juanpablo Juan Diskay

Sílvio, um engenheiro e terapeuta, vivia uma situação de solidão e indecisões. Um passeio no shopping mudaria para sempre sua vida, quando encontrou surpresas emocionais, traições e um envolvimento improvável. Esta é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com fatos ou pessoas terá sido mera coincidência. Obra registrada. Plágio é crime.


Érotique Interdit aux moins de 18 ans.

#soparaelas
1
3.8k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Capítulo I - Biografias se Descobrindo

Depois de duas horas malhando, Sílvio estava sentado enxugando o suor, conversando com seu novo amigo, Charles, o que faria depois da academia.

- Devo ir ao shopping comer alguma coisa! Estou faminto! Também tenho que comprar um presente para o aniversário de uma amiga, minha sócia!

- Mais à noite você vai fazer o que? Perguntou Charles.

- Devo dar uma saída! Mas não vou demorar! Estou muito cansado estes dias! A demanda do trabalho está alta! Preciso descansar!

- Demanda alta é muito bom!

- É! Ossos do ofício! Mas porque a pergunta? Questionou Sílvio.

- Minha esposa pediu e vamos fazer uma reunião com alguns amigos! Poucas pessoas! Dois anos de casados! Quer comemorar!

- Parabéns! Ué! Quem sabe animo! Te ligo mais tarde! Vou tomar um banho! Disse Silvio, levantando e indo para o vestiário.

- Vá mesmo! E leva sua namorada!

- Não tenho namorada! Há muito terminei com a minha! Ando sozinho, ultimamente!

- Que isso, Sílvio! Um cara bonitão como você, bem-sucedido, dificilmente não aparece alguém para te capturar! Exclamou Charles.

- Vou te confessar uma coisa! Tenho muita dificuldade de aproximar nas mulheres! Meus relacionamentos nunca deram certos! Começam bem e logo eu enjoo! Detesto rotina! E as mulheres que arranjo, sempre estão interessadas mais no que eu tenho e não no que eu sou! Sou um pouco tímido e atualmente estou preferindo avaliar mais profundamente que entrar de cara em um relacionamento mais sério!

- Pois bem! Se o melhor para você...! Mas faça um esforço para ir lá em casa! Aí você distrai um pouco! Insistiu Charles.

Tomaram um banho e logo se despediram no estacionamento.

Sílvio foi até uma loja no Shopping, onde na semana anterior, sua amiga e sócia Cláudia, havia interessado em um vestido, impedida de comprar pelo noivo, dizendo ser dinheiro jogado fora. Chegaram até discutir, motivo tal que fez ele, naquele dia, afastar da companhia do casal.

Sílvio tinha um carinho muito especial pela sua amiga. Ele já tinha formado em Engenharia Civil e resolveu fazer outro curso, quando ele a conheceu e ela o convenceu a fazer Terapia Ocupacional, curso que ela também faria, uma vez que também já tinha formado, mas em Psicologia. Quando formaram, montaram uma empresa, um SPA, só para mulheres, onde tinha todo um atendimento para a beleza da mulher. Manicure, pedicuro, cabelereiro, relaxamento, depilação, piscinas quentes, massagens, dia da noiva e tudo para transformar a mulher muito mais bonita, além da terapia de relaxamento em ofurôs de luxo. O único homem atuante no SPA, era o Sílvio, que fazia as massagens terapêuticas. Havia também um espaço para homens, isolado da estrutura das mulheres, onde eles não tinham acesso, mas era para os maridos e coniventes das usuárias, onde podiam jogar sinuca, cortar seus cabelos e fazerem as barbas, tomando uma cerveja ou drink, assistir um jogo enquanto esperavam suas companheiras se embelezarem. O ambiente no geral era seguro, luxuoso e confortável. Foi uma excelente idéia da Cláudia, que transformou os dois em empresários bem-sucedidos.

Sílvio olhava a vitrine, observando as quatro manequins que demonstrava, evidentemente, quatro vestidos diferentes.

- Qual ela queria? Pensava ele questionando o modelo que sua amiga havia gostado.

Uma vendedora aproximou e sugeriu ele entrar para ver outros modelos.

- Estes estão aqui desde a semana passada? Perguntou ele.

