pcyooda Park Yooda

baeksoo | red collection | smut | bondage Onde Byun Baekhyun, o dono da maior empresa de produtos eróticos do país e precursor da desmistificação da sexualidade é entrevistado pelo tímido radialista Do Kyungsoo, e acaba se apaixonando pelas coradas do rapaz durante a entrevista.


Fanfiction Groupes/Chanteurs Interdit aux moins de 21 ans.

#bdsm #exo #baeksoo #smut #byun-baekhyun #do-kyungsoo #baekdo #dom-baekhyun #flexbaeksoo
0
2.1k VUES
En cours - Nouveau chapitre Every week
temps de lecture
AA Partager

You must like me for me...

Kyungsoo estava bem nervoso por incontáveis motivos. Era dia de entrevista na rádio e o seu convidado não era bem o tipo de pessoa que um dia já pensou em entrevistar. Não que tivesse algum preconceito contra o assunto — longe disso — mas, ainda assim, não sabia porque tinha que ser ele o entrevistador da vez, quando o assunto não era nada relacionado ao que conhecia sua vida pessoal.

Do Kyungsoo era uma pessoa bem recatada. Evitava falar sobre certos assuntos e quase sempre evitava falar com certas pessoas também. Era como se ainda fosse um jovem se iniciando na vida adulta. Por causa disso, se sentia ridículo na maior parte das vezes quando tinha que falar sobre o assunto que iriam discutir hoje. O que significa que iria se sentir ridículo por quase meia hora, pois, iria entrevistar o dono de uma das maiores companhias de produtos eróticos do país.

Maravilha. Era tudo o que um dia ele tinha imaginado.

Byun Baekhyun era o cara mais aberto do mundo. Do já tinha ouvido falar de como as suas palestras mudavam a vida das pessoas, e como sua voz nas questões de sexualidade era forte (talvez até mesmo uma das maiores referências na área). Não que o radialista estivesse tão por dentro assim, mas havia feito a sua pesquisa. Não podia entrevistar alguém sem conhecer a história por trás, se fosse assim, não teria perguntas. Mesmo que, no momento, também não tinha muitas delas para fazer.

— Do Kyungsoo… está tudo preparado? — Joohyun estava lhe perguntando da outra cabine de edição, do lado de fora da sua.

O moreno pensou por um momento antes de responder, pois, se fosse sincero? Sentia que podia simplesmente abrir o coração e chorar.

Não, não estava preparado. Na verdade, não fazia a mínima ideia do que perguntar para Byun Baekhyun, porque, veja bem, ele não transava. E não transava desde a primeira vez que transou na sua vida inteira, o que era um problema (não aguentava mais, pra falar a verdade); mas isso era uma outra história.

Do pigarreou antes de retornar a pergunta de sua colega:

— Só mais alguns minutos, Joohyun. — respondeu, tentando camuflar o nervosismo aparente.

— É que… ele já chegou. — ela disse, como se não fosse nada de mais.

Kyungsoo arfou, porque para ele era tudo demais. Tudo o que ele não queria que acontecesse ali, agora, naquele exato minuto. Mas pelo jeito teria que ser agora mesmo. Era como tirar o band-aid: quanto mais demorava para atendê-lo, mais teria que prolongar o nervosismo. Então que fosse de uma vez!

— Tudo bem, então. Pode pedir pra ele entrar.

A garota sorriu largo, acenando positivamente com a cabeça.

Meu Deus.

Ela estava feliz com tudo aquilo? Só podia estar esperando para vê-lo pagando mico. Com toda a certeza Bae sabia da sua fama de casto. Todos ali lhe perturbavam por isso, ela não seria diferente.

A porta da cabine se abriu, e com ela o cheiro completamente inebriante se alastrou pelo ar. Não precisou ao menos olhar para saber que era ele ali. Kyungsoo se levantou a fim de cumprimenta-lo, mas quando finalmente colocou seus olhos nele, parou no mesmo lugar.

Byun Baekhyun era, com toda a certeza do universo, a pessoa mais estonteante que já havia visto em toda a sua vida. Vestia uma camisa aberta com um tipo de colar de prata, que descia delicadamente pelo peito como se estivesse pousado ali. Era sexy. A calça do conjunto tinha o corte perfeito para o seu corpo pequeno, além dos anéis em seus dedos que brilhavam com um tipo de metal holográfico. Parecia como se ele tivesse vindo de um conto de fadas, se esse conto fosse destinado para adultos maiores de 19 anos.

Kyungsoo ficou sem reação ao olhar pra ele. Provavelmente nunca teria uma reação quando se deparasse com a presença física dele, pois ela era demais. Um pouco além do que ele estava acostumado a ver todos os dias. O rapaz não tirou os olhos de si enquanto se aproximou, com passos calculados como um gato.

— Olá Do Kyungsoo… ouvi falar muito de você. — ele sorriu, simpático.

E, puxa, que sorriso! Poderia iluminar cinco galáxias com aqueles lábios retangulares. Do sentiu o estômago repuxar apenas em encará-lo.

