C
C Clark Carbonera


"Era um ônibus que andava sempre de noite, sem nunca parar. Ele não sabia como havia chegado ali. Só sabia que agora estava no ônibus noturno." Esse conto é para todos aqueles que já se perderam e não encontraram o caminho de volta. Ou para aqueles que o encontraram, mas que gostariam de rever a jornada em busca de um futuro mais leve, mais alegre e mais cheio de vida.


Histoire courte Tout public. © Todos os direitos reservados

#novela #metáforas #autoconhecimento #português #literatura-brasileira #capítulos-curtos #jornada #espiritualidade #spiritual
3
4.7k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Prólogo


- Além disso, eu amo tempestades.

- Eu sei. Você anda com elas no bolso.

Johannes Antonius Wiegerinck



Era um ônibus que andava sempre de noite, sem nunca parar.

Ele não sabia como havia chegado ali. Só sabia que agora estava no Ônibus Noturno.

Na estrada não havia motoristas. Eles eram apenas carros e motos. Caminhões e caminhonetes. Todos vagavam de noite com suas lanternas. E as luzes tinham vida própria e voavam pela estrada negra.

As luzes piscavam no ônibus noturno, mas elas eram invisíveis aos olhos de fora. Então ninguém percebia que os outros eram tragados pelas luzes e pela música de baixo calão.

Ninguém.

A não ser ele.

O homem queria voltar ao que era antes, sem saber se o antes foi o ontem ou a década passada.

Ele tinha apenas quatro lembranças.

A de sua mãe dizendo que por ele pensar demais, ele era infeliz.

A de sua irmã dizendo que por ele ler demais, ele era infeliz.

A de seu chefe dizendo que por ele trabalhar demais, ele era infeliz.

E a última lembrança.

Aquela mais importante e que fazia suas mãos tremerem de emoção. A de que todos eles estavam errados e que ele era o homem mais feliz dali.

Mas agora ele estava no Ônibus Noturno.

Se perguntando se algum dia haveria uma parada.

Se remoendo com suas quatro lembranças carcomidas.

E destinado a fazê-lo por todo o sempre, ele olhou para a Lua, rogando por salvação, embora ela não se dignasse, perpetuando-se lá, etérea e infinita.



18 Décembre 2018 14:34:26 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
3
Lire le chapitre suivant Dias noturnos

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 15 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!