agustdeadtown Vick

❝Onde JungKook era um adolescente criança que não gostava dos adolescentes com quem TaeHyung tinha convívio.❞ [Jungkook centric | One Shot | TaeKook | BTS | Alessia Cara] [14+ contem romance homossexual, drama, adultério, bebidas e drogas] ©2018 agustdeadtown. Todos os direitos reservados!


Fanfiction Groupes/Chanteurs Déconseillé aux moins de 13 ans.

#oneshot #bts #taekook #taehyung #v #fluffly #junkook
0
1.7k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

único: Enjoy your party, I'll be here!

📷


ㅤNão sei bem como ou quando essa fase começou, quando me dei conta, o inferno já havia se instaurado em minha mente. Crescer e sair da bolha da casa dos meus pais, visitando mais do mundo desenvolveu em mim a necessidade de rever a sociedade em que eu vivia, que eu fazia parte.

ㅤEu queria ser uma criança para sempre, os adolescentes e adultos são sempre mais chatos que as crianças, com seus bonecos, carrinhos e bonecas de pano.

ㅤAcho que eu tive contato com a minha primeira experiência como um adolescente de verdade quando meu melhor amigo adentrou o dormitório que dividíamos, um papo furado de irmos juntos até uma "festa social" que até aquele momento eu não sabia qual era a sua finalidade ou funcionalidade.

ㅤVeja bem, eu ao menos sabia como me vestir para me misturar aos mais velhos, mas Kim Taehyung fez questão de separar roupas mais descoladas - na visão dele - para que eu vestisse, me ajudando e me arrastando para dentro do banheiro do dormitório.

ㅤEnquanto eu desenhava no box embasado algumas árvores e bonequinhos, Taehyung fofocou sobre um ex-namorado que havia arrumado um novo, que parecia muito consigo.

ㅤÉ por aí que eu já não entendo a adolescência natural. Digo natural, pois na aula desta semana meu professor disse para meus colegas que os loucos são aqueles que vivem de formas diferentes e que acham o "normal" ridículo.

Talvez eu seja um pouco louco, mas não sei.

ㅤO Kim continuou com seu diálogo e contou-me, ainda, sobre como seria a festa que iriamos, com tudo o que seria divertido para ele: comida, bebida e boa música. Adolescentes são como iniciações de adultos. Estes citados por último possuem manias que não fazem sentido: se acharem superiores aos outros, em uma hipocrisia banal de dizerem saber respeitar e aceitar o semelhante.

ㅤAssim que rodei o registro do chuveiro e o ranger do mesmo ecoou pelo local, Taehyung me ajudou com a roupa e secou meu cabelo em um penteado com um topetinho. Eu gostava do meu cabelo em formato de tigelinha, mas achei melhor não comentar com o garoto que parecia muito animado e ansioso para o que faríamos.

Eu também estava ansioso, mas não para irmos, e sim para voltarmos de onde nem havíamos chego.

ㅤColoquei meus sapatos e após isso fui brutalmente puxado para fora do dormitório. Taehyung andou até o lado do motorista entrando no carro esportivo preto com que eu sentia medo. Não gostava do transporte adolescente e adulto. Gostava da minha bicicleta e do meu skate com rodinhas em gel, gostava dos meus pés para locomover-me.

ㅤEle ligou o rádio e como de costume Taehyung colocou a música que eu tocava no pequeno rádio de minha mãe quando ela permitia-me. Era calma, falava sobre amor genuíno e duradouro. Falava também sobre mudar o mundo e conquistar o universo e os planetas. A faixa vinha de uma coletânea destinada às crianças.

ㅤImaginava-me como um astronauta, vestido como os adultos dos filmes famosos em uma estrutura pesada, mas flutuando com a falta de gravidade. A pequena minhoca de ferro adulta parou na frente de uma casinha e então Taehyung me puxou para dentro acabando-me na sala. O local era cheio.

ㅤLembro-me bem do que senti em meu peito: meus olhos cerraram levemente pela casa escura, mas ainda cheia de outras luzes coloridas, meu nariz parou de funcionar pelo cheiro horrível de maconha naquela fumaça estranha para ser comparada com uma nuvem.

Outra coisa que eu não entendia nos adolescentes era o uso de coisas estranhas do mal. O que achavam tão legal naquilo que cheiravam e inalavam de forma tão prazerosa?

ㅤDisseram-me uma vez que o pozinho branco como corretivo causava alucinações e as pessoas ficavam felizes. Eu nunca havia precisado, até aquele momento, de pozinhos ilegais para imaginar coisas e me fazer feliz. Esperava não perder a alegria dentro de mim, para nunca precisar daquilo também.

