teffychan Lilith Uchiha

Sasuke estava namorando com Naruto em segredo há alguns meses por temer a reação de seus pais, uma uma família tradicional com pensamentos retrógrados. Quando eles descobriram tiveram a pior reação possível. Agora Sasuke precisava lidar não apenas com a reação de seu clã, mas com os demais moradores da Vila. Porém estava disposto a fazer isso. Enfrentaria qualquer um para ficar ao lado da pessoa que amava. Mesmo que isso significasse renegar seu clã.


Fanfiction Anime/Manga Interdit aux moins de 18 ans. © Todos os direitos reservados

#drama #yaoi #sexo #lemon #naruto #sasuke #narusasu #sasunaru #longfic #tragédia #nudez #*linguagemimprópria
11
4.7k VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Capítulo I

Mais uma noite, mais um erro cometido. Pelo menos é o que sua família provavelmente diria se soubesse o que estava fazendo. Mas para ele não era um erro, e sim uma simples demonstração de afeto. Será que externar seus sentimentos por Naruto era tão ruim assim?

Sasuke estava namorando com o garoto há alguns meses, mas não tinha coragem de contar para os pais. Nem mesmo para o irmão mais velho, pois temia que ele deixasse o segredo vazar. Conhecia bem a família que tinha. Era do tipo tradicional, presa a costumes antigos, fazia de tudo para manter a reputação impecável. Seu pai sempre exigiu que ele fosse o primeiro aluno da turma e não escondia seu desapontamento por nunca ter chegado ao mesmo nível que Itachi.

Seu pai ficou evidentemente satisfeito quando Itachi informou sobre seu relacionamento com Izumi, uma garota que também morava no Distrito Uchiha. Chegou a fazer questão de realizar um jantar para comemorar o namoro de Itachi com a moça.Seu pai estava feliz e orgulhoso de seu irmão, como sempre.

Imagine a reação dele quando descobrisse que Sasuke estava namorando um garoto.

Enquanto isso não acontecia ele aproveitava ao máximo o tempo que tinha a sós com Naruto. Não sabia o quanto ele iria durar afinal. Passou a usar o fato de serem colegas de time como desculpa para ir até a casa dele com mais frequência, ou para que o garoto viesse visitá-lo, para que seus pais não reclamassem que ele estava passando tempo demais fora de casa e interrogá-lo sobre o que ficavam fazendo.

Naquela noite Naruto foi até a casa dele. Sua família não gostava muito do rapaz devido ao fato de ele ser um jinchuuriki, mas passaram a tolerar sua presença devido ao fato de ele ser colega de time de Sasuke.

Na verdade eram muito mais do que isso, mas ninguém precisava saber por enquanto.

Depois de jantarem os dois subiram para o quarto com a desculpa de comparar quem tinha as melhores kunais e estratégias de combate para a missão do dia seguinte.

— A gente precisa começar a inventar desculpas melhores — Naruto comentou — Quero dizer, essas kunais são todas iguais. E nós não temos nenhuma missão amanhã.

— Então teremos que pedir ao Kakashi para nos dar uma missão, nem que seja para procurar um gato perdido como nos nossos tempos de gennin — Sasuke girava uma Kunai entre os dedos distraidamente.

— Aquilo era um saco — Naruto riu com a recordação. Aproximou-se de Sasuke e acariciou o rosto dele — Vamos pensar em alguma coisa.

— Tipo o que? — perguntou, deixando a Kunai de lado — Cancelaram a missão por falta de dinheiro para nos pagar?

— Não, seu tonto. Estou falando dos seus pais — Naruto explicou — Cedo ou tarde teremos que contar a eles sobre a gente, você sabe. Vamos pensar em um jeito de fazer isso sem que eles fiquem tão chocados.

— Não quero nem pensar em quando isso acontecer — Sasuke respondeu enquanto sentia as mãos de Naruto deslizando pelo seu corpo com carinho, acariciando o dorso, até envolver a cintura.

— Então não pense. Não agora — Naruto sussurrou em seu ouvido, causando um arrepio no garoto — Só fica comigo.

