v-s VSimberefumbi

Há muitos séculos atrás, nossos ancestrais perderam o controle do planeta e do que nele habitava. As maiores potências do mundo já não era mais tão grandes assim. Populações, selvas, os mares... havíamos perdido a maioria do todo. Uma coisa era certa: os homens haviam destruído o planeta pouco a pouco. Como forma de preservar a natureza e as cidades, os governos se juntaram para construírem, juntos, um novo e único país. Malis, o país nascido da destruição, fora construído envolto de muros, dos quais era estritamente proibido passar. Com o passar do tempo, fomos esquecendo, construindo, sobrevivendo. Mas o que ninguém sabia, era o que tinha do lado de fora.


Acción Todo público.

#301 #332 #ação
0
3.8mil VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Todos los domingos
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo 1

Um dia, a Terra foi dividida em duas partes iguais como um último recurso para salvar o planeta. De um lado, ficou preservada a natureza e seus habitantes, os animais. Do outro, ficaram estabelecidos os seres humanos.

Nós pensamos que, com essa divisão, o planeta estaria salvo. Os humanos continuavam, então, a queima de combustível, a poluição nos mares. Eles começaram a perceber que tudo o que faziam de um lado, tinha influência no outro. Assim, catástrofes começaram a acontecer. Estávamos perdendo tudo novamente.

Como forma de separar ambos os lados, salvando os seus, os governos se uniram para construir um muro, indo do subsolo até o mais alto do céu.

Segundo a lenda, em um acordo dos poderosos, foi feito apenas um único país: Malis. Era governado por vários presidentes, que comandavam cada um uma parte do país.

Centenas de anos se passaram desde que o muro fora concluído. Agora, nós não nos lembramos de quando exatamente os construtores, como eles os chamavam, o ergueram. A única coisa que sabemos, é que passar o grande separador é estritamente proibido. Como a parede não é transparente, ninguém tem ideia do que está acontecendo do outro lado.

A princípio, ficavam todos, sem nenhuma exceção, no solo. Porém, com o tempo, a falta de espaço livre e a superpopulação, nos forçou a construir carros voadores e cidades verticais, ou até mesmo acima do solo. A tecnologia se desenvolveu, possibilitando a cura de muitas doenças ainda maléficas, a melhoria das escolas e da saúde.

Com a divisão do globo em dois, fomos perdendo recursos naturais por falta de território ou condições para a agricultura. Estávamos prestes a perder tudo novamente.

Os cientistas inventaram alimentos artificiais. Não eram tão saudáveis ou saborosos quanto os originais, mas era o suficiente para sobreviver. Carne, trigo legumes, frutas de verdade, tornaram-se luxos neste novo mundo. Quase todos os recursos naturais se esgotaram por causa da superpopulação. As pessoas estão tentando seu melhor para salvar a pouca natureza que nos resta do nosso lado. Tem usinas de reciclagem de lixo por toda parte da cidade. Mas elas não ajudam muito.

A sociedade também se dividiu em classes sociais, castas, com os ricos vivendo nas cidades flutuantes, e os de classe média e pobres no solo e subsolo. Mas há uma coisa que todos esses cidadãos têm em comum: eles querem chegar à parte proibida. Ninguém sabe no que o outro lado se transformou, porque ninguém jamais foi capaz de chegar lá. Os corajosos que tentaram, bem, nunca mais os vimos.

Há uma punição severa para quem tentar passar. Não sabemos o que seria, pois eles jamais voltaram para nós contar. Apenas são levados até uma van preta, que os leva até o Conselho. Esse sistema serve para julgar tudo e todos. As leis, todas elas, tinham que ter passado pelo Conselho, antes de serem aprovadas.

Existem aqueles que não concordam com as regras da cidade. Eles, nós os denominamos Rebeldes. São simplesmente grupos de resistência contra o governo que sobre nós habita. O problema, é quando eles se revoltam.

Muitos desses grupos já causaram grandes problemas nas cidades. Então, nossos governadores deram um "jeitinho" neles. Nunca mais os vimos.

Os que ainda resistem estão escondidos nas partes mais escuras do subsolo, onde ninguém reside, onde estarão seguros, pois nenhuma viva alma passa por lá.

19 de Abril de 2020 a las 18:35 0 Reporte Insertar Seguir historia
0
Leer el siguiente capítulo Capítulo 2

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 1 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión