeira vez que ele pegava as comprometidas, talvez fossem suas favoritas, a seguiu até um beco e ela lhe deu a seda e a erva, bolou o baseado e o acendeu enquanto ela abaixava suas peças. E enquanto ela o mamava ele assoprava a fumaça, tragando em seguida e a observando encantado com a habilidade da boca dela, até que seu olhar encontrou o de um flamenguista que já tinha visto em outros bailes, sempre tomando as mais caras e rodeado dos parças e a camisa do time do coração, sentiu o pau pulsar só pelo sorrisinho que ele lhe lançou e quase engasgou com a fumaça. Puxou os fios da menor e meteu na boca dela, segurando o cigarro com os lábios, tragando e soltando a fumaça pelo nariz, revirou os olhos quando sentiu tocar a garganta dela e não demorou até gozar e ela se levantou.

— Tua boca faz mágica, cê é loco. — ela riu e ele a beijou. — Só pra não ficar no prejuízo, vou pagar a seda. — deu pra ela algumas notas e então saiu tragando o cigarro, sentindo-se nas nuvens e sequer notou que ainda estava com o pau de fora.

— Caralho seda, já tava no boquetão? — virou e viu Suho seu amigo encostado no carro e ele riu subindo as peças.

— Lógico. — viu Virgínia sair do beco e não precisou demais explicações.

— Brincando com fogo vai acabar arrumando pro seu lado, tá ligado que o namorado dela é cachorro.

— Se ele é cachorro eu sou pitbull. — sentou do lado dele ainda fumando e então aproximou-se aquela jovem de antes, mais conhecida como Joy da 17 e a mesma passou a rebolar no seu colo ao som do “passinho do bota”, ela tinha uma rebolada tão gostosa que não demorou até o rapaz ficar duro de novo.

— Vai rebolar só nele mesmo Joy da 17? Maldade isso ai. — reclamou Suho e ela riu.

Ela então parou na frente dos dois fazendo o quadradinho e seu olhar encontrou o do outro gêmeo, que olhou para o irmão e o mesmo entendeu o recado, enquanto que o amigo bebia e observava hipnotizado como ela jogava a bunda. O Baekhoon então deu um tapinha na bunda dela e depois sinalizou com a cabeça para uma árvore, ela sorriu e o acompanhou passando por entre as pessoas.

— Tem nem descanso né molecote?

— Caiu na rede o peixe fuzila. — disse Baekhyun e Suho riu negando com a cabeça enquanto saía pra voltar onde estavam os amigos.

Chegaram debaixo da árvore e não demorou até ela estar mamando um e dando para outro, sem saber exatamente quem era quem, mas era inegável que os dois eram ótimos naquilo, enquanto um bebia e o outro fumava, um puxando seus fios e o outro segurando na cintura. Assim que gozaram nela a mesma se levantou e beijou cada um deles, depois saiu pra curtir a festa e os dois ajeitaram as roupas.

— Que sentada né?

— Nem me fala. — terminou o copo e jogo em um canto qualquer. — Vou dar um rolê.

— Quer? — ofereceu o cigarro que estava na metade.

— Tô suave. — colocou o óculos na cabeça e saiu dançando.

Baekhoon nem sequer teve tempo de sair dali, logo o flamenguista encostou e deu aquele sorriso enquanto bebia o copão dele, estava meio bêbado mas já dava pra notar que tava duro mesmo no escuro.

— Qual é flamengo? Tá me estranhando? — semicerrou os olhos enquanto tragava.

— Tô ligado que gosta de uma mamada. — o menor riu soprando a fumaça.

— Quer me dá uma? Recuso não. — tragou de novo.

— Prefiro dar outra coisa. — arqueou a sobrancelha e logo o maior o puxou para um beijo, e mesmo se achando hetero durante todo o tempo diferente do irmão que era assumidamente bi, ele teve que admitir que o maior beijava bem pra caralho.

E naquele escurinho o menor até largou a maconha e rebolou no maior que estava encostado na árvore, gemendo sendo abafado pelo som alto que ecoava naquela rua e naquele escurinho ninguém saberia o que estavam fazendo, e mesmo se soubessem pensariam que era o irmão, vantagem de ter um gêmeo. Não muito longe dali, Baekhyun estava rebolando enquanto estava com o copo na mão, atraindo a atenção do corintiano que estava na moto bebendo também, e não pensou duas vezes para puxá-lo pra garupa e levá-lo para um cantinho, onde deu uma surra de piroca do jeitinho que o menor gostava. Depois das sarradas nem tiveram tempo de trocar contato, apenas deu tempo de arrumarem as roupas, já que os bota chegou com as viaturas e metendo as balas de borracha, os irmãos se entreolharam e logo Baekhyun subiu nas costas do Baekhoon e os dois correram ladeira adentro, mas foram puxados para a moto do corintiano e o mesmo os ajudou a fugir rapidamente. Se ficassem pra trás a polícia ia meter a porrada, odiavam baile funk e ainda mais os frequentadores. Colaram então numa casa e se esconderam nela, até o Baekhoon reconhecer aquele cordão de ouro, estavam na casa do flamenguista.

— Vamo curtir o baile aqui mesmo. — disse e os gêmeos se entreolharam sorrindo.

Depois de uns minutos a polícia foi embora e o baile voltou, o quarteto saiu mas ficaram por ali mesmo no portão, Baekhoon fumando um narguile com Chanyeol enquanto curtiam o som, Sehun encostado na moto bebendo e Baekhyun rebolando nele também bebendo. E mesmo que não quisessem admitir, estavam se apegando naquela duplinha de torcedores que sabiam foder como ninguém.

— Nossa que delícia esse baile tá uma uva. — cantou Baekhyun.

— Qual bumbum mais bate qual bumbum mais pula. — cantou Baekhoon e o irmão levantou-se dançando ao lado dele, disputando pra ver qual dos dois dançava mais.

Logo a Joy da 17 colou ali também e ficaram os três rebolando.

— Tem as loira, morena, branquinha e as ruiva. — cantou Sehun olhando para os três e Chanyeol estava distraido demais com a fumaça e a bunda do Baekhoon pra cantar junto.

Mas logo a polícia brotou de novo e tiveram que correr pra dentro, enquanto que os demais correram rua acima, rua abaixo e viela, enquanto os bota chegava no ódio metendo o loco. Subiram para a laje e viram a confusão, não seria hoje que sairiam de lá, teriam que dormir na casa do flamenguista.

— Moiou o rolê, que porra. — reclamou Joy.

— Dá pra nois curtir aqui na laje mesmo, se pá, a polícia não vai encostar aqui não. — disse o flamenguista. — Só botar o som, vou pega os litrão lá embaixo.

— Salvou hein. — disse Baekhyun animando-se outra vez.

E sentados ali as três da manhã o quinteto ficou, dançando, fumando narguile e bebendo cerveja ao som do funk no celular da novinha, iniciou-se ali um bonde e os gêmeos desapegados se viram apegados nos torcedores endinheirados. Só foram dormir as seis da manhã, jogados na laje com várias latas ao redor deles e o celular descarregado.

24 de Maio de 2020 às 23:00 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

𝕤𝕞𝕚𝕝𝕖 𝕠𝕟 𝕞𝕪 𝕗𝕒𝕔𝕖 ⁹⁹ Gosto de escrever, ouvir música e apreciar fanarts. ♥

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

Lembranças costuradas Lembranças costuradas
O veredito O veredito
Sonho de Mãe Sonho de Mãe