moonbyul Mariana Garcia

Num verão quente e tedioso, Sasuke aceita deixar que Sakura entre em sua vida, e num inverno gelado e melancólico, ele concorda em deixá-la ir embora.


Fanfiction Anime/Mangá Todo o público.

#naruto #sasusaku
2
3.8mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Luz do Sol

Verão, 2013

Porque você só precisa da luz quando está escurecendo

Só sente falta do sol quando a neve começa a cair


Estava tão quente que até mesmo o simples ato de acordar causava um amontoado de estresse para Sasuke, o clima não era gentil nem mesmo com a madrugada e o seu relógio de cabeceira mostrava que já estava na hora de levantar. Mais parecia ser três horas da tarde já que o mormaço tentava imitar um sol caloroso, mas ainda estava escuro o suficiente para poder distinguir os horários, Sasuke sentiu as gotículas de suor escorrerem pela sua face enquanto ele encarava o teto do quarto e ficava enjoado com o movimento do ventilador de teto. Sasuke odiava o verão.

Odiava todos os aspectos do verão: O clima incandescente e o sol que fazia questão de estar altivo e queimando no céu todos os dias, odiava as manhãs que duravam pouco e as noites que custavam a chegar, os insetos que procuravam abrigo do calor dentro de sua casa, as roupas curtas e os tecidos leves que ele era obrigado a vestir para não morrer de calor, o suor que formava em sua testa e deixava sua pele dez vezes mais oleosa e contribuía para que ele continuasse tendo espinhas mesmo após anos de sua puberdade, odiava prender o cabelo e ficar com dor de cabeça porque não era capaz de fazer um nó menos forte – e porque sem força suficiente o cabelo escorregava o tempo todo – e odiava ir até a faculdade no verão, pois mesmo em recesso ele ainda tinha muita coisa pra resolver se quisesse se formar naquele ano, uma promessa que já vinha custando a acontecer.

Poderia ficar deitado por horas juntando razões pela qual odiava aquela estação miserável, porém ele não podia se dar ao luxo de perder um minuto sequer a mais na cama caso quisesse ver o seu belo diploma pendurado na parede até o final do ano letivo, aquela era sua única motivação forte para fazê-lo levantar. Sasuke pulou da cama para o chuveiro e do chuveiro para um par horrível de bermudas de tactél e uma regata preta, outro motivo que odiava o verão – odiava regatas, pois odiava ter de raspar as axilas para não deixar ninguém desconfortável com a quantidade de pelos que tinha embaixo dos braços. Calçou seus chinelos velhos de couro, sua única alegria naquela roupa desconfortável.

Sasuke dividia o apartamento de universitário com mais dois outros colegas, por isso tentava ser o mais silencioso possível em sua rotina diária, antes de sair do quarto deixava a mochila bem organizada com seus cadernos, livros e notebook. Abriu a porta do quarto de uma vez, fazendo um barulho de rangido extremamente irritante, todas as portas do apartamento faziam aquilo, por isso era regra abri-las uma vez só durante a manhã, era impossível não se irritar com um barulho daqueles.

O quarto de Sasuke era o mais próximo da cozinha, um cômodo pequeno com uma mesa dobrável e três cadeiras também dobráveis, encontrou Shikamaru já acordado, o único dos três que era realmente um cara decente: Ele já havia se formado em advocacia e já fazia parte de uma associação que ficava no centro da cidade, ele ainda não tinha um nome estabelecido no mercado, mas já recebia muito mais do que a bolsa que Sasuke ganhava pela sua pesquisa. Shikamaru ainda não podia se dar ao luxo de ter um apartamento para si, mas estava bem próximo disso.

— Bom dia. — Shikamaru disse enquanto se servia de café. — Servido?

— Dia. — Sasuke respondeu. — Não, vou ficar só no cereal.

— Beleza. — Shikamaru deu de ombros.

Sasuke se serviu de uma bela cumbuca de cereais matinais com leite enquanto via as notícias pelo twitter. Do outro lado da cozinha, Shikamaru ficava só no café, poucos minutos depois ele voltou para o próprio quarto, saindo de lá somente quando Sasuke estava acabando seu café da manhã, o Nara já estava de terno e com os cabelos arrumados, segurando uma maleta, extremamente profissional.

— Falou. — Shikamaru disse indo em direção para porta, Sasuke acenou.

Iterashai. — Sasuke disse, soou como um adolescente.

