O Conto da Sereia Seguir blog

pnays Paloma Martin A jovem Micaila é uma sereia que vai contra todos seus ensinamentos e tradições para que suas irmãs e os humanos pudessem viver juntos. Ela logo descobrirá que isso não é tão fácil como ela achou que seria.

#romance #fantasia #inglaterra #aventura #mar #oceano #ficção #sereias
4
11.1mil VISUALIZAÇÕES
AA Compartilhar

Penzance

Já fazia algumas horas que o sol havia ido embora, então eu fui até a superfície. - Eu olhei em volta, e a praia estava deserta, como eu esperava. Então nadei em direção a areia, e quando cheguei na parte rasa me transformei. - Quando nos transformamos, saindo da forma de sereia, nos transformamos nuas. Não é como alguns contos dizem; as roupas não aparecem magicamente, embora eu preferisse isso. - Então mais cedo eu havia jogado um longo vestido branco, bem simples, nas pedras que ficam envolta da praia. Por isso, quando me transformei já tinha o que vestir.
O plano já estava em ação, mas agora vinha a parte mais aterrorizante e em qual eu menos pensei: Eu teria que adentrar a cidade humana, e ter contato direto com eles. Será que eu estava realmente preparada? Já vestida eu caminhei com dificuldade, cega na escuridão, e eu senti algo empurrando meu corpo sutilmente. O que era aquilo? Mais tarde eu descobri algo que eu não conhecia, o vento. Não tínhamos isso debaixo d'água, e era maravilhoso senti-lo. Eu caminhei no escuro por algum tempo, e logo senti que não estava mais pisando na areia macia, e sim em um chão duro e frio. - Eu me assustei, e repensei novamente minhas ações, mas segui em frente.

Avistei então luzes distantes, que eram as únicas coisas que eu conseguia ver com clareza. Eu caminhei nessa direção. - Avistei pessoas andando pelas ruas, que ao me notarem se olhavam e cochichavam. - Talvez eu estivesse com o cabelo muito desarrumado, ou com o vestido de uma cor errada... Eles me olhavam como se eu fosse um animal estranho que ninguém conhecesse. - As mulheres usavam vestidos volumosos e longos, já os homens usavam roupas apertadas e que cobriam o corpo inteiro. Um homem, que estava um pouco mais a frente, foi chamado por algumas mulheres e veio em minha direção. - Senhorita, precisa de ajuda? Eu o olhei por um instante. Ele usava um casaco e uma calça preta, botas bem engraxadas e um capacete engraçado.

- Oi... -Você não é daqui, não é? Parece estar perdida.

-É, todos aqui parecem não gostar de pessoas novas... - Todos continuavam a me olhar.

-Não ligue, são um bando de fofoqueiros e mal intencionados. - Ele riu. - Sou Rodolfo, sou o guarda noturno da cidade. De onde você veio?

-Oi, sou Micaila... - Eu definitivamente não havia planejado nada direito, e agora? - Sou de longe, de uma pequena ilha que fica para lá - Apontei para a direção do mar, e Rodolfo fechou um pouco os olhos, parecendo não enxergar bem onde eu estava mostrando.

-Uma espanhola, ora! Não sabia que ali haviam ilhas, mas que bom que agora nossas nações estão em paz, ou teria de te prender! Devo confessar, fala melhor nossa língua do que muitas mulheres daqui! - Ele gargalhou sozinho. - O que te traz até Penzance, minha jovem?

Embora eu não tenha entendido muito o que ele havia dito, ri junto, o que me deu um tempo para pensar na resposta para ele. - Vim apenas conhecer essa terra...

-Claro, entendo! Mas essa hora da noite não há muito o que prestigiar nessa cidade, querida! Pela manhã sim ela fica belíssima e acolhedora!

