quesia-loreto1623497321 Quesia Loreto

Vanessa é funcionária de uma grande empresa de Marketing. Mesmo sendo tão esforçada e criativa, acaba deixando que outras funcionárias sempre roubem seus projetos. Cansada dessa sua vida como uma simples figurante, decide dar a volta por cima, mas seus planos acabam indo embora quando ela descobre que até mesmo o seu namorado está a traindo com uma de suas "colegas" de trabalho. Com seu mundo desabando pelas injustiças, o que ela fará? Vanessa acaba morrendo em um assalto e sua vida miserável termina por aqui... Por algum milagre, Vanessa reencarna no corpo da vilã de uma renomada série que já leu e isso causa pânico para a mesma. A vilã tem um final triste e cruel na história, sendo largada por todos em sua volta. Ela tentará passar por cima desses finais e será uma excelente mulher, deixando para trás qualquer resquício de maldade em sua vida nova? "Serei uma vilã? Ah, se for para eu ser uma vilã, então que eu seja a melhor!"


#4 in Fantaisie #1 in Fantaisie historique Tout public.

#vilã #epoca #romance
48
14.4mille VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

O Destino

- Vanessa! De novo roubando as propostas dos outros? Você não tem criatividade e nem decência para se sujeitar a isso? Não sei como o patrão ainda te mantém nessa empresa! _ Marcos termina suas duras palavras comigo.

Acabo de levar uma enorme bronca do meu supervisor de trabalho. Pelo visto, serei despedida em breve até que os rumores cheguem ao gerente. Mas, o que eu posso fazer? Se eu falar qualquer coisa ninguém me ouvirá, ninguém se importará... É sempre assim!

Eu trabalho em uma empresa de Marketing, então sempre nos reunimos em equipes para elaborarmos propostas de novas estratégias de marketing. Sempre fui muito esforçada, mas nunca reconhecida. Criei uma proposta inovadora que abrangerá novos cuidados com a marketing digital, porém algumas mulheres que trabalham comigo viram minha proposta e roubaram minha ideia antes que eu pudesse entregá-la. Na verdade, elas sempre fazem isso comigo, sempre roubam minhas ideias e não me dão crédito nenhum disso, o que fazem todos acharem que sou apenas um peso morto na empresa.

Em toda minha vida sempre fui esforçada: desde a época da escola em que tirava as melhores notas, deixando de lado qualquer diversão para buscar apenas o meu sucesso profissional, até a faculdade, a qual me esforcei tanto para concluir com as melhores notas possíveis. Sou formada no curso de Marketing, me interessei tanto por essa área que dei o meu melhor para entrar nessa empresa. Pra quê? Pra que todo esse meu esforço?

Eu não quero continuar assim! Decido me levantar e ir até o escritório do meu patrão. Peço para chamarem ele e aguardo no lado de fora. Assim que ele me permite entrar na sala, eu tomo toda coragem que estava guardando para falar, mas sou interrompida:

- Está despedida! _ Suas palavras frias ecoavam na sala fechada e soaram um tanto quanto assustadoras.

- Mas... por quê? _ Foi tudo o que eu soube falar.

- Uma mulher como você não é necessária em nossa empresa. Está despedida por improdutividade! _ Ele dá fim ao assunto.

Eu não conseguia dizer mais nada, estava tomada pelo pânico e tristeza. Tentava engolir toda a minha vontade de lacrimejar e gritar por desespero, mas em vão, minhas lágrimas saíram mesmo assim. O que eu vou fazer agora que fui mandada embora pelo lugar o qual me esforcei tanto para ingressar?

Saio de lá derramando lágrimas sem cessar, mas ninguém foi capaz de olhar para mim, muito menos de me perguntar se eu estou bem.

Decido ligar para o meu único porto seguro: meu namorado! Mas ele não atendia as minhas ligações, bom, de fato esse ainda é o meu horário de trabalho, então talvez ele não esteja acostumado as minhas ligações nessa hora da tarde. Opto então a chegar em sua casa de surpresa. Por que não? Eu preciso dele mais que tudo por agora!

Entro na casa dele com a cópia da chave que fiz, mas me deparo com a pior visão que poderia ter no dia de hoje!

