New writing contest available! #AParallelUniverse. En savoir plus.
bucetinhadobyun 𝕤𝕞𝕚𝕝𝕖 𝕠𝕟 𝕞𝕪 𝕗𝕒𝕔𝕖 ⁹⁹

S/N era novata naquela escola e queria se enturmar, então aceita entrar no grupo de líderes de torcida da escola, porém, para ser devidamente iniciada e familiarizada com o time, teria de passar por um ritual.


Fanfiction Groupes/Chanteurs Interdit aux moins de 18 ans.

#hot #colegial #exo #pwp #imagine #gangbang #Imagine-EXO #Cheerleader
0
1.9k VUES
En cours - Nouveau chapitre Tous les 30 jours
temps de lecture
AA Partager

Apenas duas entradas para nove passagens

Olhou ao redor e notou que não haviam outros por lá, o estádio vazio e pouco iluminado pelo horário, puxou mais o casaco para si e apertou o passo. Sabia que ninguém iria aparecer, fosse para fazer mal ou ajudar, mesmo assim a sensação de ansiedade a tomava e ela não pensava duas vezes em olhar ao redor e praticamente correr. As regras eram simples, ir para a escola as nove da noite sozinha, entrar no vestiário e sair apenas quando tudo acabasse, mesmo que não soubesse exatamente o quê. Imaginava uma pegadinha boba, como todos jogarem farinha, ou levar surra de toalha, mas independente do que fosse, estava preparada ou pelo menos esperava estar. Viu a porta do vestiário masculino ao lado do feminino, e ficou em dúvida sobre qual dos dois deveria entrar já que não especificaram, até a porta do vestiário masculino abrir e uma luz fraca passar por ela, não precisava de mais explicações. Respirou fundo e caminhou até a porta, entrando no lugar e deparando-se com o time inteiro de futebol americano ainda com os uniformes a olhando enquanto sorriam docemente, ela sorriu de volta apesar de estar confusa, então o capitão do time aproximou-se dela e colocou o boné na sua cabeça.

— Creio que elas tenham te explicado o que vai acontecer agora, não? — perguntou calmamente enquanto pegava no queixo dela e acariciava, paciente e calmo olhando no fundo dos olhos dela.

— Não muito.

— Certo, não faremos nada que não queira e nem que não irá gostar, hum? — ela assentiu e ele pegou na mão dela. — Posso? — concordou com a cabeça e ele depositou um selar nas costas da mão. — Cheiro bom, tomou banho?

— Tomei. — sorriu tímida.

— A partir de agora, se estiver de acordo, vai transar com cada um de nós e depois que terminar um de nós a levaremos pra casa. — disse sem rodeios e soltou a mão dela, era normal que algumas desistissem, mas tão normal quanto que aceitassem.

Ela ficou parada olhando para cada um deles, eram seus crushes desde que entrou naquele lugar e ter a oportunidade de pegar cada um era a realização de um sonho, principalmente o Baekhyun que sempre parece um doce de pessoa. Voltou a olhar para o capitão do time e com um sorriso confiante ela sorriu.

— Aceito. — Chanyeol esfregou as mãos e Sehun riu dizendo que ela não aguentaria ele nem Jongin.

— Vamos fazer jo ken pô pra ver quem vai primeiro. — disse o capitão, Junmyeon agora mais animado e virou-se para os demais.