Eu o acompanhei por alguns minutos. A cada passo que eu dava me sentia em êxtase. - Todos continuavam a me olhar diferente, e eu já não mais me importava. Eu via homens e mulheres dançando alegres, crianças correndo por todos os lados, luzes no topo de colunas, e via a lua, que nunca pareceu me banhar tanto quanto naquele doce momento. - Entramos em uma rua um tanto quanto apertada, e no final dela havia uma única casa. Era grande mas um tanto mal cuidada. Ao passar pelos portões pude sentir um cheiro delicioso passando pelas janelas entreabertas. -Entre, querida. - Rodolfo abriu a porta e tirou seu capacete. - Charlotte, temos visita! Entre, não se acanhe! A casa em que Rodolfo morava era quente e aconchegante. A sala de estar continha um enorme tapete vermelho felpudo, tomando conta de quase todo o chão do cômodo. Perto da grande lareira de tijolos vermelhos haviam duas poltronas azuis com detalhes florais, e um pequeno sofá de cor creme um tanto desgastado. No teto havia um grande lustre dourado, com velas grossas que iluminavam tudo ali.

-Visita? Oh, a casa está de pernas para o ar, Rodolfo! Devia ter me avisado mais cedo... - Aquela voz fina e calma se aproximava junto com o cheiro delicioso. - Pelo menos tenho esses bolinhos para oferecer! - Então a dona daquela voz adentrou a sala, com uma bandeja de bolinhos quentes erguida. Era uma senhora de uns 50 anos, com cabelos castanhos bem presos em um coque alto, que usava um longo vestido cinza coberto por um avental cheio de farinha. - Olá, querida... - Ela olhou abismada para Rodolfo e logo voltou o olhar para mim. - Onde estão meus modos?! Sou Charlotte!

-Senhorita Micaila, essa é minha irmã! - Ele pegou a bandeja das mãos de Charlotte, que se aproximou de mim.

-Você está tão gelada, querida... E descalça... O que aconteceu com você?- Ela acabou de chegar da Espanha, Charlotte. - Ele abocanhou um dos bolinhos.

-Espanhóis! Não sabem cuidar de uma jovem, me parece! Sente aqui, sente aqui! - Ela me empurrou para sentar em uma das poltronas, e quando percebi já estava coberta com uma grande manta branca. - Aqui, querida! Pegue um bolinho, você deve estar faminta! - O bolinho era de abóbora, e foi a primeira vez que comi algo tão gostoso! Afinal nós sereias só comíamos algas. -Isso é delicioso... - Eu mal conseguia falar com a boca farta daquela gostosura. -

-Que bom que gostou, são bolinhos de Abóbora, - Charlotte respondeu. - minha humilde especialidade! - Ela se sentou na poltrona ao lado da minha - Me diga mocinha, você tem onde ficar aqui em Penzance? Algum familiar ou amigo? Eu abaixei o olhar, um tanto acanhada. - Não, eu apenas decidi vir mas me parece que eu não pensei muito bem em como me viraria por aqui...

-Uma grande tolice, querida! - Exclamou Rodolfo, sendo imediatamente reprovado por Senhora Charlotte.

-Não se preocupe mocinha, vamos te ajudar no que você precisar. Mas você precisa descansar! Venha comigo! - Ela me puxou pela mão, me levando até uma grande escada de madeira, a qual subimos e andamos em um corredor grande com outro grande tapete vermelho, que terminava em uma porta verde-musgo, que Senhora Charlotte quase derrubou ao abrir com tanta euforia. - Este é o antigo quarto de minha sobrinha Sofie, pode dormir aqui enquanto estiver conosco.

