Reset Suivre l’histoire

camilla Camilla Guimarães

Helena foi a última de doze jovens a despertar em uma floresta paradisíaca sem nenhum tipo de lembrança da vida que costumava ter antes de ir parar ali. Como esperado, eram inúmeras as perguntas que rodeavam a mente dos integrantes daquele grupo, bons exemplos seriam o porquê de ter uma mansão abandonada no meio daquela floresta ou o que diabos poderiam ser as criaturas que os estavam caçando depois da meia noite. Sem resposta para nenhum destes questionamentos, a única informação que lhes foi disponibilizada é a de que metade deles são criminosos extremamente violentos e perigosos. Após um certo período de convivência dentro e fora da mansão, Helena vai chegar a duas importantes conclusões que irão lhe guiar em busca da sobrevivência e da saída daquele lugar: 1- Cada movimento que eles fazem está sendo minunciosamente observado. 2- Por piores que sejam as criaturas fora da casa, nenhum animal é mais mortal e sedento que o próprio ser humano.


Aventure Déconseillé aux moins de 13 ans.

#assassinos #terror-psicológico #violência #crime #criminosos #jovens #sobrevivência #258 #ficção #378 #mistério
2
4.0k VUES
En cours - Nouveau chapitre Tous les samedis
temps de lecture
AA Partager

Despertando no Paraíso

A escuridão parecia consumir lentamente o corpo da garota, sua cabeça girava ao passo em que ela se perguntava se estaria de fato com os olhos abertos. Seria ela cega? Como poderia não saber se era cega ou não? Aos poucos foi percebendo uma sensação molhada distribuída por todo o seu corpo, mas parecia vir de algum lugar ao longe, como se as terminações nervosas de seu tato estivessem a quilômetros de distância.

Seus ouvidos lentamente capturaram um som abafado, quase imperceptível, que curiosamente aumentava cada vez mais. Batidas. Mas onde estariam batendo? Onde ela estava? Como foi parar ali? Não conseguia se mover, seu corpo dormente parecia pesar uma tonelada. Não conseguia chegar à conclusão de um simples raciocínio, as perguntas turbilhoavam sua mente vazia e se afundavam em um poço sem fim de peças incompletas, impossíveis de se encaixarem.

–– Ei, consegue me ouvir?

Sim, ela conseguia ouvir. A garota tentou focar na voz que dançava abafada sob seus ouvidos. Vinha de cima. Depois de muito esforço e concentração conseguiu ganhar a obediência de seus braços dormentes, tentando esticar um deles naquela escuridão para alcançar aquela voz. Ela se surpreendeu ao tocar algo, sequer conseguiu levantar o braço o suficiente para dobrá-lo, não estava em uma imensa escuridão, estava presa em algum lugar minúsculo, e o pouco ar ali a sufocava lentamente. Se dar conta deste fato foi o suficiente para despertá-la da dormência em instantes, sem delongas começou a se debater desenfreadamente e deu início a uma série de tentativas frustradas de esticar os braços e quebrar o material que a cercava de maneira tão invasiva e claustrofóbica.

–– Calma Helena, fique calma.

Ela parou ao ouvir a voz novamente.

Helena?

Quem é Helena?

Seria eu?

Agora que a adrenalina a livrara da dormência, pôde pensar melhor no que acontecia. Por acidente ou não, estava presa em algum lugar. O lado positivo é que havia alguém do lado de fora disposto a ajuda-la, pela voz se permitiu deduzir que se tratava de um homem jovem, que saíra há pouco da adolescência.

Outro detalhe importante é que se encontrava deitada, mas não em algo sólido, a sensação molhada que sentira anteriormente se dava ao fato de que estava flutuando, o que significa que estava necessariamente em algum líquido com bastante sal.

–– Helena? –– o garoto a chamou novamente –– pegue a chave que está no seu pescoço e abra o caixão. Quando você levantar a tampa o suficiente vamos te ajudar.

A garota tocou o pescoço e percebeu que usava um cordão, onde havia de fato uma chave do tamanho de uma moeda como pingente. Seguindo o conselho do menino, usou as mãos suavemente para percorrer às cegas o que agora sabia ser um caixão até achar, em sua lateral direita, um cadeado. Ao destrancar o objeto, usou toda sua força para empurrar a tampa do caixão para cima, afundando inevitavelmente na água cerca de dois palmos até bater as costas no fundo, aquilo era extremamente mais pesado do que ela havia imaginado. Submersa e segurando o fôlego, tentou mais algumas vezes até que obter sucesso em alguns centímetros e receber ajuda de fora para se livrar do resto.

Imediatamente sentou e puxou a maior quantidade de ar que conseguiu, sentindo-se imensamente aliviada. Tinha noção que seus olhos custariam para se acostumar com a repentina claridade, então ficou por um momento apenas sentada naquela água com os olhos fechados e a mão na cabeça, aproveitando-se do fato que conseguia respirar ar puro.

–– Uau –– ouviu mais uma voz masculina –– aqui só tem gata. Gostei.

–– Pena que graças a você não podemos dizer a mesma coisa –– esta tinha uma voz fina e levemente irritante, mas seu comentário provocou diversas risadas.

–– Olha a boca, vadia.

A discussão que se prolongou a partir dali atraiu a curiosidade da garota, que lentamente abriu os olhos e fez o possível para não os fechar novamente com a dor. Ela não fazia ideia de onde estava anteriormente, mas aquilo estava longe de ser qualquer uma das opções que havia imaginado instantes atrás. De alguma forma, fora parar em uma belíssima floresta, com árvores gigantescas de todos os tipos para todos os lados e diversas frutas nelas distribuídas, que coloriam o ambiente, parecia uma espécie de paraíso.

