magicsvante Ari Lima

Taehyung chegou à conclusão de que Jeon Jeongguk deveria ser considerado ilegal enquanto o assistia — na mais pura brotheragem — malhar sem camisa na sala de prática. {real!au} {kookv} {design de capa por @cotton_cookie}


Fanfiction Bandas/Cantantes No para niños menores de 13.

#reallife #os #one-shot #vottom #bottomtae #topjk #kooktae #taekook #kookv
Cuento corto
20
3.9mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Na mais pura brotheragem

Jeon Jeongguk deveria ser considerado ilegal.


Foi a essa conclusão que cheguei enquanto o assistia se exercitar em nossa sala de prática. O seu corpo encontrava-se completamente molhado por suor, os seus fios úmidos e pretos grudavam em sua testa também suada, enquanto uma expressão de pura concentração contornava sua face e fazia suas sobrancelhas franzirem-se levemente à medida que seus músculos definidos e bem distribuídos naqueles um metro e setenta e oito de pura beleza e gostosura me diziam “olá”.


Era completamente hipnotizante a coisa toda, de modo que meus olhos não se desgrudavam de si, observando cada músculo se contraindo deliciosamente a minha frente e as gotículas de suor deslizando pela pele parda, fazendo-me segui-las com minhas retinas atentas até que estas se perdessem atrás da gola de sua camiseta regata branca. Suspiros corriqueiramente escapavam de meus lábios, minha respiração tornava-se pesada e meus dentes insistiam em mordiscar o meu lábio inferior, ao passo que sentia uma sensação quente se apropriar de meu corpo.


Eu podia notar o sorrisinho discreto e convencido que contornava seus lábios atraentes a cada lufada de ar que meus pobres pulmões soltavam. Jeongguk não era nada bobo e estava mais do que ciente quanto a minha pequena obsessão por seu corpo malhado e por toda a sua força física desde que eu não era lá muito bom em disfarçar o meu olhar faminto sobre si, policiar as minhas mãos bobas que insistiam em tocá-lo ou em conter os meus comentários impertinentes acerca de seu corpo.


E era por essas e outras que o Jeon não perdia uma oportunidade de me provocar e se exibir mais um pouco, fazendo todo o ar se esvair abruptamente de meus pulmões e o clima tornar-se potencialmente mais quente ao remover aquela camisa encharcada de suor, deixando seu abs imoralmente exposto.


Talvez eu tenha deixado um grunhido contemplativo escapar por entre meus lábios, pois o moreno logo soltou uma risadinha cínica, lançando-me um olhar presunçoso ao abandonar a barra de levantamento de peso sobre o aparelho e então levantar-se, pegando um tapete emborrachado e estendendo-o sobre o chão, antes de dirigir-se a mim:


— O que acha de me dar uma ajudinha aqui, hyung? — pediu. E eu até poderia acreditar no seu tom suave e inocente se não conhecesse o pequeno diabinho que o mais novo é. Não poderia ignorar a sua obscura e maliciosa intenção de prosseguir me incitando a deseja-lo.


Mas, como para todos os efeitos eu estava ali apenas para lhe dar apoio moral, trazendo até mesmo uma garrafinha de água e uma toalha em mãos afim de reafirmar a minha boa vontade, não poderia negar-me a ajuda-lo. Afinal, é isso que um bom hyung faz, certo?


Dessa forma, pigarrei, buscando recuperar minha voz e o resto de dignidade que me restava antes de proferir a minha resposta. — Claro, Gukie — confirmei, aproximando-me de si. — O que eu deveria fazer exatamente? — perguntei, depositando a garrafinha e a toalha sobre uma mesinha e o olhando com expectativa.


— Apenas segure os meus pés — ditou.


Jeongguk ajeitou-se sobre o tapete emborrachado, deitando o seu torço sobre o chão, com as suas mãos apoiadas abaixo de sua cabeça e as pernas flexionadas na frente do corpo, pronto para executar abdominais. Ao passo que me ajoelhei em sua frente, segurando os seus pés firmemente contra o tapete tal como ele havia me pedido.


Soube que havia entrado em uma enrascada ao encarar as pernas bonitas e dotadas de coxas tonificadas logo na minha frente. Jeongguk me forneceu um sorriso travesso, antes de levantar o seu torço do chão e dar-me a comprovação de que sim, estava perdido, ao ver seu abdômen se contraindo e os gominhos tornando-se proeminentes, ao mesmo tempo em que os seus bíceps pareciam definidos demais devido ao posicionamento de seus braços. O rosto alheio também ficou perigosamente próximo ao meu ao levantar-se, fazendo-me prender a respiração brevemente ao ter os seus olhos intensos e profundos encarando-me de tão perto.


Eu perdi as contas de quantas abdominais o moreno havia feito lá pela trigésima, distraído demais pela visão de seu abdômen nu com os seus mamilos amorenados tentadoramente expostos e todo aquele suor o fazendo parecer ainda mais másculo. Além, é claro, dos gominhos se contraindo repetidas e repetidas vezes na minha frente.