Não tinha muito mais tempo para sentir vergonha, Shikamaru já havia saído e ele duvidava que o colega iria se incomodar com o jeito que Sasuke falava, eles moravam juntos há quase seis anos, estavam bem acostumados com os trejeitos um do outro. Sasuke se lembrava de quando eram calouros e só tinham colchões e cerveja pelo apartamento, as coisas definitivamente mudavam numa velocidade incrível, faziam meses que eles três não se juntavam para jantar juntos.

Em contrapartida, Naruto estava sempre atrás de Sasuke.

— Sasuke! — Naruto gritou do seu quarto, o som do corpo dele caindo veio logo depois, era incrível que a vizinha debaixo nunca sequer ouvira o garoto cair da cama.

— Nem vem! Eu estou atrasado! — Sasuke gritou, saindo correndo para o quarto antes que o amigo se levantasse, já estava de saco cheio do loiro atrasando-o.

— Sasuke! — O grito foi mais longo e prolongado, dava para ouvir o desespero de Naruto pelo apartamento enquanto tentava se arrumar dentro do quarto.

— Droga... — Sasuke bufou, pegando a mochila e voltando para a cozinha, prometeu para si mesmo ir embora caso Naruto demorasse mais do que cinco minutos. Os dois só saíram de casa dali uma hora.

.:.

Sasuke se alongou na cadeira do laboratório e sentiu todos os seus ossos se estralarem em harmonia, sentiu que poderia ter desmaiado numa dessas, porém a sensação era maravilhosa. Olhou no celular, eram quase seis horas da tarde e ainda havia um sol escaldante escapando pelas frestas da cortina do laboratório, Sasuke não havia parado nem para almoçar, trabalhava feito um louco em seu projeto para tentar recuperar o tempo perdido com procrastinação, sabia que não queria levar mais nenhum sermão passivo agressivo da professora Orochi, sua orientadora, coordenadora e chefe de estágio.

Esfregou as mãos no rosto tentando fazê-lo acordar, sentia os dedos doerem de tanto que havia teclado e apagado naquela tarde, também sentia que não podia mais ler nenhum artigo, seu nível de produtividade estava em zero, definitivamente. Para completar o combo do desconforto, seu estômago roncou ruidosamente.

Como se tivesse um sexto sentido, Naruto chegou bem na hora.

— Sasuke-san! — Naruto o chamou, fazendo melodia com seu nome.

— Pare de gastar meu nome assim. — Sasuke o repreendeu enquanto se levantava e alongava, sua barriga roncou mais uma vez.

— Parece que cheguei na hora certa! Preciso de um favor seu! — Naruto cruzou a distância da porta até a mesa onde Sasuke estava em poucas passadas, como se tivesse saltitado até lá.

— Tomara que envolva comida... — Sasuke estralou o pescoço.

— Credo! Enfim, envolve sim, e envolve garotas! Que tal? — Naruto exclamou todo animado, já o rosto de Sasuke era outro.

— Eu não vou no encontro duplo com você e uma menina aleatória. — Sasuke respondeu curto e grosso.

— Essa não é aleatória, é Sakura! Lembra da Sakura-san? — Os olhos de Sasuke se arregalaram.

Era claro que ele lembrava de Sakura, só sendo um idiota para se esquecer daquela garota, apesar de estar bêbado no dia, Sasuke se lembrava com detalhes do dia em que seus olhos encontraram Sakura Haruno, uma caloura de medicina. Era uma festa de calouros e Sasuke estava lá com Naruto e Shikamaru e tinha como única intenção beber até desmaiar para superar um fora que havia levado dois dias antes da tal festa. Era costume de as festas fazer pequenas humilhações com os calouros, nada violento, mas Sasuke não gostava daquele tipo de coisa e evitou ficar com o pessoal de sua turma, mas acabou se encontrando no trote da medicina, onde todos os calouros brincavam de ciranda vestidos com coletes bem suados e fedidos.

E lá no meio de todos os calouros estava ela: Molhada dos pés à cabeça, fedendo a esportista suado e bêbada, brincando com todos aqueles que seriam seus colegas de sala. Ela sorria sem parar, ria sem parar, aquele parecia ser o melhor dia da vida dela, e Sasuke nunca mais conseguiu esquecer aqueles olhos verdes.

Como qualquer veterano, ele tinha tentado dar em cima dela, mas estava bêbado demais para conseguir qualquer coisa, e ela também estava bêbada demais para ser algo proveitoso, se lembrava bem dos dois sentados num sofá velho conversando sobre um show de televisão antigo que nenhum dos dois tinha assistido mas que mesmo assim odiavam, e se lembrava dela recusando a proposta dele de um beijo. Ela provavelmente fez o certo, já que cinco minutos depois Sasuke vomitou até desmaiar no próprio vômito.

