King Lovers Seguir historia

bielcastelli

Deku realmente não desgostava do Halloween, a data apenas havia deixado de ser atrativa ao seus olhos. Mas como fã de Stephen King, aquele era um dia perfeito para maratonar grandes clássicos do terror e ainda de quebra passar a noite juntinho do seu crush não tão secreto assim. Iida além de gato era o nerd que desejava, então Deku pensou que pela primeira vez em muito tempo seu Halloween poderia ser interessante.


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#iida #deku #halloween #bnha #boyxboy #yaoi #lemon #comédia #iidadeku
Cuento corto
1
592 VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capítulo Único!

Ei menines, mamãe voltou com IidaDeku de Halloween, acho que vai virar tradição eu postar história desse shipp nesse época.

Essa One é um prato cheio para quem gosta do reizinho Stephen King. Espero que gostem e Boa Leitura!




Halloween é sempre uma época onde as bruxas saem para fazer seus rituais com suas magias no ápice de suas forças, pelo menos é o que dizem. E seria legal se eu não fosse um reles mortal que tem que ver as pessoas se fantasiarem para encher a cara ou comer doces demais até passar mal. Sem esquecer do bônus principal a cárie e ressaca do inferno no dia seguinte na maioria dos casos. Não que eu seja uma pessoa amargurada com a vida, amo encher a cara e comer muito doce, mas acho que Halloween é mais do que só isso e felizmente não sou só eu que compartilho da mesma opinião.


– Iida, vamos na festa do Shoto? – Uraraka fez cara de pidona enquanto encarava o rapaz bufar mexendo em seus óculos – Por favor não me abandona igual o traidor do Izuku – apontou para mim.


– Desculpa Uraraka mas não será possível – respondeu sério


– Vocês são péssimos amigos – se deitou na grama do parque onde estávamos.


– Porque não convida a Momo para ir ? – me deitei do seu lado e sussurrei em seu ouvido – Até porque eu sei que você, Momo e Shoto estão vivendo um trisal – comecei a rir ao ver ela arregalar seus olhos


– Não conte isso para ninguém – me fuzilou logo rindo


– Deixem de cochicho e vamos embora, já está quase anoitecendo – disse Iida se levantando.


– Vou para casa arrumar os últimos detalhes da minha fantasia – falava Uraraka enquanto me ajudava a guardar os plásticos dos doces.


– Não faça besteira igual da última vez que tive que te buscar em uma festa porque não estava se aguentando ficar em pé – repreendeu Iida.


– Tá bom papai – zombou.


Pegamos as coisas e fomos embora a pé já que nossas casas eram próximas, nos despedimos de Uraraka em certo momento e terminamos o caminho somente eu e Iida. Sua casa era menos de vinte metros da minha.


– Vai ficar em casa hoje ? – perguntei ao chegarmos em frente a minha casa


– É o que eu pretendo – sorriu – E você ?


– Eu estava pensando em te chamar para uma maratona de filmes do Stephen King.


– Eu topo – disse animado – Tia Inko não vai se importar?


– Ela viajou ontem – pisquei para ele vendo ele ficar meio desconcertado.


– Eu trago as bebidas e alguns dos filmes que você não tem.


– Certo, vou ver se faço algo pra gente comer também.


– Então até depois – se despediu indo embora quase correndo.


– Gostoso – sussurrei.


Segundo nossos amigos nós tínhamos uma tensão sexual um pelo outro desde o fim do ensino médio que às vezes era até desconfortável, se fosse por mim acho que passaria o dia sentado naquele homem.


Além de gostoso era um nerd que não era escroto, coisa que é rara no mundo e isso só já bastava para me deixar molhado por ele.


Entrei em casa e fui até a cozinha ver se tinha o necessário para preparar o creme de nachos, bufei ao ver que não tinha nada. Subi até meu quarto para pegar minha carteira e fui até o mercado, acabei enchendo o carrinho já que mamãe passaria dois meses na casa da minha avó e não tínhamos ido fazer a compra do mês. Passei na sessão de festas e encontrei um pacote pequeno contendo alguns balões vermelhos.


Cheguei em casa largando as sacolas em cima do balcão e fui dar uma arrumada na sala enquanto era observado por minhas duas gatas que estavam deitadas em cima da estante.


– Meninas, hoje eu quero que vocês fiquem no meu quarto ou saiam para passear porque o papai vai receber uma visita – encarei as duas que miaram em resposta.


Corri pro andar de cima, tomando um banho rápido e constatei já ser quase sete da noite, tomei um banho rápido e coloquei minha camiseta do Stephen King jogando ouija com suas criações e um calção leve de ficar em casa e desci começando a fazer o molho para o nachos.


– Midoriya – escutei Iida gritar ao bater na porta.


– Entra – gritei de volta.


– Desculpa a demora, tive que passar no mercado comprar a cerveja.


– Sem problemas, agora que tô terminando o creme pra gente comer nachos enquanto assiste – me virei pra Iida reparando na sua camiseta estampada com o Stephen King – Quais filmes você trouxe ?


– O Iluminado, A hora do vampiro e o It de 1990.


– Certo, acho que meu Cemitério Maldito, Cujo e It um e dois estão lá na sala.


– Então podemos assistir o remake de It porque apesar de eu amar o de 1990 a única coisa que presta ali é o Tim Curry como Pennywise – falava enquanto pegava os copos – Porque acho que até eu atuaria melhor do que os atores do clube dos perdedores – riu indo pra sala.


– Super concordo – ri pegando o prato com os nachos e levei até a sala – Vamos começar por O Iluminado ? – perguntei recebendo um balançar com a cabeça concordando.


Peguei o copo que já tinha cerveja e me sentei no sofá enquanto Iida terminava de selecionar o idioma do filme.


– Espero que esteja disposto para ver esse tanto de filme – debochei dele.


– Quem dorme na metade dos filmes sempre não é eu – riu levando o nacho até a boca – Isso tá divino Izuku – arrumou outro e me deu na boca


– Divino mesmo – passei a língua entre os lábios encarando seus olhos – Agora presta atenção lá que depois de um século Jack chegou no hotel – ri pondo minha perna em cima da sua.


Durante o filme era impossível não citarmos os pontos que amávamos ver no filme e o quão ansioso estávamos por Doutor Sono que já vinha no próximo mês, fora as carícias disfarçadas e os olhares demorados. Quando o filme começou a se encaminhar para a cena clássica do filme onde Jack quebra a porta com o machado e fala “Aqui está o Johnny”, arrumei um nacho e me ergui no sofá apoiando minha mão na coxa de Iida e sussurrei em seu ouvido.


– Aqui está, coma – alisei sua coxa enquanto observava ele comer e passar sua língua em meus dedos.


– Gostoso – sussurrou.


– Tem molho aqui – beijei o canto de sua boca limpando o molho – Pronto – sorri inocentemente beijando sua bochecha. Voltei para o meu lugar e terminamos o filme em silêncio total.


– Quer ver It ? – perguntou Iida quebrando o silêncio.


– Pode ser, vou no banheiro enquanto você arruma – deixei Iida arrumando o dvd e fui até meu quarto arrumar os balões que eu já tinha deixado cheios e arrumado pra deixar eles flutuando, abri a gaveta da minha cômoda pegando um canetão e escrevi em um dos balão “I <3 Derry” e no outro “You’ll Float Too”.


– Vamos torcer para ele se assustar né Olivia – ri acariciando a gata. Peguei meu celular do bolso e desci as escadas devagar, espiei rente a porta Iida sentado no sofá virando o copo de cerveja, soltei os balões começando a gravar e a cena que aconteceu a minha frente foi hilária, Iida gritou deixando a cerveja cair no chão ao ver os balões.


– Vem flutuar com a gente Iida – falei com uma voz macabra.


– Izuku você vai me pagar – gritou – E apaga esse vídeo caralho.


– Nunca – eu ria descontroladamente colocando a mão na barriga – Será minha arma contra você – abracei seu braço e apertei para começar o filme.


– Sem graça – resmungou.