Estava em uma das poucas áreas sem nenhum tipo de plantação, folhas secas de outono cobriam a vasta área delimitada por caixões abertos, formando um gigantesco círculo onde a discussão entre os jovens acontecia no centro. Olhando ao seu lado havia a tampa de seu caixão, com o nome Helena cravado. Então aquele era realmente seu nome; Helena.

–– Helena, como você está? –– o garoto que a aconselhou antes sorriu ao notar o pulo que ela deu ao ouvi-lo repentinamente –– Desculpe, não quis te assustar.

Ele segurou sua mão e a ajudou a se levantar, uma vez que suas pernas ainda se encontravam bambas e enfraquecidas. Helena provavelmente deveria ter agradecido pelos favores, mas não era essa a sua prioridade.

–– Onde estamos?

Ele sorriu sem graça:

–– Boa pergunta.

–– Quem é você?

–– Dylan, aparentemente.

Ela suspirou, então não era a única que não conseguia se lembrar de nada sobre a própria vida. Já viu logo que seria inútil perguntar informações a qualquer um que estivesse ali.

Dylan a olhava relativamente depressivo, provavelmente possuía alguma esperança boba de que a última a conseguir sair do caixão pudesse se lembrar de alguma coisa que os ajudasse. Infelizmente não era o caso. Seus olhos eram bonitos, Helena não pôde deixar de notar, eram de um castanho claro, cor de caramelo, que combinava perfeitamente com seus cabelos loiros. Ela arqueou as sobrancelhas com a dúvida repentina que adentrou em sua cabeça.

–– Dylan, qual é minha aparência?

A pergunta pareceu pegá-lo de surpresa, porque ele coçou a parte de trás da cabeça e deu um riso nervoso. Sim, ele provavelmente é alguém duzentas vezes mais simpático e sorridente do que ela.

–– Hmm... sinceramente você é bem bonita –– ela segurou o riso diante do seu constrangimento, o que só o deixou mais nervoso –– pele um pouco morena, cabelo claro... meio loiro... Não, não é loiro... sei lá. Olho azul...

Ela deu uma leve risada, apesar de sentir que não costuma fazer isso com muita frequência.

–– Você sabe a sua?

Ele pareceu pensativo, como se fosse a primeira vez que tivesse se questionado isso.

–– Sinceramente, não.

–– Você tem pele clara, olho castanho claro e cabelos beeem loiros, uma cor meio dourada na verdade –– ela lhe deu uma piscadela –– é até um pouco bonitinho.

Ele ficou vermelho com o elogio, mas antes que pudesse dizer mais alguma coisa os dois foram surpreendidos por uma garota ruiva, que já chegou se apoiando nos ombros de ambos.

–– Venham para junto dos outros, vamos nos apresentar e decidir alguma solução para sair desse lugar! –– Ela soltou Helena e secou o braço na própria blusa –– Recomendo que você procure algo para se secar, já vai anoitecer.

4 Mars 2019 20:28:35 7 Rapport Incorporer 122
À suivre… Nouveau chapitre Tous les samedis.

A propos de l’auteur

Camilla Guimarães Apenas mais uma mera universitária viciada em séries, livros, animes e música.

Commentez quelque chose

Publier!
MiRz Rz MiRz Rz
Olá, eu sou a MRz do Sistema de Verificação do Inkspired. O sistema de verificação atua não só para ver a qualidade da história, como também para observar se a história está de acordo com as normas do site. Sua história tem algumas tags importantes, como violência e tortura psicologia. Ambas ainda não foram desenvolvidas no texto para podermos verificar se está dentro das normas ou se a classificação indicativa de 13 anos está correta. Para que sua história possa ser marcada como “Verificada”, teremos que aguardar como esses temas serão abordados no decorrer dos capítulos. Assim que esses elementos estiverem presentes e você quiser a verificação da sua história, basta responder a esse comentário mesmo que eu verificarei com prazer, pois do que foi mostrado nesse primeiro capítulo, a história está ótima! ;)
11 Mars 2019 16:35:59

  • Camilla Guimarães Camilla Guimarães
    Olá, quando eu postar o próximo capítulo já irá haver violência, então eu aviso neste comentário. Sobre a tortura psicológica creio que eu exagerei um pouco, não é bem uma tortura, é mais pelas diversas crises e surtos de identidade que a personagem principal terá. Eu não sabia bem como usar essas tags, que tipo de coisa colocar, pois sou nova no site então não sei bem funcionam esses mecanismos. Fiquei muito agradecida pela sua leitura e muito feliz pelo elogio no final :) se possível gostaria de tirar uma dúvida, algumas histórias eu vejo com algumas estrelas e outras não tem, quem coloca essas estrelas seria a equipe de verificação ou os leitores? 12 Mars 2019 12:44:25
  • MiRz Rz MiRz Rz
    Olá Camilla, desculpe a demora ao responder, não tive muito tempo essa semana. As tags são um instrumento para o autor colocar alguns avisos, adicionar categorias secundárias ou algo que ache necessário informar o leitor. Por isso a forma de usá-la depende de escritor para escritor. As estrelas que você vê em alguma histórias são os Reviews e é apenas mais uma forma de incentivar o escritor. Os corações são para o leitor dizer que gostou do capítulo, os comentários são para elogios, adendos, etc, e esse Review é como uma recomendação da história como um todo que o leitor pode fazer. Você pode ler mais detalhes sobre isso na FAQ do site. :) 24 Mars 2019 13:56:55
Atila Senna Atila Senna
Bom, um começo bem misterioso. Parabéns!
5 Mars 2019 08:18:12

~

Plus d'histoires