Eu descobri naquele momento que os lugares onde os humanos dormiam se chamavam quartos. Eram bem parecidos com os nossos aposentos em Atlântida, mas bem mais aconchegante por conta dos diversos móveis que os humanos colocavam. - Ela não vai se importar de que eu durma no... - Eu me esqueci da palavra - ...Quarto dela? Que bobagem! - Ela riu - Sofie se casou já faz alguns anos, não vem aqui desde então. Ela foi para longe, perto de onde você veio, Portugal! Pode ficar tranquila, esse pode ser seu cantinho! Ah, e aqui tem alguns bons vestidos que devem te servir! - Ela caminhou até um enorme objeto de madeira escura, algo que eu não conhecia, mas hoje conheço muito bem: um guarda roupas! - Aqui, use esse para dormir. - Ela me vestiu com um longo vestido branco com mangas largas e uma bela costura no busto. - Parece que foi feito para você! Agora pode ficar a vontade e descansar, se precisar de qualquer outra coisa pode me chamar, meu quarto fica ao lado, e do Rodolfo em frente, mas ele só chega pela manhã. Boa noite, mocinha! - Ela então saiu, com um sorriso caridoso em seu rosto. Naquele momento eu me sentei na beira da cama, e fiquei petrificada apenas com um pensamento forte ecoando em minha mente, de que os humanos não eram ruins como todas nós achávamos! Comecei então a pensar em várias alternativas para mostrar isso à todas minhas irmãs! Poderia apresentar Rodolfo e Senhora Charlotte à elas, e se encantariam com sua bondade assim como eu me encantei. Poderia trazer todas elas à terra firme para juntas nos apresentarmos em nossa verdadeira forma! - Eu estava maravilhada com todas aquelas possibilidades, mas então eu retomei o pouco do juízo que tinha, e me lembrei de que eu só havia me relacionado com dois humanos, e isso ainda era muito pouco. Como eu poderia ter certeza de que todos os outros teriam a mesma doçura daqueles que me acolheram? Eu já não sabia mais o que fazer. Eu descobri naquele momento que eu jamais deveria fazer planos "mirabolantes", porque eu claramente não me atentava a todos os detalhes. Decidi ficar naquele lugar, naquela bela cidade que era Penzance. Eu teria de conhecer o máximo de humanos que eu conseguisse, para então contar às minhas irmãs o que eu havia feito, e assim mostrar também aos humanos que nós não éramos inimigos. Me deitei na grande cama, um pouco sem jeito. Era muito macia e confortável, então logo peguei no sono.

Na manhã seguinte acordei com a luz do sol clareando bruscamente meu rosto. - Não me levem à mal, eu sempre amei o sol, mas ser acordada com todo aquele brilho... Ouvi passos dentro do quarto, então abri os olhos novamente. Era Senhora Charlotte, que abria as cortinas para o sol clarear ainda mais o quarto. -Acorde, mocinha! Esta perdendo um dia lindo!

Me coloquei sentada na cama, ainda sem conseguir abrir muito bem os olhos. -Aqui, acho esse vestido bem adequado para hoje! - Ela colocou um belo vestido vermelho sobre a cama. - Pode vir me ajudar na padaria, se quiser. Naquela época eu não sabia o que era uma padaria, conseguem acreditar?! Hoje em dia dona Charlotte precisa trancar toda a padaria para que eu não acabe com tudo! - O que é uma Padaria? - Perguntei, e ela permaneceu me encarando, petrificada,

- Você não sabe o que é uma padaria, querida? Como os espanhóis vivem, afinal?! - então se sentou ao meu lado. - Padaria é onde as pessoas podem comprar gostosuras como as que faço, como os bolinhos de abóbora de ontem. Também pães, bolos e diversas outras delicias! Mas fique tranquila, eu vou te mostrar tudo! Agora, vamos vestir você! Naquela manhã dona Charlotte me deu uma atenção que nenhuma sereia jamais teve, um carinho especial, um cuidado... Ela estava sendo para mim o que os humanos costumavam chamar de "mãe". Ela me ensinou a usar sapatos, o que nenhuma sereia jamais havia usado antes. Me ensinou como vestir e usar os enormes e belíssimos vestidos que as mulheres usavam, e que eram muito mais pesados e apertados do que o necessário na minha opinião, mas me deliciei com a experiência. Saímos da casa e voltamos até onde Rodolfo havia me encontrado, então caminhamos um pouco mais, adentrando a cidade. Próximo ao que seria um pequeno bosque havia algo parecido com uma casa, porém mais aberto e arejado, com grandes janelas e uma larga porta de pinheiro, que permanecia aberta. Ao passar pela enorme porta senti um cheiro delicioso, e então me deparei com prateleiras e prateleiras recheadas de gostosuras, que naquele mesmo dia senhora Charlotte fez questão de me apresentar. Haviam belos ramos cor-de-rosa pintados por todas as paredes, o que davam um toque feminino no lugar. - Eu estava feliz por estar ali.

