New writing contest available! #AParallelUniverse. En savoir plus.
saaimee Ana Carolina

Uma sexta-feira à noite, depois de um dia cheio de trabalho, o casal se senta para conversar sobre o que fizeram enquanto estavam longe. ------------------------------------------------------------------- → Capa tirada do site: pixabay.


Romance Romance jeune adulte Tout public. © Todos os personagens aqui pertencem a mim e TsukiAkii. Portanto postar/reproduzir esta estória em qualquer página sem a minha autorização é completamente proibido. Plágio é crime e eu tomarei providências.

#hetero #casal #rotina #oc #personagem-original #vida-diaria #domestico
Histoire courte
1
1.4k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Capítulo Único

O jovem andava pela cozinha pequena já vestindo suas roupas largas de dormir e um guardanapo no ombro. Ouvia atento ao noticiário enquanto abria a janela deixando o ar fresco entrar.

O som do óleo fervendo no fogão fazia companhia ao som das notícias na TV da sala ao lado formando a trilha sonora daquele início de noite.

O âncora na TV anunciava o início da próxima matéria, algo sobre uma série de roubos acontecendo nas cidades vizinhas e o alerta dos possíveis riscos que alguns bairros corriam com a proximidade de chuvas nas semanas seguintes.

— Todo dia isso – Pegando o pacote de salgados congelados na pia, o rapaz comentou balançando a cabeça nada impressionado.

Sua mão rasgou o plástico e adentrou o pacote, retirando algumas mini coxinhas e outros salgadinhos quase totalmente descongelados. Caminhou devagar até o fogão alguns poucos metros dali e os colocou na frigideira.

O fogo alto e a queda desajeitada de um dos congelados fez o óleo espirrar, acertando seu braço e tirando algumas reclamações estabanadas dele.

Não era comum que fizesse fritura para o jantar deles, entretanto estava cansado quando saiu do trabalho e achou que ao invés de se esforçar em um jantar exaustivo eles poderiam aproveitar uma sexta-feira bagunçada. Achou que mereciam aproveitar uma porcaria de vez em quando.

No meio da barulheira que acontecia na cozinha, o som de chaves chamou sua atenção. Limpando a mão no guardanapo, ele correu até a entrada da cozinha vendo a jovem de cabelo preto e vestido azul folgado adentrando a casa.

— Oi – Falou automaticamente antes de dar tempo a ela de se virar por completo.

Sua voz contente a surpreendeu fazendo o olhar por alguns instante antes de fechar a porta e caminhar até ele sorrindo.

— Oi! – Dando um beijo curto em seus lábios, falou. — Chegou cedo.

— Dona G. me expulsou de lá – Explicou rindo enquanto caminhava ao lado dela em direção a cozinha. — Falou que já trabalhei em excesso essa semana.

— Não mentiu.

—É… – Ligeiramente envergonhado, riu concordando. — Aí passei no mercado e comprei o que lembrei que faltava – O comentário a fez olhar ao redor procurando as sacolas e encontrando um fogão barulhento e o cheiro de fritura tomando o local. — E o que não precisava.

O rapaz se explicou dando alguns passos à frente enquanto ela ainda tentava decifrar o que era. Viu então o pacote aberto na pia e as figuras ilustrativas que a fizeram sorrir.

— Salgadinho?! – Perguntou alto o fazendo rir.

— Salgadinho.

Essa não era o tipo de comida favorito deles — evitavam exagerar no óleo sempre que podiam —, entretanto comer esse tipo de coisa sempre os lembrava de ocasiões felizes, quase infantis, e trazia uma felicidade automática em seus corações.

Anthony assistiu a jovem colocar a bolsa em uma das cadeiras enquanto se sentava na outra. Viu suas mãos correrem por seus cabelos longos tirando a fita que o prendia no topo e sentiu seu cansaço quando ouviu um suspiro tímido escapar dos lábios delicados dela.

Era frustrante vê-la exausta, queria tirar todo o stress de seu corpo e tomar para si, porém por outro lado estava feliz de saber que estava se esforçando todos os dias para fazer o que amava.

— E como foi a tarde? – Ele perguntou, caminhando em direção ao fogão.

— Agitada. Mais que o normal – Rindo timidamente, respondeu. — Quase não tive tempo de descansar.

— Sexta-feira, né?

