vandacunha Vanda da Cunha

Cecília, uma jovem herdeira de uma fazenda, chega a Rolim de Moura, para realizar o sonho do pai. Em sua nova vida, ela enfrentará muitas dificuldades, mas também terá amigos fiéis e viverá grandes amores. A narrativa é ambientada em Rolim de Moura, município do estado de Rondônia.


Romance Interdit aux moins de 18 ans.

#cenas-de-nudez #violência #sexo #interesses #vingança #amor
5
3.3k VUES
En cours - Nouveau chapitre Tous les 30 jours
temps de lecture
AA Partager

Cecília (Vida em família)

Anoitecia, e uma neblina fina e fria caía sobre Campinas. Apressada, a jovem senhora caminhava pela lateral da rua. Envolta a um pesado casaco cinza, tremulava de frio. As mãos cobertas por um par de luvas brancas, vez em quando iam até a boca, o vapor morno que saía dos lábios finos, dissolvia-se a atmosfera gelada. Sem se dar conta do sublime efeito produzido pela fusão dos dois elementos, ela seguiu apressada. Minutos depois, parou frente à casa 344, tirou a chave da bolsa e abriu o portão. Sentiu-se mais tranquila, pois chegara a tempo de preparar o jantar. A esta hora o marido já devia estar impaciente. Sem nenhum deslumbramento, seguiu pela calçada chegando até a porta que foi aberta com certa impaciência.

Ao entrar no pequeno hall, fez o ritual diário, tirou o cachecol e o dependurou no cabideiro próximo a um balcão estilo Luiz XV e jogou as luvas as sobre o móvel de madeira. Silenciosamente ela caminhou até a sala, e viu a filha deitada sobre o sofá, estranhou vê-la tão comodamente deitada e lendo um livro, a essa hora ela deveria estar na faculdade, e não em casa. Contemplou o fruto do seu ventre por alguns segundos, para então tocar-lhe os cabelos alourados.

— Mãe! — Disse a jovem virando-se para olhá-la. — não ouvi o barulho da porta abrindo.

— Você estava tão entretida na leitura...

— Já li esse livro quatro vezes, precisamos renovar a biblioteca. — Disse sentando-se sobre o sofá.

— Você vai ser uma advogada, devia ler a constituição e livros relacionados a leis, não esses romances. ― Criticou a mãe.

― É só pra passar o tempo.

― Você devia ser escritora, ou jornalista. Acho que sua fruição seria melhor aproveitada.

A moça riu, levantou-se do sofá, colocou o livro sobre a mesinha de centro e muito convincente respondeu.

— Escrever romances não seria uma má ideia, mas ser escritor não traz um retorno satisfatório. Poucos autores conseguem reconhecimento, já advocacia... Bom tem sempre alguém precisando ser defendido.

— Tudo bem futura advogada. Que tal me ajudar a fazer a janta.

— Vamos ter sopa novamente? A filha perguntou num meio riso.

— Sim, vamos ter sopa novamente. ― As dua riram juntas, e abraçadas foram para a cozinha.

— Eu imaginei que você estivesse na faculdade… ― Divagou a mãe enquanto seguiam rumo a cozinha.

— O papai se sentiu mal, achei melhor ficar com ele.

— Eu sei o quanto você gosta do seu pai, filha, mas um médico resolveria o problema.

— A senhora sabe que o papai odeia médicos, seria uma tortura obrigá-lo a procurar um. Ele tem suportado bem! ― Suspirou a jovem adentrando a cozinha.

Uma ruga de inconformismo surgiu na testa da mãe.

— Eu odeio tanta coisa, e sou obrigada a enfrentá-las! Por que seu pai tem que ser polpado de tudo?

Nesse momento a filha maneou a cabeça. Já estava entediada de ouvir sempre as mesmas reclamações feitas pela mãe. Num gesto de clemencia levantou as duas mãos e cruzou-as sobre o peito.

— Por favor mãe! Tenha paciência, ele já está sofrendo com a doença, creio que já pagou todos os pecados. Tenha um pouco de compaixão.

