Contos eróticos - Bleach Suivre l’histoire

jace_beleren Lucas Vitoriano

Contos eróticos envolvendo os personagens do anime Bleach.


Fanfiction Anime/Manga Interdit aux moins de 18 ans.

#bleach #pwp
2
3.7k VUES
En cours
temps de lecture
AA Partager

Neliel - Halibel

Halibel treinava sozinha no amplo salão do La noches. Movia sua espada em movimentos rápidos, firmes e precisos. Não pensava em nada em especial apenas em ficar mais forte. Para que ficar mais forte? Ela não ambicionava o poder, tudo que queria era proteger aqueles que amava, evitar sacrifícios desnecessários. Se não vivesse em um mundo em guerra ela não se incomodaria em ser uma arrancar comum.

Halibel tinha uma beleza peculiar, um tanto agressiva, um tanto rebelde. Seus cabelos loiros eram curtos e divididos em mechas espetadas. Os olhos verdes eram sempre focados e avaliativos. Sua pele era morena e tinha um porte atlético embora não fosse tão musculosa. Usava o branco, traje comum dos arrancars, calça longa estilo dos samurais. A blusa com mangas compridas deixava toda a barriga a mostra e subia ate acima do pescoço com uma gola que cobria a boca e o nariz.

Halibel sentia-se irada consigo mesma. A alguns dias uma de suas companheiras, membro de sua fraccion, havia quase morrido em uma luta contra shinigamis. Halibel não tivera culpa nenhuma nisso, nem estivera presente na hora da luta, mas isso não mudava o fato de se sentir culpada.

Preciso ficar mais forte! dizia para si mesmo em pensamento enquanto sua espada cortava o ar mais forte... mais forte... cada golpe era desferido com mais fúria e determinação. Ela queria ter um inimigo para cortar, mas seu inimigo era ela mesma, ou melhor, sua fraqueza.

Halibel concentrou uma energia dourada em sua espada fazendo a lamina brilhar fortemente. Atacara mais uma vez impulsionando um cero combinado com o movimento da espada. Mesmo não tendo usado sua ressurection seu cero foi forte o suficiente para cortar o ar e destruir um enorme pilar de pedra que tivera o azar de estar em seu caminho.

- Se esta frustrada deveria meditar ao invés de começar a destruir La Noches.

Halibel virou-se e viu Neliel aproximando-se. A arrancar de longos cabelos verdes ondulados trazia no rosto a expressão fria e calma de sempre. Halibel conhecia muito bem aquela expressão, era a mesma que via sempre que olhava um espelho. De fato as duas eram bem parecidas por dentro.

- O que esta fazendo aqui Neliel?

Neliel apenas deu de ombros. Havia parado de andar quando estava a apenas dois passos da companheira.

- Nada demais, mas o que importa não é o que eu estou fazendo, mas sim o que você esta fazendo.

Halibel sentia os olhos avaliativos de Neliel examinando-a minuciosamente. Ela odiava isso, odiava quando Neliel a olhava daquele jeito. Odiava mais ainda o fato de ser para a companheira um livro aberto. Por mais fechada que fosse não conseguia esconder nada dela.

- Estou treinando. Nossa luta contra os shinigamis logo ira começar e nos os Espada precisamos estar preparados.

Neliel fechou os olhos pensativa e concordou com um aceno discreto. Caminhou alguns passos rodeando a amiga e por fim parou a dois metros de distancia. Seus olhos se abriram e ela encarava Halibel de uma forma completamente diferente de antes. Estava segura, determinada e... perigosa.

- Se você vai começar a mentir Halibel então aprenda a fazer isso melhor, me irrita ver você mentindo para mim, mas me irrita mais ainda saber que você prefere se fechar do que pedir minha ajuda.

- Não preciso de sua ajuda – respondeu Halibel de uma forma um tanto grosseira e então apontou sua espada para a arrancar – esse é seu problema, acha que todos precisam de sua ajuda.

