0
6.8k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

1

DEUS E A ALMA

Pág. 1

I

O QUE EU VI

Sahi um dia a contemplar o mundo, Por vêr quanto ha de bello e quanto brilha Na multipla e gloriosa maravilha, Que anda suspensa em o azul profundo!
Vi montes, vales, arvores e flôres, Limpidas aguas, múrmuras torrentes, Do grande mar as musicas plangentes, Dos céus sem fim os trémulos fulgôres!

Pág. 2

Trouxe os olhos tão ricos de belleza, O coração tão cheio de harmonia, De quanto havia em terra, mar e céos,
Que interpretando a sós a Natureza: Dentro de mim esplendido fulgia, N'um circulo de luz, teu nome, oh Deus!

Pág. 3

II

MUNDO INTERIOR

Materia ou Força, Lei ou Divindade Quem quer que seja que dirige o mundo, Esparze em tudo o espirito fecundo Do Summo Bem--Belleza, Amôr, Verdade.
Á luz d'esta Santissima Trindade, Cercado d'esplendor, clamo e jucundo, Sorri-me em volta o universo; ao fundo, Por synthese Suprema, a Humanidade!

Pág. 4

Dos homens rujam temporaes medonhos... Que em mim, no meu labôr, do Bem sedento, Meus dias correm limpidos, risonhos!
Estrellas que brilhaes no firmamento! É menos bella a vossa luz que os sonhos Que gera na minha alma o Pensamento!

Pág. 5

III

TRISTEZA

Como isto cá por fóra é tudo alegre! Quão bello o sol! que esplendida harmonia A terra, o mar e os céos! Porem dentro de mim que mundo á parte! Que embate de paixões! Que noite funebre! Que magoas, Santo Deus!
Ai! se as manchas que o sol no rosto esconde Tem sobre o mundo alguem onde projectem A triste escuridão, Minha alma é como o espelho onde ellas caem, Tão profunda é a mágoa que me lavra Aqui no coração!

Pág. 6

E eu via ha pouco o azul d'um céo sem macula! E o sol d'esta alma fulgurante e limpido Banha-me todo em luz! Porém, franqueza humana! eu proprio o obrigo A alumiar-me com a luz da frouxa lampada D'um templo de Jesus!...
Senhor! Senhor! que um teu olhar me alegre! Que lave o pavimento de meu peito De muita ideia vã, Que o mal é como a noite, e o sol apaga-a E transforma-a na prata, ouro e purpura Das nuvens da manhã!
Oh! tu tristeza, irmã dos desgraçados, Que lanças no meu peito os ais plangentes D'esses gemidos teus! Desprende da minha alma as azas negras, E deixa entrar alegre a luz do dia, A luz vinda dos céos!
E vós, filhos do sol, tribus innumeras Da familia de Deus, plantas e flôres Insectos e animaes, Que engolfados nos gozos do Universo, N'esse concerto immenso de harmonias, Nos céos a Deus louvaes:

Pág. 7

Ah! venho-vos tomar por meus mentores, Pois vale bem mais a luz do vosso instincto, Que a luz d'esta razão, Se eu não sei como vós viver contente, Trazer o azul dos céos na consciencia, E a paz no coração!

Lisboa
Na tapada d'Ajuda,
1869

Pág. 8

IV

PRESENTIMENTOS

Eu bem sei que devia Causar-te muito dó, Em noite tão sombria Vêres-me aqui tão só!...
Nem sei que sol m'alegra! A sós com a minha cruz, Sou como a nuvem negra Que encerra muita luz!...

Pág. 9

Como arvore sombria Vergada sobre um val, Assim vivo hoje em dia Á sombra do Ideal...
Que eu tenho muita fome De Justiça e d'Amor, E aqui não ha quem tome A serio a minha dôr...
O mundo vê e passa, Como sempre passou, Sorrindo da desgraça Dos tristes como eu sou...
E este sonho dourado D'amôr, que a gente vê, Não póde estar guardado N'esses homens sem fé!...