Jogaram entre si e logo foi decidida a ordem, Junmyeon, Sehun, Yixing, Kyungsoo, Chanyeol, Jongin, Minseok, Jongdae e Baekhyun. Explicaram então pra ela, que eles também passaram pelo mesmo processo, mas no caso ao invés dos colegas de time, tiveram de transar com as líderes de torcida e isso era tradição, mesmo que não ficasse explícito para pessoas de fora, era quase uma sociedade secreta, quem entrava só saía depois de formado. Ela já não era mais virgem fazia um tempo, ainda assim estava nervosa de fazer aquilo por ser uma experiência nova, Junmyeon notou isso e tratou de acalmá-la com um beijo carinhoso, tirando cada peça da garota no processo discretamente, ele era habilidoso com as mãos, mas não superava o Baekhyun. Quando deu por si, estava totalmente nua e os rapazes apenas observavam com o pênis marcado na calça, encostados nas portas metálicas dos armários, olhares felinos quase a devorando, apesar do sorriso doce para tranquilizá-la. Para prepará-la, passou a estimular sua vagina com o indicador e o do meio, deixando selares no pescoço dela, que apenas arfava olhando para os rapazes ansiosa em provar cada um deles. Sentia o líquido passando a umedecer os dígitos do Kim, que sorriu satisfeito mordendo a pele imaculada da jovem, acelerando os movimentos e a fazendo gemer, o que foi o suficiente para um deles rosnar feito um lobo e sem pensar duas vezes ela decidiu tomar o controle, jogou o Kim contra o banco, colocou a camisinha e sentou nele lentamente. O ato repentino o fez gemer rouco, observando o quanto ela era habilidosa no rebolado, não era atoa que foi aceita nas líderes de torcida, puxava os fios do capitão quanto mais fundo ele ia em seu interior e ele descontava o prazer apertando a pele dela e mordendo o pescoço dela, alternando entre chupões e beijos. Era uma cena maravilhosa, até porquê nenhuma outra tinha ousado como ela, apenas deixavam-se ser penetradas. Apertou os ombros do Kim quando o mesmo avisou que estava quase, então levantou-se e chamou o próximo da fila.

— Ficarei na mão? — perguntou incrédulo e ela riu baixo.

— Ajudem o capitão de vocês enquanto faço a minha parte. — disse e virou-se para Sehun.

Sehun era o mais “puro” entre eles, ia para a igreja todos os domingos e sequer era visto com garotas, então todos os rapazes estavam curiosos pra saber como ele reagiria com uma mulher tão ativa quanto ela. Ele ficou imóvel, vermelho e apenas obedecia todas as suas ordens, ficando encostado em uma parede enquanto a mesma rebolava em si, segurando na cintura dela acompanhando os movimentos. Enquanto isso acontecia, Yixing ajudava Junmyeon lhe dando uma mão amiga, a famosa punheta enquanto assistiam a cena.

— Do jeito que ela está determinada, até parece que te aguenta sim Jongin, o que você tinha dito mesmo Sehun? — perguntou Baekhyun debochado e mordeu o inferior, enquanto o Sehun apenas abaixou a cabeça gemendo baixinho e Jongin resmungou algo.

Ele então segurou firme na cintura dela e passou a estocá-la, e ela percebendo que ele estava perto de gozar tanto quanto ela, afastou-se do rapaz e esperou o próximo, Jongin então foi ajudar o melhor amigo. Yixing posicionou-se na frente dela e a mesma pareceu ceder pela primeira vez, ninguém sabia, mas o chinês tinha um poder quase sobrenatural sobre as pessoas, então agora ele estava no comando. Sem hesitar, a encostou contra um armário costas, segurando em seus pulsos e a penetrou fundo de uma vez, isso foi o suficiente para ela revirar os olhos, ele sorriu satisfeito e continuou o ato. Fundo e lento, porém a levando a loucura. A cada estocada, mais ela gemia e mais os rapazes ficavam excitados, segurando-se para não voar sobre a dupla, mas continham-se o máximo que podiam, por mais difícil, quase impossível que fosse. Ela estava tão entregue, que sem qualquer outro estímulo chegou ao orgasmo duas vezes, enquanto que o chinês estava totalmente controlado apesar de suado pelo ato, saindo do interior da mesma apenas para colocá-la de joelhos e gozar em sua boca. Aquilo era sinal que ela precisava de uma pausa para se recuperar, pensaram que deveriam ter deixado o chinês para o final.

— Eu fico pra cuidar dela, podem ir. — disse Baekhyun para os rapazes e os mesmos assentiram.

— Qualquer coisa estamos lá fora. — avisou o capitão e depois saíram, deixando a dupla, a moça ofegante sentada no banco e o outro rapaz ainda encostado no armário.

— Relaxa que não farei nada. — ela assentiu ainda ofegante. — Mas os outros fariam, então por isso achei melhor ficar, nunca fizemos pausas antes porquê nenhuma nos cansou nesse ponto e nem ficou cansada. — sorriu de canto. — Gostei, te achei decidida.

— Não vim… Até aqui… Atoa. — ele concordou com a cabeça e lhe emprestou o casaco do time a cobrindo.