-Rodolfo, já estou aqui! - Exclamou senhora Charlotte.

-Certo, eu vou para casa dormir então. - Ele se despediu dela - Bom dia, senhorita! Conseguiu dormir bem?

-Olá, consegui sim... Estou muito grata por ter me ajudado, não sei nem como agradecer. - Eu podia sentir sua bondade, mesmo que não me falasse nenhuma palavra, ela exalava. -Imagine, senhorita! Temos que ajudar uns aos outros, e por falar nisso, - ele aproximou seu rosto do meu - pode me agradecer escondendo alguns bolinhos de abóbora para mais tarde. - Ele riu. Eu sorri, e disse à ele que faria o possível. Então ele partiu para casa. -Hoje o dia vai ser calmo, ontem tivemos muitas encomendas para a casa Hall.

-O que é uma casa Hall? - Perguntei de imediato, curiosa realmente.

-Não uma casa, a casa. - Ela foi até uma comprida bancada, e começou a decorar alguns bolinhos - A casa Hall pertence ao Duque Archibald Hall, que vive com sua família aqui na cidade. Você pode conhecê-los na próxima festa, que será na semana que vem. Eu ainda não entendia naquele momento o que era uma festa, ou mesmo um duque ou conde. Mas resolvi não lotar a cabeça de Senhora Charlotte com tantas perguntas, afinal ela estava atarefada. - Está bem. - Sorri. - No que posso ajudar a senhora?

-Eu precisava mesmo contratar alguém para me ajudar aqui, fico feliz por ser uma companhia tão agradável como você, Micaila! Venha, venha! Vou lhe ensinar a decorar. - Me aproximei, e ela então me vestiu com o que eu mais tarde aprendi ser um avental, para não me sujar. Ela me ensinou a decorar todos os doces que lá haviam, com sutileza. A cada palavra dita por Senhora Charlotte, ficava clara a paixão que ela tinha pelo que fazia. Parecia uma criança encantada com seus brinquedos, que tratava de mostra-los à todos. Embora eu estivesse entretida com os ensinamentos sobre as gostosuras, meu coração estava no mar. Eu não sabia se até aquele momento teriam notado a falta da minha presença. Talvez Lira estivesse me procurando, preocupada com meu paradeiro. - Eu poderia tê-la avisado, mas ela jamais concordaria com meu plano, e certamente tentaria me impedir. Mas eu não queria deixa-la preocupada, então planejei voltar ao mar naquele mesmo dia mais tarde. Meus pensamentos foram interrompidos com a entrada de uma bela moça na padaria. Ela vestia um longo e volumoso vestido lilás, e um belo chapéu branco com plumas brancas cobrindo parte dos seus belos cabelos louros brilhosos. - Olá, Senhora Charlotte!

-Emily, doçura! O que faz aqui hoje? - Dona Charlotte perguntou.-Vim buscar alguns bolinhos. Afinal, os que a senhora foi nos entregar ontem já foram para o estômago apressado do Jacob. - Ela virou seu olhar para minha direção, e esboçou um sorriso acanhado - Sinto muito, não sabia que estava ocupada, eu espero.

-Ora, onde estão meus modos, sinto muito! - Exclamou Dona Charlotte. - Essa é Micaila, minha nova ajudante e nova na cidade! Micaila, essa é Emily Hall.
-É um prazer conhecê-la, Senhorita. - Ela curvou sua cabeça, em sinal de respeito, assim como fazíamos para cumprimentar as Sereias mais velhas de Atlântida, o que me surpreendeu por ser igual. Então a cumprimentei da mesma maneira. - Olá!

-O que a traz até nossa modesta cidade, Micaila? - Ela perguntou. -Vim apenas conhecer esse lado do oceano. - Respondi rapidamente. -Este lado do oceano?! - Ela sorriu sem entender. - De onde você é?