- Sim! É a mesma coleção! Vamos mudar só na próxima semana que chegaram novos modelos! O senhor gostou de algum?

- Não sei qual ficaria bem em mim! Qual você acha? Brincou Sílvio com a vendedora.

- Acho que nenhum! Mas se fosse para mim, os quatros seriam ótimos! Disse a vendedora, rindo da brincadeira. Estarei lá dentro se o senhor precisar de alguma coisa! Disse ela se retirando para a loja.

Sílvio percebeu uma moça ao seu lado, que olhava a vitrine também.

- Qual você usaria?

- O quê? Exclamou a moça, assustada com a pergunta.

- Desculpe o incômodo! O vestido! Qual você usaria? Insistiu Sílvio.

- Não sei! Talvez todos! E porque a pergunta?

- Me perdoa! É que tenho que comprar um presente para uma amiga, e ela uns dias atrás interessou por um deles. Não sei qual! Talvez eu quisesse que você me ajudasse!

- E porque você achou que eu o ajudaria? Nem te conheço! E nem sei como é sua amiga!

Sílvio afastou um pouco e olhou a moça de cima abaixo. Ela usava uma calça jeans justa no corpo, uma blusa simples destacando seus seios, com sandálias baixas. Seus cabelos negros estavam amarrados como um “rabo de cavalo”. Tinha um rosto lindo e singelo, que sorria com o escaneamento do Sílvio.

- Ela é próxima à sua altura, um pouquinho mais cheinha, e mais feia que você!

- Esta é a cantada mais estranha que já recebi!

- Mas é verdade! Eu só preciso que você me diga, se tiver que levar só um, qual vestido que você gostaria?

- Bem, seu moço estranho! Talvez seria aquele ali, o mais estampado!

- É bem o gosto dela! Vou compra-lo! E obrigado pela ajuda!

- Por nada! Ela deve ser uma amiga muito especial! Comprar um vestido deste, neste preço! Até eu queria ter um amigo deste! Disse ela, brincando com Sílvio.

- Não por isso! Muito prazer! Sou Sílvio! Disse ele estendendo a mão para cumprimenta-la.

- Prazer! Disse ela estendendo a mão também. Sílvia!

- Não! É Sílvio!

- Meu nome é Sílvia!

- Que coincidência! Muito legal!

Os dois ficaram segurando suas mãos, com os olhares hipnotizados um com o outro. Ela desviou timidamente o olhar, soltando a mão dele.

- Vou comprar este vestido e logo vou lanchar algo. Gostaria de ir comigo? Poderíamos conversar mais! Convidou automaticamente Sílvio, olhando aquela moça, de semblante um pouco triste com um sorriso sem graça nos lábios.

- Adoraria, mas estou com meu marido e meu filho aqui. Eles estão na praça de brinquedos. Devo ir!

Sílvio olhou para ela com um interesse estranho. Ela no geral era muito bonita. Soltou um argumento, instintivamente, para não perder o contato.

- Você é uma mulher muito bonita! Sorte do seu marido! E desculpe meu atrevimento!

- Obrigada! São os seus olhos!

- Você trabalha com o quê? Perguntou ele.

- Sou arquiteta decoradora! E você?

- Você só pode estar brincando! Sou engenheiro e terapeuta!

- Duas profissões que combinam! Disse ela rindo. E estou brincando porquê?

- Estou concluindo uma ampliação na minha empresa, e nesta próxima semana eu iria procurar uma arquiteta para dar os acabamentos nos ambientes que construí. Aí você me aparece! Só pode ser um milagre!

- Que legal, Sílvio! Muito bom!

- Quer apresentar uma proposta para os serviços? Você pode ir lá ver o nosso projeto? Disse Sílvio, tirando um portfólio do SPA.

- Claro! Será ótimo! Estou até precisando de uns serviços mesmos! Concordou Sílvia.

- Ótimo! Aqui está o endereço e meu cartão! Segunda feira está bom para você?

- Sim! Claro que sim! Obrigada! Obrigada mesmo! Disse ela, tentando se retirar.

- Outra coisa! Disse ele.

- O que?

- Seu perfume é ótimo! Até compraria para minha amiga!

