A república Seguir historia

jace_beleren Lucas Vitoriano

Dylan, um estudante de faculdade, vai viver com algumas garotas, realizando, juntos, pesquisas para a faculdade. O envolvimento dele com essas garotas se torna mais intenso e quente e Dylan ira conhecer cada uma delas de forma bastante intima.


Erótico Sólo para mayores de 18.

#pwp #erótico #hentai #Hares
0
1.3mil VISITAS
Completado
tiempo de lectura
AA Compartir

Capitulo I

Dylan era um estudante da pacata cidade de Greensville, cursando o terceiro semestre de biologia. Ele era o tipo de pessoa simpática e muito bonita, com corpo atlético e curtos cabelos pretos. Morava sozinho, mas as contas estavam cada vez mais caras o que só dificultava se manter. Mas sua sorte mudou quando soube de uma bolsa de estudos para realizar uma pesquisa com um grupo de estudantes ali perto.

A atividade consistia em morar em uma casa cedida pela universidade e criar plantas com diferentes propriedades curativas. O local era cedido de graça e ainda havia a bolsa para a pesquisa, o que era um excelente estímulo financeiro. Obviamente isso significava ter que morar com os estudantes, ou melhor, as estudantes, pois eram todas mulheres. O que era para ser um ponto negativo acabava se tornando uma coisa boa. Ele poderia economizar dinheiro e ainda conhecer garotas interessantes, talvez ter algo com alguma delas. Já havia quase quatro messes que Dylan havia terminado seu namoro e a falta de uma mulher em sua vida já começava a pesar.

Com isso em mente Dylan entrara em contato com elas e pedira para se unir a elas “em nome da ciência” e para “estudar melhor as plantas”, tudo papo furado. A garota com quem falara ao telefone se chamava Lila e parecia um tanto obcecada demais com esse negócio de plantas, como se ao pesquisa-las eles fossem achar a cura para o câncer.

Percebendo isso ele inventou um monte de mentiras sobre adorar as drogas das plantas e estar muito empolgado com a pesquisinha que elas faziam ali. A garota acreditara em tudo e o convidara a visitá-las para morar com elas e ajudar na pesquisa.

Dylan pagou um taxi, muito caro por sinal, que o levou até um local completamente isolado de Greensville, aonde a casa delas ficava. Não havia estrada asfaltada ali e por isso a travessia foi difícil. Felizmente depois de duas horas de viagem (e setenta dólares para pagar o taxi) Dylan chegou ao local indicado por Lila.

Era uma casa grande, de dois andares, mas estava bastante velha, caindo aos pedaços. Havia uma placa solar instalada no telhado e um poço velho de onde elas retiravam água. Ele saiu do taxi carregando suas duas mochilas nas mãos e se aproximou do lugar. Ainda eram nove da manhã e uma das moças estava do lado de fora da casa, perto do poço, estava com um balde cheio de água e parecia reclamar consigo mesma.

Era uma adolescente bonita, de pele negra e longos cabelos rastafari. Vestia apenas um short jeans e uma blusinha colada de cor branca.

- Olá – disse se aproximando com seu melhor sorriso – eu sou o Dylan, nós falamos pelo telefone, eu vou ser o novo morador.

A garota estava abraçada ao balde, um pouco da água derramando-se em sua roupa. Ela o olhou confusa por alguns instantes, mas logo um sorriso de boas vindas surgiu em seu rosto.

- Ah! O cara novo. Quem falou com você foi a Lila, ela quem administra as coisas por aqui... o que não exatamente uma coisa boa pois ela é muito certinha e organizada demais – disse consigo mesma com um riso irritado. Dylan se perguntou se ela estava tirando água do poço por pedido da tal Lila – bem, você vai conhece-la ai vai saber do que estou falando. Me chamo Katie, prazer!

Ao dizer isso ela estendeu a mão com a palma aberta, o que se mostrou um erro. O balde em seus braços acabou virando derramando água em todo o seu corpo. Sua blusa, antes branca, ficou totalmente transparente dando a Dylan uma bela visão da barriga e seios da garota. Ela não usava nada por baixo e ficou totalmente sem jeito com aquilo. Rapidamente cobriu os seios tentando sorrir de forma descontraída para aliviar o clima.