- Por que você e... Clara? _ Tento identificar o ocorrido, querendo que haja uma desculpa mais apropriada para esses dois estarem juntos justo no meu horário de trabalho.

- Droga! Vanessa? Por que já está aqui? _ Diego fala. Eu não consigo acreditar que nem uma desculpa descente ele foi capaz de dar! Por que ninguém tem consideração por mim?

- Essa idiota foi despedida? _ Clara pergunta a Diego, ignorando completamente a minha existência na frente deles. _ Era de se esperar, todo mundo fala mal dela lá na empresa.

Saio de lá correndo, afinal, sou uma perdedora para tentar bater de frente com eles. Mas tudo está acontecendo tão repentinamente, ninguém tem consideração por mim? Pelos sentimentos de outra pessoa?

Tento me acalmar em casa depois de um tempo. Mas, sinceramente, a única coisa que quero, no momento, é sumir.

Saio de casa para comprar um miojo em uma mercearia que ficava ao lado. Ao entrar lá, algo inesperado acontece: um assalto! Como posso ser tão azarada em um dia só? Um homem, que segurava uma pistola, aponta para mim.

Espera um momento, eu vou morrer? Aqui?

- SE NÃO ME DEREM TODO O DINHEIRO EU ATIRO NELA! _ O homem diz em um tom ameaçador.

Começo a chorar de desespero. Eu sei que hoje foi complicado demais para mim, mas eu não quero morrer!

O dono da mercearia entrega todo o dinheiro para o ladrão, que sorri feliz e satisfeito. Fico aliviada por isso, até escutar um estouro da pistola. Senti a ardência da bala perfurando meu estômago e queimando todo o tecido celular por volta de onde fui atingida. A dor era intensa, o sangramento era excessivo, meus sentidos diminuíam cada vez mais. Só então me dei conta de uma coisa: A minha vida foi uma merda!


[...]


Abro os meus olhos com dificuldade, me recordo do momento em que a bala me atingiu e sinto a dor. Passo a mão pelo meu abdômen, mas não sinto nenhum ferimento, ou sangramento. Quantos dias se passaram para que tudo tenha cicatrizado? Estou no hospital?

Rapidamente, uma senhora vestida com trajes de empregada doméstica (aqueles em que as pessoas fazem cosplay, sabem?) se dirige a mim, com um semblante preocupado, e me pergunta:

- Senhorita Vanessa? Já está melhor?

Certo, meu nome é Vanessa mesmo, mas... Senhorita? Desde quando me trataram tão bem em toda minha miserável vida? Passei a ser rica?

- É... por quanto tempo eu dormi? _ Pergunto. Talvez eu tenha ficado em coma por alguns longos anos, né?

- Faz três horas que você tropeçou na escada e caiu no chão. Desde então está dormindo, senhorita. _ Ela responde a minha pergunta. Quando termina de falar um homem alto e esbelto aparece em minha frente. Seus trajes pareciam aqueles medievais que grandes barões e duques usavam. Outro cosplay?

- Minha filha, vai dormir até quando? _ Ele me diz de maneira fria.

Espere um momento. Filha? Desde quando meu pai é cosplayer?

Ao pensar de mais, tento olhar para mim. Eu estava com uma linda pele bronzeada, era bem magra e meus cabelos longos e castanhos recaíam sobre toda a extensão do meu corpo. Eu parecia bem mais nova do que os meus 27 anos, diria que no auge da minha juventude, uns 18, talvez.

Afinal... eu reencarnei?

Decido então conversar com este homem, que no caso é o meu pai, para ter uma noção melhor sobre esse mundo.

- Pai, eu _ Sou interrompida por ele.

- Vá se arrumar! Não tenho tempo para você. _ Ele sai do meu quarto.

Poxa, eu acabei de reencarnar depois de ter sofrido a minha vida inteira, e sou tratada como um lixo pelo meu próprio pai! Quero chorar...

Ao lembrar da minha vida passada, me sinto triste e enojada. Aqui também serei tratada como uma qualquer?

- Senhorita Vanessa Mortimer, devemos apressá-la? _ A empregada da casa interrompe meus pensamentos, já que eu estava enrolando para me arrumar.