— Sim… Parece que só nesse dia todo mundo tem pedido para fazer e retirar – Comentou debruçando sobre a mesa enquanto olhava para as frutas coloridas no canto.

Seus olhos piscavam devagar sentindo o peso do sono se agarrar as suas pálpebras enquanto se lembrava de toda a correria atrás do balcão da confeitaria.

O silêncio caiu sobre a sala por instantes deixando o fogão falar alto quase calando a voz do homem no jornal.

Seus grandes olhos azuis se levantaram vendo o rapaz fazendo caretas toda vez que chegava perto da frigideira. Um sorriso cruzou seu rosto. Não tinha se dado conta do quanto estava feliz por tê-lo ali assim que chegou.

— Ah, tem uma coisa – No meio de seus pensamentos se lembrou daquilo que tinha passado o dia todo pensando. Sua voz ligeiramente alta chamou a atenção dele. — Me pediram pra fazer uma receita de um doce novo para o cardápio que vai entrar essa semana.

— Sério?! – Perguntou com a boca escancarada e olhos que brilhavam orgulhosos.

— Sério, mas eu não sei cozinhar – Sua voz não parecia decepcionada, estava mais para preocupada.

— Ah… Verdade.

— Eu tentei recusar, mas – se interrompeu por instantes mordendo os lábios, pensando no momento em que o chefe lhe fez o pedido sorridente e ela sentiu seu coração se afundar em alegria e desespero. — Precisavam de ajuda.

Anthony sorriu. Sabia que Blood não era boba como ele a ponto de não saber dizer não. Então se ela aceitou o pedido foi porque realmente queria fazer isso acontecer.

— Eu te ajudo – Falou em um tom gentil, tirando outra bolinhas douradas do óleo. — Amanhã a gente tá de folga então dá pra bagunçar um pouco.

A jovem o observou em silêncio por segundos. Não queria atrapalha-lo e menos ainda fazer trabalhar mais do que já trabalha a semana toda, porém não conseguia negar a agitação em seu peito contente ao se lembrar que podia sempre contar com ele.

— Obrigada – Falou sorridente atraindo a atenção dele que a encarou com o sorriso apaixonado de sempre. — E como foi seu dia?

— Bem mais calmo que o seu – Brincou colocando os últimos petiscos no óleo. — Não importa o dia, na floricultura tudo é devagar.

— Isso faz bem para você – Blood comentou se ajeitando na cadeira. — Porque quando você precisa fazer o trabalho de jardinagem na casa dos outros, você se estressa demais.

— É…

— E você sabe que eu prefiro que fique os dois dias em casa pra descansar, mas fico feliz que a floricultura seja a melhor opção.

— Você sabe como eu sou – Retrucou frustrado consigo mesmo. — Se eu ficar em casa durante a semana, eu enlouqueço.

— Eu sei – Riu do jeito dramático dele. — Mas não exagere.

— Não vou. Essa semana saiu do controle por causa do condomínio. Aquela a gente pega pesado – Cruzando os braços, se apoiou no balcão da pia enquanto falava. — Mas não se preocupa. Eu vou tentar não deixar acontecer de novo.

— Tentar… – Repetiu o olhando de canto sarcástica. Ele riu desviando o olhar.

— Mas... Tirando as 2 horas que fiquei olhando para o teto e a manhã toda correndo com estoque de encomendas, hoje apareceu um casal lá – Contou a olhando com uma expressão surpresa a fazendo levantar as sobrancelhas. — É difícil isso. Eu até achei estranho, porque a gente lida com encomenda pra velório, shows, casamento… eventos geral, mas nunca com gente, gente.

— Ainda mais casal.

— Sim! – Respondeu alto, depois se afastou da pia pegando a . — E eram dois senhores. E eles eram tão… – apertando seus mãos no ar, o rapaz mordeu os lábios, fechando as sobrancelhas fazendo a expressão de quando se vê algo fofo. Blood riu. — Acho que tinham a mesma idade. Queriam flores para decorar a casa. Tavam escolhendo tudo, junto aí um deles saiu de perto para ver as pelúcias na vitrine e o outro, que parecia mais sério, ficou no balcão comigo – Contou enquanto cutucava os salgadinhos. — Aí ele chegou perto e sussurrou pra mim "você pode me fazer um buquê simples de gérbera, mas não deixa ele ver".

