the9intheafternoon Layse Amaral

Lyanna Stinson é conhecida como uma das melhores chefs de Manhattan. Ficou famosa ao participar de um reality show de culinária, onde conheceu seu noivo, Eric Whiteley, apresentador do programa. Tenta ao máximo levar sua vida normalmente - o que envolve gerenciar com maestria seu próprio restaurante e criar o seu filho de 5 anos, Dustin -, apesar da fama repentina e da constante exposição à mídia que seu noivo parece gostar tanto. Daniel Whiteley é um romancista que detesta a imprensa desde o incidente que o fez se isolar na casa de campo de sua família adotiva, em Dublin. Reservado, gosta de pensar que apenas seguiu em frente com sua vida, ignorando o status de ex-celebridade a todo custo. Mesmo sem manter muito contato com o irmão mais velho, regressa a New York para o casamento deste com "a moça do programa de tv". No dia da cerimônia, o impensável acontece. Em uma fuga não-programada, Lyanna conhece Daniel, que serve de piloto em seu ato de desespero. E o que deveria ser um acontecimento isolado se torna uma enorme dor de cabeça. E a cada dia fica mais difícil para a dupla se manter fora dos holofotes.


Romance Chick.lit Interdit aux moins de 18 ans.

#comédia-romântica #chef #escritor #manhattan
1
1.2k VUES
En cours - Nouveau chapitre Tous les 30 jours
temps de lecture
AA Partager

Noiva em Fuga

A Saint Thomas Church estava decorada em perfeita harmonia, a ponto de que a mídia presente já classificava o evento como “o casamento de conto de fadas de Eric e Lyanna”. Tudo era de um branco delicado, com pequenas e adoráveis flores cor de rosa - no tom mais suave possível - e as luzes ligadas de maneira estratégica davam um toque de magia a mais ao redor. O tapete tradicional havia sido trocado especialmente para a ocasião, tendo um de cor próximo ao malva estendido do caminho da porta até o altar. O clima também colaborava, não sendo muito quente e nem abafado, além de ter o pôr-do-sol se estendendo pelos prédios de Manhattan do lado de fora da igreja. Os bancos haviam sido quase todos ocupados e as 18:00 se aproximavam. Logo mais estariam todos assistindo ao enlace do casal mais adorado pelo público dos últimos anos.

Tudo era acolhedor e possuía aquela atmosfera que só casamentos conseguiam ter.

Na pequena sala reservada à noiva, as damas de honra andavam com animação pelo local, elogiando a beleza da homenageada do dia e dizendo que tudo sairia perfeito. A madrinha da noiva também estava ali presente, cuidando com atenção da maquiagem da mesma. Vez ou outra seus olhares se cruzavam e sorriam uma para a outra. Era o grande dia. Como em um conto de fadas, o final feliz estava mais perto do que nunca. Lyanna Stinson poderia jurar que estava mesmo em um sonho, naquele momento.

— Você está linda! — A mulher disse a ela, em voz baixa, acariciando o rosto da noiva com o polegar após terminar seu trabalho. As duas miravam o espelho em sua frente, admirando o excelente trabalho que havia acabado de ser feito. — A noiva mais linda que já vi.

— Elyse. Você é minha irmã e madrinha. E minha maquiadora oficial. — Lyanna listou, erguendo uma das sobrancelhas enquanto observava Elyse rir atrás de si. — O que você está dizendo é bastante suspeito.

— Bem, eu não sou nada disso, e concordo com Elyse. — Disse uma das damas de honra, se colocando ao lado da irmã de Lyanna.

— Você é uma das minhas melhores amigas. Também não conta, Alicia. — A noiva respondeu, lhe lançando um sorriso brincalhão.

— Nervosa? — Alicia perguntou, inclinando sua cabeça levemente para o lado. O tom de rosa de seu vestido parecia realçar a cor de seus enormes cabelos castanhos.