Sasuke segurou os fios loiros e direcionou o rosto do namorado para perto do seu, selando seus lábios. Um beijo devagar e terno no começo. Naruto tinha o dom de acalmá-lo até com os toques mais singelos. Mas não era isso o que Sasuke queria agora. Os dois desejavam mais.

As preocupações de Sasuke haviam evaporado de sua mente e tudo que ele desejava agora era obter maior contato com Naruto. Tocou os lábios do namorado com a ponta da língua, invadindo-lhe a boca e arrancando um gemido baixo de Naruto. A mão direita ainda brincava distraída com os fios loiros enquanto que a esquerda estava apoiada entre a curva do pescoço e do ombro. Estava muito tentado a abrir o zíper do casaco que Naruto vestia.

Sentiu Naruto apertar sua cintura com mais força, massageando a musculatura e se insinuando por dentro do tecido da camisa. Arfou quando o namorado deu um passo a frente, prendendo-o contra a parede do quarto. Sasuke não conseguiu mais se conter e puxou o zíper do casaco dele com violência, abrindo-o de uma só vez. Não tinha retirado a peça de roupa, mas era o suficiente para que pudesse obter maior contato físico enquanto espalmava seu peito. E nem precisou parar de beijá-lo para isso.

No entanto, para sua infelicidade, Naruto o fez.

Não só interrompeu o beijo como arrancou sua camisa fora, tão rápido que sequer teve tempo de protestar. Pretendia voltar a beijá-lo, mas Naruto frustrou seus planos ao cravar os lábios em seu pescoço, arrancando-lhe um suspiro.

— Naruto… já te disse para não fazer isso… — Sasuke lembrou entre um suspiro e outro.

Não é que se importasse com o fato de Naruto vê-lo sem camisa. Ou com o que ele estava fazendo. O problema eram as consequências. Aquilo era bom, mas deixava marcas que ele tentava desesperadamente esconder depois e morria de medo que alguém visse. Não saberia como explicar aquilo.

— Não dá para evitar. Você tem um gosto tão bom, Sasuke… — Naruto passou a língua desde o pescoço até a orelha dele, fazendo o garoto se arrepiar — Me deixa sentir só um pouquinho.

— Naruto… se alguém ver isso… — interrompeu-se quando o garoto chupou a pele alva perto da clavícula e cravou as unhas nas costas do namorado. Certo, talvez Naruto não fosse o único a deixar marcas.

— Está vendo? Você gosta — Naruto riu.

— Sim, mas isso deixa marcas — Sasuke respondeu. Era impossível negar que gostava daquilo, mas precisava deixar bem claro qual era o problema ali — Se alguém ver isso…

— Suas roupas escondem isso, não é? — Naruto interrompeu.

— Eu não quero arriscar — segurou a mão de Naruto entre a sua e a colocou sobre o próprio tórax — Se quer me tocar, vá em frente, mas use as mãos.

— Tudo bem — acabou concordando — Mas eu ainda posso te beijar, não é?

— É claro — Sasuke sorriu, iniciando mais um beijo por conta própria.

Não foram com tanta calma dessa vez. Naruto foi impedido de fazer o que tanto queria, então precisava apelar para outras coisas. E Sasuke sabia disso. Não demorou a intensificar o beijo e passar a envolver a língua aveludada de Naruto com a sua. Sentia as mãos do garoto deslizarem com pressa por toda extensão de seu corpo, mas sabia que o que mais estava lhe satisfazendo naquele instante era a forma ardente como Sasuke o beijava, talvez quase obscena.

Era engraçado como eram tão diferentes em alguns pontos. Enquanto Naruto conseguia acalmar seus nervos com um simples beijo, Sasuke conseguia satisfazer seus desejos da mesma forma. Completamente opostos, mas funcionava muito bem para ambos.

— Melhorou agora? — Sasuke sorriu quando nenhum deles tinha ar nos pulmões e precisaram se afastar.