Para não me enrolar muito como eu provavelmente me enrolaria, disse o que tinha ouvido até aquele momento - Sou da Espanha!

-Uma espanhola, ora! Uma raridade por essas terras, afinal. Gostaria muito de conhecer sua terra, ainda não tive o prazer.

-Ou talvez desprazer! - Exclamou Senhora Charlotte - A jovem Micaila desconhece muitos de nossos objetos, vestimentas e até mesmo nossas comidas! Não sei como vivem nessa tal Espanha! Deve ser um lugar terrível para jovens como vocês! -O semblante de Emily então mudou, se tornando um tanto interrogativo, com grandes rugas na testa - De qual parte da Espanha você é, Micaila? Eu senti imediatamente um nó em minha garganta, que estava seca. Eu mal sabia se teria voz para respondê-la, e o tempo parecia passar rápido enquanto eu estava imóvel em frente à ela - Perto do mar... - Mal pude acreditar que tive forças para responder.

-Ah, entendo. Bom, seja bem-vinda a Penzance. - Ela virou seu olhar à Dona Charlotte - Espero que a traga para a próxima festa em minha casa, será minha convidada, Micaila.

-Claro, eu a levarei com todo o prazer!

Durante horas várias e várias pessoas adentraram a pequena padaria, mas todos só me cumprimentavam à distância, como se tivessem medo de mim. Senhora Charlotte me explicou que eles não estavam acostumados com pessoas novas na cidade, por isso eu recebia aquele tratamento. - Se tinham medo de alguém "como eles", imaginei como seria se eu já tivesse me apresentado como uma sereia. Humanos são engraçados, eles se temem e se desgostam mesmo entre si. Como pode?! Sereias são como irmãs, são como uma grande família, somos apenas um. Claro que não temos o mesmo apego e carinho com todas, mas confiamos em nós. Não tememos nenhuma outra sereia, ou a reprovamos. Pelo menos não que eu já tenha visto. Talvez eu fosse, afinal, a primeira sereia a ser reprovada e odiada por todas da espécie. Eu já imagina meu título: "A sereia que desejava ser humana", ou "A sereia que traiu suas irmãs"; Eu não queria de fato ser uma humana, mas eu queria poder viver com eles como vivia com minhas irmãs. E no fundo eu achava que alguma delas podia ter a mesma vontade que eu, não era possível que ninguém desejasse viver uma vida diferente, uma vida menos solitária e mais livre. Mas, com certeza essa não seria Lira. Ela sempre pareceu ser feliz e contente com a situação que as sereias viviam, e que sempre nos foi dita ser permanente. Ela não gostava de mudanças, isso a incomodava.