— Byun Baekhyun… Olá. — Kyungsoo se levantou, caminhando em sua direção.

Já ia fazer uma reverência educada quando o rapaz lhe estendeu a mão, fazendo o moreno ficar absolutamente surpreso. Aquilo não era nada normal para a sociedade em que viviam. Demorou até que ele acordasse para tomar a mão do rapaz, encontrando o seu aperto. Era extremamente quente e macia. Perguntava-se se aquilo era algum tipo de teste, pois a maneira que ele lhe olhava era muito intrigante. Bem perceptivo.

— Creio que você queira me indicar o lugar em que devo me sentar? Não sei onde ficaria melhor para você.

Do também não fazia a mínima ideia. Qualquer lugar em que ele pudesse ficar o mais longe possível seria o melhor.

— Você pode se sentar na cadeira atrás de você. Ficarei nessa aqui mais próxima do computador.

Byun sorriu largo para ele.

— Como quiser.— ele concordou, sentando-se onde foi indicado.

Kyungsoo começou sentir o coração pular para fora. Não era possível que aquilo estivesse acontecendo de verdade. Nunca se imaginou em uma situação dessas antes. Era tremendamente fora do seu mundo. Tentou fingir que estava ali procurando algum arquivo no computador, mas o seu nervosismo era tanto que ele apenas concentrou-se em respirar por um momento. Deveria manter a calma ou essa entrevista iria por água abaixo e Luhan iria lhe matar por isso.

— Hey, entramos em cinco! — A voz de Joohyun de repente se fez presente, fazendo Kyungsoo pular do lugar.

Voltou seu olhar para Baekhyun, que parecia concentrado em seu próprio celular. A maneira que os fios loiros caíam como cortina sob a sua bochecha era extremamente… indevido. Tudo sobre ele parecia indevido apenas de olhar. Do suspirou, abrindo o arquivo de suas próprias perguntas e o Twitter para conseguir buscar as melhores perguntas dos fãs. Pois sim — Baekhyun tinha fãs, por mais esquisito que aquilo parecia ser.

— Do Kyungsoo… será que posso te fazer uma pergunta? — a voz calma dele de repente fez com que o moreno se acalmasse mais.

Kyungsoo voltou o olhar no seu, respirando fundo antes de concordar com um aceno.

— Você tem um instagram pessoal? Gostaria de promover o programa nos meus stories. Poderia te gerar mais seguidores e interatividade. — ele estava tentando ser legal, mas isso não era algo que Kyungsoo estava interessado.

Mesmo assim pensou que seria rude recusar, então acabou passando sua conta para que ele lhe marcasse seja lá no que estava planejando. Baekhyun sorria enquanto digitava no celular com concentração. Demorou poucos segundos até que os lábios dele formaram um sorriso largo, olhando para o aplicativo exposto na tela. Provavelmente estava analisando o perfil de Kyungsoo.

— Adorável. — ele sussurrou para o aparelho.

Kyungsoo fez questão de se fingir de surdo sobre aquele comentário.

— Entramos em 30 segundos.— Joohyun disse novamente, como se Kyungsoo não pudesse adivinhar.

Agora já poderia sentir as palmas suadas. Não seria humanamente possível terminar esse programa sem que o moreno tivesse um ataque de nervoso ou algo do tipo. Nunca havia ficado tão nervoso em toda a sua vida. Era como se todo o ar ainda não fosse o suficiente para que ele pudesse respirar.

A luz da rádio se acendeu, e Kyungsoo começou mentalmente uma contagem decrescente. Parecia que poderia partir para o espaço sideral, mas era apenas ele finalmente se transportando para o mundo do... sexo. Era patético que se sentisse como um puritano, mas era exatamente como estava se sentindo.

— Kyungsoo... já!

O moreno ouviu Joohyun indicar a sua deixa pelo auto falante, ao mesmo tempo em que se colocou a falar:

— Olá a todos. Aqui é Do Kyungsoo, da rádio K126. No programa de hoje, como prometido, estamos com um convidado mais do que especial. — Kyungsoo de repente ficou nervoso, pelo olhar que Baekhyun estava lhe dirigindo.

Não era apenas um observar, parecia perfurar a sua alma através dos olhos castanhos. Era um olhar fatal. Não sabia quais eram as vítimas de Byun Baekhyun, mas duvidava que elas sobreviviam após o serem julgadas por esse olhar.

— Hã... hum... o programa de hoje... será... sobre... — Kyungsoo pigarreou — S-sobre... sexo. Quer dizer...— Baekhyun riu baixo, quase inaudível pela audiência.

— Hã... certamente é um assunto um pouco complicado de se falar, certo? — Baekhyun estava tentando lhe ajudar, mas o moreno apenas se sentia mais e mais constrangido.

— Uh... sim. Quer dizer, não. Não, não é... quer dizer...— Joohyun lhe olhava através dos vidros como se quisesse lhe comer vivo.