Minha mente entoava um mantra de “Abs! Abs! Abs!” em um loop alucinante, junto a pensamentos nada castos que consistiam em imaginar as minhas unhas arranhando a tez parda e desenhando linhas avermelhadas sobre aqueles gominhos maravilhosos; ou, ainda, em minhas mãos apertando os seus bíceps enquanto as minhas unhas ficavam-se na pele dos seus braços fortes; ou, quem sabe, minha língua percorrendo todo o comprimento da derme alheia e provando o sabor salgado do seu suor aproveitando, é claro, para brincar com os mamilos que tanto me chamavam a atenção.


O fato era que estava completamente enfeitiçado por Jeongguk e não duvidaria caso estivesse a ponto de babar enquanto o assistia fazer abdominais. A comprovação de minha suspeita assim como o despertar abrupto de meu entorpecimento alcançou-me quando o mais novo, ao levantar o seu torço e aproximar o seu rosto do meu, plantou um selar bem na pontinha de meu nariz, em um ato inesperado e fofo. Precisei piscar meus cílios algumas vezes antes de finalmente despertar, encontrando um sorriso largo e divertido no rosto alheio.


— Você estava fazendo uma expressão esquisita e realmente engraçada agora mesmo! — disse ele, em completa diversão. Pude sentir minhas bochechas esquentarem e o embaraço atingir-me com tudo automaticamente por ter sido tão óbvio. — Algo mais ou menos assim — Jeongguk anunciou, contornando uma expressão cômica em suas feições, com um olhar vazio e lábios entreabertos – a famosa "Jungshook". Parecendo realmente boboca e fazendo-me sorrir junto consigo, mesmo que uma pontinha de timidez ainda gritasse alto em meu interior.


Aff, eu só estava distraído — busquei me defender.


— Você parecia fofo, hyung — elogiou em um tom doce que fez meu coração saltitar no peito. — Agora, se você quiser, já pode soltar os meus pés porque terminei a sessão de abdominais — revelou, ao que o obedeci prontamente, apercebendo-me de quão distraído deveria estar até aquele momento.


Logo estava acomodado novamente em minha cadeira, assistindo de camarote enquanto o mais novo continuava a exercitar-se. Emergi-me mais uma vez naquela doce e tentadora tortura que era vê-lo em toda a sua glória seminua malhar seus músculos. Jeongguk realizou mais alguns exercícios afim de trabalhar as suas coxas e panturrilhas, afinal, as suas pernas não eram tonificadas à toa. Deliciou-me com uma sequência de flexões que me deixou completamente encantado por seus bíceps e, principalmente, pelas veias saltadas de seus braços em exibição a cada vez que os forçava a erguer o peso do seu próprio corpo. Senti-me tentado a sentar-me sobre as suas costas e acrescentar um pouco mais de dificuldade as flexões com o meu peso. Adorava brincar com Jeongguk e aquela era uma ótima oportunidade. No entanto, contentei-me em aproveitar o belo show que os seus bíceps realizavam. Ele, ainda, entreteve-me ao malhar mais uma vez o seu abdome devido a coreografia de "Fake Love" exigir a constante exposição de seus deliciosos gominhos.


Enquanto isso eu, como o hyung cuidadoso que sou, lhe fornecia água sempre que necessitava e ainda secava o seu suor com uma toalhinha. Ver Jeongguk com as bochechas cheinhas de água e um biquinho adorável nos lábios, fazia-me questionar como alguém poderia transitar entre ser fodidamente sexy e logo depois parecer a coisinha mais fofa do mundo. E esta, com toda a certeza, era uma dentre as inúmeras características que o faziam alguém tão charmoso e atraente.

Ao final de todas aquelas horas de exercício físico, Jeongguk parecia cansado enquanto eu possuía um duro e dolorido problema entre as pernas e, talvez, apenas talvez, esse contratempo tenha sido devidamente solucionado quando o moreno me pressionou contra a parede do seu quarto e me forneceu uma quente demonstração do seu ótimo condicionamento físico, sustentando o meu corpo com os seus braços bem trabalhados e me fodendo com toda a sua força e agilidade ali mesmo, à medida que eu o prendia entre as minhas pernas, dando-lhe uma gratificante punição por ser tão deliciosamente ilegal assim.


Mas ninguém precisa saber desse detalhe. Principalmente se esse alguém atender pelo nome de Park Linguarudo Jimin e se divertir às custas de me deixar mortificado e consideravelmente envergonhado, ao ter a audácia de expor às armys o meu inocente hábito de assistir Jeongguk malhar sem camisa. Felizmente, todos estão cientes que faço isso apenas porque um bom hyung sempre dá apoio moral ao seu ‘saeng e que tudo, evidentemente, é feito na mais pura brotheragem.

12 de Febrero de 2020 a las 22:33 0 Reporte Insertar Seguir historia
5
Fin

Conoce al autor

Ari Lima Alguém que encontrou na escrita uma paixão e sonha em tornar-se uma escritora publicada, mas, enquanto esse sonho não se torna realidade, faço da escrita um hobby. Todas as minhas histórias são do gênero #yaoi e do shipp #kookv. Também conhecida como autora de "Karma" e, agora, de "O preço do do amor".

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~