reinharda Evelyn Ramirez

Duyan conhecia o povo covarde que escondia-se debaixo de um batalhão com números reduzidos. Imediatamente, jurou não tornar-se parte dessa realidade, ao atingir a faixa etária, apresentou-se ao Recrutador. A tropa zombou de sua atitude, uma combatente mulher. Mas a zombaria não brandiu o fogo que lhe consumia, Duyan saiu em busca da ameaça que aos poucos consumia o exército, assim, seu mérito. Uniões serão feitas e desfeitas, o mundo oscilará entre bem e mal, o que era admiração, impulsa um novo pesar.


Fantaisie Médiévale Déconseillé aux moins de 13 ans.

#magia #adolescente #combates
1
5.3k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Prólogo

Considerava-me sortuda até agora. Tive um destino melhor do que as outras meninas de oito anos à mercê da comunidade. Quais vendiam seus corpos em um prostíbulo sujo. Ofereciam uma quantia exorbitante por garotinhas virgens e, a necessidade batendo nas portas, nenhum cidadão recusava essa oferta. Exceto, uma idosa. Quando pôs a visão em mim, percebi não ter ganhado somente um lar, mas, seu coração. Logo, adotamos um garoto com a mesma situação, embora, rapazes tivessem outro tipo de sina.

Os anos passaram depressa, e a idosa que atendia por Mãe, adoecia. Diversas vezes, imaginava se vendesse meu corpo, reverteria essa doença. Porém, quando insinuei fazê-lo por um bem maior, a vi colérica, primeiro deslumbre de fúria no seu rosto cansado. Ainda pegava-me recordando o passado, como desenrolasse os fatos agora:

—O quê? Duyan.. Se.. Se.. Eu desejasse que torna-se uma meretriz, não teria lhe adotado! - A voz dela saiu fraca, mas, consideravelmente punidora.

—É.. É. Que.. Parte-me o coração vê-la nestas condições, esse sofrimento interminável! - Reclamei, sentindo lágrimas brotarem.

Ela vagou o olhar, analisando a casa remendada e torta, semelhante às restantes do vilarejo. Podia vê-la admirando a rua lamacenta, as galinhas ciscando. Nossa vila. Novamente, estudou o interior do casebre, a mesa redonda que portava não mais de dois pratos, o tapete surrado. Goteiras, aquele velho fogão a lenha, o cômodo seguinte, onde dormíamos eu e Vaywo.

Lampiões pela falta de energia elétrica, os baldes na cozinha para abastecer de água do poço.

—Certo, daremos um fim neste sofrimento. Vaywo, jure que protegerá sua irmã de coração, e nada, nada, irá separá-los! - Ela encarou a face de meu irmão, aguardando pacientemente.

—Eu.. Prometo! Agora, como poderemos dar um fim nisso? - Vaywo respondeu, observando-a pálida, inegavelmente, desnutrida.

Beijamos suas bochechas consecutivamente, ela demonstrava reunir coragem para o que viria informar:

—Preparem um chá, as ervas estão no pote separado dos demais! - Mãe instruiu, serenamente.

Enfim, conseguimos pegá-lo. Vaywo juntou lenha seca, eu fiquei responsável pela água. Sentia desconfiança, porque nunca havíamos usado ervas medicinais de antemão?

—Não deixem uma erva só de fora, caso deixem, o sofrimento não acabará! - Ela comentou durante o processo.

A erva vermelha, o cheiro desagradável, azedavam-me mais o humor. Mas, Vaywo estava ávido da cura. Antes que pudesse impedir, a caneca fora tomada nas mãos da velha.

—Duyan, não tema, querida! Vaywo, tornou-se o homem da casa tão velozmente.. - Ela sorriu para seu chá fumegante, o vapor dançou nas suas narinas.

Não fora sorvido o chá, mamãe o engoliu num rompante. Sua face começara roxear, a respiração enfraqueceu, sendo curtas inspiradas. Tentei lhe auxiliar, mas sua mão em riste, fez-me boquiaberta.

—Você.. Nos enganou! - Gritei, rolando as lágrimas na face.

Vaywo abriu a porta, arrastando-me porta afora. Lágrimas gotejavam do meu queixo, vendo a cabeça dela quicar sem vida. Somente uma casca oca, as madeixas descuidadas cobriram sua face.

Pisquei, retornando a realidade. Vaywo estudava meu semblante, provavelmente cogitando se entraríamos numa discussão caso fosse perguntado.

—Duyan.. Mamãe fez aquilo pela gente.. Doeu nela também, não duvide! Já se passaram dois anos, você não tem mais vida.. Até parece.. - Ele refletiu, por um minuto.- Ah, deixe pra lá..

—Até parece que morri, não é!? Pois bem, uma parte morreu! - Farta daquela conversa, desembuchei.

Vaywo franziu a testa, o corpo forte oprimiu-se. Os fios desgrenhados e olhos, duplamente negros, exibiram completamente sua intensidade. A preocupação lhe infligiu.

—Como seu protetor, eu – Ele indicou a si. - Não contemplarei sua destruição! - Ele afirmou, batendo a porta com força.

Mamãe, por favor, ilumine meu caminhar..

21 Octobre 2018 10:53:05 6 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
2
Lire le chapitre suivant Capítulo 1

Commentez quelque chose

Publier!
MiRz MiRz
Olá, eu sou a MRz do Sistema de Verificação do Inkspired. O sistema de verificação atua não só para ver a qualidade da história, como também para observar se a história está de acordo com as normas do site. Sua história está “em revisão” porque há alguns errinhos de escrita. Por exemplo, o excesso de vírgula. Em várias ocasiões no decorrer do texto, você colocou as conjunções adversativas entre vírgulas, principalmente o “mas”, que não deve vir entre vírgulas. Em alguns casos, também se separou o sujeito do predicado pela vírgula. No capítulo 2 tem um “porque” escrito errado, pois por se tratar de uma interrogativa, o “porque” no começo da frase está errado, sendo a forma correta “Por que”. Eu dei apenas alguns exemplos, mas são erros bem pequenos. Acredito que uma revisão da história ajudará a identificar e corrigir esses detalhezinhos. Se você tiver o interesse de ter a história verificada, após corrigir os erros, é só responder a esse comentário que eu faço uma nova verificação. No mais você escreve muito bem, parabéns! ;)
April 27, 2019, 02:01

  • Evelyn Ramirez Evelyn Ramirez
    Farei a revisão como solicitado, ainda tenho interesse para uma verificação posterior. Obrigada! ♥ April 27, 2019, 21:17
  • MiRz MiRz
    Ok. Quando revisar tudo e achar que está tudo certinho, você só responda este comentário dizendo que está tudo corrigido, que eu faço a verificação, não precisa "pagar" pela prioridade novamente. :) April 27, 2019, 21:29
  • Karimy Lubarino Karimy Lubarino
    Olá! Caso uma nova revisão seja feita, basta avisar, então farei uma nova verificação em sua história! April 17, 2020, 14:07
Kith Kerulin Kith Kerulin
UOOOOOOOO achei incríveeeeeeeeeeeeeeeel, logo de cara um primeiro contato com a história bastante instigante. ♥
April 22, 2019, 06:48

  • Evelyn Ramirez Evelyn Ramirez
    Espero que continue aqui, obrigada, bem-vindo ! ♥♥ April 22, 2019, 11:53
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 36 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!