— Bem, talvez eu deva me apresentar agora que estraguei a surpresa. Me desculpe, Kyungsoo.— a voz do rapaz parecia como um mel quente, o que deixou o radialista desconcertado.

Do fitou o convidado ao lado, com um pouco de nervosismo lhe consumindo. Parecia que Baekhyun sabia exatamente como manter a voz sedutora, fazendo as pessoas esquecerem de tudo do que havia acabado de acontecer. Pelo menos era assim que se sentia.

— Olá a todos. Sou Byun Baekhyun, sexólogo, empresário e consultor de sexualidade. É um prazer muito grande poder vir aqui na rádio para conversar sobre um assunto tão mistificado e temível para muitas pessoas. Espero que eu consiga trazer para vocês hoje uma outra visão sobre sexo, juntamente com o meu amigo, Do Kyungsoo, a quem eu também agradeço muito pela oportunidade de estar aqui. Obrigado Kyungsoo.

Do ficou em silêncio por alguns segundos, sem acreditar que ele havia falado tão bem para um início de programa.

— É... uh, claro. Eu é que... nós é que agradecemos a sua presença, Byun Baekhyun.

Como Kyungsoo havia se tornado o pior profissional do mundo em apenas alguns segundos? A presença de Baekhyun era um grande motivo para esse fenômeno acontecer. Byun estava olhando para ele como uma maneira de encorajá-lo, ao mesmo tempo em que guardava um pequeno sorriso no canto dos lábios. Ele sabia que havia afetado Kyungsoo e estava se divertindo com isso?

— No programa de hoje, ficamos de ter uma conversa sobre o meu ramo de aplicação. Certo, Kyungsoo?

Do estava sem palavras. O que poderia dizer, além de concordar com tudo o que ele falava?

— C-certo. — respondeu, pateticamente nervoso.

— Certo. — Baekhyun dessa vez ficou em silêncio, olhando atentamente para ele.

Com aqueles... olhos. Olhos um tanto quanto penetrantes. Até demais. Jesus, será que estava fazendo muito calor ali? Kyungsoo pigarreou, voltando ao seu eu normal. Não poderia deixar que tudo aquilo começasse a subir a sua cabeça, ele era só um rapaz. Um rapaz extremamente bonito e intimidante, sim, mas apenas um rapaz. Devia manter isso em mente.

— Bem, como já dizemos, Baekhyun falará bastante com a gente hoje. E para iniciar a nossa conversa, pensei em abrirmos com perguntas. Seja onde você estiver, se quiser mandar perguntas para gente estaremos recebendo no instagram, na conta da rádio. — Do fez uma pausa, percebendo que estava sendo observado.

Baekhyun olhava para ele como se fosse a coisa mais interessante daquela sala. O coração do pequeno começou a acelerar. Ter um cara como Byun Baekhyun olhando para você era uma experiência pela qual o rapaz nunca havia passado antes. Mordeu os lábios em nervosismo, molhando-os com a língua em reflexo. Não passou despercebido que foi exatamente ali que o olhar dele se perdeu. Kyungsoo desviou o olhar, voltando a se concentrar no programa, mesmo que a sua mente ainda estivesse viajando no que tinha acabado de acontecer.

— Hm... então para abrir com chave de ouro, talvez Baekhyun poderia nos contar um pouco sobre a sua experiência e como têm sido a vida de palestrante depois do sucesso da BBH Pleasure. — Do voltou o seu olhar para o loiro, que tinha um sorriso cúmplice no canto da boca.

— As minhas aventuras, você diz? — ele riu baixo, afastado do microfone.

Kyungsoo não sabia o que dizer, porque sabia que aquilo era algum tipo de insinuação. Parecia que a todo momento ambos estavam trocando flertes, ou talvez fosse apenas ele que estivesse totalmente afetado pelas palavras do rapaz. A maneira como ele se portava, os movimentos e até mesmo os olhares rápidos, pareciam todos extremamente calculados. Faziam parte da construção de quem ele queria apresentar, com uma leveza admirável e calculada.

— Hm... — Do começou, tentando voltar em si — Sim... eu acho que seria legal contar a razão de você ter se inspirado para fazer o trabalho que faz.

Baekhyun olhou para ele, dessa vez com mais seriedade. Sua aura era de uma pessoa mais experiente, como se a maturidade tivesse chegado mais cedo para ele. Olhar para ele era como enxergar um professor, ou algo do tipo. Dava para perceber que ele tinha uma certa sabedoria.

— Eu comecei a fazer o que faço, porque acredito que a desmitificação da sexualidade ajudaria as pessoas falarem mais sobre as diferentes formas de amar, ser um tema visto com mais naturalidade. — disse, explicando com calma — Acredito que a informação de um sexo seguro, seja também uma maneira de evoluirmos como indivíduos. Eu quero acreditar que o sexo venha a se tornar, no futuro, uma prática saudável. Quero que as pessoas parem e pensem sobre o tipo de sexo que consomem.