Pág. 10

Ah! não! já não m'illudo Foi isso o que suppuz; Mas vi mudar-se em tudo Em sombra a minha luz...
E os sonhos que já tive Tão bellos, afinal, São hoje um céo que vive Sobre este lamaçal!...
Um céo que vejo, ao longe, Exposto aos olhos meus, Co'a mágoa com que um monge Veria outr'ora a Deus!...
E onde ha maior castigo, Mais dura provação, Que ter por inimigo O homem nosso irmão,

Pág. 11

Aquelle a quem nós démos, Com toda a candidez, Os sonhos que hoje vêmos Desfeitos a seus pés?!...
Ah! suppõe-me o desgosto, De eu vêr desparecer A cópia do meu rosto Aos pés d'uma mulher,
E isto em desacato Do meu mais santo amor: E ahi tens um retrato Da minha immensa dôr,
Quando vejo desfeito Por gente ingrata e má Um sonho do meu peito, E muitos vi eu já!...

Pág. 12

Por isso eu n'esta vida, Apoz tanta illusão, E tanta flôr perdida, Tanta corôa no chão...
Ai! sinto com o anceio, Que é proprio do infeliz, Um mal n'este meu seio Lançar muita raiz!...
Espero vêr a morte, Eu proprio a invoquei, Levar-me d'esta sorte Para onde?! É que eu não sei!...
Como eu não sei dizer-te, E isto que me consol', Como é que se converte Em vida a luz do sol!...

Pág. 13

Como nasce a ventura Do homem que morreu, Dormir na sepultura Para acordar no céo!...
Aqui tudo é mysterio!... Mas visto que assim é, Onde ha melhor criterio Que á luz da nossa fé?
E eu creio firmemente Que o martyr de Jesus, Não fica só pendente Dos braços d'uma cruz...
Que o homem que prosegue A luz d'um Ideal; Embora a turba o pregue Na sua cruz fatal...

Pág. 14

O céo é bem profundo, O fundo nem tu vês, E ha n'elle muito mundo, Para onde irá talvez!...
A vida continúa, E a alma, emquanto a mim, Avança e não recúa Por esses sóes sem fim!
Do sol se um raio ardente No mar vier cahir, Em nuvem transparente Nós vêmol-o subir!
Não ha suster-lhe o rumo Que o leva para os céos, E assim é que eu presumo Voarmos nós a Deus!...

Pág. 15

O ponto é merecel-o, Que Deus é justo e pae, E eu sei com que desvelo A si os bons attrae!
Mas quando eu vejo a lua, Não sei que ideia má N'esta alma me insinua A luz que n'ella ha!...
Emquanto em torno d'ella, Ao norte, ao leste, ao sul, Refulge tanta estrella Pela amplidão do azul,
Tu vêl-a solitaria, Em paz cruzando o céo, Como urna funeraria D'um mundo que morreu!.

Pág. 16

Ali já não ha vida!... Ali não ha calor!... N'aquella luz, vertida Em lagrimas de dôr,
Ha só tristeza e lucto, E confrange-se e doe O coração, se escuto Mulher, porque isso foi!...
Ah, tenho medo Que o Supremo Juiz Nos julgue assim tão cedo!... Não sei que voz m'o diz...
Não sei... mas, se contemplo Os crimes que ahi vão, Mulher, aquelle exemplo Conturba o coração!...

Pág. 17

E assim só n'outra parte Verão os olhos meus Os sonhos que reparte Commigo a mão de Deus!...
O mundo onde abre o cardo E o lyrio ao mesmo sol; Onde ama o leopardo A par do rouxinol;
Que tem de andar na sombra Para viver na luz; E, o que inda mais m'assombra, Onde ha Nero e Jesus:
Por mais bello e risonho Que seja, ainda assim Não vale qualquer sonho, Que trago dentro em mim!...

Pág. 18

Isto é um fraco esboço D'uma outra vida e crê, Que sinto-a, mas não posso Dizer-te onde ella é!...
Se a Vida em nós começa, Por esses sóes d'além, Sobre a nossa cabeça. Trabalha-se tambem!...
Mulher! mulher! quem sabe Se é isto o que m'attrae Aos céos, pois, tanto cabe A Deus, que é justo e pae...

Lisboa, 1870.

