pattsemedo Patt Semedo

Após a Grande Guerra, não ficou nada mais do que restos do que outrora formou as nações. Sobraram apenas pessoas quebradas, outras doentes, outras loucas; lugares sujos e sem vida; uma esperança morta. Houve claro pessoas que se revoltaram, tentaram trazer novamente o poder para as mãos do povo, para que nós pudéssemos escolher o melhor destino para nós. Mas em vão. Na última vaga, morreram milhares. Num futuro destruído, definido pela alteração laboratorial e a criação de um homem invencível, Imogen vê-se perseguida por tudo o que não devia saber. A pouco e pouco começa a tornar-se a imagem da esperança, mas será suficiente?


Post-apocalyptique Déconseillé aux moins de 13 ans.

#scifi #258 #aventura #acção #guerra #distopia #utopia #resistência #revolução
57
6.1mille VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Capítulo 1 - KAI

– Sabes, miúdo, esta não é a primeira vez que me acorrentam. Ao contrário de ti, posso ficar aqui uma eternidade. – Um sorriso provocativo desenha-se nos lábios do kakoi.

Kai avança mais uma vez sobre ele e desfere-lhe um soco. Sente os nós dos seus dedos a latejar depois do golpe. Não está a chegar a lado algum. Já ali estão há mais de três horas, e ele ainda não lhes disse nada relevante. O seu ombro reclama da força exercida, o seu estômago da fome, e os seus olhos do cansaço. Acredita que até o prisioneiro está cansado, embora mantenha a fachada de que tudo aquilo o está a divertir.

– Isso não passa de um eufemismo.

O kakoi semicerra os olhos. – Quando me soltares, criança...

– Deixa-me adivinhar. Quando te soltares, irás fazer-nos sofrer por cada segundo? – Kai segue a voz, embora saiba de imediato a quem pertence. Reconhece-a em qualquer lado.

Annaleah, encostada à porta, analisa as suas unhas como se aquele kakoi acorrentado, no meio da sua cozinha, fizesse parte do seu dia-a-dia. Algo que, tecnicamente, quase faz.

Kai observa a rapariga entrar. Apesar da sua diminuta altura, sabe que ela é muito mais forte do que aparenta. Muito magra, com os maiores olhos azuis que alguma vez viu em alguém, já lhe salvou a vida incontáveis vezes. Os anos passados a seu lado a lutar fazem dela a pessoa em quem mais confia. Depois do seu irmão Aidan, claro.

Sai dos seus pensamentos, e obriga-se a prestar atenção ao que está a acontecer ao seu redor. É precisamente por causa de Aidan que aquele kakoi está à sua frente, acorrentado a uma cadeira. Sente um arrepio subir-lhe a espinha. Precisam de descobrir algo. Ele é a sua última oportunidade para descobrirem o paradeiro do irmão.

O prisioneiro solta uma gargalhada. – Contigo, farei muito mais do que isso. É uma promessa.

– Espero que tenhas aproveitado bem o teu milénio, depois de teres vendido a alma aos demónios – riposta Annaleah.

Ninguém sabe ao certo como os kakois se transformam neles próprios. Uma criança nasce com olhos escuros e oito anos depois é levada pelo exército kakoi para o lugar mais protegido em toda a Cidadela – o Quartel. Nos dez anos seguintes, ninguém põe os olhos sobre essa criança. Quando, por fim, ela deixa o Quartel, está completamente modificada e do lado do Estado. O que acontece lá dentro? Ninguém sabe. Porquê apenas crianças de olhos escuros? Também ninguém sabe. O Presidente faz questão de encobrir bem o que se passa lá dentro.

Para Kai, isso é irrelevante. Ele sabe como identificá-los e matá-los. Aliás, tanto ele como a rapariga sabem lidar com o que está à sua frente. E, se existe essa solução, então saber o que realmente acontece dentro daqueles muros é desnecessário para ele. Ou era, até terem raptado o seu irmão.

– Isso é tudo inveja, rapariguinha?

Annaleah, de olhos fixos no prisioneiro, cospe no chão. – Vocês metem-me nojo.

Kai sabe que está na altura de intervir.