— Então você diria que há... diversas maneiras... de se conversar sobre isso? — Kyungsoo perguntou, tentando acompanhar o raciocínio dele.

— Eu acho que existem maneiras legais, dentro da lei, e maneiras intoleráveis. E acredito que isso deve acabar. Eu gostaria de poder viver em um mundo em que o sexo fosse visto apenas como uma prática saudável, sem envolver pornografia. Meu intuito nunca foi vender sexo, e sim conscientizar sobre isso. Acho que há muitas coisas envolvidas nesse assunto que as pessoas deixam passar e quero trazer uma luz para isso.

Do ficou quieto, olhando para ele seriamente. Definitivamente não era isso o que ele estava esperando. Quer dizer, ele tinha uma empresa de produtos eróticos, mas era contra toda indústria que os rodeava. Será que ao menos era possível pensar assim?

— E você acha que é possível fazer isso, mesmo estando diretamente envolvido com a indústria? — Baekhyun o observou, enfaticamente.

Parecia sério com o que estava tentando dizer, sabendo que deveria realizar a sua função com responsabilidade.

— Eu acho que vale a pena tentar. Nós vendemos produtos eróticos que estimulam um sexo saudável, que façam as pessoas aproveitarem mais e se descobrirem no prazer. Não vejo nada de errado nisso.

— Pra você então o prazer é o fundamental?

— Eu diria que o consentimento é o fundamental.

Checkmate.

Kyungsoo olhou para ele, sentindo-se um pouco nervoso. Consentimento para fazer o que, exatamente? Era isso que o moreno desesperadamente gostaria de saber.

— B-bom... passamos então para outras perguntas. — Do disse, sentindo a nuca ficar mais quente.

— Claro, Kyungsoo. Você quem manda. — a voz dele era tão suave que poderia até mesmo convencer o diabo.

Kyungsoo rapidamente tentou procurar por alguma coisa no instagram, mas a maioria das perguntas era sobre a vida pessoal de Baekhyun e não o seu trabalho. Bem, não poderia culpar todas aquelas pessoas, já que ele mesmo se sentia tentado a lhe perguntar coisas que não deveria. Coisas que estavam rondando a sua mente há algum tempo já. Por isso então, ele mesmo resolveu inventar algumas na hora:

— Você poderia falar um pouco sobre algum produto que estão desenvolvendo agora? — perguntou, fazendo o rapaz se aproximar um pouco mais dele.

Parecia que estavam conversando em algum bar de tão próximos que estavam naquele momento. Incrivelmente ainda se sentia confortável com a presença dele ali, bem diferente do que imaginaria estar há minutos atrás.

— Querem saber dos produtos? Algum específico? — ele perguntou, olhando para Kyungsoo com atenção.

Agora que são elas: o que o moreno poderia dizer? Não tinha nada em específico porque essa era uma pergunta sua. Como iria saber o que diabos eles vendiam na BBH Pleasure? Era uma coisa que só alguém por dentro dos negócios poderia saber.

— Hm... talvez o seu favorito? — o radialista perguntou.

Baekhyun fez uma pausa. Kyungsoo também, porque só depois percebeu o que a pergunta insinuava: que queria saber de suas preferências pessoais.

— E-e-eu quero d-dizer... o seu favorito... até agora... o s-seu favorito de... de...— o rapaz sorriu.

— Entendi o que quis dizer Kyungsoo. Apenas foi um pouco surpreendente. — ele riu baixinho — Você fica engraçado todo sem jeito. Entra no modo pânico.

Ele até poderia ver graça naquilo, mas Kyungsoo na verdade não achava nada engraçado. Estava era mesmo bem nervoso de tantos erros que já havia cometido, junto com aquela proximidade toda. A tensão era apenas um detalhe do que ele estava sentindo naquele momento.

Do ficou em silêncio, sem saber o que responder para a sua observação. Baekhyun pareceu ficar com pena, porque ele riu novamente antes de continuar:

— Gosto dos novos vibradores que estamos fazendo. São vibradores de bastão, sem nenhuma característica ou cor pejorativa.

Ele mexeu no celular parecendo procurar exemplos do que estava tentando descrever. Mostrou a foto para Kyungsoo, que apenas ficou surpreso com o que viu. Como poderia trocar duas palavras com o rapaz sem que se sentisse extremamente envergonhado? Aquele, definitivamente, era um mundo completamente diferente do seu.

— Essa sua linha... é... de... coelhos? — perguntou, sentindo a bochecha esquentar pela timidez.

O rapaz lhe encarou com um sorriso descontraído.

— Sim. — ele disse, aproximando-se um pouco mais. O moreno podia até mesmo sentir o perfume dele, nessa altura do campeonato — Esse, mais especificamente, é um estimulante para o clitóris.

O vibrador, Kyungsoo percebeu, tinha um pequeno coelho na frente, com dois bastões que parecia vibrar também. Pelo que parecia era para se encaixarem perfeitamente...

— Uuh... f-feminino então... certo.

Byun sorriu.

