delryne Delryne Aligheri

Achava engraçado outras pessoas admirarem aquilo como algo bonito, enquanto ela ria por considerar a imensidão obscura no alto como um verdadeiro cemitério de estrelas.


Drame Tout public. © Todos os direitos reservados.

#metáfora #solidão #estrelas #noite #mulher #fumante #cigarro #drama #depressão
Histoire courte
4
7.0k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Preencher

Noite gélida. Mente quente.

Sentada na varanda, observava as estrelas iluminando o céu. Achava engraçado outras pessoas admirarem aquilo como algo bonito, enquanto ela ria por considerar a imensidão obscura no alto como um verdadeiro cemitério de estrelas.

Suspirou, deu um sorriso irônico e pegou sua caixa de cigarros junto a um isqueiro em cima da pequena mesa ao lado. Jogando seus cabelos negros para trás, colocou o tabaco na boca. Logo após fechou os olhos, acendendo-o sentindo o cheiro do fumo penetrar em suas narinas, antes mesmo que a fumaça preenchesse seu vazio interior.

Maldito céu, sempre cheio e iluminado.

Enquanto ela, sempre vazia e apagada.

+

24 Mars 2018 02:25:52 3 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
8
La fin

A propos de l’auteur

Delryne Aligheri Apenas mais uma sorumbática escritora vagando por um fúnebre mundo. A partir do momento em que comecei a ter percepção da existência, prometi a mim criar inúmeras histórias onde o horror e a soturnidade reinavam como verdadeiros imperadores de um vazio já existente. O verdadeiro reflexo de Dante Alighieri procurando um espaço umbrífero e silencioso. Cristã católica e estudante assídua de teologia. Além de autora, também sou artista e dançarina nas horas vagas.

Commentez quelque chose

Publier!
Mary Mary
Em pouco tempo esse conto arrebatou meu coração. Foi uma ótima exploração sobre a solidão e especialmente sobre o vazio interior. Já pensei muito a respeito das estrelas, às vezes olhar para elas me conforta, quando eu era mais nova até olhava uma estrela que brilhava mais forte na direção da minha janela e costumava dizer que ela era minha, que para onde eu fosse, poderia vê-la. Hoje já não a vejo e muito da minha inocência se perdeu também com o passar dos anos, depois que cresci e quebrei a cara, então pensar nesse céu iluminado me faz pensar que estamos vendo os nossos sonhos mortos também que dessa vez preenchem a alma com angústia, inquietação e solidão.
February 04, 2019, 15:48
Jenny Jenny
gostei muito desse primeiro contato
January 12, 2019, 15:10
Verônica Ashcar Verônica Ashcar
Ahhhhh, que perfeição foi essa? A narrativa maravilhosa, que faz querer mais, tão gostosa de se ler e mesmo em meio a poucas palavas tanto sentimento e cheio de significados escondidos... Maravilhoso mesmo, Parabéns por essa obra!!! <3
May 27, 2018, 16:07
~

Histoires en lien