– Há cerca de oito meses, vocês invadiram uma aldeia e mataram todos os habitantes, menos um. Um rapaz alto, com uma cicatriz na sobrancelha, cabelo preto, cerca de dezoito anos. Onde é que ele está agora?

Os olhos negros do kakoi saltam entre ele e a rapariga. Há algo na sua expressão que indica que este sabe de quem ele fala. Uma centelha de curiosidade sobre o assunto, nada mais do que isso. Contudo, os segundos passam e não há qualquer resposta.

– Porque o levaram somente a ele? – Volta a insistir.

– Quem é o rapaz para ti? – A voz do kakoi sai arranhada. É claro que está a ceder ao cansaço, o que só ajuda do lado de Kai. Quanto mais cansado o kakoi estiver, pior consegue defender-se e mais facilmente quebra e fala o que precisam de saber.

Kai olha com agrado para o seu trabalho. As correntes são de prata, o que por si só não dá muita margem de manobra para tentar escapar. Para adicionar a este factor, ele fez o favor de as apertar muitíssimo. Só consegue imaginar a agonia em que o kakoi se deve encontrar.

– Fiz-te uma pergunta primeiro.

– Não te consigo responder a algo que não sei, humano.

Kai abana a cabeça, num gesto de desdém.

– Se há algo que detesto mais do que mentiras, é chamarem-me humano com esse tom de desprezo.

Da cintura, retira a sua athame, deixando a lâmina transparente ser iluminada pela pouca luz que os circunda. O cabo é de prata, com um toque familiar na mão de Kai. Desde pequeno que empunha aquela arma. É tudo o que lhe resta dos pais, embora nunca os tenha conhecido. Morreram tinha ele quatro anos, segundo Paul – quem o criou – lhe contou.

Sem demoras, chega-a à fogueira que haviam improvisado, e deixa que a lâmina sugue a energia desta. Quando lhe parece pronta, aproxima-a do rosto do demónio. Vê o medo a espalhar-se nele antes de lhe encostar à bochecha a lâmina ardente. Um grito gutural sai da garganta do kakoi enquanto ele se contorce nas correntes, tentando afastar-se da lâmina.

– Vou perguntar-te só mais uma vez. Para onde levaram o meu irmão?

O prisioneiro ergue o rosto. Uma linha de sangue negro escorre-lhe pela face.

– Irmão? – Os seus olhos voltam a saltar entre os seus dois captores, a incredulidade espalhada no negro dos mesmos. – Não pode ser. Disseram-nos que a família dele estava morta.

– Quem vos disse isso? – pergunta Annaleah.

A sua voz está mais próxima. Consegue senti-la a aproximar-se, no entanto, não olha para trás. O seu olhar está preso no kakoi, seguindo cada palavra dita por ele, cada respiração sua. É o tudo ou nada.

– O próprio Aidan.

Nada o preparou para o que acaba de ouvir. Kai sente-se a perder o chão, confuso. É impossível. Não faz qualquer sentido o que o kakoi acaba de dizer.

Olha para ele, a raiva a tomar-lhe conta do corpo.

– Mais uma mentira? Não te mostrei já o que acontece quando me mentem?

– Faz comigo o que quiseres, mas não estou a mentir. Aidan disse-nos que a sua família estava morta. – O kakoi semicerra os olhos, focando-se apenas em Kai. – O que começa a fazer sentido, olhando para ti.

– Que queres dizer com isso? – Annaleah dá um passo em frente.

O kakoi aponta para Kai. – Nunca te sentiste diferente? Faria sentido responderes-me que sim. Muito explicaria os últimos oito meses sem qualquer desenvolvimento por parte do Aidan.

– Desenvolvimento do quê? Que estão a fazer ao meu irmão?

O kakoi ri-se, apenas.

– Porque diria ele isso, que a sua família está morta? – questiona, com a pressão na voz.

O sorriso desaparece do rosto do prisioneiro, e é substituído por uma expressão de calma.

Kai sente-se a ficar doente. A espera torna tudo insuportável. Há algo que lhe está a escapar, algo que desconhece, e que serve como divertimento para o kakoi. Procura por Annaleah em busca de ajuda, mas também ela está presa nas palavras do kakoi.

