ohhtrakinas Sasah Trakinas

Obito não se considerava amante de músicas eruditas, mas aquelas melodias tocadas no apartamento vizinho estranhamente causavam uma ótima paz de espírito.


Fanfiction Tout public.

#piano ##naruto #naruto ##kakashi #kakashi #obito #slide of life ##obito ##slide of life
Histoire courte
2
6.9mille VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

one-shot

Aquele condomínio fora agraciado com um inquilino de ótimo gosto musical e habilidades em tocar piano, já que em todo final de tarde aos sábados aquele apartamento ressoava uma sonoridade agradável e tranquila, na qual agradava os ouvidos dos outros condôminos que eram vizinhos e moravam no mesmo prédio. Crianças ficavam quietas e bebês paravam de chorar; adultos esqueciam dos problemas e cachorros paravam de latir...

Realmente era uma melodia que trazia paz a qualquer psicológico inquieto.

— Chopin... – Obito dissera completamente perdido do seu real dever na qual estava efetuando.

Não era um grande fã de música clássica ou sequer considerava-se erudito suficiente para ser um grande conhecedor do estilo musical, porém pelo menos sabia que aqueles conjuntos de notas eram de Frédéric Chopin.

Deixou-se largar a caneta em cima da papelada das atividades escolares na qual se empenhava em corrigir para prestar atentamente a atenção à melodia do piano que tomava notas mais altas, ganhando o silêncio do condomínio como admiração.

Obito queria muito saber quem diabos era o ser que havia mudado à poucas semanas para aquele prédio e tomado a liberdade de transformar os sábados mais tranquilos e prazerosos. Graças à isso, sexta feira deixou de ser o melhor dia para Obito; e sim os sábados... Os finais de tarde, mais especificamente.

Quando a música acabou, a vida real parecia ter lhe dado um tapa na cara de boas vindas e trouxera-o a realidade. Respirou fundo, voltando os olhos para a papelada que ainda estava a sua frente, necessitando da correção de caneta vermelha.

Tudo aquilo parecia tão cansativo que se vira obrigado a continuar seu trabalho, querendo ou não. Quando pegou a próxima folha de atividades e viu todos aqueles erros grotescos tanto na escrita quanto nas respostas, Obito revirou os olhos e estalou a língua. Seu aluno loiro de olhos azuis e riscos nas bochechas era um ótimo garoto, mas às vezes não tinha como defendê-lo.

Depois de mais alguns minutos corrigindo as lições, Obito estava necessitado em escutar mais das músicas clássicas que tocavam naquele apartamento. Sentia vontade de se levantar e ir até lá bater na porta do morador e dizer: “Ei, sou um dependente químico dessas músicas, então, por questões médicas, trate de fazer seu trabalho e garanta minha saúde!”

Era exagero, óbvio; não era dependente químico, mas tinha uns parafusos soltos; que de certa forma, aquela música o deixava numa paz de espírito indescritível. É como diziam; professores de literatura geralmente são dramáticos.

Chopin – One-shot


No decorrer da semana, Obito passava os dias ansiando a chegada de sábado. Lógico que não ficava perdido em devaneios quando estava lecionando na escola, afinal, era um professor muito competente, mas ainda assim, quando chegava em casa, a ansiedade o assombrava, perguntando-se quantos dias faltava para sábado.

Assim que a semana terminava e o final de semana dava inicio, como uma recompensa pela semana cansativa de trabalho duro, as músicas clássicas lhe agraciavam com a sonoridade suave e encantadora que ressonavam do apartamento visinho.

— Hm... Pachelbel –Cruzou os braços assim que começara a prestar atenção na melodia –Canon In D? –Tombou a cabeça pro lado, arqueando uma de suas sobrancelhas –Essa daí é melhor no violino...

Contestou, logo dando de ombros e deixando-se escutar com calma a música relaxante que despertava sentimentos amorosos que até então para si eram desnecessários.

Ela toca tão bem... –Houvera um dia que se deu a liberdade de decidir qual sexo pertencia o músico que tocava as notas maravilhosas no piano. Com um gosto musical tão bom e requintado, só podia ser mulher. Estava convicto que a mulher era bonita e bastante culta, que falava com palavras difíceis, conjugando verbos como ninguém.

Se além do ótimo repertório musical que a moça tinha; atendesse todas as suas expectativas imaginativas de aparência e personalidade, Obito inclusive já cogitara casamento.

Talvez fosse complicado entender, mas graças a todos aqueles sábados escutando todas aquelas musicas tão lindas, Obito no fundo sentia que estava se apaixonando por alguém que nunca tinha visto.

E isso era tão perigoso; pensava...

xXx


Lógico que em sua mente já passara a possibilidade de algum dia, num final de tarde ao sábado, as belas melodias suaves não viessem dar o ar da graça. E como se fosse um pesadelo que na qual não quisesse passar, aquilo realmente aconteceu.