— Pra recompor suas energias tem doce e energético, quer?

— Quero.

— Ok. — seguiu até o frigobar ao lado da cesta e tirou de lá um bombom e uma lata de redbull, mas como a mesma estava bem cansada, deu o doce na boca dela e depois a bebida.

S/N nunca tinha sido tratada daquele jeito por nenhum rapaz antes, menos ainda depois do sexo, Baekhyun era realmente doce como pensou. Respirou um pouco mais e esperou fazer efeito, o rapaz atento para o que quer que ela pedisse.

— Por que entrou no time? Você me parece ser o mais deslocado.

— Por respeito mesmo, no fundamental faziam bullying por eu ser pequeno, então decidi mudar as coisas no ensino médio. — disse sorrindo de canto, apesar de ter contado algo triste. — E os rapazes são legais, bem unidos, somos uma família, mesmo que eu seja o mais reservado e o Sehun também por viver na igreja.

— Entendi.

— E você?

— Sou nova e só queria estar em algum grupo mesmo, caso não me aceitassem iria para o dos nerds, do teatro, de música e se nenhum me aceitasse… Os excluídos. — respondeu e ele assentiu, ela imaginou que ele iria julgá-la ou algo assim, já que tinha um motivo nobre pra estar ali e ela não exatamente.

— Não é a primeira e nem vai ser a última a fazer isso, então relaxa, não irei julgar se é o que está pensando. — comeu um bombom e ela sorriu de canto. — Só o Jongin é de julgar, mas é uma boa pessoa. — Quer mais?

— Aceito. — ele deu outro bombom e ela comeu.

Depois disso não disseram mais nada, mas não era preciso, sentia-se confortável com ele mesmo no completo silêncio. Terminou de comer o bombom e levantou-se pronta para a próxima rodada, o rapaz levantou-se também.

— Pode avisar que estou pronta.

— Ok. — saiu e a deixou sozinha, enquanto ela olhava para o vestiário realmente, o lugar não era dos mais limpos e nem dos mais iluminados, sem contar que tinha apenas uma janela minúscula.

Devia ser complicado voltar do jogo cansado e suado, e quando entrasse ali ficasse sufocado, pensaria em falar com o treinador ou o diretor em relação aos vestiários, quem sabe melhorassem um pouco pra eles. Olhou para a jaqueta do time e um sorriso involuntário formou-se em seus lábios, tinha o cheiro do Baekhyun, mas antes que pensasse algo a mais, a porta foi aberta e os rapazes entraram enquanto ela deixava o casaco sobre o banco.

— Quem é o próximo que acha que tem coragem de me enfrentar? — brincou ela e Kyungsoo aproximou-se.

Ele parecia o mais arrumadinho entre eles e com uma expressão de bad boy, o que arrepiou todos os fios do corpo dela, e como esperado ele agarrou a cintura dela e a beijou com intensidade. Ela o ajudou a abaixar a calça e a cueca, e não demorou até ele a pegar no colo e a penetrar mostrando que era bem forte e resistente. O olhar dele parecia estar em chamas de tanto tesão, e era o suficiente para deixá-la ainda mais molhada, rebolando com intensidade enquanto ele a estocava na mesma intensidade, como dois lobos no cio. Ele então retirou-se do interior dela e um dos rapazes o ajudou, enquanto Chanyeol aproximava-se falsamente ativo e decidido, mas se ela desse qualquer ordem ele iria acabar cedendo, e ela sabia disso apenas com o olhar. O puxou pelo colarinho e o fez deitar-se no chão, enquanto sentava com a vagina sobre os lábios do rapaz, passando a rebolar ali enquanto abocanhava seu pênis. Aquela cena deixou todos ainda mais animados, e Chanyeol sequer soube como reagir devido a surpresa, mas logo passou a estocar o ânus dela com os dígitos enquanto chupava sua vagina. Ela era tão habilidosa no rebolado quanto com a boca, em movimentos rápidos e precisos, além dos dígitos que massageavam a próstata a apertando vez outra, levando o grandão a loucura, mas ele também não ficava muito atrás, seus dígitos grossos e língua habilidosa faziam um trabalho incrível na garota. E após um tempo ela gozou na boca dele, engolindo todo o gozo dele quando o mesmo se desfez, levantando-se com a ajuda do próximo rapaz com quem iria transar. Jongin não escondia mais que era totalmente submisso a ela, e ela achou isso divertido, passando a mandar nele também mas agora ela queria inovar um pouco mais, chamou Jongdae e Minseok que eram os próximos para perto.