Era claro que ele não ia aceitar aquela proposta.

— Ah, é verdade. — Naruto respondeu assim que Sasuke o relembrou de toda a festa. — Só me lembro de ter me divertido pra caralho! Mas esquece isso cara, foi há um ano, e eu preciso muito sair com a Hinata cara, eu não consigo tirar essa menina da cabeça, e ela só quer ir se a Sakura for também, por favor!

— Naruto... Porque eu sou seu amigo? Você só me fode moleque!

— Vai cara, a Sakura já aceitou, por favor!

— ... — Sasuke via os olhos de cachorro de Naruto e sentia nojo, mas não conseguia mais dizer não para o palerma. — Tá bom! Mas você vai pagar!

— Ah cara, você é o melhor!! Vamos pra casa nos arrumar logo! — Naruto disse enquanto tentava levar Sasuke à força para fora do laboratório enquanto o Uchiha tentava dizer que ele precisava fechar o local antes.

Naruto e Sasuke pegaram o metrô de volta para casa e durante toda a meia hora de viagem o loiro falou sobre como essa garota era especial. Hinata também era da medicina e eles haviam se conhecido na mesma festa em que Sasuke conhecera Sakura, porém, diferente do Uchiha, Naruto era um cara até que bem controlado com a bebida, não que ele não bebesse até cair, ele só era bem mais resistente à embriaguez porque era um cara saudável – Alto, forte, com músculos definidos e uma dieta consistente de proteínas somado à uma fidelidade estranha com a academia.

Aquela deveria ser a vigésima garota com quem o amigo se relacionava desde que haviam entrado na faculdade, e Sasuke não teria nenhuma preocupação com a quantidade se não fosse por um motivo: Naruto era um romântico irremediável e sofria por toda garota que eventualmente lhe dava um pé na bunda quando percebia que ele realmente fazia planos para se casar após um mês de conversa. Com aquela não seria diferente, aparentemente os dois iam e vinham se conversando desde aquela fatídica festa e o momento perfeito para os dois se conhecerem melhor — digo, transarem — havia chegado, já que ambos estavam solteiros.

Sasuke foi obrigado a ver quase todo o rolo de fotos da tal garota, chamada Hinata Hyuuga, o sobrenome lhe lembrava alguma coisa, talvez alguma firma ou empresa, pois a garota parecia muito bem de vida: Suas redes sociais eram recheadas de fotos de viagens, cenas de pôr-do-sol em diversos lugares e mais de mil outras fotos de festas e looks que ela montava, era o tipo de garota que estava sempre atrás de garotos como Naruto: gostosos e burros. Sasuke se esforçava para não fazer nenhum pré-julgamento, então concordava com todos os elogios do amigo, a garota era realmente bonita e, apesar das redes sociais, deve ser alguém inteligente o suficiente para ser aceita em medicina, coisa que Sasuke não conseguiu.

Havia uma pequena vantagem em ser quase obrigado a ver todas aquelas fotos, a outra garota, Sakura Haruno, estava presente em quase todas as fotos mais recentes, fotos em grupos de estudos, aulas de anatomia, aquelas fotos tiradas sem permissão enquanto a cabeça voa no meio da aula, e principalmente fotos de festas e outros tipos de eventos sociais. Sasuke fingia, mas já havia visto aquelas fotos no passado, não estava tão acima de Naruto nesse quesito, stalkeara as redes sociais da garota no dia seguinte à festa dos calouros, gastara seus olhos na beleza da Haruno, mas fora incapaz de segui-la ou pedir amizade em suas redes, teve a sorte de nada estar em privado, ou pelo menos não tudo.

Quando chegaram em casa, Naruto correu para o banho e, surpreendentemente, demorou menos de dez minutos no chuveiro, dando tempo suficiente para Sasuke se arrumar com calma e dar um jeito no longo cabelo preto. Lavou e passou condicionador, desembaraçou e passou outros produtos para que o cabelo oleoso durasse por mais de cinco horas sem ficar horrível. A noite começava a cair e ao primeiro sinal de uma brisa mais fresca Sasuke vestiu uma manga-longa azul clara, sentindo-se novamente confortável em sua pele com roupas que a cobriam. Sasuke não tinha vergonha de seu corpo — além dos pelos, os quais odiava — mas não se sentia no direito de expô-lo tanto porque achava que não havia nada que mostrar: Era magro, os gomos do abdômen eram tão sutis que lhe davam vergonha, além de possuir diversas estrias nas costas devido ao súbito crescimento na adolescência. Era tão difícil se mostras que às vezes transava de camiseta.

