vandacunha Vanda da Cunha

Um passado, uma história. Quem não tem lembranças boas para contar? Eu acredito que se tivermos uma infância feliz, certamente ao nos tornamos adultos, seremos menos problemáticos. Minha infância me ajudou a ser o que sou hoje! Obrigada pai! O senhor já não está mais conosco, mas suas histórias permanecem vivas em mim. Te amo muito!!!


Enfants Tout public.

#Ser-criança-é-bom-Ser-criança-é-sonhar-Quebrar-as-regras-de-vez-em-quando-não-faz-mal
Histoire courte
3
5.1k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Era Mais ou Menos Assim...

O tempo vai passando, e as lembranças se acumulam como a areia sobre as dunas, ou como a neve na porta dos Nova-iorquinos. Ainda ontem eu corria pelo cafezal, tomava banho de rio, subia no pé de goiaba, caía nos capins amarrados por meus irmãos. Tantas coisas eu fazia e não havia preocupações como desligar a televisão ou trancar bem as portas. O mundo era quase perfeito e eu podia sonhar.

O mais legal era sentar à beira do fogão a lenha, e ouvir as histórias que meu pai contava. Ele tinha um dom especial, conseguia prender nossa atenção por longas horas. Digo, “nossa atenção” porque éramos uma família grande, onze irmãos, sendo cinco mulheres e seis homens. Ouvíamos coisas fantásticas, como a árvore que nasceu nas costas de um burro, as incríveis proezas de Pedro Malazartes, e a melhor de todas: a princesa que nunca sorria. Como era maravilhoso conhecer os personagens e participar do mundo deles. Pedro Malazartes me ensinou a ser esperta, a bruxa malvada me ensinou a ser corajosa, e a mula sem cabeça me amedrontava tanto, que eu não conseguia dormir. Isso tem uma explicação. É, que às vezes, eu mergulhava tanto nas histórias, que sonhava com mundos desconhecidos e monstros; teve noites que eu tive que ir para a cama dos meus pais. O motivo? Medo. Medo bom, mas mesmo sendo bom era medo.

Eu cresci em meio a histórias, mato e diversão, não me lembro de ser triste, nem quando apanhava por qualquer peraltice.

São tantas lembranças... Como esquecer as lindas bonecas de milho? As ruivas eram minhas favoritas, eu sentia um prazer imensurável quando via aquele lindo cabelo reluzindo ao sol, tocava as mechas e imaginava. Meu pai brigava, dizia que estávamos estragando milho à toa.

Para mim e minhas irmãs, as broncas não surtiam muito efeito, pois não impediam nossa imaginação, nós preferíamos viver em nosso universo particular, nele, as bonecas criavam vida, eram lindas princesas que moravam em castelos suntuosos, e em seus vestidos elegantes, esperavam por um príncipe encantado.

O bom mesmo é que eu era a rainha desse castelo, e como rainha, eu tinha alguns privilégios, além de ser casada com um rei lindo e pomposo...

Ai Deus! Meu rei? Nada mais era que um pedaço de pau, enrolado em um lençol! Ótimo marido! Pelo menos ele nunca discordava de mim. Bom, como rainha, nada mais justo que eu possuísse uma carruagem mágica, que me levava para onde eu quisesse.

Meu mundo mágico, onde tudo virava realidade num fechar e abrir de olhos.

Então, eu subia na carruagem e viajava por reinos desconhecidos. E de repente... Pluft!! Eu ia por planetas e mundos estranhos, onde havia diversas formas de vidas.

Geralmente eu retornava dessas viagens carregando apenas sonhos, não trazia nenhuma sacola, nenhuma lembrancinha, mas eu voltava cheia de alegria, e isso é que era legal.

Não sei qual é a alegria de hoje, não vejo as crianças dizendo que caíram em um poço; e a outra perguntando quem a tira. Não vejo a delicadeza de uma singela mão passando anel; e ninguém faz o que seu mestre manda.

Não critico o avanço tecnológico, acho importante a evolução e a expansão do conhecimento, só que é legal saber que eu vivi em uma época, em que se podia sonhar; talvez mais sonhar do que realizar o sonho.


[email protected]

24 Novembre 2019 18:28:51 3 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
2
La fin

A propos de l’auteur

Vanda da Cunha Estou viva quando escrevo, as vezes nem sei se o que escrevo é bom, mas isso não tira minha vontade de continuar. Meu marido diz que eu sou uma escritora, eu não acredito muito nisso, prefiro acreditar que as palavras tem vida, e de alguma forma, elas me vivificam. Escrevo de tudo, mas o que realmente me atrai é o místico, o sobrenatural e todos os elementos dese universo.

Commentez quelque chose

Publier!
Vanda da Cunha Vanda da Cunha
Ai meu Deus! Que felicidade é essa? Sinto-me flutuando em nuvens coloridas. A vida é muito linda e tem que ser vivida plenamente! Obrigada por acessarem minhas histórias! Sou meio mística, algo me diz que vai dar certo!
December 02, 2019, 02:56
Donna Dan Donna Dan
Olá, Vanda! Sou da equipe de verificação do Inkspired e venho te parabenizar pelo seu trabalho! Que bela cena imaginar crianças com os olhos brilhando ouvindo as mais variadas histórias. Acredito que hoje, não só as crianas estão saturadas de telas, os pais também estão muito ocupados com a vida virtual para criar e encantar seus filhos com histórias e fantasias. O texto traz aquela sensação de que o tempo "anda" tão rápido! também me sinto assim às vezes, quando paro para pensar na minha infância e nas diferenças que vejo hoje em dia. É pouco tempo, mas tantas mudanças... Creio que todos que viram as mudanças cotidianas provocadas pelo avanço tecnológico vão tirar alguns minutos pare refletir sobre essa história. Eu fiquei pensando no quê pode acontecer com o mundo, já que a criatividade é pouco incentivada hoje em dia, as crianças são bombardeadas por youtubers que as enchem de propagandas e as incentivam a consumir apenas. A criatividade é como um músculo, se não é utilizada ela atrofia. O texto é suave e agradável de ler e mostra donímio da língua portuguesa. Eu sugiro que você escolha alguns "tags" para a história, assim as pessoas podem encontrá-la ao procurar por alguns dos assuntos da história. Obrigada por me proporcionar esta bela leitura!
December 01, 2019, 23:37

  • Vanda da Cunha Vanda da Cunha
    É uma honra saber que você gostou! Fico lisonjeada! December 02, 2019, 02:12
~