Parando para pensar, Vanessa Mortimer não é o nome de uma das personagens do livro que eu amava ler? Se não me engano o nome era A Imperatriz de Flyanka. Esse livro vai contar sobre a história de uma belíssima mulher, inteligente e educada. Filha do imperador de Vaster, um reino "próximo" a Flyanka (Seria uma distância igual do sul do Brasil ao Chile). Bom, sendo ela uma princesa com um grande status e beleza, foi fácil conquistar todos a sua volta, uma mulher digna de ser a protagonista mesmo. O livro retrata todos os problemas que ela sofreu até chegar ao seu status de Imperatriz. Ela enfim escolhe o Príncipe herdeiro de Flyanka para se casar e junta seus reinos, prosperando cada vez mais pela terra. É uma belíssima história de amor, dada todas as circunstâncias que Clarisse Knýtlinga, a protagonista, vive.

Mas espera aí! O problema não é eu estar em um mundo de fantasia. O problema é que eu me chamo Vanessa Mortimer! Se eu me lembro bem, Vanessa Mortimer é a vilã da história!

Ai, meu Deus! Por que o mundo insiste em me derrubar?

Após eu me olhar no espelho, arrumada, acabo me lembrando mais sobre o livro: Vanessa Mortimer também tem uma beleza exorbitante. Seus longos cabelos ondulados e castanhos lembravam uma bela arquitetura barroca, belíssimos olhos castanhos claros feito mel e uma estatura mediana. Uma mulher digna de ser a vilã!

Apreciando minha beleza ,que nunca tive em minha vida passada, no espelho, me vem à memória um fator importante sobre Vanessa Mortimer: No final do livro, Vanessa é abandonada pelos seus pais, largada pelo seu noivo, que insiste em conquistar o coração da protagonista, e sendo completamente excluída e esquecida do reino de Flyanka.

Eu acho que... nós temos uma história parecida. Eu sempre fui uma mulher brilhante em tudo que fazia, mas sempre apagada pelas "mocinhas" da história. É o meu destino ter uma vida miserável para que a protagonista se sobressaia? Ou devo... ser amiga de Clarisse e garantir o seu sucesso sem que eu me sobressaia na história?

Espere um minuto! A minha vida inteira tiraram tudo de mim e me apagaram de tudo. Neste mundo eu tenho tudo ao meu favor, mas devido ao aparecimento e carisma de Clarisse, todos a minha volta se viram para mim. Em um mundo de falsidades, por que eu deveria abrir mão da minha felicidade para garantir a da Clarisse?

Talvez... só talvez, eu tenha nascido para ser uma vilã.

Acordo de meus pensamentos, saio do meu quarto e caminho, na companhia de minha babá, até a grande sala que se encontrava meu pai e um visitante.

Serei a vilã? Ah, se for para eu ser uma vilã, então que eu seja a melhor!


24 Août 2021 16:27:02 5 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
20
Lire le chapitre suivant A vilã

Commentez quelque chose

Publier!
Anne Claksa Anne Claksa
Olá! Achei interessante o título e resolvi ler, aliás, devo confessar, adoro vilãs e talvez tenha sido isso que me trouxe até aqui. A Vanessa sempre foi dedicada, atenciosa, esforçada, mas nunca foi reconhecida, foi sempre ignorada e deixada de lado. No trabalho, era super criativa, tinha ótimas ideias,mas sempre eram roubadas e ela ainda não podia nem reclamar, além disso, era taxada de improdutiva. Na vida pessoal, outro baque, estava sendo traída pelo seu namorado com uma colega de trabalho, que a ignoraram, além de ser chamada de idiota. Para fechar o dia, é assaltada e morre. Morreu e reencarnou em uma vilã, que tem um final trágico, mas Vanessa tem o poder de mudar isso, depois de uma vida passada tão ruim, tem a chance de ter uma vida melhor. Mostrar que a garota que sempre foi ignorada pode ser a melhor vilã do mundo. Adorei! Até a próxima!!!

  • Quesia Loreto Quesia Loreto
    Oii, fiquei muito feliz pelo seu feedback. Obrigada pelo seu comentário positivo, isso faz o meu dia! Garanto que vai amar a história por completo, se continuar a ler XD 3 weeks ago
PP Paulo Plinio
Empolgante!
March 01, 2022, 20:18
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 40 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!