Neliel suspirou, sentia-se discutindo com uma criança. Em um movimento elegante desembainhou sua espada.

- Ouvir você falando desse jeito me da vontade de bater em você e é isso mesmo que vou fazer.

Embora disse-se isso não havia raiva em sua voz, apenas a mesma expressão calma de sempre. Halibel percebeu isso, mas não tinha o olhar meticuloso da amiga, não sabia ler as pessoas como um livro aberto.

- Disse que estava treinando, então treinaremos juntas, mas vamos tornar as coisas mais interessantes. Se você vencer eu acredito que você esta aqui apenas treinando, não mais me meto nos seus assuntos, além de admitir que penso que todos precisam de minha ajuda.

- E se você vencer? – perguntou Halibel cruzando os braços. Sabia que as palavras que viriam seriam perigosas.

Neliel sorriu, esperava por aquela pergunta.

- Se eu vencer você me prometera que será sincera comigo.

Era um desafio, mas mais do que isso era uma armadilha. Halibel sabia que se aceitasse estaria fazendo o jogo da amiga, mas ela era orgulhosa demais para recusar.

- Aceito – disse ficando em guarda – embora algo me diga que você não tem a mínima intenção em admitir que pensa que todos precisam de sua ajuda nem de acreditar no que eu disse antes.

- Claro que não – Neliel também ficou em guarda, um sorriso brotou em seus lábios – porque eu não tenho a menor intenção de perder.

- Antes de começarmos deve saber que se uma de nós duas usarmos a resurrection aqui destruiremos esse salão inteiro. Será algo muito pior que a destruição de um simples pilar. Então acho que o melhor é que lutemos como estamos.

- Por mim tudo bem – Neliel disse calma como sempre – ia propor a mesma coisa.

Halibel partiu para o ataque movendo sua espada em ataques precisos e bem aplicados. Neliel porem era muito forte, sua espada se movia sutilmente bloqueando cada ataque, como se magnetizada para ir de encontro aos ataques de sua oponente. Neliel se mantinha calma em sua postura defensiva apenas analisando sua adversaria.

- Seus ataques são firmes e sua estratégia é boa, mas não poderá me vencer lutando dessa forma, conheço seu estilo – disse Neliel com o tom de voz paciente de uma professora.

- Então terei que muda-lo – retrucou a loira com uma voz fria. Energizou sua lamina com um poder dourado e atacou mais uma vez disparando seu cero.

O tiro havia sido a queima roupa e Halibel estava certa que por mais inteligente que fosse sua adversaria ela não conseguiria revidar a tempo. Mas estava enganada.

Aparentemente sem esforço algum Neliel absorvera o cero e o rebatera adicionando seu próprio cero ao ataque. Halibel não teve tempo sequer de se defender, o cero a atingira em cheio. Quando deu por si estava caído no chão, tentou se levantar, mas sentiu a lamina fria de Neliel em seu pescoço. A arrancar estaca de quatro sobre ela. Um sutil sorriso de triunfo brilhava em seu rosto

- Eu ganhei, isso significa que você será sincera comigo.

Apesar de odiar perder Halibel não era má perdedora. Conformou-se com o resultado da luta e assentiu positivamente com a cabeça.

- Pergunte o que quer saber...

O sorriso de Neliel se alargou mais e agora brilhava com uma ponta de malicia.

- O que eu quero Halibel é que você... – ela largou a espada no chão e seus dedos foram de encontro ao zíper da camisa de Halibel. Ela começou a abri-lo lentamente – se abra comigo – seu sorriso se alargou mais, e agora era totalmente malicioso.

Os seios de Halibel saltaram para fora, por debaixo da blusa nada escondia sua nudez. Seus seios eram exageradamente grandes e fartos. Quando o zíper foi totalmente aberto eles ficaram quase que completamente a mostra, mas um pouco do tecido ainda cobria parte deles, inclusive os mamilos. O rosto de Halibel também ficara a mostra, ela estava envergonhada e surpresa, completamente sem reação diante daquilo. Não entendia o que a amiga queria com aquele ato.

