jiminss Arthur Venture

Jungkook estava com desejos por seu ômega travesso que não facilitava as coisas para si.


Fanfiction Groupes/Chanteurs Interdit aux moins de 18 ans.

#jungkookalfa #JiminÔmega #jikook #jiminbottom
Histoire courte
2
3.3mille VUES
Terminé
temps de lecture
AA Partager

Capítulo Único;

A sensação de estar deitado na cama de Jimin com os pulsos amarrados e totalmente duro, era insana.

O menor estava no banheiro a mais de meia hora sem dar sinal de vida ou que viria me “socorrer”. Jimin era meu namorado a dois anos e toda vez que íamos transar era como se fosse a primeira vez; ele me provocava, nos beijávamos e ele sempre apelava para a parte mais sensível do meu corpo: o pescoço.

Reviro os olhos com a pulsação insistente do membro duro entre minhas pernas, não era nada legal Jimin fazer aquilo comigo, ele simplesmente me deixava necessitado e sumia, um perfeito garoto malvado.

— Jiminnnnnn… Amor? — gemi arrastando tentando me soltar das amarras.

Logo a porta do banheiro é aberta e acompanho a silhueta curvilínea andar lentamente pelo quarto, parando em frente a cama. A baba desceu pelo canto da minha boca ao ver Jimin completamente desprovido de roupas, segurando um objeto parecido com um consolo de borracha.

— Jimin? — sussurro sem fôlego.

— Demorei, Gukkie? — lambeu o lábio daquele jeitinho que me deixa doido.

— Vem pra cá, vem… — sussurro, como um maníaco louco por sexo.

Jimin abriu um sorriso travesso e montou na cama lentamente, ficando de joelhos. Gradualmente o menor pegou meu membro excitado e moveu o dedo indicador na fenda brilhosa de pré gozo. Gemi com o carinho, louco para tocá-lo.

— Gukkie, tá tão durinho… É por mim? — falava todo inocente.

Filho da puta. Ele sabia que me deixava louco se fingindo de inocente daquele jeito, me olhando com os olhinhos meigos enquanto massageava meu pau de uma forma nada puritana. Rosnei quando o menor colocou a boca carnuda e úmida sobre a glande inchada, meu Deus, Jimin era um demônio de boca gostosa.

— hummmm… Jimin, porra…

Não me segurei e gemi alto e arrastado. Ele me olhou com um sorrisinho de lado e largou meu membro, soltei um xingamento pelo ato, vendo o mesmo virar de costas pra mim e empinar o traseiro robusto. Mordi o lábio observando os movimentos de Jimin, o mesmo me olhou de lado e colocou aquele consolo na boca, chupando a cabeça lentamente, me provocando.

Maldito Park.

Uma das mãos de dedos miúdos esbarrou em seu ânus avermelhado e pequenino, massageando o lugar e adentrando a área com certa dificuldade. Meu membro babava tanto que já estava descendo (pré) porra pelas minhas bolas, Park Jimin era um maldito gostoso.

Sem esperar mais nada para desgraçar de uma vez por todas minha sanidade. Jimin direcionou o consolo de grossura média até sua entradinha e forçou; o objeto entrou lentamente expandindo a carne ao redor e arrancando um gemido dengoso do Park.

— J-Jimin… Me tira d-daqui, porra, eu preciso foder você… Garoto! — rosnei a última parte, já surtando.

Jimin tirou e recolocou o pênis grosso, deixando que eu visse o buraco extenso que o objeto deixou no meu Mochi. Caramba! meu pau passaria por ali fácil, fácil. Comecei a babar de novo, dessa vez gemendo junto a ele.

Jimin rebolou no consolo fazendo o mesmo entrar todo dentro dele, puxei o pano com força em um ato desesperado para sair dali e agarrar aquela baixinho provocador.

— Ain, Ain Jeon… Que gostoso! Gukkieee… — fazia questão de gemer despudoradamente enquanto quicava no pau falso.

Com muito esforço consegui sair das amarradas de Jimin e agarrei o menor por trás, pus o mesmo de quatro e sem tirar a porcaria do consolo o penetrei, com dificuldade, mas entrei. Foi a melhor sensação do mundo, Jimin estava tão molhado, tão quente que quase derreti dentro dele.

— JEON! — gritou.

Passei a me mover com força e rapidez, como um animal no cio. E o consolo continuava ali dentro, deixado o Park mais apertado e provocando um gostoso atrito com meu pau.

Mordi o pescoço branco, chupei a área até deixar roxo e afundei o membro até tocar um ponto dentro dele que o fez choramingar. Literalmente eu fiz o Park chorar no meu pau.

— N-nunca mais me provoque… — sussurro, logo gozando dentro dele, urrando contra a nuca cheirosa — t-tanto… – murmuro como um gemido.

Logo Jimin veio, gozando contra os lençóis, gemendo manhosinho, ficando molinho em meus braços.

— Gukkie… Dentro? — sussurrou fofo, me olhando com os olhinhos lacrimejando.

— Eu quero um herdeiro amor... — faço beiço.

Jimin estava no seu período fértil e se tudo desse certo, logo eu teria um mini Jeon correndo pela casa.

7 Juin 2020 13:22:44 0 Rapport Incorporer Suivre l’histoire
0
La fin

A propos de l’auteur

Arthur Venture Estudante de psicologia e escritor amador. Apaixonado por romance e drama, também por Park Jimin gravidinho cheio de bebês.

Commentez quelque chose

Publier!
Il n’y a aucun commentaire pour le moment. Soyez le premier à donner votre avis!
~

Histoires en lien