Bebi um pouco da minha cerveja e deitei minha cabeça em seu colo enquanto assistimos mais detalhes sobre o filme a gente falava e enaltecia como dois fanáticos pelo Pennywise só reclamando de infelizmente não termos a tartaruga Maturin aparecendo de verdade e só em pequenos easter eggs. Levantei meu olhar para cima encontrando Iida me encarando, sorri levando minha mão até seu rosto e comecei a fazer um carinho em sua bochecha deixando meus dedos passarem por seus lábios. Me levantei ficando de joelhos no sofá e comecei a aproximar meu rosto do seu.


– Izuku o que... – sussurrou.


– Não fala nada – falei antes de terminar com a distância de nossos lábios, de início foi apenas um encostar nos lábios até eu sentir a mão de Iida em meu rosto, me afastei olhando em seus olhos por um momento e o beijei novamente agora aprofundando o beijo.


Tive minha cintura agarrada pelas mãos de Iida e fui puxado para o seu colo, gemi entre o beijo ao sentir sua mão apertar minha bunda enquanto minhas mãos puxava o cabelo de sua nuca fazendo seu corpo se arrepiar. Passei minha mão por seu peitoral firme por cima da camiseta sentindo Iida respirar ofegante, quebrei o ósculo e encarei seu rosto corado que me fazia imaginar milhões de coisas obscenas


– Porque nunca fizemos isso ? – sorriu


– Vamos aproveitar o tempo perdido – sorri malicioso tirando minha camiseta e jogando na cara dele.


Tive meus lábios capturados novamente e me deixei ser submisso a aquele homem ao ter sua língua invadindo minha boca, o gosto amargo da cerveja no meu paladar enquanto minhas mãos ia até a barra de sua camiseta e o deixava sem, revelando seu corpo musculoso, passei a mão por todo seu corpo sentindo seu coração acelerado. Iida me deitou no sofá ficando sobre mim e quebrou o ósculo mais uma vez enterrando seu rosto em meu pescoço.


– Você não imagina o quanto eu já sonhei com esse momento – sussurrou em meu ouvido antes de começar a descer pelo meu peitoral distribuindo beijos e lambidas fazendo meu corpo se arrepiar.


– Eu quero que você me chupe – falei em um tom sério puxando seus cabelos o fazendo me encarar – Quero gozar na sua boca.


Iida sorriu maliciosamente antes de morder minha barriga e arrancar meu calção deixando meu pau saltar para fora, puxei um dos braços de Iida para mim e comecei a chupar seus dedos enquanto apreciava Iida afundar seu rosto em minhas bolas e alternando entre lamber e colocar elas na boca.


– Oh meu Deus – gemi alto ao ter meu pau engolido por sua boca.


Soltei seu braço e levei minhas mãos aos seus cabelos começando a foder sua boca em um ritmo acelerado onde o som do seu engasgo enchia meu ouvido, joguei a cabeça para trás gemendo mais uma vez ao ter seus dedos forçando para entrar em mim, eu estava quase gozando ao ter Iida me fodendo com seus dedos enquanto ele engolia todo meu pau em sua boca quente.


– Eu vou gozar – anunciei olhando para baixo vendo as lágrimas no rosto de Iida enquanto eu estocava em sua boca uma última vez à enchendo com minha porra.


Deixei meu corpo relaxar no sofá enquanto sentia os beijos de Iida subir até beijar minha boca novamente compartilhando o gosto do meu gozo.


– Porque você ainda está com roupa ? – sussurrei empurrando seu corpo fazendo ele ficar encostado no braço do sofá.


Tirei seu calção e cueca e foi impossível não admirar aquele homem pelado, Iida era a personificação de um Deus grego.


– Gostoso – mordi o lábio e me sentei no seu colo afundando meu rosto em seu pescoço enquanto minhas mãos exploravam seu corpo musculoso – Me diga a quem você pertence – sussurrei em seu ouvido levando meus dedos até seu mamilo e o apertando com força fazendo ele soltar um gemido sôfrego.


– Seu – respondeu em um fio de voz.