ㅤEu era feliz empunhando um graveto em mãos e imaginando-me, sem precisar estar sob o efeito de drogas, uma batalha épica com um dragão feroz de trinta metros de altura, como um prédio, ao lado dos meus irmãos mais novos.

Também era feliz quando corria até minha mãe, tirava minha camisa e deixava um beijo em sua bochecha antes de correr até o meio da rua para tomar banho de chuva no verão.

ㅤSentei no sofá do local e tomei conta que minha cabeça não estava acostumada com a música atrapalhada e rápida. Música de adolescente, algo eletrônico.

ㅤ— Irei buscar algo para você beber, gosta de soju?! — Questionou Taehyung ajoelhado em minha frente.

ㅤ— Eu só quero água, hyung! — Protestei alto e então o vi desaparecer entre as pessoas.

ㅤLembro-me de que algumas mulheres bonitas vieram até mim, investindo flertes paraficarmos. Eu não sabia o que significava aquela expressão na época. Era ingênuo mesmo tendo quase dezessete anos nas juntas bem vividas e na pele branca.

ㅤEu neguei os pedidos de todas as garotas e garotos atrevidos. Passava por minha mente a voz de minha mãe, me alertando, em uma época do passado, sobre coisas como beijos e abraços quando se é adolescente.

ㅤEu consegui ligar pontos sobre as intenções dos adolescentes ali quando vi um dos mesmos garotos chegar em Taehyung e dizer a mesma frase que me disse, recebendo um sorriso do Kim, prendendo-o contra a parede, tomando os lábios para si.

ㅤPor um momento, novamente, fiquei ansioso em voltar para casa. Estava onde não queria, mas estava ali, pois meu amigo estava ali. Bem, não totalmente ali. Notei depois de um tempo que Taehyung não voltou com a minha água ou pelo menos deu sinal de vida após desaparecer indo para a cozinha novamente, agora, sem o garoto estranho baixinho.

ㅤEu estava triste com todo aquele local e as pessoas que ali estavam, totalmente deslocado. Vi um garoto desmaiar em minha frente a quando tentei ajudá-lo, fui interrompido por seus colegas: "O deixe" acompanhado por palavras feias como "Deixe-o se foder sozinho, garoto".

ㅤAdolescentes não se importam com coisas, com pessoas, com nada além de si mesmos. Lembro-me de que perdi um amigo meu para a adolescência, seu humor não permitiu aguentar minha diferença de pensamentos.

ㅤAlegou-me que eu estava ficando louco, carregando em meu sangue a síndrome do Peter Pan e de Alice. Ele se afastou, afinal havia virado um adolescente e eu ainda era uma criança no corpo de um adolescente.

ㅤUm dos garotos que chegou em mimme convidou para dançar com ele. Foi difícil ouvi-lo por conta do som alto, mas lhe respondi, dizendo que eu não sabia dançar aquela música, mas ele continuou insistindo. Adolescentes são cabeças duras e não sabem quando parar, quando está errado ou certo. Eu não sou assim.

ㅤ— Eu não estou interessado, vá curtir sua festa! Eu não quero namorado!

ㅤNamorar na minha mente ainda era errado, mesmo que um pedaço de mim soubesse que eu tinha atrações por aquele garoto que havia me arrastado até ali, Taehyung. Me levantei daquele sofá pela primeira vez naquela noite, deixando o galanteador sozinho. Caminhei com os olhos direcionados aos meus pés até a cozinha.

ㅤEra comum me pegar pensando em tomar sorvete com Kim Taehyung, passear de bicicleta no parque e ainda alimentar patos na beira de um lago, ouvindo uma música calma. Os sentimentos de paixão que eu via nos filmes, sentimentos que me assustavam, que deixam claro que eu lentamente também estava crescendo.

ㅤPeguei um copo limpo dentro dos armários e busquei encher com água em um filtro de plástico. Durante esse meio período, escutei de canto duas garotas conversando sobre uma terceira moça a qual pareciam muito próximas, eram amigas.

ㅤAmigos adolescentes que, naquele caso, era o meu ponto de vista principal sobre a maioria: adolescentes falsos e interesseiros.

ㅤAdolescentes administram suas amizades em base em seus interesses. Juntam-se aos populares para serem de maior popularidade em um determinado local, com os mais espertos juntam-se para terem notas maiores, e assim sucessivamente em uma cadeia interminável.

ㅤMas voltando as duas amigas, ouvi sair de suas bocas coisas como usá-la para gastar com shopping e presentes, roubar seu namorado e insultos sobre a garota desconhecida. Sai da cozinha rapidamente, sem chamar atenção das amigas falsas e voltei ao sofá onde tornei meu porto seguro.