- Só que não! É exclusivo! Respondeu Sílvia, fazendo um sinal de tchau, afastando se dele.

Ele a olhava, entendendo que aquela aproximação não foi por acaso, mesmo ela sendo casada.

- Olha! Dá só uma olhadinha! Se olhar é porque gostou! Olha! Só umazinha! Sussurrou ele, observando ela andar toda desconcertada, sabendo que ele a olhava.

Ela acessou para entrar em outra ala do shopping, e virou olhando ele rapidamente, que sorria para ela, e se misturou, sorrindo com o que acabava de acontecer, sumindo na multidão.

- Isso! Isso! Disse ele entrando na loja para comprar o vestido.

Mais tarde, ele tocava no interfone da casa do Charles. Ele resolveu e combinou de ir à reunião de amigos.

- Que bom que você veio! Vai gostar! Disse Charles, abraçando e levando o amigo para dentro. Chegando na área gourmet, Charles apresentou Sílvio a todos.

Sílvio ficou um pouco afastado, sentado à uma mesa, olhando o celular, quando uma morena clara sentou ao lado dele, puxando assunto.

- Você é amigo do Charles? Eu não te conhecia! Disse ela.

- É que somos amigos a pouco tempo! Nos encontramos nos dias que vamos à academia! Disse Sílvio.

- Oh! Me desculpe a falta de educação! Sou Valéria. Eu e meu marido somos amigos deles a muito tempo! O que um homem bonito faz sozinho numa festa desta?

- Opção pessoal! E não me elogie na frente das pessoas! Seu marido pode achar que você está me flertando! Detesto confusão!

- Me desculpe! Não quis constrange-lo! Mas minha intenção aqui foi justamente esta!

- Você só pode estar bêbada! Como é que você diz uma coisa desta, na maior cara de pau, na frente de todos?

- Primeiro, ninguém está ouvindo! Segundo eu já estava de olho em você desde que chegou! Um homem bonito assim não passa batido aos meus olhos! Charles me falou que você está solteiro! Aí não resisti!

- Obrigado pelo elogio! Você é sempre direta assim?

- Com homens como você, sou! Mas é raro! Dificilmente vê um solteirão deste à solta! E meu marido está todo empolgado com as outras esposas! Ele não pode ver um rabo de saia! Fica todo feliz! Olha lá!

- Bem, Valéria! Não sei até onde você quer chegar! Mas sinto decepcioná-la, mas hoje a minha intenção é ficar sossegado e não me envolver em confusões!

- Bom! Não quero incomodá-lo mas gostaria de ficar conversando com você!

- Tudo bem! Então está bem!

Ficaram por muito tempo conversando, e Sílvio ficou mais tempo na festa que planejara. Apesar do atrevimento da Valéria, ele acabou gostando de conversar com ela. Estranhamente o marido dela não aproximou nenhuma vez, enquanto estavam ali. Até Charles e a esposa aproximaram e conversaram um pouco com eles.

Sílvio levantou para ir ao toilette, e seu amigo indicou um lugar mais interno, e ele entrou e quando foi fechar a porta, a mão da Valéria impediu fechar e ela entrou junto com ele.

- O que é isso, Valéria? Ficou doida?

- Fiquei! Por você! Respondeu Valéria, lançando seu corpo no do Sílvio, que inerte ficou com a atitude extravagante daquela mulher, que naquele momento, queria aproveitar o máximo daquele tempo possível, escasso devido o propósito inicial das necessidades fisiológicas do Sílvio.

- Você pirou mesmo! Se se marido nos ver....! Sendo interrompido por um beijo quente e apressado da Valéria.

Sílvio se entregou e deixou ela tomar conta da relação, onde tentava afobadamente desabotoar a calça dele, tentando tirar seu membro para fora. Conseguindo, suspirou fundo ao ver aquele corpo carnudo, já quase totalmente rijo, saltando para fora, pelo zíper da calça. Ela agachou, sedenta.

