iza28 Iza Flaithe

O cheiro similar do rio após a chuva, a sensação firme da sua pele morena, a maciez do seu cabelo crespo, o seu corpo subjugado pelo meu. Isso atormenta a minha mente e me leva sempre ao passado, às minhas dúvidas, aos meus medos, às minhas ansiedades. Sem saber o porquê das minhas ações ou os dos meus sentimentos inseguros, eu fugi, para o mais longe que eu podia, tentando desesperadamente esquecer aqueles desejos que me atormentavam.


LGBT+ Interdit aux moins de 18 ans.
0
509 VUES
En cours - Nouveau chapitre Tous les 15 jours
temps de lecture
AA Partager

Capitulo 1

“O cheiro similar do rio após a chuva, a sensação firme da sua pele morena, a maciez do seu cabelo crespo, o seu corpo subjugado pelo meu. Isso atormenta a minha mente e me leva sempre ao passado, às minhas dúvidas, aos meus medos, às minhas ansiedades. Sem saber o porquê das minhas ações ou os dos meus sentimentos inseguros. Eu fugi, para o mais longe que eu podia, tentando desesperadamente esquecer aqueles desejos que me atormentavam.”


A campainha toca com insistência, Eduardo se revira na cama. Ela toca novamente, ele abre os olhos ainda sentindo a resseca no corpo e a cabeça pesada, ele aproveitou até demais o final de semana. E agora logo cedo é acordado por um idiota que não tem noção de horário. "Quem poderia ser tão cedo?"

- Aposto que é algum vendedor, normalmente sempre vem nesses horários!!!

A campainha toca com mais insistência:

- ahhhhhhhhh!!!! Já vou, já vou! Saco!!!

Ele se levanta e coloca a calça cinza de malha e a camiseta básica preta que estavam na cadeira próxima à cama. Desce tentando se equilibrar pra não cair das escadas... A resseca do conhaque misturada com o uísque agora estava lhe dando voltas na mente.

- Puts, já chega com essa campainha, Droga!!!

Ele retira o interfone e já com a voz ríspida e sem paciência pergunta:

- Quem é?

- Oi irmão como vai?... Sou eu, Miguel.

Todo o corpo de Eduardo paralisa, a mão suada pelo choque deixa o interfone cair... - O que ele tava fazendo ali? Por que ele? Depois de tantos anos, logo agora? O que fazer? Por quê? Por quê? - A sua cabeça, que já estava dando voltas, agora estava com um zumbido, era ensurdecedor. Ele não conseguia sair da absorção total... Perguntas e mais perguntas pareciam abelhas na sua mente. Até que ele volta a si com a campainha sendo tocada com ainda mais insistência.

Ele volta a pegar o interfone e, tentando disfarçar a voz trêmula, fala:

- Eu vou liberar a porta, pode entrar.

Eduardo vai até a entrada e, antes mesmo de conseguir balbuciar alguma palavra, Miguel lhe aperta em um abraço longo entre gargalhadas. Ele não teve ação, não conseguiu nem mesmo corresponder ao abraço espontâneo, manteve-se inerte sentindo o cheiro de rio que emanava da pele dele. Ficou instantaneamente sóbrio.

- Cara você tá enorme. Tá certo, você sempre foi maior, mas dessa vez você tá um monstro. Tá com quanto, 2 metros?

- 1,92...

- Uhaa.... e essa barba?! Parece um galã de novela, tá todo fortinho também! - hahahahahahah - nem parece aquele nerd com espinhas! (rir alto) Se a mãe te visse agora ia encher a boca de elogios, o dinheiro faz mesmo diferença! Hahahahaha

Miguel falava de forma muito descontraída, com um sorriso largo e verdadeiro no rosto, com os olhos brilhando num orgulho expressivo, enquanto admirava a imagem integra e bonita de Eduardo, como se estivesse diante um ídolo.

- Depois me fala o teu treino pra ficar com esses músculos, olha isso... -ele passa a mão rapidamente no braço esquerdo de Eduardo - Eu ia na academia na cidade próxima, mas confesso que não era com muita freqüência. Sempre fui preguiçoso, você sabe, mas puts, tendo você como exemplo posso repensar... Nossa a tua casa é enorme cara.. parece de filme, que louco... Você venceu mesmo na vida... deve chover mulher... Caralho, muito foda!

Ele não parava de falar, não tinha fim. Ficava olhando a fachada da casa enquanto falava com Eduardo, sem respirar por um minuto.

“Ele tá grande, tá diferente, ao mesmo tempo parece que não mudou nada. O sorriso brilhante de moleque continua o mesmo, com dentes brancos e perfeitos. Deve ter usado aparelho. Lembrava que eles eram um pouco tortos. O cabelo crespo tá igual, o corpo criou mais músculos, e se desenvolveu em altura. Tá mais bonito do que há 10 anos... droga, o que eu tô pensando. Quem pensa em outro homem achando ele bonito?” – nervosamente Eduardo coça a cabeça e solta um longo suspiro diante desses pensamentos.

- Tá, tá, calma aí, chega de folia.... Desembucha, o que diabos você tá fazendo aqui? Eu não te vejo há anos e do nada você aparece. O que caralho tá havendo?

Miguel para de falar por um momento e, ainda com o sorriso largo, responde logo em seguida com a voz mais calma:

- Ahh eu vim pra morar com você.

- O quê? Co-como assim? – Gagueja - Com permissão de quem? Não me lembro de ter concordado com isso.

- Desculpa, eu pedi pra mãe não falar.

Eduardo franziu a testa. Estava nítida a raiva em seu semblante. Miguel encolheu os ombros diante daquela expressão visível de insatisfação.

- Desculpa, não fica zangado com a mãe. É que já fazia tanto tempo que a gente não se via, você ligava pra casa algumas vezes, mas as nossas conversas eram tão curtas, então pensei que seria uma ótima surpresa pra gente se reencontrar assim. Eu passei pra uma universidade aqui, foi muito difícil, mas finalmente eu consegui e você sabe que eu não tenho condições de pagar uma moradia, por isso achei melhor ficar com você. Quem melhor que o meu irmão pra me ajudar.

- A gente não é irmão, você insisti nisso não sei por quê.... Fomos criados juntos, só isso.

- Acho que você não gostou mesmo da surpresa. Fala Miguel encolhendo os ombros.

- Detesto surpresas!

31 Août 2021 23:24:25 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
Lire le chapitre suivant Capitulo 2

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 1 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!