Pág. 19

V

CONSCIENCIA

Para um homem que aspira Ao ideal da Belleza, Não ha maior tristeza, Magua maior não ha, Que vêr escurecer-se-lhe O ceu da noite escura D'alguma ideia impura, D'alguma paixão má!

Pág. 20

Paixão que muitas vezes A luz da nossa Ideia Accende, inflama, atêa, E depois nos attrae Com tanto magnetismo, Com tal encantamento, Que o homem n'um momento Vacilla, cega e cae!...
Cae, sim, do seio esplendido Do mundo onde vivia Na mais doce harmonia Em paz co'os dias seus, Para apagada a febre Do seu fugaz delirio, Achar-se co'o martyrio De te perder oh! Deus!
Sem Ti, meu pae, que assombro! Que noite tão completa! Que acerba dôr me inquieta Meu fragil coração!... Voltar a vêr a alma D'esperanças povoada, E achal'a transformada Em lugubre soidão!

Pág. 21

Senhor! se desabassem Á tua vóz as bellas E limpidas estrellas Dos ceus que não teem fim, Eu creio que assombrado Do horrendo cataclysmo, O Sol, d'além do abysmo, Seria egual a mim!
Eu lembraria a aguia, Que a prole ainda implume Deixando sobre o cume De monte erguido ao ceu, A fosse achar de subito Na rocha alcantilada, No ninho, fulminada D'um raio que desceu!
Egual seria o quadro Da minha consciencia, Ao ver a tua ausencia Fazer-se em mim, Senhor! Que em volta do teu astro Minha alma de poeta É pallido planeta Buscando o teu amor!

Pág. 22

E eu sem ti nem vivo!... Tu és, oh, doce esperança, O seio onde descança Meu ser e afinal Não sei até dizer-te O quanto soffreria, Se vira extincto um dia Em mim, teu Ideal!
Oh não mil vezes antes Em carcere ermo e escuro, Achar-me de futuro A sós c'a minha dôr; Extincta a luz dos olhos, E as bellezas do mundo, E o ceu azul profundo Com todo o seu fulgor!
Tu crê que nem demandam Os mundos inferiores Fócos de luz maiores, Por esse infindo azul, Como eu o eterno centro Das leis da natureza, Do Amor, e da Belleza, Que são meu norte e sul!

Pág. 23

Oh Pae! se n'algum dia, Eu vir, n'uma miragem, Alguma falsa imagem Do Bem prender-me aqui: Desvenda a tua face, E mostra-me o teu seio, Que, mesmo embora em meio Do abysmo, irei a ti!
Irei, tão instinctivo, Tão amoroso e firme, Eu sinto a attrair-me A ti o teu poder, Que eu vejo em ti o Norte, Para onde se encaminha A pura essencia minha, Que sente, pensa e quer!
Irei vencendo, indomito, Innumeros attrictos, E escolhos infinitos, E infindos escarceus, Como essa vaga enorme Do mar que não recua, Seguindo sempre a lua Que vê passar nos ceus!

Pág. 24

Irei bem como a Terra Seguindo eternamente O rumo do oriente A demandar a luz; Bem como Jesus Christo O rumo solitario Da senda do calvario Á busca d'uma cruz!
Irei cá d'este mundo Onde tu me cedeste A dadiva celeste Da Rasão e do Amor: Raios vitaes que mudam Em luz a nossa essencia, E a luz em Consciencia, E esta em ti, Senhor!

Lisboa, 1869.

Pág. 25

VI

REVELLAÇÃO

O LAGO

Scismava um dia na cruel sentença Com que a Egreja fulmina a raça humana, Deixando impura a fonte d'onde emana O sangue que me anima, e a alma que pensa:
E ao passarem no ceu do meu destino As nuvens da tristeza e da saudade, Revellou-me o Senhor alta verdade, Junto ás margens d'um lago crystalino!

Pág. 26

Isto foi pelo mez do abrir das flôres, Quando a vida celebra os seus noivados, E o mundo, sob os verdes cortinados, Parece um doce thalamo d'amores!
Estava um dia esplendido! a animal-o Eu via o seio azul do ceu mais lindo Curvar-se sobre mim, ethereo, infindo E tepido: era um gosto enamoral-o!
Como fecho da abobada infinita, O Sol nos ceus, riquissimo objecto, Com barras d'ouro irradiava o tecto Do vasto pavilhão que o mundo habita!
Côres variadas, fórmas differentes, N'um conjuncto de graças sem egual, Debuxavam-se ali ao natural Sobre o crystal das ondas transparentes!

Pág. 27

Alvas manchas d'insectos pequeninos, Envolvendo-se em giros caprichosos, Como tríbus de povos venturosos, Fruiam junto ao lago os seus destinos!
Pelas balsas cantava a toutinegra, E as rolas modulavam doces côros, No ar passavam fremitos sonoros Co'as vibrações da Luz que o mundo alegra!
No lago, a planta, a flôr, o ceu, a terra, Como notas d'uma unica harmonia, Revellaram-me á plena luz do dia, Enlevos que o prazer da vida encerra!...
E eu via tudo, e extatico scismava: Se por ventura a colera divina, Segundo a Egreja ao mundo inteiro o ensina, Do gremio dos felizes me affastava!...

Pág. 28

E não podendo crer, embora obscuro Vêr-me qual sou, que esta alma de poeta, De tanto sonho explendido replecta, Atollada estivesse em lôdo impuro...
Ai! quando a Deus pergunto se prendeu N'um pó que é vil o espirito divino, Olho o espelho do lago crystalino E não encontro o lago: encontro o ceu!
O mesmo que era em cima azul, immenso, E a lampada brilhante que o alumia, Lá no fundo do abysmo aos pés os via, De sorte que em dois ceus era suspenso!
E quanto se ostentava em torno ao lago, Os muros de verdura, a flôr mimosa, O deslisar da nuvem vaporosa, E a voltear do insecto incerto e vago:

Pág. 29

Outro tanto animava, ao longe, e ao perto, Aquella região d'azul vestida, Onde a minha alma, em extasi embebida, Contemplava na Terra um ceu aberto!
E emquanto extasiado a sós fitava, Nas bellezas do lago transparente, Aqui uma flôr, além, para o poente, A nuvemsinha branca que passava,...
Eis senão quando, uma ave, porque visse Insectos junto da agua socegada, Desceu subtil, aerea e delicada, E ao perpassar roçou-lhe a superficie,...
O ponto ferido, em ondas borbulhando, Desabrochou em curvas graciosas, Como as folhas concentricas das rosas, Ou lusidias cobras imitando!

Pág. 30

E emquanto o impulso em torno se propaga Em circulos risonhos: n'um momento, Toda a cupula azul do firmamento Oscilla, treme e cae, e o Sol se apaga,
E a arvore, e a flôr, e quanto junto á margem, Em doce paz, seu rosto reflectia No crystalino espelho, por magia Da lei do amor, a doce lei da imagem!...
Fere-me então bem intima tristeza, Ao vêr aos pés, em sordido tumulto, Um lymbo verde e escuro onde occulto Estava um ceu tão rico de belleza!...
Lembrei-me então da minha vida insana, De quanto sonho lindo anda desfeito Nos intimos arcanos do meu peito, Co'o tropel das paixões da vida humana!...

Pág. 31

E as lagrimas cahiram-me uma a uma Sobre esses bens que a Terra e os ceus inspiram, E ao contacto das coisas se extinguiram Como aereos balões feitos d'espuma!
N'isto o Senhor, que tudo vê e ampara, Converte-me de novo o charco immundo N'um ceu azul infindo, e n'elle um mundo Formoso como os bens que imaginara!...
Scismei então por longo espaço e digo, Que aos olhos meus por Deus fôra patente: Que a alma humana póde, ingenua e crente, Vivendo em paz, um ceu trazer comsigo!
Ah muito embora a dôr seu peito opprima, O espirito, que abrange o mundo inteiro, Póde vêr, quanto justo e verdadeiro, Nos seios d'alma os ceus que estão por cima!

Pág. 32

Maxima grande, maxima tamanha, Tão repassada d'intima poesia, Porventura d'egual sabedoria Á predica de Christo na montanha,
Ah! sê, por entre as sombras da desdita, A ponte aerea, o arco d'alliança, Que, em vez da excommunhão que a Egreja lança, A Deus eleva a Humanidade afflicta!

Coimbra
Quinta de Santa Cruz
1871.

Pág. 33

VII

MISSA PONTIFICAL

UM EVANGELHO

Sahi uma manhã mal vinha o sol rompendo, E fui-me religioso a ouvir a missa ao campo, Á vasta cathedral do mundo, aonde aprendo Da Vida as sacras leis, que em letras d'ouro estampo.
Sentei-me sob um bosque estenso e solitario, Que, em paz e sombra involto, á quietação me envida; O accaso conduzira-me a um vasto santuario, Onde ia celebrar-se a communhão da Vida!

Pág. 34

Debaixo do docel da mûrmura floresta, Se um culto universal é justo a Deus se vote: Estava o templo augusto armado todo em festa, Faltando unicamente agora o sacerdote!
O mundo em derredor aguardo-o co'anciedade... E eil'o que chega, emfim, das bandas do oriente, Surgindo como um Deus no azul da immensidade, N'um carro triumphal, de raios resplendente!
Ao vel'o perpassou nas arvores sagradas Um sopro mysterioso, o espirito do vento, Que deixa-nos ouvir, em musicas toadas, Psalmos que vão morrer no azul do firmamento!...
Nos multiplos florões das trémulas janellas, Nos ramos mais subtis que a luz dos ceus colora, Com magico fulgor scintillam, como estrellas, Os limpidos crystaes das lagrimas d'aurora!
Nas naves, que sustêm a abbobada elevada, Penetra triumphante a luz, suprema artifice! Interprete de Deus, celebra a sua entrada Com pompas, do Universo o maximo pontifice! Assim que o sol sahio das brumas do horisonte, Um deluvio de luz encheu o vale e o monte!Pág. 35 A pedra, o musgo, o insecto, a flôr, os arvoredos, Trocaram entre si mil intimos segredos!... Os passaros gentis, aladas creaturas, Soltaram festivaes Hossana nas alturas!... O sol triumphador, do mundo a vida accorda, E esplendido festeja o eterno sursum corda!... Estava em plena festa a Terra, mãe querida!... E eu, em face d'ella, a contemplar-lhe a Vida!... Então a Luz, qual flôr, subtil e sorridente, Me disse a mim que sou seu terno confidente: Poeta! vês o mundo alegre e harmonioso;... Em intimo convivio unido o sol á terra, E a terra e o sol aos céus!... No enlace auspicioso, Permutam entre si os bens que a Vida encerra!...
A vida é sim um Bem; por isso é dada a todos!... A todos por egual, a infindas creaturas,... Que, em multiplo labor, e por differentes modos, Procuram-no attingir na terra, e nas alturas!...
Áquelle que transpõe as portas da existencia Um vinculo d'amor protege-o logo, e fica Ao mundo inteiro preso, em mutua dependencia, Ah desde a larva obscura ao sol que a vivifica!..

Pág. 36

Qualquer que seja o nome, ou chama-lhe Verdade, Belleza, Amor, Justiça: é tudo a mesma cousa!... É quem fecunda e rege os soes na immensidade; Quem dá ao universo a paz em que repousa!...
Por isto o mundo inteiro é todo uma harmonia!... E sente a reanimal'o uma alma alegre e sã! E vens de longe aqui, sedento de poesia, A namorar-me a mim, que sou a tua irmã!
Do Sol baixei aqui a ler-te os evangelhos Eternos de Verdade, e a missa vae findar! Meu crente e meu poeta! é a hora: de joelhos, Em nome do Senhor, te quero abençoar!
Á sua voz curvando a fronte: em fé immerso, Senti entrar-me n'alma a alma do universo!... Irmã, gemea de minha, a luminosa flôr, Encerra-se afinal n'esta palavra==Amor==!

Quinta da Beselga
1885.

Pág. 37

VIII

AVÉ CREATOR!

Desprende pelo espaço as azas d'ouro, Águia de Deus, no mundo extraviada!... Pela patria celeste, a tua amada, Vae em busca de Deus, Cantando um hymno em honra do seu nome, Que meu querer e instincto insaciavel Te guiarão, qual bussola admiravel, Pelos infindos ceus!

Pág. 38

Senhor! venho invocar teu nome augusto, Em face d'estes vastos horisontes!... Que em torno a mim o rio, a arvore, os montes, Fallando-me de Ti, Lançam-me n'alma um teu olhar divino, E, com elle, um occeano de luz pura, Que me trasborda em ondas de ventura O que eu t'offereço aqui!
Não sob o tecto do sombrio templo, Que a fé christã do povo erguera outr'ora Como um tumulo, onde o homem commemora A tua morte, oh Pae!... Mas sob o tecto azul do Templo Eterno, Perante o sol que passa dando a vida Em teu nome, que esta oração sentida Buscar teu throno vae!
Pois é--me triste a mim que as cousas brutas, Ellas, sem alma, em gratidão me vençam: E a Terra, emquanto o Sol lhe envia a bençam Da sua eterna luz, Converte-a em flôres, canticos e fructos, E, n'um concerto alegre e harmonioso, Tributa ao Sol um culto tão piedoso, Que o peito meu seduz!

Pág. 39

Tu vel'a, quando o Sol lhe affasta os raios Do seu formoso olhar durante o inverno, A amante debulhar-se em pranto eterno, Das gallas se despir; Em valle e monte as folhas, com tristeza, Dos troncos com os ventos desprendendo-se, E o mar, co'os ceus em lucta contorcendo-se, Raivoso aos ceus bramir!...
Mas quando o Sol de novo a aquece e anima: Oh que effluvios d'amôr então contemplo!... Traz o amante a alleluia ao escuro templo, E as trevas dão fulgôr; Espalma a folha o ramo resequido, E, ao som do mar que canta de mansinho, Da terra brota a flôr, da haste o ninho, Do ninho surge o amor!
Seja assim o meu peito! Que a minha alma, Buscando o foco eterno e resplendente Do Sol dos soes, o Ser Omnipotente: Me eleve o coração A trasbordar torrentes de harmonias, Que entoem pela voz das creaturas: Santo! Santo! tres vezes nas alturas, Ao Deus da creacão!

Pág. 40

Pois eu que sou o espirito das cousas, O verbo inspirador, a alma, a vida; Sinto em meu peito a gratidão devida Á tua mão que attrae Em giro eterno os mundos do Universo; E eu vendo orar ao Sol a flôr n'o matto, Não hei de só ficar injusto e ingrato Para comtigo, oh Pae!
Seja pois o meu canto a voz do interprete, Que moldando nas formas da palavra A vida universal que em tudo lavra Co'o sopro animador: Eu possa vêr a Terra envolta em canticos, Sobre as azas de luz da alma humana, Remontar-se ás origens d'onde emana, As tuas mãos, Senhor!

Quinta da Beselga
1871.

Pág. 41

IX

SURSUM CORDA!

Oh Sol, alma do mundo! esplendido portento D'um mar feito da luz! vulcão, cuja fornalha, Por entre um fogo eterno, expande o movimento Da machina febril do mundo que trabalha! E tu, Astro do amor, que, em noite silenciosa, Qual perola engastada em fulgidos brilhantes, Derramas tua luz serena e voluptuosa Nos seios virginaes das timidas amantes: C'o os vossos esplendores, Pela amplidão dos ceus, Cantae altos louvores Ao espirito de Deus!

Pág. 42

E tu, mar rugidor! austero cenobita, Que em vastas solidões gemendo os teus pesares, Levantas o teu canto á abbobada infinita, Juntando a vóz piedosa aos céllicos cantares! E vós, filhas do ermo, alegres, crystalinas Fontes que derivaes das fendas dos rochedos, Ás flôres murmurando, em musicas divinas, De amor e de ventura uns intimos segredos: Mudae as harmonias Da vossa eterna vóz Em ternas homilias Ao pae de todos nós!
Arvores que fluctuaes nos cimos das montanhas, Altivas demandando o azul do firmamento; Que encheis as solidões de musicas estranhas, Se passa sobre vós o espirito do vento! Lyrios, que abrindo o seio ao osculo amoroso Da luz que envia o sol da abbobada azulada, Mandaes-lhe o vosso olor no ether luminoso, Como o habito subtil d'uma alma enamorada: A musica e o perfume Que desprendeis, votae A quem em si resume O mundo inteiro e é Pae!

