B
Bruna Santos


Uma jovem mulher que descobre sua verdadeira natureza a partir de uma decisão imprudente e impensada.Uma natureza surpreendente que estava aprisionada sob pretexto de amor.


Non-fiction Interdit aux moins de 18 ans.

#lgbt #sexo #258 #338 #intrigas #autobio #vícios
0
2.2k VUES
En cours - Nouveau chapitre Tous les dimanches
temps de lecture
AA Partager

Explicações

Nunca fui a menina rebelde mas,me tornei.

Eu sempre fui muito bem educada,criada para agradar,cresci com baixa autoestima e timidez excessiva.Tinha medo de lugares públicos e, principalmente, contato com alguém que eu julgasse minimamente superior a mim desde a recepcionista até a professora que, nos meus tempos de colégio, era a mais alta autoridade(perdendo apenas para minha mãe)porque eu jamais fui capaz de desobedecer ou chatear quem me deu a vida,apesar dela nunca ter reconhecido isso. Ao contrário, sempre brigou comigo por motivos ridículos como, por exemplo, não ter ariado a panela do jeito certo e caprichoso.Isso já seria motivo para gritar,insultar e agredir por pelo menos 1 hora. Gosto de pensar que ela estava me preparando para frieza da idade adulta,mas desculpe mãe, a senhora falhou em me “preparar” psicologicamente para esta etapa da vida.

Eu não era isolada,sempre fiz parte do grupinho de amigas da sala.E por falar em amizade tenho que dizer,minha primeira melhor amiga era incrivelmente criativa,e confesso que sempre quis ser como ela, passávamos o dia andando na vizinhança roubando frutas e eu era boa em subir em árvores. Sempre fui abarrotada de brinquedos mas não podia dividí-los como gostaria na suspeita de um furto ou quebra."Minha mãe não deixa" eu dizia,então desde pequena aprendi que só podia confiar em uma pessoa por vez,ter uma amiga por vez. Claro que isso minou ainda mais a interação social...e meninas não podiam brincar com meninos,então eu nem chegava perto de um deles. Mas na escola grupos eram tolerados,então passei a andar em dupla mas em grupo sabe?

Com 10 anos,veio o clássico dilema infanto-juvenil,meus pais iriam mudar de cidade. Não havia celular direito ainda,pelo menos não com a cultura da rapidez e da frequência de contato atual. Foi lá na outra cidade que começei a ter os primeiros sinais.

8 Novembre 2020 07:41:47 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
À suivre… Nouveau chapitre Tous les dimanches.

A propos de l’auteur

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~