Sorri satisfeito com sua resposta e peguei nossos membros começando uma masturbação dupla enquanto fazia movimentos de cavalgada em seu colo não quebrando o contato visual, minha pele parecia que se derreteria a qualquer momento ao sentir suas mãos quentes passar por todo meu corpo. Parei a masturbação e comecei a beijar seu corpo até seu pau que implorava para ser chupado e minha boca enchia de água só de imaginar eu me engasgando naquele pedaço de carne.


Passei a língua da base até a cabeça e ergui meu olhar para seu rosto que estava vidrado em cada movimento meu, abocanhei seu pau começando a chupar devagar para provocar Iida que já estava na beira de perder seu autocontrole quando bati seu membro em meu rosto o encarando.


– Fode minha boca, por favor Iida – falei em falso tom de inocente. Senti meu couro cabelo arder ao sentir Iida puxar meu cabelo forçando minha cabeça de encontro a minha boca que engoliu com maestria seu pau, relaxei a garganta e aproveitei o gosto de seu pau e o barulho dos meus engasgos para me penetrar com meus dedos.


– Nunca pensei que sua fama de guloso na faculdade era nesse sentido – disse Iida me afastando de seu pau, ri me deitando de pernas abertas no sofá


– Me fode – sorri lascivo ao ver Iida pegar minhas pernas e colocar em seus ombros. Puxei ele pela nuca capturando seus lábios colando nossos corpos suados enquanto Iida me penetrava aos poucos me fazendo gemer dolorido e lembrar que já fazia um certo tempo que ninguém entrava ali.


– Tão quente e apertado – sussurrou


Ficamos nos beijando e se acariciando enquanto eu me acostumava com seu pau pulsando dentro de mim, abracei seu corpo e sussurrei em seu ouvido para começar a se mexer e ele mal tinha se mexido e eu já revirava os olhos gemendo. Senti seu pau sair de dentro de mim e voltar em uma estocada bruta que me fez morder seu ombro com força ao ter minha próstata atingida tão facilmente de primeira, o beijei novamente assim que entramos em um ritmo onde nossos corpos se moviam um de encontro ao outro nos fazendo soltar gemidos alto de satisfação.


– Eu poderia ficar o dia inteiro te fodendo – disse Iida mordendo meu pescoço – Ou dando para você – me encarou diminuindo as estocadas.


– Estou ansioso para te foder – confessei mordendo seu lábio.


Iida abraçou meu corpo e me puxou deixando sentado em seu colo, suas mãos pousando em minha cintura me incentivando a começar a cavalgar enquanto nos beijávamos sedentos um pelo outro.


– Izuku – gemeu entre o beijo – Eu vou gozar.


– Vamos juntos – abracei seu pescoço ao ter minha minha próstata atingida pela última vez.


Gozei forte e intenso no seu abdômen e o senti se derramar dentro de mim ao ter meu canal estrangulando seu pau. Deitei em seu ombro e comecei a fazer carinho em seu cabelo enquanto estávamos abraçados.


– Foi incrível Izuku


– Foi mesmo – levantei a cabeça encarando ele – Um ótimo início para uma amizade colorida – selei nossos lábios.


– Com certeza – concordou.


– Vamos de It Capítulo 2 ? – perguntei saindo de seu colo.


– Claro, temos muito filme pra ver ainda.


Coloquei o cd no dvd e voltei para o sofá me deitando em cima dele, seria uma longa noite de maratona de filmes e sexo. Acho que se fosse para ter outras noites regadas a sexo com Iida e King, eu poderia vir a gostar mais do Halloween.





ahh e aí, gostaram?

Eu amei escrever essa história, tanto por finalmente fazer um lemon pqp desse shipp quanto poder encher de referência a Stephen King.

agora uma pergunta, vocês gostariam de ler uma One do Izuku sendo mulher? é algo bem pequeno e fofinho.


Até qualquer dia 💜

31 de Octubre de 2019 a las 15:05 0 Reporte Insertar 0
Fin

Conoce al autor

Biel Castelli "Escrever é uma maneira de viver outra vida. Muitas outras vidas." - Etgar Keret / all these bitches is my sons 🍼

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~