Levaram pouco mais de uma hora para ficarem prontos, Naruto vestiu seu fatídico conjunto de camiseta preta e o moletom laranja horrível da faculdade, em conjunto com uma bermuda preta e chinelos que Sasuke chamava de “chinelos de sair”, pois não eram feios, mas ainda eram chinelos. Deram uma olhada na carteira, pegaram chave e celulares e então saíram. Desceram até a garagem e pegaram o carro de Sasuke, ele não gostava muito de sair de carro pois detestava ter de se preocupar com gasolina, mas novamente Naruto havia o convencido de fazer algo que não queria. Seguiram a rota traçada pelo GPS até chegarem em um barzinho que parecia caro, Sasuke lembrou mais uma vez Naruto de que era o loiro que iria pagar por tudo, até mesmo o combustível.

— Relaxa brother, vou passar no débito. — O Uzumaki piscou, ostentando.

Contando com a sorte, Sasuke encontrou uma vaga bem em frente ao estabelecimento, parou o carro e Naruto desceu antes mesmo do motor desligar, parecendo uma criança empolgada. Sasuke viu que as duas garotas estavam na frente do lugar, esperando pelos dois, e sentiu o frio subir pela coluna até chegar a arrepiar os pelos de sua nuca, há quanto tempo não saia com uma garota?

Desceu do carro e encarou a missão, não poderia ser tão difícil, né?

A atmosfera do bar era agradável, a música pop que tocava nas caixas de som eram uma mistura de animação e calmaria e tocavam num volume baixo o suficiente para serem ouvidas e não atrapalharem a conversa, a cerveja era boa e a comida cheirava bem, tudo era extremamente confortável e perfeito para um encontro tranquilo, o único problema ali era ele: Sasuke, uma porta.

Naruto e Hinata conversavam sem parar, pareciam que se conheciam há anos e não se viam há tempos, tinham tanto assunto que deixavam o Uchiha atordoado, os dois pombinhos até tentavam fazer com que ele e Sakura entrassem no assunto, mas Sasuke estava tão nervoso que não conseguia continuar nenhum assunto. Falaram sobre a faculdade, se conheceram um pouco, descobriu que Sakura não era de lá e ficou por isso, a mente de Sasuke estava totalmente em branco. “Meu deus, eu sou um idiota” Sasuke pensou enquanto afundava num copo de cerveja.

Em um certo ponto do encontro Naruto e Hinata desistiram dos outros dois, provavelmente pensaram que não havia sido uma boa ideia fazer um encontro duplo, a mesa parecia estar dividida em dois polos completamente opostos. Mesmo com o ambiente tão ruim do lado de Sasuke e Sakura, a garota de cabelos rosa ainda sorria gentilmente enquanto olhava para a amiga e o futuro pretendente.

Realmente o Uchiha havia mal interpretado a garota Hyuuga, Hinata tinha uma voz doce e falava de forma calma para controlar a empolgação do Uzumaki, ela respondia tudo que ele perguntava e sempre continuava os assuntos, olhava para o loiro com olhos brilhantes, como se estivesse realizando um sonho, e era muito mais bonita do que nas redes sociais, mas nem assim tomava o brilho que Sakura irradiava naquela mesa, Sasuke não conseguia tirar seus olhos negros dela, arriscando parecer um pervertido, porém era impossível desviar da beleza da garota.

Sakura era uma garota miúda de estatura média, quase uma cabeça mais baixa do que Sasuke, e tinha um cheiro maravilhoso floral por todo o corpo, usava uma blusa de mangas longas cropped verde e os fios eram tingidos de rosa – o que rendeu a fatídica pergunta “Essa cor é natural?” vinda de Naruto – Ela sorria gentilmente sempre que a atenção era direcionada a ela e bebia devagar uma taça de vinho. Sasuke estava sentado à sua frente e não conseguia pensar em mais nada, ria sozinho quando lembrava da primeira vez que se conheceram, quando conversaram sem parar a fio sobre um assunto tão trivial e, agora, nada vinha à sua mente.

Será que ele só funcionava à base da bebida? Era uma opção, mas sentia-se entojado com um único copo de cerveja, e queria aproveitar aquele momento sóbrio, queria se lembrar de tudo com os mínimos detalhes de seu primeiro encontro com Sakura, e com certeza não queria arruinar ainda mais aquilo que já estava fadado ao fracasso.