— Para pessoas que tenham clitóris, na verdade. — corrigiu-o

— E... há algum... masculino...? — sabia que era uma pergunta inocente, mas não pode deixar de sanar a sua curiosidade.

— Peniano? Sim, claro. Nós desenvolvemos inúmeros brinquedos na companhia. Há esse vibrador para o pênis, por exemplo, que é bem famoso. — o rapaz lhe mostrou a imagem. — Tem a função de te fazer gozar em pouco tempo simulando um sexo oral.

Kyungsoo prestou muita atenção no aparelho, sentindo a garganta secar. Não entendia porque a garganta estava tão seca, mas parecia que a sua mente iria explodir em poucos segundos. A imaginação era uma coisa extremamente perigosa, assim como a maneira que Baekhyun estava lhe olhando agora.

— C-c-certo. — o moreno respondeu, tomando um pouco de espaço.

Era bem mais seguro se manter mais longe, talvez alguns palmos de distância. Um palmo poderia ser pouco também do jeito que o olhar dele queimava sem ao menos precisar proferir uma palavra. Qualquer coisa que Baekhyun fazia já era o suficiente para que seu coração começasse a bater mais rápido.

— Seguindo então... aqui vai uma pergunta de um fã.

Isso era outra mentira. As perguntas do instagram estavam todas muito pessoais, coisa que o radialista não poderia perguntar ao vivo. Principalmente porque ter um Byun Baekhyun falando de suas preferências sexuais a dois palmos de si não era uma ideia muito boa. Kyungsoo então continuou a inventar mais perguntas:

— Você já fez várias palestras pelo mundo, desde a América até Shangai. Como você se sente sendo capaz de ser um porta voz de influência no seu ramo?

Baekhyun, pela primeira vez, pareceu ficar tímido. Na verdade, Kyungsoo imaginava se aquela não seria a primeira vez na vida do loiro a agir assim.

— Isso é uma coisa que nunca parei para pensar. Acho que isso é muito incrível, e gosto das pessoas que me abordam para discutir sobre isso respeitosamente. Mas também acredito que você está me fazendo sentir muita responsabilidade agora — ele riu baixinho, evitando o olhar do moreno.

Kyungsoo achou aquilo bem bonitinho. Olhando para ele, o radialista não diria que a timidez era um sentimento que aparecia com frequência. Mas ao que parecia, estava completamente enganado. Pois os olhos em meia lua juntamente com o sorriso retangular fazia com que ele se parecesse um tanto inocente ali. E bem atraente também…

O radialista pigarreou, desviando o olhar daquela intensidade toda.

— Próxima pergunta. — ele cortou, mesmo que não fizesse ideia do que perguntar em seguida — Hum… você tem pensamentos para expandir a marca para alguma coisa maior? — Kyungsoo disse, encarando-lhe novamente.

Essa também era uma pergunta totalmente sua. Não havia perguntado com o intuito de constrangê-lo, mas foi o que acabou acontecendo. Baekhyun sorriu de lado, torcendo os anéis entre os dedos finos. Ele parecia estar pensando em algo que Kyungsoo não conseguia compreender.

— Expandir meus negócios… sim, penso muito sobre isso. Eu gostaria de estabelecer mais parcerias — ele lhe encarou — Parcerias são uma ótima jogada para o mundo dos negócios. Não acha?

Parcerias... Kyungsoo engoliu em seco. Estaria ele insinuando alguma coisa?

— Acredito que sim. — o moreno respondeu.

— Por exemplo, a nossa parceria aqui na rádio foi o que permitiu esse nosso primeiro encontro, certo? Pra mim isso foi uma ótima parceria.

Baekhyun estava olhando para ele. Olhando mesmo, com a intensidade mais marcada pelos olhos maquiados. Kyungsoo entendeu o que ele estava querendo dizer, mas quando ouviu um "primeiro encontro", ficou nervoso. Pois ele estava tentando dizer que teriam mais encontros além deste.

— Gentileza sua, Byun Baekhyun. Nós da rádio ficamos feliz em recebê-lo.

— Eu também fico feliz em poder estar aqui. — ele sorriu, um pouco mais despojado.

Kyungsoo engoliu em seco. Era um sorriso muito sexy. Ou talvez fosse a energia que ele emanava que fazia toda aquela conversa se manter com vários significados ambíguos para a interpretação do radialista.

Baekhyun se aproximou um pouco mais, ainda sorrindo enquanto olhava para o radialista. Mexeu as mãos na altura do rosto, e se aproximou do microfone que estava bem na sua frente.

— Eu gostaria de saber sobre você, agora. Você tem alguma pergunta pra me fazer?

Perguntas? Kyungsoo arregalou os olhos. Por que ele estava lhe perguntando isso?

— E-eu?

Baekhyun concordou com um aceno.

— Sim. Acho que seria justo você me perguntar alguma coisa, além dos ouvintes.

Justo? Será que ele era tão cego assim? Kyungsoo mal conseguia olhar para a sua face sem enlouquecer.