- São enormes como eu sempre imaginei – Neliel falava enquanto uma de suas mãos passeava pelos seios da amiga, explorando-os com gestos sutis e instigantes. Halibel sentiu todo seu corpo tremer aqueles estímulos. Nunca havia estado em uma situação daquelas. Ela não era idiota, agora sabia o que Neliel queria dela, ela queria o seu corpo, mas saber disso não a impedia de sentir-se pequena, inexperiente e insegura diante da outra.

- Tão grandes... – Neliel deleitava-se apalpando os seios da amiga. Ela abriu a blusa completamente deixando que os seios ficassem totalmente a mostra. Eram enormes, simplesmente enormes. A pele bronzeada instigava os desejos de Neliel e os mamilos, grandes e marrons, eram igualmente tentadores.

- N...Neliel... pare – tentou parecer ameaçadora, mas o que era para ser uma ordem firme saiu como um pedido suplicante. Neliel sorriu e para provocar sua parceira ainda mais lambeu o mamilo direito dela lentamente.

Halibel não teve como conter o gemido que saiu de sua boca. Ela tentou falar mais algo, mas Neliel começara a chupar seu mamilo direito com gosto, embora lentamente. Halibel gemeu mais e não conseguiu mais resistir, apenas sussurrava fracamente o nome da arrancar pedindo-lhe para parar, mas quanto mais ela pedia mais Neliel a provocava.

- Isso não esta certo – Neliel parara de chupar e ficava dando lambidas eróticas enquanto sua mão acariciava o outro seio e seu dedo indicar apertava o mamilo provocativamente – você prometeu ser sincera Halibel mas esta mentindo – ela beijou o mamilo lentamente antes de continuar – quer mesmo que eu pare?

Halibel soltou outro gemido abrindo mais suas pernas e braços sem nem mesmo percebesse do ato. Ela deitou a cabeça de lado, rendida, não tinha mais forças para resistir aos toques da arrancar que a dominava.

- Não... não quero que pare – disse fracamente, seu corpo relaxara e ela apenas se rendeu ao domínio da outra.

- Foi o que imaginei – Neliel sorriu satisfeita e continuou a chupar-lhe os seios com paciência e dedicação.

O salão amplo e escuro se preencheu com os gemidos abafados de Halibel. Neliel continuou a brincar com ela por uma hora inteira divertindo-se com seus seios. Suas mãos apalpavam os seios macios e fartos e desciam explorando a barriga sarada e as costelas de Halibel.

Neliel desfrutava do corpo da arrancar sem pressa. Quando finalmente achou que já estava na hora de avançar o nível desgrudou-se de Halibel ficando sentada sobre ela.

Halibel estava esgotada, seu corpo encontrava-se completamente úmido de suor e ela respirava ofegante. Não sabia bem o que havia acontecido. Sentira uma torrente de emoções e as mãos de Neliel a apalparam tanto que ela não sabia dizer aonde terminava seu corpo e começava o dela.

- Chega de ser apenas a ativa, já esta na hora de você tomar alguma iniciativa Halibel-san – Neliel sorriu e afastou as alças de sua blusa deixando a peça única do vestido cair e revelar seus seios médios com mamilos rosados. Sentia-se bem mais a vontade assim do que com tanta roupa – sei que é sua primeira vez, mas tenho certeza de que tem ideia do que fazer, afinal... você é inexperiente, não idiota.

Neliel voltou a deitar-se sobre a parceira colando os lábios das duas em um longo beijo. Seus seios encaixaram-se de um jeito gostoso e confortável. Halibel nem sequer hesitou, já havia sido dominada pelo desejo, retribuiu ao beijo e, sem pensar em pedir permissão levou as mãos as costas da amiga massageando-a.

- Ah! – gemeu Neliel aliviada de finalmente poder sentir-se tocada e estimulada – sim, isso... estive esperando que me tocasse dessa forma.