Sakura acabou pegando o celular, colocou-o em cima da mesa e mexia nele com uma das mãos enquanto apoiava o rosto na outra, parecia entediada. O coração de Sasuke começou a palpitar, estaria ela pedindo um uber? Chamando alguém para busca-la? Estaria tudo perdido assim tão fácil?

De repente, sentiu seu celular vibrar.

Pegou o smartphone de capinha azul do bolso e checou a notificação, vinha de um aplicativo de mensagens que funcionava por aproximação, quem o utilizasse e estivesse próximo dele poderia enviar uma solicitação de mensagem — era o tipo de aplicativo que Sasuke baixava por causa de Naruto e nunca mais usava —, ele não reconhecia o nome do usuário, mas logo relacionou com quem era. A mensagem era de alguém chamado “sakichan”.

Sakichan: Hey.

Sasuke olhou em volta e depois voltou à atenção para Sakura, ela estava sorrindo para ele, aquele mesmo sorriso gentil, e desviava os olhos, corando.

Uchiha: Oi, Sakura?

Sakichan: Você é meio lentinho, né?

Sasuke engoliu em seco e sentiu o rosto corar, Sakura soltou um risinho.

Sakichan: Desculpa, não quis ofender.

Uchiha: Tudo bem, você está provavelmente certa.

Uchiha: Eu acho que perdi o jeito.

Sakichan: Você tinha jeito antes? Lol

Sasuke esfregou o rosto e conteve o riso, sentia que ela estava falando da primeira vez que haviam se conhecido, certamente ele causara uma impressão nela, se era boa ou ruim ele já não sabia.

Uchiha: Então você se lembra de mim?

Sakichan: Meio difícil esquecer do cara que quis me beijar e logo depois vomitou.

Uchiha: Acho que vou parar nesse copo então.

Sakichan: Se ficar bêbado vai te ajudar a chegar em mim, pode continuar, mas talvez o resultado não mude.

Uchiha: Talvez esteja na hora de tentar outra fórmula?

Sakichan: Estou 100% disposta a tentar.

Sasuke não conseguiu conter o sorriso, desviou o olhar para não parecer tão bobo e deu de cara com Naruto e Hinata trocando um beijo, desviou novamente rápido e encontrou Sakura rindo da situação, ela tinha covinhas na bochecha, foi a primeira vez que ele havia percebido. Os dois trocaram um longo olhar por algum tempo, os olhos verdes de Sakura eram quase cristalinos, o convidavam a chegar mais perto, Sasuke se apoiou na mesa e tentava guardar suas mãos para si, Sakura apertava os dedos um contra os outros.

— Oi. — Sasuke disse enfim.

— Oi. — Sakura respondeu.

— Você se lembra do que a gente conversou naquela festa?

— Sobre como nós odiamos Friends? — Ela deu um risinho.

— Você chegou a assistir depois? — Ele indagou com um sorriso faceiro no rosto.

— Não. — Ela finalmente soltou um riso mais alto, foi melodia para ele.

.:.

Sasuke encostara no próprio carro, quase desistindo de esperar o amigo. Naruto e Hinata haviam ido pagar a conta enquanto Sakura e Sasuke esperavam perto do carro, sabia que aquilo havia sido obra do Uzumaki para dar mais privacidade aos dois, já que o loiro e a Hyuuga não haviam se preocupado com isso, haviam trocado vários beijos na mesa durante a noite, mas graças à iniciativa de Sakura, o encontro não havia sido um total fracasso, a conversa havia engatado e a mesa aos poucos se encheu de energia e de risadas, Sasuke se sentia numa nuvem.

Sakura estava a poucos passos dele, segurando a bolsa e abraçando o próprio corpo, não fazia tanto frio, uma boa brisa fresca corria pela rua e movimentava de leve os cabelos soltos dos dois, os olhares continuavam sutis desde o início da noite e o Uchiha sentia que era a vez dele de fazer algum movimento, ajeitou a postura e desencostou do carro enquanto pensava no que falar, não queria chama-la logo para casa, apesar de sentir que quase não estava controlando o tesão combinado com o álcool. Queria fazer com que ela se sentisse desejada por ele, mas sutilmente.

Quando abriu a boca, Naruto e Hinata voltaram.

— Vamos indo? — O Uzumaki disse, abraçando a Hyuuga pela cintura.

— Vocês podem me deixar em casa? — Sakura perguntou olhando para Sasuke.

— Claro. — Ele respondeu, o olhar decepcionado, lá se ia seu plano.