— T-talvez você pudesse falar sobre… hã… a variedade dos seus produtos.

— Está insinuando sobre as áreas de uso?

— Ah… — Kyungsoo fez uma pausa. O que diabos seriam áreas de uso? — Hum, sim, sim. Áreas de uso.

— Certo. — Baekhyun concordou, olhando fixamente para ele enquanto falava — Nós temos produtos para todas as partes do corpo, desde óleos para a pele, lubrificantes, estimuladores, vibradores, e qualquer outro produto que você possa usar. Mas evitamos vender medicações, por motivos de segurança. — Ele fez uma pausa, observando Kyungsoo com atenção. O radialista enrubesceu, um tanto perdido pela troca de olhares.

— E-entendi. — Do respondeu.

Na realidade não havia entendido o que ele queria dizer com "medições", mas supôs que era bem sensato da parte dele evitar vender produtos de risco.

— Mais alguma pergunta, Kyungsoo?

Do lhe fitou. Ele estava novamente querendo conversar consigo? Kyungsoo de repente ficou nervoso. Olhou para a caixa de mensagens do instagram e leu a primeira pergunta que viu passar na tela:

— Quais são as suas preferências de uso? Há algum produto que você recomenda?

Baekhyun sorriu quase imperceptível. Se não fosse pelos olhos brilhantes, Kyungsoo nunca teria visto a sombra do seu sorriso iluminar o rosto. Mas ele era discreto o suficiente para tentar permanecer profissional diante de uma pergunta besta como aquela. Kyungsoo já estava arrependido de ter perguntado.

— Sendo alguém como eu, os produtos penianos foram os que mais experimentei. Já usei algumas das algemas de couro, camurça e pelúcia. Todas elas passaram no teste pra mim. A minha maior recomendação é o vibrador peniano. Esse é um dos produtos mais famosos da nossa linha, para as pessoas que tem pênis.

Kyungsoo concordou, engolindo seco. Ele era uma dessas pessoas.

— Entendo. — respondeu simplesmente.

— É um produto muito efetivo. Simula um sexo oral muito gostoso, o prazer é o suficiente para te levar ao um orgasmo bem intenso.

Silêncio invadiu o estúdio da rádio. Kyungsoo estava tão nervoso e envergonhado que não conseguia dizer uma só palavra. Parecia que o seu cérebro havia virado geleia, e a sua imaginação voltava sempre para a cena de Baekhyun usando o vibrador que havia acabado de descrever.

O loiro, na cabine ao lado, cruzou os braços com um sorriso. Parecia saber exatamente o que queria olhando para ele assim. Observou bem de perto o comportamento do moreno como se já soubesse cada pensamento que se passava pela cabeça do radialista.

— Está tudo bem Do Kyungsoo? — ele disse, num murmúrio.

— O-oi? — Do gaguejou.

— Isso está ao vivo, certo? — Kyungsoo concordou com um aceno, sem ser capaz de dizer coisa alguma.

Baekhyun de repente se aproximou, tampando o microfone do radialista com os dedos longos cheios de anéis. Kyungsoo ficou hipnotizado, olhando para a mão dele. Era incrível como todos os detalhes que o compunha eram extremamente interessantes, desde as pontas dos dedos até mesmo as pintas que espalhavam pela face.

— Você está envergonhado Kyungsoo? — ele falou baixinho, sabendo que ninguém iria escutá-los ali com o microfone tapado.

— O-o que? — o moreno retrucou, perdido.

Estava tão absorto nas mãos dele que nem ao menos prestou atenção no que estava acontecendo. A proximidade lhe causava um frio na barriga, assim como o perfume caro que exalava do seu pescoço, estando assim tão perto. Podia até mesmo sentir o calor da risada de Baekhyun quando ele riu perto de seu rosto.

— Você está todo vermelhinho. É bem bonitinho. — e assim, num passe de mágica, a bochecha de Kyungsoo explodiu.

Pois sabia que em algum lugar a sua sanidade já estava pegando fogo como um incêndio.

— A-ah. E-eu... — gaguejou o moreno, sem saber o que retrucar.

— Me perdoe se fui longe demais. Posso manter a conversa com termos mais técnicos, se preferir. — ele informou, seguindo a risca profissional.

— N-não, tudo b-bem. — Byun concordou com um aceno.

Desencostou-se do microfone como se fosse a coisa mais natural. Assim que seu corpo se afastou do seu, Kyungsoo pode sentir um peso sair das costas. Era demais. A intensidade de Byun Baekhyun ali do seu lado, não era uma coisa que conseguiria lidar. Teriam que decidir por certas coisas, ou tudo iria acabar se complicando até o final dessa entrevista.

— Gostaria de lhe convidar para ir comigo até a companhia um dia. Acho que seria proveitoso pra você. — ele disse, dessa vez no microfone.

