bucetinhadobyun 𝕤𝕞𝕚𝕝𝕖 𝕠𝕟 𝕞𝕪 𝕗𝕒𝕔𝕖 ⁹⁹

Baekhyun sempre foi apaixonado por rock, cada etapa da sua vida tinha uma trilha sonora, mas nenhuma das músicas que conhecia conseguiu se encaixar no belo jovem que passou em sua vida, o que o obrigava a criar uma pra ele.


Fanfiction Groupes/Chanteurs Interdit aux moins de 18 ans.

#yaoi #rock #colegial #chanbaek #exo
1
2.2k VUES
En cours - Nouveau chapitre Tous les 30 jours
temps de lecture
AA Partager

Baby I know just how you feel.

Ao som de Bohemian Rhapsody o pequeno Byun Baekhyun e seu melhor amigo Oh Sehun ajudavam o tio Jongdae a limpar a casa, vassouras de microfone e panos enrolados na cabeça como bandanas, o menor entre eles imitando com perfeição os gestos de Freddie Mercury de olhos fechados, rock o fazia feliz tanto quanto doces faziam Sehun feliz, era seu combustível. Apesar disso seu sonho não era ser um rockstar, nem ser empresário de uma banda, ou namorar um integrante de uma, na verdade ele queria ser astronauta e conhecer as estrelas, espalhar pelo universo o dom da música para que outros seres também pudessem ser felizes. Poderia parecer ingenuidade um sonho assim, mas para ele era um sonho que tinha tudo para ser possível, afinal, quem não gosta de música?

— Ok crianças, vamos terminar isso pra podermos lanchar. — disse o tio Jongdae.

Kim Jongdae era o tio de Sehun e o criava desde sempre, já o pai do mesmo tinha falecido e a mãe morava no interior com os avós. Sempre que possível, Baekhyun estava na casa deles, tanto ajudando na limpeza, quanto brincando com o melhor amigo. Os dois se viam quase como irmãos, apesar do Byun não ter nenhum biológico e o Oh ter alguns espalhados pelo país que sequer conhecia.

— Tio Dae, quando vai casar com o tio Minseok? — perguntou Baekhyun terminando de varrer e Sehun fazia o mesmo no cômodo vizinho, aquela pergunta deixou o Kim desconcertado.

— Um dia, quando você crescer, vai entender que relacionamentos na vida adulta são tão complexas quanto criar uma letra de música. — respondeu tentando evitar aquela pergunta.

— Mas… Eu…

— Agora vamos comer, vem Sehun. — seguiu para a cozinha deixando o pequeno pensativo.

Pra ele relacionamentos eram tão simples, porque foi na simplicidade que se tornou amigo do Sehun e depois disso conseguiu outros amigos, na simplicidade que se apaixonou pela música que tocou seu coração com força, então não entendia como o que mais amava poderia ser tão complexo quanto um relacionamento. Deu de ombros e decidiu ir comer, mas nunca esqueceu-se das palavras do tio Kim. Naquela tarde, por ironia, tocou November Rain e isso foi o suficiente para Jongdae ir fumar no quintal, enquanto as crianças brincavam no quarto com os dinossauros e leões.

“Sometimes I need some time on my own,

Sometimes I need some time all alone,

Oh, everybody needs some time on their own,

Oh, don't you know you need some time all alone?”

“Às vezes preciso de um tempo para mim,

Às vezes preciso de um tempo para ficar sozinho,

Oh, todo mundo precisa de um tempo para si,

Oh, você não sabe que precisa de um tempo sozinha?”

Aquela música ecoou na mente do pequeno aos treze anos de idade, estava no quarto bebendo suco com Sehun enquanto o mesmo o desenhava, descobriu-se apaixonado por desenho enquanto que o menor ainda era apaixonado por música, mas o máximo que fazia era escrever poesias. Estavam ouvindo Always do Bon Jovi, quando o tio Jongdae entrou correndo na casa chorando, e não muito tempo depois ouviram Minseok o chamar correndo logo atrás, a pequena dupla se entreolhou confusa e curiosa.

— Acha que devemos falar com o tio Dae? — perguntou Baekhyun e Sehun esperou um pouco, olhando pelo corredor.

— Acho que eles estão apenas discutindo o de sempre, as vezes o tio Dae é dificil de lidar. — respondeu voltando a sentar na cama.

— Diz isso porque é igual a ele. — respondeu referindo-se a Minseok.

— Exato. — deu uma piscadela e voltou a desenhar, Baekhyun querendo ou não era um pouco como Jongdae.

Sehun e Minseok arianos, Baekhyun e Jongdae leoninos, e signos era algo que o pequeno Byun acreditava fielmente, assim como em outras coisas que outras pessoas consideravam bobagem. E entre todas as bandas pela qual se interessou, Guns N Roses o fisgou, tanto pelas letras quanto pelo vocalista parecer entendê-lo de alguma forma. Mesmo com aquela idade, ele ainda não entendia a complexidade dos relacionamentos, mas já tinha entendido que não era tão fácil criar uma música.

— JONGDAE ABRE ESSA PORTA E VAMOS RESOLVER ISSO COMO ADULTOS. — gritou Minseok.

— ME DEIXA EM PAZ. — a dupla espiou pela fresta da porta.

— EU SINTO MUITO, OK? — suspirou e saiu.

— Acho melhor ir pra casa… — sussurrou para o maior.

— E vai me deixar sozinho aguentando ele ouvir o top 100 rock de corno? — reclamou e o menor riu.

— Vou ir lá em casa avisar o meu pai. — disse e saiu olhando rapidamente a porta do Kim.

— Volta logo porra. — cruzou os braços e encostou no batente.

O pequeno então caminhou até o portão da frente, depois desceu a rua e virou chegando na própria casa, cinco minutos de distância. Era uma noite linda e um pouco quente, entrou na própria casa e a mãe não tinha chegado ainda do trabalho.

— Pai, posso dormir no Sehun? O Jongdae brigou com o Minseok de novo. — avisou e no mesmo instante o telefone tocou.

— Deve ser ele, pega a escova e vai lá. — respondeu e atendeu, realmente era o amigo chorando.

Pegou a escova e voltou correndo, fazia anos que acompanhava aquele relacionamento que mais parecia a discografia do Guns N Roses, mais precisamente Use Your Illusion. Só o que sabia, Jongdae amava Minseok e estavam quase casando desde que ele era criança, e entre brigas e encontros, eles seguiam juntos. Ao contrário dos pais dele, que sempre pareciam se dar bem e tinham o casamento perfeito que durava a tantos anos, nenhum dos relacionamentos usava como exemplo, porque sequer cogitava a ideia de ter um, assim como Sehun, tinham outras ambições que não envolviam um par. Entrou na casa do amigo e lá estava tocando no último volume Little girl blue da Janis Joplin, adorava a Janis, mas revirou os olhos em saber que aquela seria uma noite longa regada a doces, rock triste e Jongdae chorando no sofá bebendo vinho.

— Finalmente peste! — disse Sehun o puxando para a cozinha. — Meu tio se trancou no quarto, e provavelmente não vai cozinhar, então vamos ter que pedir pizza.

— Por mim tudo certo, meu pai deixou. — mostrou a escova e sorriu de canto.

— Ainda bem que tenho você, ia ser um saco aturar meu tio sozinho… — abraçou o pequeno que riu, era grato de ser amigo do Sehun, assim como Sehun era grato de ser amigo dele.

23 Février 2020 06:36:54 0 Rapport Incorporer 0
Lire le chapitre suivant his name doesn't matter, just what makes me feel

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 29 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!