— Eu sempre melhoro quando estou com você — Naruto devolveu o sorriso, acariciando as mechas negras. Deu um selinho em Sasuke e passou a beijar sua bochecha, queixo até chegar ao pescoço.

— Naruto… eu disse para não me tocar aí…

— Foi só um beijo. O que tem de…?

De repente a porta do quarto se abriu com um rompante.

— Mas que droga vocês estão fazendo? — a expressão de Fugaku era uma mistura de choque e fúria. Naruto recuou vários passos enquanto o homem atravessava o quarto, impedindo os dois de fugirem — Seu pirralho indecente, o que pensa que estava fazendo com o meu filho? — segurou Naruto pela gola do casaco aberto.

Fugaku tinha interpretado mal a cena. Parecia pensar que Naruto estava se aproveitando de Sasuke, e não que eles tinham um relacionamento. Ou pelo menos era nisso que queria acreditar.

— O que? — Naruto exclamou atordoado — Nós só estávamos… hã… — Naruto tentava encontrar uma definição para o que faziam sem usar palavras de baixo calão — Hm, demonstrando sentimentos… com ações…?

— Sentimentos? — o homem repetiu — A única coisa que você deve sentir é vontade de se aproveitar do Sasuke — ele rosnou. Aparentemente Naruto tinha escolhido as palavras erradas.

— O que? Eu não estou me aproveitando dele! — Naruto exclamou indignado — Não é como se eu tivesse feito coisas indecentes…

— Aquilo pareceu bastante indecente para mim — Fugaku interrompeu. Apertou a gola da roupa de Naruto com mais força. Estava aberta, mas estava começando a machucar — Se acha que isso vai ficar assim…

— Pai, espera! — Sasuke puxou o braço que segurava Naruto — Ele disse a verdade. Eu também quis fazer aquilo.

Fugaku o encarou por um longo instante em silêncio. Sasuke estava apavorado, aquele era o pior jeito que conseguia imaginar de sua família descobrir a verdade. Mas não podia deixar que seu pai pensasse que Naruto estava se aproveitando dele.

— O que foi que disse? — Fugaku perguntou por fim.

— Disse que eu também quis fazer aquilo — Sasuke repetiu — Eu… eu e o Naruto estamos namorando. Sinto muito por não ter contado antes…

— Está me dizendo que está namorando outro garoto? — ele soltou Naruto para encarar melhor o filho — Sasuke, você… gosta de garotos?

— Eu não “gosto de garotos”. Gosto do Naruto, e somente dele.

— Grande diferença. De tantas pessoas na Vila, você resolveu se envolver justamente com o moleque da Kyuubi… desde quando você se tornou um pervertido?

— O que? — Sasuke exclamou, ofendido e chocado com as palavras do pai — Eu não sou…

— Vai me dizer que não é pervertido? — Fugaku interrompeu — Então o que é isso no seu pescoço? — Ele puxou o garoto pelo braço, observando mais de perto as marcas avermelhadas feitas por Naruto

— Isso… isso é… — Sasuke gaguejou desconfortável, o rosto vermelho de vergonha. Sentia que estava se saindo razoavelmente bem até agora, mas não tinha argumentos para aquilo.

— Isso é culpa minha. Não brigue com ele, por favor — Naruto interveio. Nunca se arrependeu tanto por ter negado o pedido de Sasuke sobre não tocá-lo naquela região.

— É claro que é culpa sua. E dele também — o homem respondeu — Você — apontou para Naruto — Fora da minha casa. Agora!

— O que? Mas pai, você não pode…

— Expulsá-lo? Claro que posso — Fugaku interrompeu — E quanto a você, Sasuke, vamos ter uma longa conversa junto com a sua mãe.

Sasuke mal teve tempo de recolocar a camisa e Fugaku levou tanto ele quanto Naruto de volta para o primeiro andar. Mikoto e Itachi interromperam a conversa ao notarem a expressão furiosa do homem.

— O que aconteceu? Por que está tratando os garotos desse jeito? — Mikoto indagou confusa.

