misterjota Mister Jota

Aquela noite em que você chega cansado, só pensando em dormir mas, aquela muriçoca irritante não pretende te deixar dormir.


Histoire courte Tout public.

#ContadordeCausos
Histoire courte
0
508 VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Zunzunzum

Zunzunzum

Dia cansativo e irritante tinha sido aquele.
Cheguei em casa com cada fibra de meu corpo pedindo, exigindo e implorando por um banho e cama.
Após uma merecida chuveirada e um prato de sopa requentada, finalmente me atirei sobre a cama que, juro por Deus, nunca esteve tão macia, confortável e aconchegante.
Uma leve chuva completava o delicioso cenário que só não era perfeito porque teria que acordar cedo para outro dia de trabalho.
Fechei os olhos e até dei um gemido de prazer.
Mas tanta paz não poderia mesmo durar muito.
Bastou tentar alcançar o maravilhoso mundo dos sonhos para que aquele maldito ruído começar: zuuuuuuuuuum...
Inconfundível, logo percebi que aquele desagradável som só poderia vir de uma irritante muriçoca.
Com preguiça e muita pena de mim mesmo, resolvi por não levantar e ignorar aquele incômodo e inconveniente inseto.
Mas era impossível não se sentir incomodado com tão irritante zumbido.
Ainda sem vontade de sair da aconchegante cama, tentei resolver a questão agitando o braço numa tentativa inútil de acertar o inseto.
Por um minuto pareceu que a tática havia dado certo pois, o desagradável zunzunzum havia cessado.
É, porém, mas, todavia, minha alegria durou menos tempo que o salário em minha conta e logo, o som revoltante voltou a se fazer ouvir.
Peguei o lençol e girei sobre a cabeça tal qual um helicóptero desgovernado, na certeza de que era impossível a maldita muriçoca escapar desta vez.
Fiquei em alerta, apesar dos olhos fechados, por alguns minutos e constatei que o delicioso som do silêncio imperava em meu quarto.
Cheguei até a dormir um pouco quando, repentinamente, o zunzunzum recomeçou. Parecia que o maldito bicho fazia vôos rasantes ao redor de meu pobre e já sofrido ouvido.
Me cobri dos pés a cabeça na inútil esperança do lençol criar algum tipo de campo de força ou algum isolante sonoro que me protegesse daquele tormento inoportuno.
Juro por Deus que, o demoníaco animal chegou a pousar, por cima do lençol, sobre meu ouvido e passou a marchar, como um soldado fazendo sentinela, de um lado para o outro pois, eu podia ouvir nitidamente o som dos seus passos.
Indignado, irritado e sonolento, resolvi dar um basta naquilo e, num salto, levantei da cama e acendi a luz.
Olhei por todo o quarto e não vi o inseto em parte alguma.
Achando que o cansaço estava me pregando peças, apaguei a luz e tornei a deitar para o meu merecido sono.
Pois quase que de imediato, saída sei lá de onde, a maldita muriçoca retornou com seu irritante zumbido ao meu redor.
Tornei a levantar e acender a luz.
Peguei o inseticida e o espalhei por todo o quarto.
O ódio era tanto que praticamente esvaziei o vasilhame, ato este que quase me mata, ao invés da muriçoca.
Voltei a deitar, meio sufocado pelo cheiro forte do inseticida que, ironicamente, comprei porque trazia na embalagem a informação de que era um produto sem cheiro.
Parecia que o problema estava finalmente resolvido e, feliz, até consegui dormir um pouco. Porém, como vocês podem imaginar, isso não durou muito tempo: o maldito bicho não só voltou como parece ter convidado um parceiro para o show musical em meu ouvido.
Levantei furioso e peguei a espingarda que guardava embaixo da cama, para enfrentar um hipotético ladrão, e passei a mirar a procura das duas malditas enviadas do coisa ruim.
Após cair em mim e perceber que, além de esburacar minhas paredes, eu jamais conseguiria acertar um tiro na muriçoca, resolvi pegar um pedaço de papelão e deitar com a luz acesa.
O problema é que, as muriçocas até ficaram intimidadas com a lâmpada acesa mas, o sono se recusou a permanecer com aquela claridade.
Tornei a apagar a luz e, tão cansado estava que adormeci de imediato.
Porém a muriçoca, que havia desistido de fazer show solo e formara uma dupla, agora parecia ter montado uma banda.
Sem levantar, peguei o pedaço do papelão e, freneticamente sacudi de um lado para o outro até ouvir um estalo seco que só poderia ter sido causado por uma pancada na maldita muriçoca.
Acendi a luz e, finalmente as peguei de surpresa e exterminei uma por uma, sem dó, piedade ou remorsos.
Apaguei a luz e sorrindo satisfeito, fechei os olhos.
Devo ter dormido por uns vinte minutos quando, um barulho ainda mais irritante que o zumbido das muriçocas, foi ouvido em meu quarto.
Assustado, levantei já com o inseticida e o papelão na mão.
Ao perceber que aquele som nada tinha a ver com a muriçoca, sentei na cama para ordenar meus pensamentos e, incrédulo, vi que o som vinha do velho despertador, herança de minha saudosa avó.
Eram cinco da manhã.
Trabalhei durante todo o dia, irritado e sonolento e, agora estou deitado na cama após dedetizar três vezes o quarto, já a um passo do mundo dos sonhos.
Apago a luz e fecho os olhos.
Silêncio, escuridão, conforto...
E, de repente, um zunzunzum se fez ouvir.
Sem conseguir acreditar que aquilo estava novamente acontecendo, estou indo dormir na sala e, conformado, deixo o quarto para os novos donos: a orquestra das muriçocas.

24 Décembre 2021 14:48:49 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
La fin

A propos de l’auteur

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~