A mãe riu forçado, maneou a cabeça e foi até a pia, ligou a torneira e deixou a água cair por alguns minutos. Só depois pegou o vidro de detergente e espremeu uma boa quantidade do líquido sobre a mão. A filha a observava, o modo como a mãe esfregava as mãos uma na outra retratava muito bem, o grau de angústia e sofrimento que a mãe trazia dentro de si. E a jovem sabia disso, sabia o quanto a mãe sofria.

— Seu irmão chegou? ― A mãe perguntou sem muita expectativa.

— Ele veio almoçar, mas pouco demorou, comeu, e saiu novamente!

— Seu irmão me preocupa; ele se meteu na jogatina e esqueceu do trabalho! Não sei o que eu faço! ― Disse a mãe abrindo a geladeira e escolhendo alguns legumes.

— O Jorge é adulto, mãe! A senhora não tem que resolver os problemas dele.

— Eu não sei onde errei com esse menino… ― Reclamou a mãe colocando os legumes na pia.― Descasca pra mim, filha. Eu vou cortar a carne. ― Pediu mascarando a preocupação.

Ficaram as duas mulheres na cozinha, moviam-se de um lado a outro, sem no entanto, trocar mais nenhuma palavra, ambas sabiam que nada que falassem mudaria a situação caótica que viviam. O barulho da sopa borbulhando na panela vez em quando levava a mãe a abrir a tampa e provar o sabor, um tempo depois, ela riu satisfeita.

— Está pronta! Vai chamar seu pai. Vamos comer antes que esfrie.

A filha se levantou da cadeira e se aproximou da panela, esticou um pouco o pescoço e expirou o ar.

— Está cheirando...

— Vai logo! Seu pai deve estar com fome!

— Calma! Já estou indo Dona Elvira. ―Retrucou a moça gesticulando com os braços e saindo em seguida.

Enquanto seguia pelo corredor, ela pensou em seus pais, amava-os. Sim, verdadeiramente os amava. Mas quis o destino ser tão cruel, e acabar com os belos tempos em que tudo era bom, época em que o pai tinha saúde e podia trabalhar, em que o irmão tinha juízo e não fazia tanta coisa errada, época em que o dinheiro de sua mãe era para comprar alguns mimos e luxos, e não para sustentar a casa.

Deteve-se para enxugar uma lágrima que rolou pelo rosto, só então abriu a porta e entrou no quarto. Como se adivinhasse a visita, o pai a esperava sentado em uma cadeira, ela sorriu ao vê-lo.

― O senhor está melhor, papai? ― Perguntou ela se aproximando.

― O que você colocou naquele chá? Eu dormi a tarde toda.

― É um chá calmante, papai. Por isso o senhor dormiu. Agora vamos para a cozinha, a mamãe está esperando. ― Disse a moça ajudando o pai a levantar da cadeira.

― Não precisa me ajudar, eu ainda posso andar sozinho! ― Reclamou o pai dispensando a ajuda.

― Eu sei que o Senhor consegue, papai, mas gosto de fingir que precisa de mim.

― Está certo, eu também gosto de fingir que consigo andar sozinho.

Ambos se entreolharam, e riram simultaneamente, havia cumplicidade no olhar dos dois, e um afeto recíproco.





9 Avril 2020 19:44:03 3 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
2
Lire le chapitre suivant Cecília (O professor)

Commentez quelque chose

Publier!
Vanda da Cunha Vanda da Cunha
Meu muitíssimo obrigada aos leitores dessa apaixonante história. Sou grata por cada acesso feito, e estou feliz com o desempenho alcançado. ❤💖
Vanda da Cunha Vanda da Cunha
Olá apaixonados por romances. Essa história que estou escrevendo, é um romance com características de novela. Eu agradeço pelos acessos e que a leitura seja agradável. Namastê!
June 21, 2020, 13:39
Vanda da Cunha Vanda da Cunha
Olá! Eu moro em Rondônia e amo esse lugar, amo o verde o sol, o calor, os rios e tantas belezas que aqui existem. Mas amo principalmente a diversidade e a cultura rondoniense. Estou feliz por retratar nessa história um pouco da essência desse estado maravilhoso.
June 01, 2020, 13:18
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 17 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!

Plus d'histoires

Quand tu n'étais pas là Quand tu n'étais pas là
Stop in the Name of Love Stop in the Name of Lo…
At First At First