— Um pouco. — Lyanna confessou, fazendo uma ligeira careta. Para quem sempre sonhou com o próprio casamento, do jeito mais romântico possível, pouco teve contato com os detalhes. A maior parte dos ajustes foram feitos pela equipe de Eric, com a justificativa de que ela deveria focar apenas “no mais importante”. Não sabia o que esperar do próprio casamento, mas acreditava que talvez assim fosse melhor e sofresse todo o impacto da surpresa preparada por seu futuro marido. Isso, somado ao fato de estar se casando com o homem por quem se apaixonou dois anos antes a deixava bastante nervosa, falando honestamente. Esfregou as mãos no vestido longo, removendo dali o suor que se acumulava. Sorrindo para Alicia, ainda pelo espelho, disfarçou sua confusão: — Mas qual noiva não fica nervosa no dia de seu casamento, não é mesmo?

— Então… ouvi dizer que é permitido a noiva tomar um shot antes de subir ao altar... — Comentou Alicia, como quem não quer nada, enquanto deslizava os dedos pelo tecido que cobria os ombros de Lyanna.

— Vocês não trouxeram bebida para uma igreja presbiteriana! — Lyanna exclamou, os olhos arregalados.

Não que fosse religiosa. Na verdade, Lyanna nem ao menos possuía uma religião. Mas Eric insistiu em se casar na Saint Thomas Church, uma vez que todo mundo de sua família se casou ali. E depois o número de convidados para a cerimônia cresceu tanto que apenas um lugar como aquele poderia comportar tanta gente. Isso ou se casar ao ar livre. Mas Lyanna não era fã da ideia de casamentos em espaços abertos, uma vez que os paparazzi dariam um jeito de invadir a cerimônia para fotografar o momento. A falta de privacidade sempre incomodou a mulher.

— Ah, mas nós não trouxemos. — Elyse negou, apesar de seu tom de voz conciliador.

— Tess trouxe. — Esclareceu Alicia, encolhendo ligeiramente os ombros. — Dentro do blazer de Jake.

A noiva não conseguiu esconder o riso, se inclinando para a frente no processo. Suas damas de honra eram as pessoas mais malucas e maravilhosas que poderia chamar de amigas. Balançando a cabeça, se virou em sua cadeira e encarou a irmã e a amiga, se sentindo grata por tê-las ao seu lado. Juntamente com Tess, aquelas duas sabiam sempre a melhor maneira de deixá-la mais tranquila.

— Obrigada a todo o apoio, gente… Mas eu prefiro me casar sem estar com o hálito cheirando a vodka. — Ela disse, ainda com um ar de riso no rosto.

A porta se abriu, com Tess segurando uma clutch de um tamanho exato para esconder um cantil passando por ela em seguida. Elyse pressionou os lábios um contra o outro, se segurando para não cair na risada como a irmã, momentos antes. Alicia abriu espaço para Tess se aproximar da noiva, que encarava sua outra amiga com um ar de incredulidade no rosto. Aquele trio gostava mesmo de criar pequenas aventuras no seu cotidiano.

— Tess, eu já disse às meninas que escolhi não beber nada… — Lyanna começou a explicar-lhe, porém a expressão no rosto da outra mulher a deixou intrigada. Ela estava nervosa, com o celular em mãos. O estômago da noiva embrulhou na hora. Tess não se abalava com nada. — O que aconteceu? Foi algo com o Dustin?

Seu primeiro instinto é perguntar sobre o menino. Há quase seis anos era assim.

— Não, querida, ele está bem, com Mitchell. — Tess falou, em voz baixa, se inclinando ligeiramente para frente. Elyse e Alicia automaticamente se fecharam ao redor das duas, garantindo que elas tivessem a privacidade que Tess parecia estar querendo. — Acabou de sair no TMZ um vídeo com Eric…

— Ah... Bem, já esperava que alguma coisa da cerimônia vazasse. Está cheio de paparazzi lá fora. — Stinson respondeu, encolhendo ligeiramente os ombros em um ato de conformismo. A sua vida e a do noivo vez ou outra era assunto dos tabloides, principalmente a de Eric, a personalidade realmente mais famosa entre os dois. Era algo com o qual havia se habituado de certa forma.