- Minha nossa! Que monumento! Que coisa enorme! Nem sei se aguento! Sussurrou ela admirada com o mastro do Sílvio, abocanhando ele, iniciando uma felação afobada, engolindo e molhando ele todo. Sílvio segurou ela pela cabeça, forçando a penetração na garganta dela, fazendo ela quase engasgar. Ela o masturbava com uma das mãos e a outra ela enfiou por debaixo de seu vestido, acariciava seu clitóris por dentro da calcinha. Ficaram ali, saboreando aquele ato, foi quando ela levantou, abaixou a tampa do vaso sanitário, fez ele sentar sobre, e de costas para ele, levantando seu vestido até a cintura, segurando-o com uma das mãos, e a outra segurou o membro duro, guiando ele para dentro de sua vagina.

Iniciou o movimento e rebolar e sentar naquele músculo rijo, sentindo ele apertando as paredes internas de sua gruta molhada. Nas primeiras penetrações ela sentiu um pouco de dor, devido ao tamanho do membro. Sílvio, estático, observava aquela bunda linda, ainda de calcinha, que descia e subia, controlando a penetração que ela tanto almejava. Deliciosamente, gemia baixinho saboreando aquele coito. Silvio sentiu seu orgasmo aproximando. Afastou ela de cima dele, enfiou a mão no bolso da calça e tirou um preservativo. Ela tomou dele, e encamisou o mastro, retornando ao seu ritual de engolir com sua vagina, quase toda aquela carne. Ela entrou em transe de prazer e Sílvio, mais tranquilo, começou a ejacular, sentindo um deleite e suavizando sua vontade, que nas últimas vezes, aliviou numa relação solitária. Valéria continuou seus movimentos e logo ela sentiu o ápice, encostando suas costas no peito do rapaz, que segurava sua cintura, sentindo os espasmos da sua parceira.

- Sílvio! Sílvio! Está tudo bem? Perguntou Charles, batendo à porta.

- Sim! Já estou saindo!

- Ok! Qualquer coisa, avise! Disse Charles, retornando à festa.

Sílvio recolheu a embalagem e o preservativo usado, embalou em papel higiênico, e guardou no bolso. Valéria abaixou e lambeu o resto do sêmen que ficou no pênis. Levantou e deu um beijo longo nele.

- Delícia! Você é muito gostoso! Disse ela com a boca grudada na dele.

Sílvio saiu sorrateiramente, e encontrou com Charles, que aproximava dele.

- Tive uma indisposição estomacal! Por isso demorei um pouco!

- Sem problema, amigo!

- Acho que já vou! Vou passar em uma farmácia e comprar algum remédio! Despede de sua esposa e de todos! Agradeça pelo carinho e recepção! Estava tudo muito bom!

- Ok, Sílvio! Obrigado! Pode vir aqui, sempre que quiser! Despediu Charles do amigo, dando-lhe um abraço, enquanto Sílvio observava Valéria, abraçada com o marido, olhando pelas costas dele, para o Sílvio. Ele fez um sinalzinho com a mão, despedindo, e ela retribuiu o mesmo gesto.

- Louca tarada! Pensou ele, saindo.

Segunda feira de manhã, Sílvio chegou na clínica, procurando pela sua sócia, Cláudia, pois queria lhe entregar o presente de aniversário.

- Nossa, Sílvio! Não precisava! Obrigada mesmo! Disse ela ao receber.

- Abra e veja se gosta! Se não gostar, posso trocar para você!

- Ai, meu Deus! O que será? Exclamou ela, abrindo o presente apressadamente, curiosa para saber o que seria.

- Aiii! Gritou ela, ao ver o vestido que ela havia visto alguns dias atrás no shopping. Ela pulou no pescoço dele, dando-lhe vários beijos no rosto, e o abraçando e logo esticando a veste, simulando no corpo.

- Obrigada! Obrigada! Obrigada! Amei! Lindo! Amei! Disse ela, feliz, olhando para ele com os olhos brilhando, e ele sorria também feliz, satisfeito que ela gostou.

Conversaram um pouco sobre, e ele informou que uma arquiteta viria na clínica para apresentar um orçamento para concluir a reforma e ampliação, pedindo a ela que não assumisse nenhum compromisso fora, naquele dia. Ela saiu apressada, mostrando para as suas funcionárias o presente que havia ganhado.

Logo, um pouco mais tarde, ele recebeu uma ligação desconhecida da sua agenda.

- Alô? Disse ele ao atender.

