vandacunha Vanda da Cunha

Meu pai era um contador de histórias, e essa era uma das que eu mais gostava de ouvir. É uma história que dava um pouco de medo, mesmo assim, eu sempre pedia que ele a contasse mais uma vez. Afinal, um pouco de medo não faz mal a ninguém.


Classiques Tout public.

#mistério
Histoire courte
0
1.4k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

O PÁSSARO

Conta-se que um homem, que não temia a Deus nem aos homens, muito menos tinha medo do diabo, em uma sexta-feira santa, pegou sua espingarda e disse para a mulher:

"Vou caçar algum bicho para comermos."

A mulher muito temente as leis sagradas, aconselhou-o, a não ir.

“É dia santo, homem! Vai que Deus te castiga! Vai que o diabo te engana!”

O marido pouco se importou com os sábios conselhos. Desdenhando, ele colocou a arma nas costas, e rumou para a mata.

O homem andou, andou, andou... E eis que de repente, ouviu um grasnado tenebroso. Olhou para o alto, e sobre o galho de uma árvore, um pássaro majestoso repousava.

“Que sorte a minha! Encontrei o maior pássaro da minha vida!” Jubilou o insano.

Então, ele mirou o pássaro, e já ia puxar o gatilho, quando esse, com voz melodiosa, cantou:

“Não me mata eu seu João de Madeira,

Que eu sou bicho do mato e não mato ninguém.”

“Oh! Queres que eu não te mate? Pois vou matá-lo agora mesmo!" Zombou o homem. E atirou.

A ave caiu no chão, deu alguns grasnados funestos e morreu. E depois de morta, cantou:

“Não me leve pra casa seu João de madeira

Que eu sou bicho do mato e não mato ninguém.”

O homem não deu a mínima para a voz agourenta do pássaro, pegou-o, e retornou para casa. Lá chegando, pediu a mulher que depenasse a ave, a limpasse e a fritasse. A mulher se recusou a fazer tal loucura, pegou o terço e foi rezar. O homem ainda segurava o pássaro quando esse mais uma vez, entoou.

“Não me depena eu seu João de Madeira

Que eu sou bicho do mato e não mato ninguém.”

E o homem depenou.

E seguiu-se o canto da ave...

“Não me limpa eu seu João de Madeira

Que eu sou bicho do mato e não mato ninguém.”

E o homem limpou.

"Não me tempera eu seu João de Madeira

Que eu sou bicho do mato e não mato ninguém.”

Ele temperou.

E assim prosseguiu, até a ave estivesse pronta para comer, que mais uma vez, entoou:

“Não me come eu seu João de Madeira

Que eu sou bicho do mato e não mato ninguém."

“Mulher, você quer um pedaço?”

Ofereceu o marido ignorando o mistério trevoso que acontecia.

“És louco homem! Depois de frito o pássaro ainda está falando e você vai comê-lo? Não vê que isso é coisa do demônio?”

O homem riu, e comeu tudo sozinho.

A mulher continuou rezando o terço.

Depois que se fartou de comer, o homem deitou na rede para descansar.

De repente, sentiu alguma coisa mexendo dentro do seu do seu estômago. Como se quisesse furar-lhe as carnes. Ele levantou e sentou em uma cadeira, e o negócio continuou a mexer, e depois lá de dentro, falou:

“Por onde eu saio seu João de Madeira?”

Ignorante como era, o homem retrucou.

“Sai pela boca.”

“Pela boca eu não saio porque tem saliva. Por onde eu saio se João de Madeira?” Indagou a voz sinistra.

“Sai pelo ouvido.”

“Pelo ouvido eu não saio porque tem cera. Por onde eu saio seu João de Madeira?” Continuou a voz em seu estômago.

“Sai pelo nariz.”

Pelo nariz eu não saio porque tem catarro. Por onde eu saio seu João de Madeira?”

Já com muita raiva, o homem gritou:

“Sai por onde você quiser, diabo!”

E a ave rasgou a barriga do homem , alçou um voo e sumiu, e João de madeira sangrou até morrer, e a mulher continuou rezando o terço.



Fim

4 Mai 2020 13:30:19 1 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
2
La fin

A propos de l’auteur

Vanda da Cunha Estou viva quando escrevo, as vezes nem sei se o que escrevo é bom, mas isso não tira minha vontade de continuar. Meu marido diz que eu sou uma escritora, eu não acredito muito nisso, prefiro acreditar que as palavras tem vida, e de alguma forma, elas me vivificam. Escrevo de tudo, mas o que realmente me atrai é o místico, o sobrenatural e todos os elementos dese universo.

Commentez quelque chose

Publier!
Vanda da Cunha Vanda da Cunha
Ola! Esse conto é um pouco da minha infância. Meu pai contava histórias maravilhosas, e essa é uma de tantas que ele contava.
May 04, 2020, 14:34
~

Plus d'histoires