— Acho que você vai querer dar uma olhada nisso. — Tess falou, parecendo ao mesmo tempo preocupada e chateada. Antes que Lyanna pudesse protestar, seu tom de voz ficou ainda mais urgente: — Ele aparece falando de vocês dois. E do Dustin.

— O quê? — Lyanna perguntou, finalmente levando a conversa sobre o vídeo a sério.

Tess mostrou a tela do celular para a noiva e deu play, deixando o vídeo rodar.

Alguém havia filmado Eric e seu agente conversando. Pelas roupas que o seu noivo usava, Lyanna poderia afirmar que havia sido no dia anterior. O agente pedia para Eric maneirar no whisky e o homem apenas fazia um gesto com as mãos, debochando de suas palavras. Não iria lhe dar ouvidos, a mulher sabia disso. Dependendo do quanto havia bebido, Eric se tornava mais teimoso que o normal.

— Vamos lá, chega por hoje. — Era possível de se escutar Shawn, o agente, falando. — Você tem um casamento para ir amanhã, lembra? O seu casamento?

— Claro que lembro! — Eric afirmou, parecendo indignado pela pergunta.

— Então. Vamos pra casa. A partir de amanhã você será um homem de família! — Shawn começou a dizer, tentando tirar o copo das mãos de Eric, falhando no ato.

— Homem de família? Que família? — Ele perguntou, rindo tal qual o bêbado que estava sendo naquele momento. — Eu não vou criar aquele bastardinho. Vou jogá-lo no primeiro colégio interno japonês que eu ouvir falar. Quanto mais longe melhor.

— Eric! — Shawn o repreendeu, o olhando com surpresa e impaciência.

— Você sabe que eu não suporto aquele pirralho. — Eric resmungou, balançando a cabeça com uma expressão de nojo, como se só de pensar no garoto seu estômago revirasse. — Infelizmente não posso me livrar dos pais dela também. Outros velhos chatos insuportáveis. Por mim, estariam em um asilo em Hamptons há anos.

Enquanto tomava um generoso gole de seu whisky, seus olhos capturaram o cinegrafista amador. Seus olhos se arregalaram e agarrou o braço de Shawn, como se pedisse ajuda. A filmagem ficou borrada e então se encerrou. Lyanna pôde ver seu reflexo na tela do celular de Tess, os olhos cheios de lágrimas em seu rosto estupefato.

— Filho da puta! — Disse Elyse, com a voz gélida.

— Quando esse vídeo foi ao ar? — Lyanna perguntou a Tess, a voz fraca.

— Tem pouco tempo, nem meia hora ainda. — Respondeu à amiga, de imediato. Seu cenho estava tão franzido que seu rosto bonito parecia uma carranca. — O que vai fazer?

A mulher olhou para as três ali presentes, lhe encarando com um misto de preocupação, solidariedade e curiosidade. Esperavam que ela tomasse alguma atitude, que reagisse ao vídeo que Eric ainda nem deveria saber que estava na internet. Mas seu coração estava quebrado e pelas rachaduras algo frio penetrava em suas veias e artérias. Raiva. Decepção. Tristeza. Humilhação. E ainda mais raiva. Empurrou a cadeira onde estava para trás, ficando de pé sobre seus saltos delicados. O vestido que usava possuía o corte sereia, mas resolveu o problema de mobilidade puxando sua barra até a altura das coxas. Com os olhos vermelhos devido às lágrimas que lutava para não derrubar, Lyanna saiu abruptamente do pequeno cômodo em direção à área onde ocorreria a cerimônia.