- Alô! Estou falando com Sílvio? Disse uma voz feminina, no outro lado da linha.

- Sim! Sou eu! Quem gostaria?

- Sou a Sílvia! A Arquiteta que você contatou no shopping, você lembra? É a respeito de eu ir para apresentar um orçamento de serviço de arquitetura e decoração na sua empresa!

- Claro, Sílvia! Claro que eu me lembro! Como você está?

- Estou bem! Gostaria de saber se pode me atender agora de manhã?

- Sim! Claro que sim! Ficarei aguardando!

- Vou levar minha sócia, caso precise de tirar algumas medidas! Obrigada e até mais!

- Até mais! Respondeu Sílvio. – Até a voz dela no telefone é bonita! Pensou. Logo avisou Cláudia e foi perpetrar seus afazeres.

Cerca de 11:00 horas da manhã, a secretária anunciou a chegada da Sílvia. Ele pediu para redirecioná-la para a sala de reunião e chamou a Cláudia. Logo eles já adentraram na sala e Sílvio tomou um susto enorme. A sócia da Sílvia era a Valéria, a mesma que ele ficou com ela no sábado na casa do Charles. Valéria também assustou e os dois logo disfarçaram a surpresa. Se apresentaram e os dois não tocaram no assunto.

- Esta minha sócia, Ana Valéria! Eu a chamo de Aninha! Mas podem chama-la de qualquer jeito! Disse Sílvia, um pouco tímida. Todos se confraternizaram. Cláudia e Sílvio mostraram o projeto da ampliação, depois foram visitar a obra. As arquitetas pegaram todos os dados.

- A nossa principal idéia e avançamos neste projeto com a finalidade de criar um espaço oriental, mais especificamente com características de um SPA japonês, onde vamos implantar uma qualidade de atendimento exclusivo. Tem que ser bem luxuoso e muito bem-acabado. Temos aqui um endereço, de uma pessoa nissei, que já está preparando algumas profissionais neste segmento. Procurem-na para que ela também oriente vocês e te ajudem a criar este espaço. Então? Aceitam o desafio? Perguntou Sílvio.

- Nunca fizemos algum trabalho com estas características! Entretanto vamos aceitar este desafio! Amanhã apresentaremos o orçamento para o projeto e depois de aprovado, vamos acertar os valores para aplicação executiva. Estão de acordo? Perguntou Sílvia.

- Ok! Fica alinhado assim! Mas apressem! Estamos atrasados com as obras! Precisamos urgente ter o retorno do investimento! Nossos recursos já estão ficando limitados! Disse Cláudia.

- Ótimo! Então já vamos! Disse Sílvia, despedindo dos sócios, o mesmo acontecendo com Ana Valéria. Os dois ficaram observando elas saírem.

- Tire o olho, bonitão! Ela é casada! Disse Cláudia.

- Eu sei! Mas estranhamente achei ela um pouco retraída! Às vezes até triste!

- É mesmo! Reparei também! Será que vai dar conta do serviço?

- Vou arriscar! Estou pensando se nós não déssemos um dia de SPA para ela. Serviço geral! Assim podemos aproximar um pouco mais e quem sabe, ela abra um sorriso!

- Eu não disse para você ficar sossegado, rapaz?

- Está com ciúmes, Cláudia?

- Estou sim! E daí? Disse ela, brincando.

- Deixa seu noivo ouvir uma coisa desta…!

Entraram os dois, brincando com a situação. Sílvio continuou, sem entender o porquê, a pensar na Sílvia. Por vários momentos ele cruzou seu olhar com o dela e ela desviava rapidamente, sempre olhando para baixo. Ele ficou quase hipnotizado com a beleza dela. Ela tinha um semblante de alguém que não estava feliz com alguma coisa. Ele sentiu uma curiosidade em querer saber. Pensou que teria várias oportunidades no futuro próximo para isto. Lembrou de Valéria também. – Que coincidência impressionante! Pensou ele, lembrando das artimanhas dela para ficar com ele. – O marido deve tomar chifre a “torto e à direita”! Continuou pensando.

27 Janvier 2020 21:04:55 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
Lire le chapitre suivant Capítulo II - Revelações

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 2 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!