roberto-ornelas1608100811 Roberto Ornelas

Pedaços de mim, narra uns aspectos da vida, os vazios, as decepções, os amores perdidos etc


Histoire courte Tout public.

#morte #tempo #livre #vida #passado
Histoire courte
1
130 VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Pedaços de Mim



Presente


Cada dia que passa, estou envelhecendo mais rápido, e bota rápido nisto, mas agradeço a Deus por chegar até aqui, mesmo com todos os percalços. Não sou a pessoa que desejaria ser quando chegasse nesta fase, não tenho mais tempo de consertar, mas não é de todo tão ruim assim, melhor pensar assim.


Não me refiro ao meu corpo, diante do qual às vezes me decepciono, frente a tantas rugas, os olhos meios distantes, vermelhos e tristes, as pelancas ao redor do pescoço se aglomerando, os cabeços já escassos e esbranquiçados dando lugar a uma careca ordinária, o bumbum não tão durinho assim, nem só o bumbum.


Mas nunca trocaria os meus poucos amigos, minha vida, minha família mesmo com as suas divergências, e haja divergências viu! Por cabelos menos grisalhos e/ou mais cabelos mesmo, ou uma barriguinha menos saliente, sarada.


Mudança


Estou tornando-me mais amável, mais accessível, menos crítico e vaidoso comigo mesmo e/ou com os outros, mais tolerante. Tornei-me o meu melhor amigo até pela escarces deles, por esta solidão insistente e chata, mas me acostumei com ela também, quando perecermos estamos sós e partiremos sós.


Não me arrependo por ter saboreado aquele docinho a mais, aquela cervejinha gelada e até pelo cigarro fumado por anos. Por não ter arrumado a minha cama ao acordar, ou por ter comprado aquele eletrônico que não precisava, que não acerto nem colocar pra funcionar, na verdade, nem uso com frequência, está esquecido na minha estante.


Na minha idade permite-me ser excêntrico, deixar algumas coisas fora de ordem, posso ser displicente, mais terei um tempo para cuidar do meu jardim, das minhas plantas e das minhas borboletas, que às vezes vêm me visitar, são lindas.


Livre


Posso decidir ler de tudo, gosto de ler desde a Playboy a As Historias do Super-Man, rever meus filmes infantis, O Túnel do Tempo, Perdidos no Espaço, Terra de Gigantes… filmes da minha infância, posso ficar ao computador até tarde vendo mulher pelada (Nem tanto assim), ou seja, lá o que for... Acordar bem cedo só por acordar, não passo das seis...


Serei meu próprio parceiro de dança, ao ritmo dos sucessos inesquecíveis dos anos 70 dançarei comigo e se, ao mesmo tempo, se eu quiser chorar por um amor perdido, uma paixão do passado, chorarei, qual o problema? Posso fazê-lo sem constrangimento, estarei só, sem receio das críticas, e o que me importam elas, o sofrimento é meu, a dor também é minha, o passado é meu.


Posso caminhar pela praia usando uma sunga colorida ou bem amarela, colada ao meu corpo, nem tão bonito assim e mergulharei no mar se assim desejar, apesar dos olhares críticos ou não de algumas pessoas mais jovens. Elas também vão envelhecer, quem sabe? Conforme envelheço é mais fácil aceitar as coisas, sem muitas cobranças, sem réplicas. Nos preocupamos menos com o que os outros pensam, o tempo é curto, a vida segue.


Amigos


Às vezes começo a esquecer de algumas coisas, dos detalhes, onde aconteceu… enfim, recordo-me de coisas que deveria esquecer, às vezes duvido que aconteceram e as dúvidas irão continuar eternamente, como quem tira-las? Parece que todos se foram, e não se despediram, estou só.


Testemunhei a partida precoce de muitos amigos e eles não puderam vivenciar plenamente a liberdade, implícita no envelhecer, do viver e do chegar até aqui. Sempre procurarei lembrar deles e dos nossos bons momentos.


Mas se os pensamentos ruins teimarem em voltar a minha mente, o lembrarei como lição, como aprendizado, pois me deu sabedorias e experiências. Alguns amigos se foram muito cedo, se é que deveria ter um tempo, não deveria, gosto daqui pra caralho. Alguns morreram antes de verem seus cabelos ficarem brancos, se perdendo fio a fio a cada escovada.


Desilusões

Com o passar dos anos, acumulei desilusões e decepções, que não foram poucas, desde as amorosas, como dói esta porra, até as profissionais e familiares, mais não vou enumera-las, dava para fazer uma novela mexicana.

Me digam? Como não sentir a perda de uma pessoa amada, uma mãe, um pai, um amigo querido ou manter-se indiferente diante do choro ingênuo de uma criança quando seu bichinho de estimação se perde ou a sua boneca quebra o pescoço ou tem seu braço arrancado.


Coração

Ter o meu coração ferido, o meu é cheio de cicatrizes e por vezes me deixei ferir, mas é o que me dá força, discernimento, compaixão, e sobre tudo esperança, sem ela não tem vida, uma ilusão já será um balsamo para a alma.


A sabedoria de ver as coisas mais simples e dar o merecido valor, virando criança. Um coração que nunca foi ferido, é duro, estéril… nunca sentirá a alegria depois do choro, não será solidário.


Sou, portanto, abençoado por chegar até aqui e quero ir mais um pouco se Deus permitir, ver meus poucos cabelos grisalhos e ter as marcas de minha juventude para sempre gravadas nas rugas que se espalha pelo meu rosto já cansado e que jamais eu perca as minhas belas lembranças, pois às vezes sobrevivo através delas, não sou egoísta, vocês também viverão.


Futuro

Temos o direito de estarmos errados, mas não julgadores, estamos ficando velho, esquecido nos asilos, em casa, caducando conosco mesmo. Mesmo assim, estou gostando de ficar idoso, fazer o quê? Isto me libertou.


Gosto da pessoa na qual estou me tornando, às vezes incompreendido e indiferente por uns, elogiado e grato por outros, é a vida. Mas por favor deixe-me tentar.


Não vou viver para sempre, ninguém vai, mas enquanto ainda estiver por aqui, procurarei não desperdiçar o tempo restante rasgando lamento, olhando o que poderia ter sido, dos amores que poderia ter tido, nem me preocupando demasiadamente com o futuro, que me parece tão curto daqui onde estou agora.


Posso ainda comer de todas as coisas que quiser, se estiver com vontade. Aliás, só ocasionalmente, posso usufruir das delícias da vida, posso amar, mesmo que seja um amor platônico, é triste e corroí o coração.


Cheguei a terceira idade, minha criança adormece dentro de mim, mas está bem distante agora, ela ainda me faz sonhar, se iludir, acreditar e se enganar, espero que ela jamais vá embora ou me abandone definitivamente.

Só quando eu fechar meus olhos.


Roberto Ornelas


31 Décembre 2020 00:04:38 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
1
La fin

A propos de l’auteur

Roberto Ornelas Sou um escritor amador, adoro contos, escrevo por hobby. Minha página Facebook/Contos/Livros https://www.facebook.com/robertoornelasmeusebooks http://payhip.com/b/pkjc Paixão Animal (Livro Digital em PDF) http://payhip.com/b/48ya A Virgem do Manguezal (Livro Digital em PDF) http://payhip.com/b/efG4 Traição Trocada (Livro Digital em PDF) http://payhip.com/b/9Kos A Potranca Negra a Galope (Livro Digital em PDF) Roberto Ornelas

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~