A porta da igreja se abriu com um grande estrondo, com Lyanna parada, ofegante, os olhos arregalados e as mãos tremendo enquanto segurava a barra do vestido para cima, do mesmo jeito que escapou da sala onde se preparava. Faltava bem pouco para o começo do casamento, talvez uns 20, 25 minutos. Deu dois passos, vacilantes, enquanto engolia em seco, dando tempo de ser alcançada por Elyse. Ela correu todo o percurso até ali.

— Por favor, Lyanna, pense direito no que está fazendo. — A mulher pediu a irmã, em um sussurro, seguindo-a como uma sombra enquanto a outra caminhava de cabeça erguida e rosto decidido pelo corredor.

— Eu já pensei, Lys. Na verdade, nunca pensei de maneira tão clara quanto agora. — Lyanna respondeu, virando minimamente o rosto na direção da mulher; não parou de andar, até porque se o fizesse, temia desabar. O seu emocional estava abalado a ponto de deixar suas pernas trêmulas e fracas. — Não tente me impedir de fazer isso, por favor.

— É claro que não vou impedir. — Elyse sibilou, conseguindo alcançar o ombro de Lyanna e caminhando lado a lado com a irmã. — Eu só estou tentando lhe dizer que não precisa fazer isso pessoalmente. Um porta-voz pode colocar fim nisso.

Lyanna pareceu repensar sua atitude, mesmo estando a poucos passos do altar. Ouvia o murmurinho das pessoas a seu redor e sentia o rosto esquentar com a atenção adquirida. Não gostava de ser o centro das atenções. Se pudesse entrar e sair dos lugares sem ninguém a perceber, achava isso excelente. Mas o instinto maternal a deixou com sangue nos olhos o suficiente para ignorar seu lado retraído. Eric merecia o que viria a seguir. Isso e muito mais.

Ninguém chamava seu filho de bastardinho. Ninguém falava de seus pais daquele jeito. Não enquanto ela estivesse viva, não quando ela soubesse disso. Lyanna não era dada a escândalos e muito menos a vinganças. Mas naquele momento só o que queria era imaginar a cara de humilhado que Eric teria ao perceber o que estava acontecendo em seu casamento construído de forma tão ostensiva.

— Eu não me sinto confortável com o que vou fazer, mas eu não vou ficar em paz se ficar quieta e deixar que outra pessoa fale por mim. — Lyanna falou a irmã, a sinceridade transbordando e suas palavras. Seus olhos cruzaram com os de Elyse e a outra pôde sentir a decisão em seus orbes azuis. — Ninguém fala dos nossos pais e do meu Dustin daquele jeito e sai impune.

Elyse a encarou por alguns segundos, até que assentiu e apertou levemente o ombro da irmã.

— Vá em frente, garota. — Ela disse, incentivando-a.

Lyanna finalmente alcançou altar, respirando fundo. Deu um giro, ficando de frente a todos os convidados. Suas mãos suavam no tecido de seu vestido de noiva e quando o largou, percebeu que o tremor do nervosismo fazia seus dedos se chocarem um contra o outro. Falar em público não era para ela, ainda mais para mais de 300 pessoas. Não era íntima nem de 1/20 daqueles ali presentes. Tirando um grupinho que era essencial em sua vida, todo o resto era formado por pessoas que Eric achou que deveriam estar presentes em seu casamento. O momento dos dois se transformou em algo para ser visto e comentado, e isso sempre intimidou Lyanna. Principalmente naquele momento. Abriu um sorriso cordial, apertando as mãos em frente ao corpo.