— Aconteceu que aquele barulho que estávamos escutando vinha do Sasuke. O seu filho estava se agarrando com o moleque da Kyuubi! — ele enfim soltou o braço do garoto, que recuou alguns passos.

Era sempre assim. Toda vez que Sasuke fazia alguma coisa que lhe desagradava ou não atendia às suas expectativas, seu pai falava daquele jeito. “O seu filho fez isso, Mikoto”. “Nem isso o seu filho consegue fazer, Mikoto”. Como se o garoto fosse filho apenas dela. Aquilo era algo que se somava à frustração de não alcançar as expectativas do pai, sentia pena de sua mãe. Sabia que a situação nunca esteve tão feia e torcia para que não acabasse sobrando para ela.

— Se agarrando com o Naruto? — ela repetiu. Seus olhos giraram lentamente até o garoto.

— Escute aqui, eu não estava agarrando ninguém — Naruto exclamou impaciente — Sei que o senhor não gostou do que viu, mas, como o Sasuke disse antes, nós estamos namorando. Eu gosto dele, e namorados fazem essas coisas…

— Cale essa boca — Fugaku interrompeu — Já mandei você sair da minha casa!

— Ei! Eu não…

— Naruto — Sasuke chamou em voz baixa — Por favor, vá.

— O que? — o garoto o encarou incrédulo — Nem pensar. Não vou te deixar sozinho justo agora.

— Isso vai demorar, acredite — roçou os dedos nos dele. Gostaria de poder segurar a mão do namorado. Gostaria que Naruto ficasse ali com ele, mas sabia que se o garoto não fosse por bem seu pai realmente o expulsaria a força — Não se preocupe, eu sei como lidar com eles.

— Se você insiste — Naruto bufou. Não queria deixar o namorado sozinho naquela situação. Sabia o quanto ele precisava de apoio, mas resolveu acatar o pedido dele — Se precisar de ajuda sabe onde me encontrar — deu meia-volta e deixou a casa sem dizer mais nada.

O silêncio pairou no ar por alguns instantes e quando Naruto sumiu de vista Mikoto virou-se para o filho.

— Sasuke… isso é verdade? Você gosta daquele garoto?

— Eu já disse que gosto, mãe.

— Quero dizer, gosta mesmo? — ela colocou mais ênfase na pergunta — Porque sabe, se ele estava se aproveitando de você nós podemos dar um jeito…

— Espera aí… como assim “dar um jeito”?

— Bem, é que você sempre foi muito ingênuo — a voz dela soava doce como de costume, mas estava muito diferente da mãe que ele conhecia — Talvez ele tenha te seduzido…

— Eu não fui seduzido! — exclamou, chocado com as palavras que acabou de escutar. Aquela mulher estava completamente diferente da mãe amorosa e compreensiva que o criou. É verdade que chegou a cogitar a possibilidade de ela ficar chocada quando descobrisse a verdade, mas nunca pensou que ela reagiria tão mal.

— Se você não foi seduzido como sua mãe diz então é só um indecente — Fugaku falou com desgosto — Francamente… se atracando com outro garoto debaixo do meu teto. Você é mesmo muito atrevido, moleque.

— Eu não sou indecente — Sasuke protestou, cerrando os punhos. Uma mistura desagradável de emoções crescia dentro dele. Mágoa, dor, irritação… uma terrível vontade de chorar que ele se esforçava para conter — Eu não saio por aí me agarrando com a primeira pessoa que aparece na minha frente. Estou namorando o Naruto, e apenas ele. É tão ruim assim?

— Se é ruim? — Fugaku repetiu — Será que tem alguma noção do que as pessoas vão falar quando souberem que o meu filho se envolveu com o garoto jinchuuriki, seu moleque inconsequente?

— Então agora eu sou seu filho? Que engraçado, não foi isso que você disse alguns minutos atrás — Sasuke falou com amargura — Eu sou seu filho apenas quando é conveniente, não é? Ou quando o assunto é realmente sério.

— Sasuke, não tente medir forças com o papai — Itachi avisou — Você já disse que não foi seduzido, todos nós entendemos isso. Mas acho que o papai não vai se acalmar enquanto você não colocar um ponto final nessa história.