18 de Janeiro de 2021 às 22:43 0 Denunciar Insira 2
~

A Despedida do Mar

Certas vezes eu me aventurava alguns metros acima do que nos era indicado, apenas para ver a luz do sol passar sobre a água. A beleza das águas era realçada, e eu sempre fui encantada pelo meu lar. Acho que não deveria ser diferente.
Mas um certo dia eu avistei um longo e largo objeto flutuando na superfície. Nós sereias temos a visão muito apurada, podemos ver até mesmo no escuro. Aquele objeto me pareceu estranho, e eu sempre fui muito curiosa. Então eu me aproximei cada vez mais. Eu pude ouvir pessoas conversando, cantarolando, pessoas alegres... Nós sereias não éramos as criaturas mais alegres do planeta, afinal ficávamos encarceradas.
Naquele dia eu fiquei encantada em poder ouvir outras pessoas. Eu me peguei pensando em deixar que me vissem, talvez fossem boas pessoas, talvez a hora de vivermos juntos tivesse chegado... Mas eram muitos "talvez". Eu então fui até a superfície, mas fiquei atrás de algumas pedras, escondida, para que não me vissem.
Eu reconheci aquele grande objeto flutuante das escrituras que nossas antepassadas mantinham em uma grande caverna subterrânea, era um navio. Vários homens estavam no navio, estavam suados e pareciam cansados, mesmo assim estavam sorridentes. O dia estava quente e ensolarado, o céu azul parecia pintado como em uma obra de arte dos humanos. Por um momento eu me perdi olhando para as nuvens, contemplando aquela perfeição.
Foi quando eu ouvi um homem gritando: "Uma sereia, uma sereia! Peguem as redes, homens!"
Como eu pude ser tão descuidada? Eu deveria ter prestado mais atenção.
Eu não tive escolha, a não ser mergulhar rapidamente e voltar para meu lar. Então eu percebi que nada havia mudado, os humanos continuavam a ameaçar nossa existência.
Eu morava em Atlântida, e sim, ela existe. É difícil de explicar, mas vou tentar simplificar como ela é...
Nas profundezas do oceano existe Atlântida que, diferente do que todos pensam, não é submersa. Quero dizer, ela é submersa, fica sim embaixo d'água, mas não como todos pensam. A cidade fica envolta em algo parecido como uma cúpula invisível, que impede a água de adentrar as ruas da cidade, então quando entramos em Atlântida nós nos transformamos para andar, ou seja, ficamos sem as caldas.
Acho que preciso falar um pouco sobre mim agora. Sou Micaila, uma sereia. Tenho cabelos negros longos, muito longos... Nós sereias não nos desfazemos de nossos cabelos como os humanos. Eles são uma parte grande de nós. Para uma sereia, cortar os cabelos é como cortar uma parte de nossa cauda. Eu não tenho idade, nenhuma de nós tem. Não comemoramos aniversários como os humanos. Só se consegue ter uma ideia da idade de uma sereia pela cauda, que geralmente tem uma cor bem viva, como verde, rosa, turquesa ou até mesmo amarelo. Nossos olhos são da cor de nossas caudas, e com o passar das décadas eles perdem a cor, e vão se acinzentando, então partimos desse mundo.
Após ser avistada tive de voltar para Atlântida, abalada. Quando passei pela "cúpula" e me transformei, pude sentir minhas pernas tremerem. Claro, eles não poderiam me seguir até lá, mas eu estava muito assustada.
- Micaila? - Eu ouvi meu nome ecoar em meio à outras sereias que por ali estavam passando.
Eu então percebi quem me chamava. Era Lira, uma grande companheira.
- Por onde andou? Estava te procurando! - Ela me disse sorridente, enquanto colocava para trás seus longos cabelos loiros. - Micaila... O que houve? Está tudo bem? - Ela percebeu meu pavor naquele momento.
- Homens... Homens em um barco... Eles me viram.
Eu pude ver seu semblante mudar bruscamente.
- Vamos para sua casa, rápido!
Corremos pelas ruas, e rapidamente chegamos onde eu me repousava, que não ficava longe dali.
Ao entrar em minha casa Lira fechou todas as portas e janelas, para que ninguém nos ouvisse, então contei para ela todo o ocorrido.
- Você está louca? - Ela repetia, sem parar. - Se alguém descobrir que viram você, pode ter muitos problemas. Ninguém pode descobrir, ninguém! Não vamos mais falar disso!
Eu estava muito abalada naquele momento, afinal eu sabia muito pouco sobre os humanos naquela época. Não estou dizendo que agora eu seja uma especialista no assunto, mas pelo convívio que eu acabei tendo aprendi sobre os humanos consideravelmente.
- Eu não queria que eles me vissem... - Eu comentei, olhando para o chão. - Eu achei que eles pudessem ser... amigáveis talvez...
- Você está louca, Micaila? Não se lembra das histórias? De tudo que fizeram com nossas ancestrais? Eles são maus, eles não gostam de seres como nós! Não vê o que eles fazem com as baleias e com os tubarões? Eles não gostam de seres do mar!
- Sim, agora eu tenho absoluta certeza disso.
Ela suspirou, mais calma, e então me abraçou. - Eu sinto muito, eu só estou te deixando pior. Só quero o seu bem, e que fique em segurança. - Ela me soltou. - Afinal, vivemos bem aqui. Por que tanta curiosidade com os humanos? Nada de bom vem deles, nada! Quanto mais longe, melhor!
Alguns dias se passaram e eu fiquei com aquela situação passando por minha cabeça, várias e várias vezes. Relembrando meu medo, minha aflição, e meu desespero. Eu ainda não estava tão convencida sobre a fama dos humanos.
Pelo que sabíamos na época, haviam milhares de humanos nas terras próximas de nós, e eu não fui vista por todos. E se eles fossem como nós, sereias? Com suas próprias opiniões separadas? Afinal, a maioria das sereias não tinham a mesma curiosidade para com os humanos como eu, tinham opiniões diferentes das minhas. Os humanos também poderiam ser assim. Eu teria que ser vista por mais humanos, para ter um pouco mais de "certeza", se é que posso dizer assim, para esquecer nosso relacionamento com os humanos.
Eu tinha que tentar mais uma vez, e estava convicta de que ia dar certo. Então eu comecei a observar, mesmo da água, os humanos. Dessa vez eu queria me misturar à eles, para depois me mostrar em minha real forma. Eu iria fingir ser uma humana.
Parece loucura, não é? Mas eu sempre achei que aquela loucura valeria a pena. Imaginem, humanos e sereias vivendo juntos, em mar ou em terra, como iguais.
Eu descobri uma pequena praia, bem escondida. Acredito que era assim por não ser nada bonita e cheirosa.
Lá eu teria uma chance de me transformar sem que me vissem, e assim colocar meu plano em ação. - Mas sempre que eu me aproximava da praia para observar eu sentia uma sensação ruim na barriga. Eu não tinha certeza de que estava fazendo o certo, mas também era frustrante me manter somente na imensidão do mar, sem nenhuma outra motivação para a minha longa vida de sereia.
Eu decidi me transformar na praia no meio da noite, e estava disposta a fazer isso naquela mesma noite. 
20 de Junho de 2018 às 06:22 1 Denunciar Insira 3
~