— Bem... primeiramente gostaria de agradecer a presença de todos. — Falou, sentindo a voz um pouco trêmula. O olhar de Elyse era o único que não carregava curiosidade. Ela balançava a cabeça em concordância, dando-lhe apoio. Os outros pareciam estar saturados de tanta estranheza e isso só a deixava mais nervosa. Não poderia parar de falar ou entraria em desespero. Teria que deixar sair tudo de uma vez. — Obrigada por virem. Sei que devem ter se organizado antecipadamente para estarem aqui hoje... E é por isso, e só por isso, que lamento informar, mas não haverá mais casamento. — O burburinho ameaçou desconcentrá-la, deixando-a ainda mais tensa. Mas Lyanna respirou fundo mais uma vez e melhorou seu sorriso, como se nada daquilo estivesse a corroendo por dentro. Só precisava pensar em uma coisa para seguir em frente: o rostinho de sua criança, que esperava com o pai em uma outra sala reservada da igreja a hora de entrar com as alianças. Eles não faziam a mínima ideia do caos que estava se iniciando ali naquele recinto. — Eu e meu noivo... — Umedeceu os lábios, percebendo o quanto era difícil chamar Eric assim depois de assistir ao vídeo. — Nós temos pontos de vista diferentes quanto ao nosso futuro e por esse motivo inconciliável não podemos estragar um ato sagrado desses. Casamentos celebram a união e neste momento nos encontramos... Como dizer isso? — Lyanna pareceu mesmo buscar alguma forma mais delicada para se expressar, quando na verdade estava elaborando um discurso que deixaria claro o que ela havia visto. — Mais afastados do que se eu estivesse exilada no Japão e ele aqui.

As vozes se tornaram ainda mais altas e Lyanna pôde capturar, no meio de tantos rostos, as expressões espantadas de seus pais e de seu sócio. Queria poder correr em sua direção, mas se o fizesse iria desabar na frente de todos aqueles seres prontos para espalhar as notícias em frente. Estava plenamente convencida de que assim que saísse do recinto o Twitter explodiria com as novas. Talvez até mesmo tivesse alguém a gravando naquele momento. E por isso não iria se aproximar de ninguém querido naquele instante. Não iria arrastar mais ninguém para o fundo do poço. A noiva alisou o vestido, tentando retomar o foco. Foi preciso limpar a garganta em voz alta mais de uma vez para que se acalmassem o suficiente para ouvi-la.

— Os presentes serão devolvidos durante a semana, não precisam se preocupar. — Seu tom de voz era calmo, apesar de reverberar pelas paredes da igreja o fim infeliz do que prometia ser um conto de fadas. — E, por favor, se sintam à vontade para ir à recepção. Já está tudo pago, de qualquer maneira. — Encolheu ligeiramente os ombros, como quem diz que não pode fazer nada. E com a mesma calma de sua voz, começou a fazer seu caminho de volta. — Obrigada pela atenção de todos. Boa noite.

Puxando novamente o vestido para cima para conseguir caminhar mais facilmente, Lyanna se retirou do altar. Seus passos a levaram pelo mesmo caminho que havia feito anteriormente. Ao passar por Elyse, essa segurou em seu ombro com suavidade, mas apenas balançou a cabeça. Queria seu conforto, mas não na frente de toda aquela gente. E precisava de espaço. Precisava desaparecer em meio à multidão. Havia apenas uma emergência que precisava lidar antes de o fazer.

— Dustin. — Falou a irmã, em voz baixa. Seus olhos fitavam o carpete e se pegou pensando de maneira distante o quanto havia o detestado.

— Ainda está com o Mitchell. Vou avisá-lo que é melhor o Dustin passar a noite na casa dele, hoje. — Informou Elyse, em um tom de voz tenso. Se inclinou um pouco para a frente, a tez marcada pela preocupação. — O que você…?

— Até mais, Lys. — Lyanna falou em voz baixa, se afastando.

Seus passos se tornaram mais rápidos. Ninguém poderia alcançá-la naquele momento. Precisava escapar, precisava ir para bem longe dali, sem dar mais satisfações. Seu coração disparava embaixo do lindo bordado florido no tecido marfim. Não era assim que imaginava que as coisas iriam acontecer. Não foi com isso que sonhou na noite anterior, quando dormiu com a cabeça cheia de expectativas para seu grande dia.