— Quer que eu termine com o Naruto? — Sasuke o encarou pasmo. Não que esperasse receber algum apoio do irmão àquela altura, mas aquilo foi o tiro de misericórdia.

— Não foi bem isso que eu quis…

— Seria o mínimo que você poderia fazer para se redimir — Fugaku interrompeu o filho mais velho.

— Me redimir? — Sasuke repetiu — E por que eu deveria me redimir? Não estou fazendo nada de errado!

— Eu acabei de explicar sobre o tipo de coisas que as pessoas diriam sobre nós se descobrissem sobre uma coisa dessas, será que não me ouviu? — Fugaku indagou.

— Então é isso. Para você a reputação do clã é mais importante do que a felicidade do seu filho, não é? — Sasuke concluiu amargo.

Ele já sabia disso. Sabia que seus pais não aprovariam seu relacionamento com Naruto. Que considerariam um erro. Seria uma mancha no nome Uchiha ter um filho que não cumpriria com a obrigação de gerar herdeiros e dar continuidade ao clã por um motivo desses. Por isso mesmo demorou tanto tempo para contar a verdade para sua família. Mas enfrentar a situação doeu dezenas de vezes mais do que todas as vezes em que ele imaginou como seria.

— Você é jovem e imaturo demais para saber o que é felicidade — o homem avançou um passo na direção dele — Eu não criei um filho para ficar da…

— E eu não preciso ficar aqui ouvindo isso! — Sasuke gritou de volta, o rosto vermelho de raiva e vergonha misturadas. Céus, ele e Naruto nunca sequer chegaram perto de cogitar fazer algo assim — Não preciso ficar aqui ouvindo você me ofendendo. Ou a mamãe dizendo que a culpa é toda do Naruto por ter me seduzido e se aproveitado de mim — ele encarou a mãe e a observou por um longo momento como se quisesse gravar bem o rosto dela em sua memória — Ou o meu irmão falando que eu deveria terminar meu namoro com a pessoa que eu amo — olhou então para Itachi. Admirava o irmão mais velho desde que se entendia por gente e, no entanto, pela primeira vez a única coisa que conseguia sentir por ele agora era decepção — Se vocês não podem me aceitar, então não há motivo para eu continuar aqui.

Sasuke deu meia-volta e deixou a casa. Ouviu a voz da mãe chamar seu nome uma ou duas vezes, e continuou correndo sem olhar para trás. Nem mesmo quando desertou do Distrito Uchiha.



________________________


Notas Finais:


* Essa história também foi postada no Nyah! Fanfiction e no Spirit.


18 Juin 2020 04:12:23 2 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
9
Lire le chapitre suivant Capítulo II

Commentez quelque chose

Publier!
_Torito_w w _Torito_w w
Amada??? Eu gostei, mas só quero abraçar o Sasuke cara. Ler isso me lembrou de quando meus pais descobriram de um caso meu e me magoou muito saber o posicionamento deles quanto a isso, porém a gente tenta seguir em frente sem ter vergonha de ser feliz. Espero que pelo menos o Itachi apoie o irmão.
June 18, 2020, 06:25

  • Lilith Uchiha Lilith Uchiha
    Oii! Como a família do Sasuke é do tipo conservadora, que acha que a pessoa precisa casar e ter filhos pra passar a linhagem adiante e etc eles acabaram tendo uma péssima reação quando descobriram o namoro do Sasuke com o Naruto. E pegar os dois no flagra também nao ajudou muito né 😅 O Itachi mal conseguiu falar, o pai não deixou ele dar opinião... a reação dele vai ser mostrada melhor depois. Sinto muito pelo que houve com sua família, espero que tudo tenha se resolvido Obrigada por comentar^^ June 19, 2020, 21:52
~

Comment se passe votre lecture?

Il reste encore 19 chapitres restants de cette histoire.
Pour continuer votre lecture, veuillez vous connecter ou créer un compte. Gratuit!