Kyungsoo imaginou um milhão de cenários em que ele e Byun Baekhyun poderiam ter um dia proveitoso, mas se repreendeu mentalmente por isso. Ele estava falando sério ali, sendo amigável. Era o trabalho dele apresentar esse mundo as pessoas, desmitificar o sexo e coisas assim. Não era hora para a sua mente ansiosa se desesperar.

— Você... acha isso?

O castanho concordou.

— Sim, quebrar alguns tabus... é sempre refrescante.

— Tem razão. — Do disse, voltando a olhar para as perguntas que não paravam de chegar.

No entanto, sabia que estava quase dando a hora. Mais algumas perguntas e já deveriam acabar com o programa da rádio. Do olhou para Bae Joohyun, que nem ao menos estava mais em seu posto. Seja qual fosse a coisa que ela havia ido resolver, tinha escolhido uma péssima hora. O que ele iria fazer ali sozinho, sem instrução alguma para levar?

Kyungsoo suspirou, já sabendo que era ele e o mundo sozinhos novamente.

— Para terminar, você teria alguma consideração a fazer? — Baekhyun olhou para ele, trancando os olhos na sua face.

O esboço de um sorriso se formou em seus lábios, por tempo o suficiente para Do apenas piscar. Quase imperceptível novamente. Ou talvez apenas extremamente provocante, mas que havia servido de faísca no seu coração.

— Por uma última coisa, gostaria de pedir às pessoas que checassem o nosso instagram e site. Estamos sempre divulgando eventos e promoções por lá, e também podem assinar a nossa newsteller para mais novidades. Tudo se encontra no instagram, que é arroba bbh underline pleasure.

Kyungsoo sorriu pequeno, se sentindo como um divulgador da sexualidade ele mesmo. Era uma pena que o espaço era pequeno, pois se desse corda, provavelmente conversaria com Baekhyun por horas e horas por dia.

— Hã, espero que tenham anotado aí na sua casa, mas caso contrário, fiquem tranquilos! Deixaremos todos os links no instagram da rádio para vocês poderem aproveitar. Se quiserem seguir a gente, é arroba rádio K-1-2-6 korea no instagram. E... acho que a gente já vai ficando por aqui.

— Isso me deixa um pouco triste. Mas quero acreditar que voltaremos a nos ver, Do Kyungsoo... — Byun disse, olhando para ele profundamente com um sorriso guardado.

Ah, ele estava insinuando alguma coisa? Parecia que só o moreno não estava entendendo o que estava acontecendo ali naquele exato momento. Mas de toda forma, resolveu responder:

— Marcaremos uma próxima vez, sim? Pessoal que estiver ouvindo, que tal pedir por uma próxima vez? Prometo que poderemos fazer uma live mais completa.

— Eu ficaria honrado de poder vir aqui mais uma vez.

Kyungsoo voltou o olhar para ele, percebendo que havia um sorriso sincero plantado ali.

— Então podemos deixar combinado. Certo pessoal?

— Com toda a certeza Kyungsoo. — Do sorriu pela resposta de Baekhyun.

— Acho que o senhor Byun não está contente em nos deixar. Quer dizer algumas palavras antes de irmos embora?

— Eu gostaria de lhe agradecer por ser paciente comigo e pelo espaço. Acredito que é um lindo trabalho que está fazendo aqui. Gostaria de parabenizá-lo por isso.

De repente Kyungsoo se sentiu esquentar pelo corpo inteiro. Estava recebendo elogios ao vivo? Não podia pedir por outra coisa pelo resto da vida. Byun Baekhyun lhe elogiando para toda a Coreia ouvir. O garoto ficou tímido, sem saber como retribuir. Até porque o olhar do rapaz ao seu lado parecia queimar sob ele.

— E-eu... eu é quem agradeço você por ter vindo. Uh... nós estaremos agora fechando o programa, e para a pista do próximo convidado, deixaremos uma imagem em nossas redes sociais para vocês adivinharem. Agradeço a todos vocês que participaram disso aqui, muito obrigado. Aqui foi Do Kyungsoo...— ele fez uma deixa para que o loiro completasse.

Baekhyun olhou para ele com um sorriso.

— E Byun Baekhyun... — disse, fazendo Do sorrir com o seu entusiasmo.

— E... tchau tchau.

O áudio cortou, deixando apenas os dois no estúdio. De repente o silêncio parecia insuportável. A presença do rapaz ao seu lado era tão marcante que mesmo o silêncio o fazia ficar nervoso. Kyungsoo fingiu que estava digitando algumas coisas, mas pelo canto de olho podia perceber que o outro rapaz estava lhe observando. Ele encerrou a transmissão, e colocou a seleção de uma hora de música ininterrupta que estava programada para tocar. Ele respirou por alguns segundos, antes de encarar Baekhyun do seu lado.

O loiro estava lhe encarando profundamente, com um pequeno sorriso, dessa vez bem perceptível. Tinha o dedo indicador repousando perto dos lábios, enquanto brincava com a bochecha, tocando e circulando com o dedo.

Kyungsoo engoliu em seco. O que ele estava fazendo?