- Nossa! Eu, não queria passar esse tipo de primeira impressão – ela ria nervosa fazendo esforço para se cobrir.

- Imagino que não, mas você é muito bonita Katie – disse Dylan sorrindo, dando um cantada bem direta.

Katie ficou vermelha como um tomate e, como uma reação a isso, sorriu ainda mais, extremamente nervosa. Ele se abaixou e pegou o balde que estava no chão.

- Vou enche-lo para você – disse simpático.

O poço era bastante fundo e ele precisou descer o balde em uma corda. Fazer isso não foi difícil, mas puxa-lo de volta cheio de água cansou um pouco. Quando por fim pegou o balde cheio de água segurou-o com as duas mãos.

- Obrigada, Lila falou que você viria hoje, mas pensávamos que seria mais tarde – disse Katie, ela ainda se cobria o que desapontava-o. Ele estava doido para ver aqueles peitões da garota. Havia sido a melhor recepção que já recebera na vida.

- Quis me adiantar.

- Entendo. Vamos entrando? Vou te apesentar as outras.

Os dois seguiram juntos até a casa. Katie, que estava com as mãos livres, abriu a porta. Quando entraram Dylan viu uma sala bastante desarrumada com vasos de plantas espalhados em algumas mesas. Havia um sofá com algumas latinhas de cerveja vazias em cima dele. Uma garota de cabelos castanhos longos vestindo uma blusa de mangas longas e calça que ia até os joelhos se aproximou, mas quando viu Dylan parou visivelmente sem jeito.

- Rose, esse aqui é o Dylan, o cara novo – falou Katie animada.

Rose ficou com uma expressão desconfortável. Abraçava o próprio corpo no que parecia um gesto de se auto-proteger. Ela desviou o olhar visivelmente sem jeito.

- Ela não é muito boa em se relacionar com os outros, mas é uma garota legal... acho – cochichou Katie em um tom de duvida.

- Acha..? – perguntou ele também em voz baixa.

- É que ela só se mudou para cá faz uma semana, não a conheço muito.

Dylan quase estendeu a mão para cumprimentar Rose, mas conteve-se ao se lembrar do que acontecera quando Katie fizera isso. Ele então se limitou a sorrir e cumprimenta-la de forma simples.

- Eu espero que nos demos bem.

Ela não respondeu de imediato. Olhava para todos os lados como um animal acuado. Sem saída a não ser ter um contato com ele a garota forçou um sorriso e respondeu um tanto sem jeito.

- É eu também espero... eu... eu vou... levar esse balde para dentro – e com isso pegou o balde das mãos de Dylan e se foi abraçada a ele. Dylan não sabia bem o que pensar da garota. Ela parecia legal só meio... estranha.

Antes que Dylan pudesse processar o comportamento esquisito de Rose outra garota aproximou-se dele com um sorriso tão largo que chegava a doer nos olhos. Ela vestia um short e uma blusa laranja escura, seus cabelos eram longos lisos e de uma cor castanha escura, quase pretos. Era esbelta e com pernas atraentes. Ele dedicou um rápido olhar aquelas pernas.

- Ah! Dylan! Nós falamos pelo telefone, sou a Lila!

Ela tinha a habilidade de falar sem parar de tirar aquele sorriso enorme do rosto. Lila apertou a mão de Dylan rapidamente. Para ele a moça era um tanto assustadora com todos aqueles sorrisos e positividade.

- Sou eu quem gerencia tudo aqui. Eu gosto de tudo muito organizado sabe? Agorinha estava anotando a evolução de nossas plantas, você já as viu?

- Eu...

- Temos muitas plantas aqui, de todos os tipos – ela não parava de falar, seus olhos eram expressivos e seu sorriso parecia que iria crescer tanto que ocuparia todo o seu rosto – eu e as meninas ainda estamos analisando as propriedades de cada uma delas, mas estamos fazendo ótimos avanços, sabia que existem orquídeas que podem fazer bem para a garganta?