– Vocês, realmente não sabem? – O olhar negro salta da rapariga para o rapaz, focando-se, por fim, no último.

Um sorriso de escárnio volta a aparecer. – Aidan foi connosco de livre vontade.

O choque vem como um murro no estômago para Kai. Por momentos, não ouve nada do que continua a ser dito.

Sente Annaleah a atravessar o seu caminho e aproximar-se do kakoi, e repara que o peso da athame na sua mão desapareceu. Pouco depois, ouve gritos. Contudo, nada disso importa. A sua mente já tinha desaparecido dali.

Depois da Grande Guerra, a civilização foi dividida em duas parcelas – quem está na Cidadela, repleta de luxos e extravagâncias, e os que mal conseguem sobreviver nas Ruínas. Dentro dos muros salvaguardados da Cidadela, todos os que lá viviam, tinham em sua posse abundância. Enquanto, para lá desses muros, era a selvajaria.

Foi nesse mundo que Kai tentou educar Aidan após o encontrar perdido, e órfão como ele. Escondendo-se de noite e treinando-o de dia, conseguiu fazer do seu irmão uma arma – alguém capaz de matar qualquer kakoi que se atravessasse à sua frente, mesmo em tenra idade. Kai era excelente com armas, e excedia muitos na arte da luta. Possuía uma força absurda para um homem comum, mas mesmo assim Aidan não lhe ficava atrás.

O rosto do rapaz aparece na sua mente. Nesse mesmo instante, algo nele dói. A esperança foge-lhe.

Oito meses antes, o local onde estabeleceram residência, uma aldeia de resistentes na periferia da muralha da Cidadela, foi atacado. Kai e Annaleah tinham saído para caçar ao passo que Aidan, nesse dia, decidira ficar para trás.

Ainda consegue visualizar com todos os detalhes a destruição do lugar aquando o seu regresso. O pânico provocado pelo medo da morte de Aidan assolou-o como algo que nunca tinha sentido na vida. Durante semanas, pensaram que estava morto. Até começarem a ouvir rumores de que o exército kakoi tinha na sua posse um humano, um rapaz de dezoito anos com uma cicatriz na sobrancelha e com um poder sobrenatural. Diziam que ele era a encarnação do verdadeiro kakoi. Só podia ser ele, Aidan.

Desde então que o procuravam.

Acorda dos seus pensamentos para encontrar a rapariga a cortar o peito do seu prisioneiro. Dor e agonia desenham-se no rosto já tão marcado pelo ódio. O cabelo acobreado cola-se à testa devido ao suor.

– Isso é impossível, é mentira. Aidan tinha-vos um ódio maior do que nós os dois juntos – a voz, habitualmente melódica de Annaleah, encontra-se dura. – Diz-nos onde ele está.

– Mesmo que o quisesse fazer, não posso. Não sei para onde o levaram.

Annaleah prepara-se para mais um golpe de tortura, porém, Kai impede-a dando-lhe um toque no ombro. A rapariga olha para ele, surpresa pela interrupção.

Por momentos, sente-se desorientado. Não consegue acreditar que o kakoi esteja a dizer a verdade. No entanto, há uma pequena parte de si que se questiona. Terá sido isso que aconteceu?

Kai gosta de acreditar que é a pessoa que melhor conhece Aidan, mas todos nós temos pequenos segredos. E se o segredo do seu irmão é esse? Para ser honesto, Aidan nunca foi completamente normal. Mas o próprio Kai, também não. Neste mundo, inundado pelo desespero, quem realmente o é?

O seu estômago dá voltas, por falta de alimento e porque começa a sentir-se enjoado. De certa forma, é bom sinal não ter comido ainda. Deduz que estaria a vomitar tudo neste momento, se o tivesse feito.

O seu rosto contorce-se com o cansaço. Está claro que o kakoi à sua frente não tem mais nada para lhes dizer. Têm de arranjar outra solução, outro caminho.

Kai aproxima-se tanto do monstro que é capaz de cheirar o seu hálito imundo.