— Preparados para conhecer os dedos mágicos? — perguntou aos Kim e a dupla sorriu maliciosamente, abaixou as calças do trio e abocanhou o membro do Jongin enquanto passava a masturbar Jongdae e Minseok ao mesmo tempo.

Ela alternava entre os três movimentos lentos e rápidos, com maestria, massageando as próstatas quando podia e acariciando a glande, enquanto que com a língua envolvia o pênis pulsante do Kim mais novo. Isso foi o suficiente para que eles gemessem entregues, e passassem a estocar suas mãos e boca, e a cena deixou os demais excitados outra vez, por isso decidiram se ajudar enquanto assistiam. O olhar dela era como de uma felina perigosa, causando arrepios e mais excitação no trio de Kim’s que queriam mais do que nunca sujar aquela garota com a porra deles. Notando que estavam quase no limite, afastou-se e levantou.

— Agora terminem o serviço, é a vez do Baekhyun. — disse e o trio passou a masturbar um ao outro.

Ela então notou que o Baekhyun não estava entre os rapazes, coçando a nuca confusa enquanto olhava ao redor, até sentir mãos na cintura dela e uma soprada no pescoço, arrepiando-se com o ato.

— Achou que eu iria embora? — riu e ela negou com a cabeça, sentindo vergonha pela primeira vez.

— Achei. — ele beijou a bochecha dela e a virou de frente para ele.

De todas as pessoas, ele foi o único que a deixou com vergonha, como uma garota adolescente bobamente apaixonada, mesmo que não estivesse, ou achasse que não. Exatamente por isso, deixou que ele tomasse as rédeas da situação, e ele a puxou para um beijo carinhoso cheio de afeto e carícias em sua pele nua. Quem visse a cena acharia que eram um casal de namorados, já que ela retribuiu tão carinhosa quanto e envolveu o pescoço dele, ele então desceu os beijos para o pescoço e depois para os seios, dando uma atenção especial enquanto massageava o outro. Por um segundo parecia que eles estavam a sós ali, já que ele conseguia atrair toda a sua atenção e os demais rapazes estavam em silêncio. Ele então a deitou no banco e posicionou-se sobre ela, entrelaçando os dedos e voltando a olhar em seus olhos, comunicando-se silenciosa e secretamente com a mesma, como se confessasse que a amava desde o momento que a viu pela primeira vez, penetrando-a lentamente. Um sorriso bobo estampou-se no rosto dele e ela acabou sorrindo também, timidamente o incentivando a continuar e assim ele o fez, em movimentos moderados acariciando as costas da mão dela, deixando alguns selares em seu rosto e lábios. E quando ele notou que ela estava confortável, aumentou a velocidade, arrancando gemidos baixos e causando um brilho no olhar dela, assim como os seus também brilhavam, naquele momento houve a comprovação de que estavam em uma bolha só deles, já que sequer ouviam os comentários ao seu redor, Baekhyun apenas focava em S/N e em o quanto ela conseguia ser perfeita, assim como ela focava apenas nele e o quanto o mesmo conseguiu fisgá-la de forma tão simples e talvez não intencional. Aumentou um pouco mais a velocidade e gemeu rouco, estava quase gozando, por isso saiu do interior dela, mas a mesma queria que ele gozasse e por o puxou para perto de novo.

— Eu te ajudo e você me ajuda, ok? — sugeriu ele e ela concordou com a cabeça, sentando lado a lado.

E um masturbou o outro em ritmo moderado para que pudessem gozar, o que levou um tempo até acontecer, e timidamente entreolharam-se enquanto gemiam durante o ato. Quando finalmente gozaram, parabenizaram a moça pela iniciação bem sucedida.

— Agora você é oficialmente da equipe. — disse o capitão beijando a testa dela.

— Obrigada rapazes.

Cada um deixou um beijo em uma parte do seu rosto, despedindo-se e saindo do vestiário, deixando Baekhyun por último e para trás.