Os quatro entraram no carro, Sakura foi na frente e Naruto apertou Hinata no banco de trás, Sasuke quis pedir para que nenhuma sacanagem fosse feita no seu carro limpo, porém sabia que era um aviso tardio ao ouvir os risinhos da garota e notar a mão boba do colega por entre as roupas dela. Ás vezes Sasuke desejava não ter uma visão afiada, sentia que se pouparia de muita coisa na vida.

Sakura não morava longe, o seu apartamento ficava num bairro novo próximo ao centro, era um edifício novo, mas que, ao mesmo tempo, tinha um ar velho, a pintura creme e a portaria de estilo antigo faziam com que fosse desvalorizado. A Haruno explicou que o aluguel era bem barato e que ela tinha bastante espaço pois morava sozinha já que Hinata era uma péssima amiga e não vinha morar com ela pois não queria abandonar o conforto da casa dos pais.

Sasuke estacionou o carro bem na frente no edifício em um lugar que era proibido estacionar, mas a rua estava vazia e não haviam policiais à vista, puxou o freio de mão e ouviu o motor do carro roncar baixinho enquanto Sakura tirava o cinto, aquela era a última chance que ele tinha para fazer seu movimento, não queria decepcioná-la novamente, então quando Sakura abriu a porta do carro e saiu, Sasuke fez o mesmo, os dois se encontraram novamente na calçada.

— Obrigada pela noite, eu me diverti muito. — Ela disse enquanto o encarava, o sorriso gentil no rosto e as mãos apertadas uma na outra.

— Eu que agradeço... — Sasuke coçou a cabeça. — Me passa seu número? — Ele perguntou acanhado, quase soltou um xingamento, aquilo era tudo que ele podia pensar?

— Eu te passo pelo aplicativo. — Ela deu uma piscadela, apontando para o celular, logo seus pés começaram a se mover e o coração de Sasuke pulou uma batida, não a deixe ir assim!

— Sakura! — Ele a chamou e ela virou quase que instantaneamente. — Bom, eu... posso te beijar? — Ele perguntou e a garota corou completamente.

De dentro do carro, Naruto soltou um berro.

— Cala a boca Uzumaki! — Sasuke bateu no vidro do carro, ainda encarando a garota com seus olhos profundos e envergonhados. — Posso?

—Não... — Ela disse baixinho, fazendo o rosto de Sasuke murchar. — Não aqui, na rua... — O coração de Sasuke pulou uma batida.

— O que... — Seus olhos estavam arregalados.

— Você quer entrar? — Ela perguntou sem jeito.

Sasuke não perdeu tempo, ao som de outro berro de Naruto ele jogou a chave dentro do carro e mandou o amigo cuidar muito bem do carro, de relance viu os rostos animados do casal no seu banco de trás, com certeza eles teriam uma ótima noite também. Em poucos passos ele estava do lado de Sakura, ela ria envergonhada, lhe mostrando o caminho para entrar, logo que passaram da portaria o carro partiu.

Sakura morava no sexto andar, os dois ficaram em silêncio dentro do elevador, trocando olhares e sorrisos. Quando chegaram ela pediu para que ele deixasse os sapatos para fora, ela abriu a porta e uma corrente de ar frio atingiu os dois, as janelas estavam abertas.

— Seja bem-vindo... não repare na bagunça tá? — Ela disse sem jeito.

Sasuke entrou, à sua direita uma porta branca entreaberta revelava a cozinha, de relance parecia muito bem organizada, a Haruno parecia do tipo de pessoa bem asseada então ele não esperava encontrar realmente alguma bagunça. A sala era pequena, com um sofá, televisão e uma pequena escrivaninha, em um espaço maior havia uma mesa de jantar redonda repleta de cadernos, folhas e livros, a bagunça da qual ela havia mencionado. Um pequeno corredor dava acesso ao que parecia ser dois quartos e um banheiro, o Uchiha não era de sair por aí explorando o apartamento dos outros sozinho, esperava que ela mostrasse o local se quisesse.

— Você quer alguma coisa? Água ou café? — Ela perguntou enquanto deixava a bolsa pendurada num mancebo.

— Café a essa hora? — Ele questionou com um sorriso malicioso no rosto.

— Se pretender ficar acordado até tarde...

Sasuke aceitou a oferta e ela o guiou até a cozinha, um cômodo simples e organizado, com bancadas de pedra e madeira branca, o Uchiha se encostou em uma enquanto esperava que Sakura preparasse um café, a garota pegou pó de um dos armários e ligou a cafeteira numa tomada próxima dele. Ela passava bem devagar perto dele, como se quisesse que ele sentisse seu cheiro e o calor de sua pele, Sasuke definitivamente estava sentindo calor, as gotas de suor que se formavam em sua nuca logo o denunciariam se sua ereção não fizesse primeiro.

