infinityholic Infinity Holic

Precisava colocar aquela dor para fora de alguma forma, precisava sentir aquela dor, de uma forma forte o suficiente que aquilo se tornasse real. "Mas eu estou limpa agora, estou limpa há anos. Eu não vou voltar". Um pequeno conto sobre relapsos e tentações na quarentena. FOCA AQUI RAPIDÃO: A história contém menções à automutilação, mas não possui cenas nem explícitas nem implícitas. Se mesmo assim esse tema pode te trazer lembranças ruins ou te deixar mal de alguma forma, recomendo de coração que você não leia.


Conto Para maiores de 18 apenas.

#superação #esperança #quarentena #recovery #selfharm #automutilação
Conto
0
615 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Por hoje não

23:50


Seus olhos captaram o horário marcado pelo relógio, recebendo a informação como um incentivo para aguentar mais um pouco.


“Só mais um pouco” decidiu enquanto focava sua atenção no episódio do seriado que assistia, já perto do fim.


“Só mais um pouco” repetiu para si mesma.


“Eu estou limpa, e por hoje eu não vou voltar”.


23:51


Quando a quarentena começou, não pensou que seria grande coisa, mas agora, olhando para trás, já deveria saber que sozinha dentro de seu apartamento, trancada com seus pensamentos, poderia ser mais perigosa para si mesma do que qualquer outra coisa.


No início as distrações eram várias: Cursos, podcasts, séries, livros, e assim seguiam, mas à medida em que a tensão se empilhava na sua alma aquele fantasma começou a rondá-la. Deveria ter imaginado: Estava sozinha, não queria incomodar sua família e a maioria dos seus amigos tinha preocupações maiores o suficiente para que não quisesse alugar seus ouvidos com aquelas besteiras.


Ninguém ali estava bem, não seria ela que iria deixá-los pior.


Mas precisava colocar aquela dor para fora de alguma forma, precisava sentir aquela dor, de uma forma forte o suficiente que aquilo se tornasse real.


Era como se enquanto tudo estivesse na sua cabeça, fosse apenas “frescura”.


Ela tinha uma forma de lidar com aquilo, uma forma bruta, visceral e indigesta.


“Mas eu estou limpa agora, estou limpa há anos. Eu não vou voltar”.


23:52


Nunca falou com ninguém sobre aquilo. As cicatrizes desapareceram e no fundo torceu para que, com elas, as vontades e lembranças sumissem também.


Evidentemente estava enganada, o fantasma das suas ações apenas dormia, esperando uma hora vulnerável para voltar.


Quando percebeu que estava coçando o rosto com mais força que o necessário, afastou as mãos do corpo.


O episódio terminou, e de repente os movimentos que fez indo até a televisão para desligá-la eram decisivos, requisitavam máxima atenção.


Do sofá para a TV.


Da TV para o quarto.


Ah, ela guardou o controle remoto no local certo? Era melhor ver.


O celular estava no carregador? Era importante.


As janelas estavam devidamente fechadas? Não custa nada verificar.


No final, sim, tudo estava ok, podia dormir.


23:56


Ao entrar no quarto, seus olhos imediatamente foram para o criado-mudo onde guardava um estilete, junto de outras coisas de escrita.


Deveria ter comprado a porcaria de um apontador.


Respirou o fundo e virou o rosto. Talvez devesse dormir no sofá? Não, tinha que ser forte.


“Por hoje não” pensou olhando o relógio mais uma vez. Faltava tão pouco.


23:57


Deitada em sua cama, o canto da sereia parecia cada vez mais forte. Os locais nos quais já havia se cortado antes pareciam arder, como se as cicatrizes que desapareceram estivessem na verdade escondidas debaixo da pele, chamando, gritando, clamando para serem liberadas novamente.


Dessa vez não era uma criança, tinha lâminas mais afiadas e maior conhecimento de como fazer estrago.


“Eu não vou voltar” Abraçou o travesseiro com força, decidida a não mover mais nenhum músculo.


Qualquer coisa diferente disso a trairia, ela sabia. Estava muito perto de cruzar novamente a fronteira que prometeu jamais transpassar.


Ela estava limpa há anos e não iria jogar isso fora.


Mas a tentação era tão forte…


23:58


Só mais uma vez…


23:59


Só para ter paz, por mais falsa que fosse…


.


.


.


.


.


00:00


De olhos fechados e com o rosto escondido no travesseiro, ela provavelmente acordaria com algumas dores pelo corpo no dia seguinte, mas tudo bem.


O sono era profundo, e dormindo não corria risco algum.


Por hoje, ela poderia dormir com esperança. Amanhã iria pensar numa forma de canalizar isso de forma saudável, mas inconscientemente sorriu.


Por hoje, ela continuava limpa.


Por hoje, ela conseguiu uma vitória.


Por hoje, ela não voltou.


00:01



23 de Maio de 2020 às 05:38 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Infinity Holic Ficwritter, otaku e kapopera, três dos quatro cavaleiros do apocalypso | A própria definição de evento aleatório | Uma escritora por hobbie que insiste em ter mais projetos simultâneos do que pode dar conta | Também tenho perfil no Nyah Fanfiction e no Wattpad!

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Mais histórias

2 x 2 2 x 2
O gorro, o cachecol e uma jaqueta amarela vibrante O gorro, o cachecol ...
Vermelho Tinto Vermelho Tinto