As pessoas sempre diziam que não entendia como ela e Eric conseguiam ser um casal e quase não podiam acreditar quando ouviam a notícia de que iriam se casar. Lyanna sempre achou que era um exagero. Eric podia ser um pouco excêntrico de vez em quando e achar divertido toda a atenção que a imprensa que lhe dava, mas no fundo era uma pessoa adorável, era o que pensava. Mas naquele momento queria ter dado atenção a todos que lhe questionaram sobre o casamento, sobre seu relacionamento.

A porta da igreja se abriu novamente e Eric surgiu, os olhos dilatados e a respiração falha. Sua gravata estava fora do lugar e seu cabelo não estava tão bem penteado quanto costumava estar. E seu sorriso perfeito, como se sempre estivesse pronto para uma foto, havia desaparecido do seu rosto. O que havia no lugar era nervosismo. Um verdadeiro pânico. Ele sabia do vídeo. E a essa altura sabia o que Lyanna havia acabado de fazer, ou ao menos teria alguma noção disso. Ao emparelhar com ele, a mulher o olhou com uma fúria que fez seus orbes azuis faiscar. O homem engoliu em seco.

— Vá se foder. — Ela disse a ele, em um tom de voz que denotava todo o seu nojo pelo, agora, ex-noivo. Arrancou o anel de noivado de sua mão e o atirou no peito de Eric, sentindo as lágrimas começarem a escapar.

Não. Não faria isso em frente a ele.

— Lyanna, eu posso explicar. — Ele lhe disse, o rosto adquirindo uma coloração avermelhada. Talvez de nervosismo, talvez de vergonha. Ela não ficaria para ver.

Correu da frente do homem, empurrando a porta da igreja e em seguida os pesados portões para a saída da mesma. Assim que seus pés tocaram o topo da escadaria imponente da Saint Thomas, milhares de flashes explodiram em seu rosto, a fazendo se encolher ligeiramente. Precisava sair dali. De preferência, seguir para o lugar mais distante possível dos domínios de Eric Whiteley. Um carro encostava lentamente na porta da igreja. Lyanna não deu tempo algum para quem quer que estivesse o conduzindo pudesse decifrar o que estava acontecendo ali. Simplesmente correu até o automóvel e se atirou dentro dele, batendo a porta do passageiro com força após chocar seus quadris com o estofado do banco. Olhou para o motorista com os olhos transmitindo toda a emergência do momento, sentindo que não conseguiria falar mais do que uma simples frase.

— Por favor. — Pediu, em um tom baixo, porém intenso.

O motorista a encarou com surpresa e até mesmo certo receio. Seu olhar desviou para o lado de fora, com os milhares de paparazzi fotografando cada segundo que o carro passava parado ali. E cada um desses segundos parecia fazer a massa de curiosos aumentar, fazendo-o poder jurar que uma avalanche estava saindo pelas portas da Saint Thomas. Seus olhos voltaram a encarar a mulher assustada em seu carro. A noiva. Ela não deveria estar ali. E não deveria estar tremendo. O homem apenas assentiu a ela, passando a marcha e colocando o carro em movimento novamente, ganhando rapidamente velocidade.

— Para onde? — Ele lhe perguntou, se ajeitando no seu lugar, os olhos atentos à pista a sua frente.

— Para longe daqui. — Ela lhe pediu, com uma voz fragilizada.

— Pode deixar. — O homem na direção concordou, acelerando.

E, internamente, Daniel Whiteley perguntou-se o que diabos seu irmão havia feito àquela mulher.

19 Mars 2020 20:29:40 2 Rapport Incorporer 1
Lire le chapitre suivant Quase Famosos

Commentez quelque chose

Publier!
nai  nai
O ícone está de volta. Nem preciso ler esse pq ainda lembro de tudo! Esperando os próximos.
March 19, 2020, 20:41

  • Layse Amaral Layse Amaral
    Aproveitando esses tempos de isolamento pra esse comeback. E logo tem mais, tô revisando aos poucos, tentando atualizar algumas coisas. March 19, 2020, 20:44
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 1 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!