O cheiro de café tomou conta da cozinha e ambos suspiraram juntos, era incrível como o café unia todos os universitários. A cafeteira apitou, anunciando que a bebida estava pronta, Sakura a serviu em duas canecas decoradas, oferecendo uma delas à Sasuke, ele brincou, demorando a escolher uma.

— Obrigada. — Ele pegou uma caneca vermelha com flores amarelas.

— Eu que pintei essa. — Sakura comentou enquanto bebericava o café.

— Você é uma ótima artista. — Ele respondeu.

— Uhum.

O silêncio voltou a reinar enquanto os dois bebiam café, Sasuke ainda estava encostado no balcão da cozinha e Sakura estava na sua frente, um dos braços cruzados enquanto o outro segurava a caneca de café. A mão livre de Sasuke tamborilava na pedra da pia, controlando a vontade de agarrar a garota naquele momento. Sua mente estava dividia em querer investir naquele mesmo momento e esperar que ela lhe desse a deixa para não ser invasivo.

Dessa vez ele não teve muito tempo para pensar, Sakura o beijou ali mesmo.

A pressão de ter os lábios dela nos seus fez a cabeça de Sasuke girar, o breve beijo que ela lhe deu foi suficiente para acordar a vontade dormente em seu corpo, ela o encarou em busca de alguma reação, seu rosto era tão pequeno e delicado que o deixava tonto só de pensar em tê-lo nas mãos.

Devagar, Sasuke deixou a caneca na pia ainda com boa parte de seu conteúdo e passou seus braços pela cintura de Sakura, puxando-a para perto e a beijando novamente, queria deixa-la sem fôlego, queria demonstrar todo o tesão e desejo que sentia por ela naquele momento e que havia guardado ao longo daquele ano. Sakura largou a caneca desajeitadamente em algum lugar que não conseguia ver e abraçou o pescoço do Uchiha, entrelaçando os dedos em seu cabelo e o apertando contra ela enquanto a língua dele explorava sua boca, sentia-se sem fôlego, mas se recusava a desgrudar daquele homem novamente.

Soltaram-se por um segundo para respirar, Sasuke puxou o ar com força, sentia que seus pulmões iriam desistir, respirou pesado enquanto Sakura estava ofegante, encarava os olhos esverdeados como se fosse um animal olhando sua presa, Sakura sentia-se molhada. Soltou os cabelos dele devagar, passando a mão pela nuca e sentindo a quantidade de suor.

— Eu odeio calor... — Sasuke comentou ofegante, já se sentindo envergonhado pela quantidade de suor que produzia.

— Tudo bem... — Seu sorriso era aberto. — Eu também detesto o verão.

Sem pensar duas vezes, esquecendo a vergonha de seu corpo e as estrias de crescimento, Sasuke arrancou a blusa e voltou a atacar Sakura com beijos, as mãos pequenas e delicadas dela corriam pelo seu tórax e corpo com voracidade, procurando qualquer coisa para se agarrar, queria sentir o corpo dele colado no seu, não aguentava mais os tecidos os separando. Apesar de magro, Sasuke era um homem forte, abraçou a cintura dela e a ergueu, Sakura rapidamente entrelaçou as pernas em seu corpo e ele saiu com ela em seus braços até o quarto, a cama ainda estava desarrumada, algumas roupas jogadas. Não houve tempo para arrumar, Sasuke a jogou na cama e desabotoou a calça enquanto ela retirava a blusa mostrando uma bela lingerie preta de rendas, sua boca foi direito até seus peitos, afundou o rosto neles, eram pequenos e delicados.

Sakura gemeu alto ao primeiro toque da língua de Sasuke em seu mamilo, a garota tentava desabotoar a calça com uma mão enquanto outra tentava alcançar o pênis do Uchiha, que não parava de chupar seus peitos, mordiscou os mamilos e com as pontas dos dedos os massageou. O rosto de prazer de Sakura era maravilhoso, a boca contorcida e o mordiscar dos lábios, os grandes olhos pedintes, o conjunto da obra o fazia cada vez mais duro. Passou seus dedos pelos lábios dela e colocou o dedão em sua boca, vê-la chupá-lo fez sua mente delirar.