- Eu acho qu...

- Pois elas fazem e não é só isso, também são muito boas para dor de cabeça. Hoje de manhã fiz um chá para a Meredith com as pétalas de orquídea e o resultado foi maravilhoso.

- Lila! – Katie cortou-a. Dylan teve a impressão que se ela não fizesse isso a garota ia continuar a falar até anoitecer – não acha que ele deveria conhecer primeiro as moradoras da casa antes das plantas?

- Ah, claro, claro. Tem razão Katie. Então você já conheceu a Meredith? Eu vou te levar até ela.

E puxando a mão de Dylan ela o levou dali sem nem esperar uma resposta. Katie seguiu-os apressada e os três chegaram na cozinha aonde uma garota vestindo apenas uma camisa preta que a cobria até o começo das coxas bebia cerveja diretamente na garrafa. Era só um palpite mas ele achava que ela estava só de calcinha por debaixo daquela blusa.

A moça, Dylan supôs ser a tal Meredith, tinha cabelos longos e parecia daquele tipo de pessoa bem despojada e desleixada. Estava com uma expressão de preguiça e olhou para os três sem lhes dar muita importância, mas quando fitou Dylan uma faísca de interesse surgiu em seu rosto.

- Então esse é o novo cara? Lila até que você não é tão sem graça quanto eu pensava, escolheu um gato.

Dylan tentou responder, mas Lila foi mais rápida.

- Não o escolhi pela beleza e sim pelo interesse dele em nossa pesquisa Meredith querida.

Dylan não conseguia olhar para aquele sorriso constante no rosto de Lila sem sentir medo. Ela era... certinha demais, isso assustava, as palavras de Katie em relação a ela já começavam a fazer sentido. Meredith porém ignorou a amiga e observou Dylan de cima abaixo. Ela terminou a cerveja em um último gole e colocou a garrafa vazia em cima da pia.

Ela foi na direção dos três parando em frente a ele e dando-lhe um sorriso malicioso.

- Vou adorar ter uma companhia masculina aqui nessa casa – seu hálito cheirava a pura cerveja, mas ele adorou. Se ela bebia assim todas as manhãs Dylan imaginou que eles precisariam de muitas orquídeas para curar suas dores de cabeça.

Depois dessa cantada bastante direta ela se foi. Dylan ficou bastante sem jeito, não pela cantada, mas pela situação em que fora dita. Se estivesse sozinho ali com Meredith com certeza teria retribuído.

- Bem, esqueça a Meredith que tal lhe mostrarmos seu quarto? – perguntou Katie.

Ele concordou e os três começaram a subir as escadas da casa. Dylan estava um tanto surpreso por ter conhecido tantas garotas tão diferentes no mesmo dia. Tinha certeza que acabaria conhecendo-as melhor com o tempo e, se tivesse sorte, acabaria tendo um relacionamento mais intenso com alguma delas.

Ao chegarem no quarto Dylan viu duas camas e Rose sentada em uma delas. A garota cobriu-se quando o viu, o que não fazia muito sentido pois estava vestida. Ele imaginou que fosse algum tipo de atitude de auto-defesa dela.

- O-oi – ela gaguejou e forçou um sorriso – esse é o meu quarto e da Katie.

- Na verdade Rose, agora é o quarto do Dylan também, espero que não se importe – disse Lila.

- Eu hmmm... claro, sem problemas - respondeu com uma expressão que indicava bem o oposto.

Dylan entrou e começou a colocar suas malas ali. Sua nova vida estava começando e ele esperava se dar melhor com todas as moradoras. Iria morar em uma casa cheia de mulheres em uma república, como isso não poderia ser bom?

21 de Septiembre de 2019 a las 21:52 0 Reporte Insertar 0
Leer el siguiente capítulo Capitulo II (Meredith)

Comenta algo

Publica!
No hay comentarios aún. ¡Conviértete en el primero en decir algo!
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 4 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión