jeancarlo-berton1665003330 Jeancarlo Berton

Quando as luzes se apagam e as máscaras caem... Quem sofrerá mais? Os vivos ou os mortos?


Histoire courte Interdit aux moins de 18 ans.

#horror #terror #morte #inferno #mentiras #vidaaposamorte #sofrimento #dor #desespero
Histoire courte
0
2.4mille VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Sozinho.

Acordei de um longo sono, não sei precisar o tempo que se passou, senti a mesa gelada na escuridão total e tentei me levantar, sendo inútil o esforço percebi que estava preso em uma espécie de caixa muito fria e estava nú.

Fiquei oscilando entre o desespero e a calma por longas horas até escutar vozes abafadas, uma me trouxe um pouco de alento, era uma voz conhecida.

O som de uma trava sendo acionada, a intensa luz e a sensação de estar deslizando para trás me causam náuseas, continuo inerte apesar de agora estar fora da caixa, não tenho controle sobre meu corpo.

Um rosto conhecido se debruça sobre mim, é minha esposa.

- Sim, é ele. – diz ela ao senhor que a acompanha e virando-se rapidamente sai do meu campo de visão.

Tento falar com ela, pedir ajuda, mas é inútil, sinto o horrível deslizar e subitamente estou na completa escuridão novamente.

O silêncio toma conta e tento entender o que está acontecendo, minha última lembrança é de estar sentado em meu escritório realizando algum trabalho no computador quando o telefone tocou, apenas isso, nada mais.

A espera não foi longa, novamente o som da trava, a luz e o deslizar, desta vez fui colocado em uma maca por um homem e uma mulher, agora consigo ver melhor, estou em um necrotério.

Meu corpo inerte é colocado em uma mesa toda em metal, fico com a cabeça apoiada em uma espécie de travesseiro duro e frio. Nada nesse mundo poderia me preparar para a cena que se seguiria, a mulher se aproxima com uma serra circular enquanto o homem segurando minha cabeça faz um corte em torno do meu crânio.

A dor é lancinante e num ímpeto contra todas as forças que me prendiam aquela mesa me levanto em um salto, porém meu corpo continua lá, sendo despedaçado por aquelas pessoas.

O homem tira meu escalpo dando espaço para que a mulher possa serrar meu crânio expondo meu cérebro para que ele possa pega-lo, analisa-lo, pesa-lo e colocá-lo novamente no lugar.

A cena brutal se repete agora em meu torax, ele o abre com um bisturi revelando minhas costelas onde ela com a mesma serra e sem pensar, abre meu peito, minhas vísceras expostas sendo analisadas por dois estranhos que da mesma forma vão tirando órgão por órgão, cortando, pesando e jogando novamente dentro do meu peito.

Não consigo suportar e caio ao chão perdendo os sentidos, quando acordo novamente estou sozinho na sala, meu corpo está todo costurado toscamente e ainda nú coberto apenas por um fino tecido branco.

Uma senhora entra e começa os preparativos, vou ter ao menos um enterro digno, meu corpo é vestido, com um terno barato, maquiado e deixado de lado para que dois auxiliares coloquem meu corpo rígido em um caixão.

Adormeço encolhido em um canto da sala, e quando desperto o cenário é outro, uma sala iluminada apenas por quatro velas, uma em cada canto, estou sozinho e o único som vem do tic-tac do relógio acima da porta que marca 03h33min, ninguém vela por mim.

As horas escoam e os primeiros raios de sol entram pela janela e com eles minha amada esposa, tento me aproximar mas sou repelido por uma força estranha, sinto nela um ar de felicidade e alívio, como se minha morte estivesse sendo para ela uma libertação.

A sala se enche de pessoas frias, não há sentimentos ali, todos estão apenas cumprindo suas obrigações sociais. Tento me afastar mas é impossível, algo ainda me prende ao meu corpo.

Sim, sempre fui muito ligado às aparências, ao dinheiro e a minha posição social e nunca dei amor a ninguém ou me preocupei com minha alma, a igreja era frequentada apenas como mais um jogo social onde negocios eram feitos e o vultuoso dízimo pago sobre o altar para que todos vissem.

Então esse era o preço a ser pago!? Ver que não era amado porque nunca amei e que nem ao menos minha esposa nutria algum sentimento por mim além dos interesses financeiros!?

Talvez essa fosse a resposta e nesse frenesi de sentimentos tentei rezar, mas nem isso eu sabia, todas as rezas decoradas não tem poder nesse novo mundo em que me encontro.

Em um canto escuro da sala me refúgio envergonhado, não quero encarar essas pessoas que agora, sem as máscaras, são estranhas para mim. As horas passam e o caixão é fechado para minha última viagem até o campo Santo.

Não há lágrimas sinceras, apenas o velho teatro que em vida fui um dos melhores atores. Meu corpo é baixado na sepultura e a multidão se dispersa em poucos minutos, me deixando sozinho em um lugar estranho, úmido e frio.

O tempo agora não faz mais sentido, não existem horas, dias ou meses, é uma sequência infinita onde noite e dia desaparecem num ciclo infernal.

Sinto os vermes se alimentarem da minha carne que aos poucos vai se desprendendo dos meus ossos até não existir nada mais a ser consumido.

Desesperado e sem forças espero apenas que a terra se abra e o inferno reclame minha alma. Estou acabado, do homem que fui em vida nada mais resta e nesse desalento, como um bálsamo o pranto de arrependimento vem lavar meus pecados e uma luz fulgurante surge em minha frente, não foi o inferno, mas sim os céus que vieram em meu socorro.

Não consigo distinguir o ser celestial que se apresenta, a luz é muito intensa para meus olhos acostumados a escuridão e assim, me agarrando apenas à fé eu sigo, deixando para trás uma existência desperdiçada e indo ao encontro de um futuro incerto.

12 Octobre 2022 20:37 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
2
La fin

A propos de l’auteur

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~