Impaciente, Sakura o puxou e Sasuke caiu na cama, ágil como uma raposa ela se colocou em cima dele, ela abaixou suas calças e a cueca, revelando o pênis ereto e molhado, a Haruno não perdeu tempo, lambeu e chupou Sasuke até que ele pedisse arrego. Sasuke voltou a beijá-la novamente, segurando-a pelos cabelos e a apertando contra seu corpo, sentia o calor de sua vagina contra si e tentava desesperadamente alcançar a calça para pegar a camisinha na carteira. Quando conseguiu, deitou Sakura na cama e colocou a proteção, ficou por cima dela e a encarou por um momento, estava ofegante e o olhava com um olhar pedinte, Sasuke sentiu o coração na garganta, tossiu e perguntou se ela estava bem, recebendo um sim entrecortado de resposta, seguido de um por favor.

Sasuke a penetrou devagar, sentindo o apertar de sua vagina, perdendo o ar por um segundo, não conseguiu evitar de soltar um gemido, e quando recobrou a consciência começou a se movimentar sobre ela, ia e voltava devagar até que ela pediu por mais, aumentando a velocidade e a força a cada pedido dela, seus gemidos e gritos o davam cada vez mais força para continuar, seu corpo implorava por mais e ele sentia que não conseguiria aguentar por muito mais tempo. Queria que aquele momento durasse, queria fazer durar muito mais que aquilo.

Quando pensou em parar, Sakura o segurou contra si, gemendo baixinho para que não parasse. Seu desejo é uma ordem. Sasuke foi até onde conseguiu, e então explodiu dentro dela. Urrou em seu ouvido, suspirou pesado sobre o corpo pequeno dela, se deixando cair. Sakura o abraçou e enterrou seu rosto em seu pescoço, suspirava rápido e baixo, deixando gemidos escapar aqui e ali. Ficaram ali por alguns bons minutos, até que as forças de suas pernas voltassem, Sasuke tirou o pênis de dentro dela e retirou a camisinha logo em seguida, se assustando com a quantidade de sêmen. Foi até o banheiro e jogou fora, voltou para o quarto e a encontrou ainda deitada, Sakura bateu de leve no espaço ao lado dela, chamando-o.

Naquele momento, tudo voltava à mente de Sasuke: A vergonha de seu próprio corpo, a vergonha do primeiro encontro e segundo encontro com Sakura, o fracasso que ele havia sido naquela noite, seu corpo foi tomado por uma vergonha extrema, que o atingia sempre nos piores momentos. Parado à porta, nu no quarto de uma garota que gostava, Sasuke se sentia diminuto, sentia que ia perder aquele momento, que iria acordar e que tudo seria uma mentira, ou pior: que aquilo nunca mais voltaria a acontecer. Porque gozar tinha que ser tão complicado assim?

Acanhado, Sasuke foi até a cama, Sakura percebeu que havia algo de errado, ele se sentou ao seu lado e dobrou os joelhos, viu o próprio pênis mole e se sentiu ainda mais envergonhado. Sasuke odiava ser emotivo, segurava a vontade de se esconder e chorar, sentia-se ridículo. Só saiu de seu transe autodepreciativo quando sentiu o toque suave de Sakura em suas costas.

— Parecem uma tatuagem do crescimento... — Sakura arrastava a ponta de seus dedos sob as estrias de Sasuke.

— Doeram como uma. — Sasuke se lembrava de como tinha sido doloroso crescer, quase fora submetido a cirurgia na coluna. — Não olhe para elas...

— Porque? — Sakura parecia espantada. — Você tem vergonha?

— Quem não teria? — Ele riu desconfortável.

— Ora, eu não. — Sakura bufou, num movimento rápido ela sentou sobre Sasuke, ela cabia direitinho em seu colo. — Olhe isso aqui, eu também tenho. — Ela passou a mão dele sobre as estrias de sua coxa, marcas que não eram lá visíveis, mas eram perceptíveis.

— E daí? — Sasuke riu.

— Isso mesmo, e daí? — Ela sorriu. — Saia da sua cabeça um pouco.

Sasuke sentiu o rosto esquentar e corar, não sabia se era o calor que estava fazendo naquele quarto ou se era ela sentada sobre ele, mas aquele calor não o irritava: Era bem-vindo, o fazia se sentir bem.

— Vem, vamos tomar um banho, estamos nojentos. — Sakura disse, se levantando e oferecendo a mão a ele, Sasuke levantou e pegou na mão dela. — Um banho bem gelado, porque não tenho ventilador aqui, então essa noite vai ser complicada pra dormir nesse calor!

— E a gente vai dormir? — Sasuke indagou.

Só percebe que a ama quando a deixa ir...

21 de Maio de 2020 às 23:00 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Vento gelado

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!