— E-eu acho que… acabou tudo aqui. Devemos… s-sair e deixar que o próximo apresentador se acomode.

Baekhyun concordou com um aceno, e se levantou em silêncio. Kyungsoo seguiu os seus passos, e endireitou a cadeira com rodas até a mesa do estúdio. Deixou o fone de ouvido na mesa e recolheu o próprio celular. A hora dizia que ele deveria se apressar ou iria perder o metrô.

Por isso mesmo é que ele jogou a bolsa nas costas, e finalmente encarou Baekhyun mais uma vez.

— Eu gostaria de lhe pedir uma última coisa antes de ir. — ele disse, com um tom de voz suave.

Kyungsoo apenas concordou com a cabeça. Sentia que se fosse dizer qualquer coisa ali, poderia gaguejar novamente.

— Tira uma foto comigo? Preciso divulgar no instagram, se não se importar.

— Ah. C-claro.

Baekhyun sorriu largo para si.

— Ótimo. Será que tem alguém que possa tirar pra gente?

— E-eu acho que… não. Eu devo ter um pau de selfie aqui em algum lugar. — Kyungsoo começou a procurar pela mesa do estúdio, mas senti a mão de Baekhyun cobrir a sua.

— Não será necessário. — ele murmurou. — Se ficarmos bem perto, conseguimos tirar uma selca. Venha. Prometo que será rápido.

Baekhyun abriu o braço, indicando que Kyungsoo deveria se aproximar do seu abraço. O baixinho andou até ele, timidamente, como se fosse um coelho prestes a entrar na toca da raposa. Era exatamente assim que sentia sob o seu olhar.

Kyungsoo se encaixou em seu abraço, sentindo o perfume lhe atingir em cheio. Baekhyun coloca a mão na sua cintura, com um leve aperto. O cheiro dele agora estava inebriante, tão perto que Do mal conseguia pensar em outra coisa que não fosse Baekhyun. Que não fosse aquele abraço desengonçado.

Ele esticou a mão, trazendo o corpo de Kyungsoo para mais perto. Sorrindo para a câmera da frente, podia se ver duas imagens refletidas na câmera frontal: um homem sexy de vinte e tantos anos, e um rapaz extremamente tímido, com as orelhas pegando fogo.

Baekhyun tirou cerca de três fotos antes de lhe liberar. Ele lhe estendeu a mão. Por que estava entendendo a mão para si novamente? Kyungsoo aceitou por educação. O loiro sorriu, mas não qualquer sorriso: foi um sorriso fatal. Eletrizante. Era o tipo de sorriso que poderia lhe cortar na pele como uma faca.

— Muito obrigado pela entrevista, Do Kyungsoo. Foi um prazer participar do seu programa.

— Aah... eu... eu que agradeço. — Kyungsoo completou.

Baekhyun continuou sorrindo, quando acariciou a sua mão com o polegar, antes de a soltar. O rapaz ficou surpreso. Ele havia feito aquilo mesmo?

— Você tem uma carona para a casa? Eu ficaria contente em poder lhe oferecer uma, caso queira aceitar.

Carona? Uau. Aquilo já era demais.

— Não, não. Eu vou pegar o metrô.

— O metrô? Certo. Se quiser posso lhe acompanhar até a estação com o carro.

— Não é necessário. — Kyungsoo negou, tentando colocar algum limite ali.

Mas incrivelmente, Baekhyun concordou com ele, fazendo por fim uma referência formal.

— Devo me despedir, então. Até um próximo encontro, Kyungsoo — ele disse, observando de perto as suas reações.

Kyungsoo, no entanto, apenas concordou novamente, porque não tinha outra reação. O rapaz sorriu quando virou as costas em direção a saída do estúdio, deixando um Kyungsoo parado no meio da sala sem reação nenhuma.

O que havia sido aquilo? Ele balançou a cabeça, tentando retomar os próprios sentidos. Ouviu um riso arrastado sair de um dos speakers, e pode ver que Joohyun havia voltado.

— Uau, você está da cor de um tomate — Joohyun riu, apontando para a cara lavada de Kyungsoo através da cabine de vidro do outro lado do estúdio.

— Cala a boca — Kyungsoo murmurou com mau-humor.

Não era sua culpa que Byun Baekhyun fosse extremamente intimidante, e principalmente, que ele se sentisse como uma bichinha perto dele. O cara era gostoso, bem mais do que ele estava acostumado. Como é que iria resolver essa situação toda? Iria esquecer de vez o efeito que ele tinha dado em si, ou iria tentar investir naquele lance, que não tinha absolutamente nada a perder? A pergunta até que não era tão difícil assim...

23 Mai 2021 18:21:46 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
1
À suivre… Nouveau chapitre Every week.

A propos de l’auteur

Park Yooda Esse perfil é uma monarquia em que a realeza é baeksoo e eu apenas uma serva. Twitter: @pcyooda (fc) Curious: https://curiouscat.me/pcyooda Spirit e ao3: @pcyooda

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~