- Chega de falar, sua boca deve se concentrar apenas na minha – respondeu Halibel beijando-a mais uma vez. Suas mãos avançaram nas caricias agora explorando os seios macios da arrancar.

Elas trocaram longos beijos e caricias quentes e ousadas. Logo aquelas roupas se tornaram incomodas demais e as duas se livraram delas ficando completamente despidas. Halibel tinha o corpo mais atlético, seios grandes, bunda farta e uma pele morena é sensual. Neliel era mais delicada, seus seios e bunda eram medianos, sua pele clara e seus longos cabelos verdes desciam como uma floresta exuberante ate a cintura.

Neliel encostou a parceira em uma coluna e se ajoelhou sobre ela. Com desejo molhou o dedo indicador com sua saliva e penetrou-a na vagina da companheira. Halibel gemeu e Neliel começou um vai e veem.

- Você é tão quente por fora quanto é por dentro – ela riu inserindo o dedo – eu já queria fazer isso a muito tempo com você Halibel, mas você nunca me dava uma oportunidade...

- Que bom que você fez sua própria oportunidade – Halibel gemia com o estimulo. Já convivia com Neliel a anos, mas só agora começara a notar o qual ela era atraente.

Neliel sorriu concordando. Fechou os olhos e começou a dar chupões na vagina da companheira. Aquilo era maravilhoso, Neliel já havia imaginado varias vezes o momento, mas imaginar é uma coisa e fazer... fazer era bem melhor.

Halibel encostava-se na coluna arqueando seu corpo e contorcendo-se de prazer. Achava que nada poderia ser melhor do que Neliel chupando seus seios, mas estava errada, aquilo era bem melhor.

Ela aliviou-se com um grito de prazer e um forte orgasmo. Neliel lambeu tudo com gosto, sorvendo-o com avidez.

- Seu gosto é ótimo – ela sorriu passando a língua pelo lábio inferior e bebendo um pouco de orgasmo que ainda estava ali.

Halibel estava ofegante, mas satisfeita. Mesmo assim queria mais.

- Agora sou eu que quero provar o seu gosto – disse incendiada de luxuria.

- Claro, é justo – respondeu Neliel educadamente.

Halibel levantou a companheira e imprensou-a contra a coluna. Com uma das mãos levantou a perna direita de Neliel deixando-a apoiada apenas na esquerda. Ela pressionou seu corpo contra a arrancar, seus seios maiores esmagavam os de Neliel, mas ela parecia gostar. As suas intimidades também se pressionavam e a vagina de Neliel pulsava de prazer.

- Agora você será toda minha – disse Halibel ofegante antes de sufocar a parceira em um beijo avido de prazer.

Ela a beijou violentamente, suas mão livre apertava os seios de Neliel com gosto. A arrancar de cabelos verdes gemeu satisfeita e enterrou suas duas mãos na bunda grande e convidativa da parceira apertando-a com força e ate arranhando-a.

Ela se beijavam compulsivamente, parando apenas para pronunciar ofegantes o nome da outra. Neliel penetrou dois dedos de uma vez na bunda de Halibel e os movia freneticamente, em reposta ela apertava os seios da parceira e as vezes os chupava com força.

Neliel teve um orgasmo, na verdade muitos deles, ate que as duas caírem exaustas no chão. Estavam lado a lado e se olharam demoradamente. Depois de longos minutos apenas deitadas recuperando as forças Halibel quebrou o silencio.

- Pela primeira vez fico feliz por ter perdido uma luta.

Neliel riu.

- Foi muito bom não foi? Da próxima vez te deixo ganhar.

Sem querer continuar a ouvir aquelas coisas irritantes Halibel puxou a parceira para mais um longo, demorado e apaixonado beijo.

18 Octobre 2019 00:01:01 0 Rapport Incorporer 1
Lire le chapitre suivant Ulquiorra - Orihime

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 2 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!