– Suponhamos que tens razão. Qual a razão para Aidan fazer isso? – questiona. A energia começa a fugir-lhe do corpo. – Qual o vosso interesse nele?

O kakoi abana a cabeça.

– Há possibilidades de ele estar na Cidadela?

– Talvez, sim.

Kai desfere mais um soco sobre ele. – Isso não é uma resposta.

– Não sei, mas é muito provável.

Ele dá um passo em frente. ´

– Que experiências fazem vocês no Quartel?

O kakoi encolhe os ombros, indicando que não vai falar mais. As informações cessaram.

Basta a Kai olhar para a irmã. Lentamente, ela estende-lhe a athame. Kai sente o cabo quente na sua mão. Por segundos, fica concentrado a olhar para a arma.

O kakoi já não sabe mais nada de relevante, nada mais que os possa ajudar. Determinado, guarda a arma na cintura e volta-se para o seu prisioneiro.

– Parece que não tens mais uso para nós, homem invencível.

E, com um único movimento, arranca-lhe a cabeça.

13 Octobre 2020 13:55 2 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
9
Lire le chapitre suivant CAPÍTULO 2 - IMOGEN

Commentez quelque chose

Publier!
Isís Marchetti Isís Marchetti
Olá! Tudo bem com você? Faço parte do Sistema de Verificação e venho lhe parabenizar pela Verificação da sua história. Uau, eu jamais imaginaria uma história dessas, confesso que eu gosto muito, talvez um dos meus gêneros favoritos, inclusive o fato de não ser “histórias convencionais” me ganha por completo. Por ser um pouco raro pessoas que optam por esse tipo de história para escrever e acabar sendo um tema um pouco difícil de encontrar para ler, eu sempre acabo ficando totalmente envolvida na história. Acho que a parte que eu mais gostei em todo o texto foi o Kai ser uma espécie de caçador, isso porque ele quer combater tudo o que está acontecendo de errado e por as coisas em ordem, por assim dizer. E o mais incrível disso tudo é que ele não está sozinho, nessa jornada e tem apoio para poder continuar. Bom, vamos lá. A coesão do texto está simplesmente maravilhosa, apesar disso no finalzinho ouve um pequeno conflito, talvez por estar um pouco mal formulado a cena que se ocorre em: “Determinado, guarda a arma na cintura e volta-se para o prisioneiro. — Parece que não tens mais uso para nós, homem invencível. E, com um único movimento, arranca-lhe a cabeça.” Como Kai arranca a cabeça do kakoi se ele guarda sua arma, se ele usa outro método seria bom especificar para não causar confusão e não estragar a coesão do texto, entende? Quanto à narrativa, seu texto está simplesmente irresistível, apesar de no começo ter um pouco de dificuldade para me habituar a linguagem escolhida, parece que ela foi feita especificamente para dar mais ênfase em toda a história, ficou simplesmente maravilhoso. A sinopse também está ótima, ela desperta a curiosidade e sem dar muito detalhes já deixa a entender sobre a premissa do que está por vir. Quanto à estrutura do texto, está simplesmente tudo maravilhoso. As tags estão ótimas também e vai ajudar sua história e ser com mais facilidade encontrada. Quanto aos personagens, ainda é um pouco difícil dizer sobre cada um deles, invlusive sobre suas personalidades, mas deu para entender que Kai é muito “família” e que ele fará de tudo para encontrar seu irmão e mais ainda, para saber sobre o que o kakoi deixou no ar sobre ele. Já Annaleah é muito protetora e dá para ver que ela é o alicerce de seu irmão. Quanto à gramática, seu texto está simplesmente maravilhoso, você me proporcionou uma leitura muito agradável e simplesmente surpreendente. No geral está tudo maravilhoso, de verdade. Desejo a você sucesso e tudo de bom nessa jornada. Abraços.
February 09, 2021, 15:54

  • Patt Semedo Patt Semedo
    Muito obrigada pelo feedback! Folgo em ouvir mais à medida que for avançando. A tal parte em questão deve-se a uma situação referente à história mesmo. Para entender é necessário continuar a ler. Novamente Obrigada!! February 09, 2021, 18:13
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 36 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!

Histoires en lien

Plus d'histoires