Introdução

A história que vou lhes contar aqui é dedicada à todos aqueles que admiram a minha espécie. Na época dos fatos eu não conhecia absolutamente nada do mundo humano, desconhecia objetos, vestimentas e até cores, mas vou lhes dar detalhes mais apurados graças ao meu conhecimento atual desse mundo.
O fundo do oceano não era completamento lindo e calmo como se achava. Lá embaixo é gelado, é quieto, é escuro. Não estou dizendo que lá embaixo não seja um lugar adorável, mas depois de anos e anos... Queria mais para apreciar. Eu sempre quis ter o meu próprio sol lá embaixo, para aquecer eu e minhas irmãs.
Aqui eu não vou explicar de onde as sereias surgiram, afinal, nem nós mesmas sabemos. Algumas acham que fomos simplesmente colocadas aqui por Deus, ou até mesmo pelo Diabo. Nós não somos divindades do mar, somos apenas uma parte minúscula desse planeta. Dividíamos o Oceano com baleias, tubarões, peixes, arraias... E vivíamos bem. No fundo do oceano sempre ouve respeito por parte de todas as criaturas, afinal, éramos uma grande família marinha, todos como iguais. Podemos nos comunicar com todo e qualquer animal aquático.
Não existem muitas de nós, mas nem sempre foi assim. Nosso povo vivia prosperamente no fundo do oceano, e também em terra firme. Sim, podemos nos transformar para andar em terra firme facilmente. Mas com o passar dos anos tivemos que parar de nos aventurar fora do oceano, pois surgiram outros de nós, mas que não podiam viver no oceano. Queríamos aprender sobre eles, viver junto deles, mas não nos entendiam, nos temiam. Por anos e anos fomos caçadas por eles, torturadas, mortas. Sofremos coisas que não merecíamos, fomos massacradas. Foi quando decidimos nos refugiar para sempre nas profundezas do oceano. Mas eu me cansei de viver escondida.


20 de Junho de 2018 às 05:41 1 Denunciar Insira 3
~