Pág. 43

Oh rabidos leões! lá quando em vossas festas, Altivos como os reis, indomitos senhores, Debaixo do docel das mûrmuras florestas, Rugis como um trovão os fervidos amores! E vós, corças gentis e timidos cordeiros, Que em vossos corações e almas bem formadas, Ao sangue preferis a lympha dos ribeiros, E á carne em podridão as hervas perfumadas: Louvae a quem fizera, Co'o mesmo engenho e amor, As fauces d'uma fera, E o calice d'uma flôr!
Arvores, flôres, mar, e estrellas, e animaes, E todos vós que entraes no giro da existência; Que haveis nas regiões das cousas immortaes, Por synthese suprema, a luz da consciencia: Unindo-vos a mim, como eu á Humanidade, Louvemos todos nós n'uma oração sentida, Em côro festival que attinja a immensidade, O eterno Sol dos Soes, o sabio Author da Vida! Cantemos, creaturas! Pela amplidão dos ceus, Hossana nas alturas Ao espirito de Deus!

Carvalhaes, 1886.

Pág. 44

X

AOS CATHOLICOS

Todos vós que sois sinceros crentes, Que oraes a Deus no intimo do peito, Oh mysticos christãos; Embora tenha crenças differentes D'aquellas que seguis, eu vos respeito, E julgo como irmãos!
Eu amo a Deus; depois a Humanidade; Depois os bons, e d'estes o primeiro, É Christo, o Redemptor! Não sendo egual em tudo á Divindade, É, como justo e homem verdadeiro, Meu mestre e meu mentor!

Pág. 45

Embora por fanatico me tomem Impios e atheus, se os ha, eu lhes confesso, Que o Martyr da Paixão Parece-me tão grande como homem, Que até sinto vertigens quando messo Seu terno coração!...
Oh meu Jesus! nas luctas pela vida, Por onde tanto naufrago fallece No meio da viagem: Minha alma soffredora e dolorida, Cahiria tambem se não tivesse A tua doce imagem!...
Eu que creio que o facho da sciencia Nos ha de revellar, ao fim de tudo, Que em nós se concilia Rasão e Fé, Justiça e Consciencia: Ah quero-te Jesus! por meu escudo, Por meu amparo e guia!

Na Sé de Lisboa
na quarta feira de trevas
1888.

Pág. 46

XI

FÉ E RASÃO

A CRUZ E O PÁRA RAIOS

Da velha cathedral, esbella e rendilhada, Votada a ser mansão do Deus, author do mundo, Na flecha a mais gentil, campeia abençoada A cruz do Redemptor, da Gallilêa o oriundo!
Nos impetos da fé, cortantes como a espada, O ungido do Senhor, d'olhar cavo e iracundo, Aponta á multidão, humilde e ajoelhada, Por seu supremo amparo a cruz, no azul profundo!

Pág. 47

Em nome d'ella exalça a fé porque a aviventa, E diz mal da rasão que tenta, em vãos ensaios, Dos ceus arrebatar a luz, de que é sedenta!
Mas do alto onde ella está, que causa até desmaios, Temendo que a derrube o fogo da tormenta: Em nome da Rasão lhe pôe um pára raios!...

Outubro de 1888.

Pág. 48

XII

AMOR E PROVIDENCIA

Em quanto eu, alta noite, velo e lido, Por vós mantendo innumeros cuidados, Dormis, caros filhinhos, socegados Em torno a mim o sonho appetecido!
Dormis?! sonhaes de certo... e eu pae envido Meus esforços por vêr realisados Vossos sonhos gentis e perfumados: Ampara-vos um peito estremecido.

Pág. 49

Outro Alguem faz por nós o que eu vos faço: Com suprema bondade e sapiencia, Rege os mundos que rolam pelo espaço!
Esse Alguem é o Amor por excellencia, O formidavel e invisivel braço, E o olhar que nunca dorme==a Providencia==!
8 Mars 2018 16:13:16 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
Lire le chapitre suivant 2

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 2 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!

Plus d'histoires