— Aparentemente eu vou ter que te levar em casa, se quiser, é claro.

— Quero sim, só preciso me vestir. — levantou-se procurando as roupas.

— Quer ajuda?

— Não precisa, obrigada. — sorriu e ele assentiu pegando a jaqueta.

Ela vestiu-se rapidamente e depois aproximou-se dele, o rapaz então a vestiu com a jaqueta, enquanto a mesma ficou parada sem entender, não estava mais nua para precisar daquilo.

— Tá frio lá fora, não quero que pegue um resfriado.

— Então vou devolver assim que chegarmos, tudo bem? — concordou com a cabeça e abriu a porta pra ela.

Caminharam pelo estádio e seguiram até o estacionamento em silêncio, o céu nublado deixando apenas algumas estrelas visiveis, ela se perguntava como iria contar para as colegas de time o que aconteceu, sabia que não a julgariam, mas ainda era um pouco estranho. Perguntava-se também em como os rapazes a tratariam, se aquilo iria voltar a acontecer, e tinha vergonha de perguntar para o Baekhyun, mas o mesmo parecia ter o dom da telepatia, porquê logo virou-se para ela respondendo tais perguntas.

— Só diz que fizemos o de sempre, e nenhum de nós vai te tratar mal, na verdade acho que conseguiu nosso afeto por ter domado as feras. — riu e ela riu também olhando para o carro que custava mais que sua casa. — A mim principalmente.

— Hum? — olhou confusa e ele apenas entrou no carro.

Entrou também no carro e colocou o cinto de segurança, enquanto ele fazia o mesmo e depois dava partida no carro. Nenhum dos dois comentou o que sentiram durante o ato, apesar de ter sido tão bom e tão especial. Ele ligou o rádio e deixou em uma estação qualquer, ironicamente tocava uma música de amor, mais especificamente um amor de colegial, isso foi o suficiente para os dois lembrarem do ocorrido e rirem de nervoso.

— Você não tem namorado, né? — evitava olhar pra ela.

— Não, nem tive tempo pra isso. — olhou pra ele rapidamente, conhecia aquela música e acabou cantarolando baixinho.

— Ainda bem, geralmente eles não aceitam a iniciação. — no fundo ele não estava aliviado apenas por isso, mas no momento não iria admitir.

— E você, tem? — ele olhou para ela parando no sinal.

— Poderia, mas nenhuma garota dessa escola me interessou, até agora. — a última frase saiu sem querer, mas ele disse tão baixo que ela quase não ouviu, mas ouviu.

E exatamente por isso, ela acabou sorrindo com as bochechas queimando e desviou o olhar ajeitando a jaqueta, ele fingiu tossir e voltou a atenção para a rua. Sempre pensou em como seria namorar um atleta da escola, mas nunca imaginou que isso pudesse se tornar realidade, até conhecer o Baekhyun. Assim que chegaram na casa dela, a mesma beijou a bochecha e agradeceu a carona, mas quando foi devolver a jaqueta, ele recusou.

— Fica com você, agora faz parte do time. — entreolharam-se e ela acabou cedendo, até um fio rebelde cair em sua testa e ele colocar atrás da orelha dela.

Novamente o silêncio, até que ela decidiu sair do carro e entrar em casa, mas não sem antes o jogador a chamar.

— Quer tomar um lanche amanhã depois da escola?

— Com o time?

— Comigo. — desviou o olhar um pouco envergonhado.

— SIM, digo, seria legal. — riu de nervoso pela empolgação e ele sorriu bobo voltando a olhar pra ela.

— Prometo que vai ser divertido, e se quiser te busco e te levo na escola todo dia.

— Aceito, me poupa caminhada. — abraçaram-se após isso, ela notando o coração acelerado dele quanto o dela, mas afastaram-se para que ela pudesse sair do carro.

Desceu, fechou a porta e virou-se acenando pra ele que acenou de volta, depois correu para dentro, ele só saiu quando teve certeza que ela trancou a porta, ansioso pelo dia seguinte. Bendita hora que seu avô inventou a iniciação, já que graças a ela conheceu aquela que roubou seu coração.

3 Mars 2020 03:51:28 0 Rapport Incorporer 2
Lire le chapitre suivant Clube dos atletas

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 3 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!