ㅤBebendo sem muito o que fazer aquela água, ousei observar um garoto diferente dos demais em um canto. Sua pele estava pálida, quase verde, demonstrando que não estava passando bem. Quando pensei no que deveria ter acontecido, o vi vomitar dentro de um lixo e seus amigos rirem de seu estado.

ㅤAndei até o andar de cima destinado a encontrar Taehyung para sair daquele local, eu estava cansado de tudo. Foi quando encontrei algumas garotas conversando novamente.

ㅤDesta vez, assunto diferente, não um assunto falso de caráter, mas um assunto mentiroso. Sua mentira era tão grande que poderia ser comparada a dizer que o meu desenho favorito não era o meu favorito.

ㅤA loira descolorida gritava em raiva, algumas palavras sujas enquanto mostrava seu celular com algum aplicativo adolescente para a morena dos cabelos curtinhos e lisinhos.

ㅤDizia sobre algo estranho para meus ouvidos: haters. Lógico que eu denominava aquilo mentiroso, ela estava encaixada em todos os padrões. Ela era famosa pela redondeza. Adolescentes mentem para se sentirem melhores, para passarem imagens fortes. Eu me denominava criança, pois mesmo que eu mentisse, estaria martelando a culpa em minha mente, coisa que não estava acontecendo com aquela garota.

ㅤBati na porta do final do corredor e abri a mesma, vendo Taehyung sentado, jogando no vídeo game antigo com o carinha baixo que havia ficado mais cedo.

ㅤ— Eu estou no carro, quando terminar me deixe em casa. Só quero ir embora deste inferno.— Disse baixo, tendo a atenção do moreno para meu corpo cansado.

ㅤCaminhei para fora da casa, trombando meus ombros com a multidão, até o carro de Taehyung e entrei no banco do passageiro. Sentia meus olhos arderem em sono, j[a muito longe do horário que eu costumava adormecer. Liguei o rádio e ouvi a música baixinha com que eu estava acostumado.

ㅤEu acabei sendo quem eu era de verdade naquele carro. Imaginei alienígenas verdinhos descendo os céus daquela noite escura e nublada em naves espaciais e conversei com pessoas imaginárias também. Cantarolei as letras gostosas sobre amor que meus compositores favoritos escreviam. Comi os salgadinhos que Taehyung escondia de todos em seu porta luvas.

ㅤApesar de ser um adolescente, Taehyung ainda conseguia ser como eu, tendo as mesmas visões sobre adolescentes. Eu amava Taehyung, com todas as letras e, sentindo sede, decidir contar aquilo para ele assim que o visse adentrar aquela minhoca adulta de ferro.

ㅤNem ao menos percebi que havia adormecido no carro do hyung, mas consegui acordar com seus dedos afagando meus fios, voltando a ajeitá-los no penteado tigelinha que eu tanto amava. Taehyung sabia que eu era aquele menino de olhos grandes e brilhantes.

ㅤEsfreguei meus olhos com as costas das mãos e pode olhar seus lábios tão próximos aos meus enquanto sussurrava o quão havia ficado preocupado por minha causa e de minha saída repentina.

ㅤSenti uma sensação estranha, a qual havia me atingido poucas vezes, apenas quando eu estava com ele. Meu coração palpitava e meu estômago doía em ansiedade, sentia meus lábios abrirem e fecharem diversas vezes enquanto meus olhos miravam os lábios com cheiro de vodca e chiclete de morango.

ㅤ— O que foi, Kookie? — Questionou intercalando os olhos entre diversos pontos do meu rosto, me deixando apreensivo.

ㅤ— Você é bonito, hyung. — Tomei um pouco de coragem. Lembrava das palavras de alguns amigos de minha escola sobre a memória falha das pessoas que bebiam.

ㅤ— Isso é verdade? — Riu soprado e acabei sentindo minhas bochechas ficarem quentes. Concordei com um balanço de cabeça.

ㅤSuas ações eram delicadas e tomavam o meu fôlego. Suas mãos foram parar dos lados de meu rosto e me assustei ao sentir um beijo ser depositado em minha testa e outro em meus lábios.

ㅤ— Desculpa, Kook. — Neguei com um murmúrio. — O que foi? Você gostou? — Concordei com um bico que novamente foi selado, me arrancando um sorriso.

Eu era um adolescente criança que odiava adolescentes, mas era uma criança adolescente que era apaixonada pelo meu melhor amigo adolescente.

6 Juin 2021 18:43:32 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
La fin

A propos de l’auteur

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~