Concluiu que estava mal acostumado quando se deu por falta da música naquela tarde e sentiu-se péssimo. Culparia a pessoa por torná-lo em alguém mimado por músicas clássicas. Havia se transformado num erudito amargurado na qual nunca havia se denominado antes!

O condomínio estava um caos; crianças gritando enquanto corriam e brincavam; bebês chorando e cachorros latindo. A falta da música dera liberdade àqueles que se calavam quando as notas suaves faziam presença e acalmavam a todos.

Sem elas, tudo voltava ao normal como sempre fora.

Uma merda.

Obito respirou fundo e afundou o corpo no sofá, fechando os olhos e se concentrando em tirar um cochilo.

-Só está atrasada... Só isso. –Dissera a si mesmo para tentar se conformar; um pensamento positivo na qual não fazia muito de seu feitio uma vez que virara adulto.

E mesmo que no final das contas acabara dormindo, naquele final de semana, não se escutara nenhuma nota de piano... Obito se perguntava o que havia acontecido para a mulher não ter tocado piano, afinal, fazia parte de sua rotina; era de praxe!

A segunda feira começou péssima, onde acordara com o pé esquerdo e passara o resto da semana de mal humor.

Quando chegara sábado, o dia passou-se lento e arrastado, e assim que o final da tarde chegou, Obito mais uma vez contemplou o desespero de não escutar nenhuma nota a mais.

— Ok, isso não pode continuar...

Cansado de ficar escutando aquela desordem do condomínio contemplando o livre arbítrio sonoro, Obito se levantou do sofá e saiu do próprio apartamento, tomando coragem de ir uma vez por todas para o apartamento visinho na qual a mulher talentosa –Dona de seus pensamentos –Morava.

Confessava que lamentava o fato de estar indo visitá-la pela primeira vez para fazer uma queixa e não para convidá-la pra um encontro. Torcia veemente para que a mesma não achasse tudo isso estranho e que encarasse tudo numa boa.

Quando tocou a campainha, escutou uma movimentação vindo de dentro do apartamento e logo viu a porta ser aberta por um completo estranho na qual nunca pudera imaginar morar naquele apartamento. De cabelos arrepiados brancos, postura preguiçosa e olhos tediosos com pouca emoção, Obito contemplou aquilo que quebrara com todas as suas expectativas que um dia já criara.

— Pois não? –Perguntou o albino, arqueando uma de suas sobrancelhas.

Obito estava em choque, permanecendo por mais alguns segundos parado com os olhos arregalados.

Quem tocava todas aquelas músicas maravilhosas era esse marmanjo largado?”

Engoliu a seco, logo coçando a garganta para enfim pensar no que dizer.

Pelo menos a pintinha no canto da boca é sexy... Melhor do que nada”

Err... Posso estar sendo inconveniente, mas queria dizer que todas aquelas músicas que você tocava no piano acabou me viciando...

O homem de cabelos branco tombou a cabeça pro lado, fazendo crescer um grande ponto de interrogação acima da testa.

— O que quer dizer?

— Quero dizer que gostaria que tocasse mais vezes.

Fora direto, sem delongas. Era assim que os adultos resolviam seus problemas, não é?

— Está falando sério?

— Bem, sim... – Deu de ombros.

O albino coçou a nuca, parecendo um pouco desconcertado com aquela situação inusitada.

Err, qual o seu nome?

—Obito Uchiha. E o sei?

— Kakashi Hatake... Então, Obito, é um seguinte –Disse –Eu meio que vendi o piano.

— ... É o que? –Estreitou os olhos, confuso.

— É aquela coisa, né? Moro sozinho, logo me sinto solitário, e aí o que eu fiz?

— O que você fez?

— Comprei um cachorro.

E um pequeno Pug aparece a pequenos passos com o traseiro rebolando graças à gordura acumulada. Obito pela primeira vez sentiu uma frustração tão grande que tinha vontade de espancar o causador de tudo aquilo.

O cachorro era bonitinho, mas isso não justificava o preço de sua felicidade.

— É sério?

Kakashi não respondeu nada, mas ficara o encarando com um pequeno sorrisinho gentil na qual esperava qualquer outra reação de outrem.

— Devolva.

— O que?

— Devolva este cão.

— Hã!?

— Eu sou um dependente químico dessas músicas, então, por questões médicas, trate de fazer seu trabalho e garanta minha saúde!

Usufruiu das habilidades dramáticas que a literatura lhe proporcionava e disse tudo de uma vez.

Nunca pensara que uma conversa tão despretenciosa pudesse dar frutos, pois surpreendentemente, no próximo final de semana que chegou, o condomínio fora agraciado novamente pelas músicas clássicas de Chopin e companhia.

17 Mars 2018 16:01:47 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
2
La fin

A propos de l’auteur

Sasah Trakinas Alcoólatra triste.

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~