— Ah, que fofo.

— Foi! Eu fiquei sorrindo igual tonto por eles – Comentou rindo enquanto tirava as frituras. — Aí eu fiz e entreguei pra ele escondido. Ele saiu de perto e o outro voltou. Acertou comigo as mudas que queria comprar e combinamos o dia de pegar – Desligou o fogo e guardou a frigideira no forno, depois se virou para continuar contando olhando para ela. — Aí o outro senhor ficou parado atrás dele com o buque e quando ele virou levou um susto com as flores. Ele não sabia se ria ou chorava… Acho que fez os dois.

— Meu Deus…

— Fiquei esperando o pedido de casamento mas não teve… – Admitiu rindo enquanto a namorada apertava as bochechas contagiada pela situação. — Semana que vem eu vou perguntar se são casados – Falou a fazendo rir de sua curiosidade. Depois parou por alguns instantes a olhando e riu sem jeito. — Quando eles foram embora, eu fiquei pensando "será que vai ser assim com a Blood e eu?"

A questão foi inesperada a pegando de surpresa. Seus olhos se arregalaram e suas bochechas se tornaram vermelhas vendo o rosto gentil dele. Seu coração disparou imaginando um futuro onde ainda estariam juntos em cadeiras de balanço, aproveitando o final da primavera.

Anthony notou o silêncio e sentiu seu rosto queimar. Amava Blood mais que tudo e sabia que era amado por ela, mas sempre que falava algo um tanto romântico demais acabava sentindo seu corpo todo se enrolar em vergonha.

— E- E também dona G. me deu biscoitos. Falou que fez demais de novo – Mudou o assuntou sem jeito fazendo Blood rir. Ela, sem dúvidas, conseguia ver esse futuro para eles. — Você quer ir tomar banho? Eu vou terminar aqui.

— Tá bom – Concordou se levantando enquanto ele se virava para limpar o restante de pratos na pia e esconder o rosto avermelhado.

— Vou ver se tem algo na TV também.

Ela saiu do banheiro vestindo seu pijama de bolinhas quase desbotado. As gotas ainda escorriam de seu cabelo molhando a toalha que repousava em seu pescoço.

Devagar caminhou dali até a sala, encontrando o rapaz sentado no sofá com o controle na mão, passando pelos canais.

Dando mais dois passos, colocou a toalha esticada no braço do sofá ao lado e se dirigiu em direção ao namorado.

O prato de salgadinho estava na almofada ao lado dele e dois copos cheios de refrigerante descansavam no encosto do sofá — se apoiando na parede branca —, próximo a cabeça dele.

Ela se aproximou, colocando o prato quente no colo e sentando-se ao lado.

— Tem esse filme agora – falou sem tirar os olhos da TV. — Mais tarde vai passar aquele do dragão com o menino.

— O desenho?

— Não, aquele outro lá... – Olhou para o chão com uma expressão dolorosa tentando se lembrar. — Aragon... Não, Eragon.

— Ah! – A reação contente dela o fez sorrir.

— Me lembra de trocar de canal.

— Tá.

Colocando o controle de lado, suspirou se jogando para trás e finalmente relaxando o corpo. Seus olhos procuraram pelo rosto dela onde pousaram encantados. A insistência em seu olhar chamou a atenção dela que se virou para vê-lo.

Estavam próximos um do outro, se olhando, e por um momento aquilo pareceu como uma primeira vez. Seus corações dispararam e seus sorrisos brilharam apaixonados.

— Agora a gente pode descansar – Passando a mão no ombro dela, a puxou gentilmente para perto em um abraço. — E comer coxinha.

— E comer coxinha!

Os dois riram enchendo a sala de amor. A vida deles era assim. Cheia de altos e baixos, dores e sorrisos. Não lutava contra monstros como nos filmes que assistiam, mas sempre faziam de tudo para superar mais um dia e ficar juntos no final.

11 Mars 2020 17:42:08 0 Rapport Incorporer 0
La fin

A propos de l’auteur

Ana Carolina Mãe de 32 personagens originais e outros 32 adotados com muito carinho, fanfiqueira nas horas vagas e amante das palavras em período integral. Apaixonada demais e, por isso, sou tantas coisas que me perco tentando me explicar. Daí eu escrevo. ICON: TsukiAkii @ DeviantArt

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~