Vidas Roubadas Seguir historia

donnadan

Muitas vidas foram roubadas pela ganância. O pequeno reino de Konoha no litoral, que um dia foi um lugar pacífico, tornou-se apenas mais um braço do comércio itinerante entre reinos, onde tudo que importava era a segurança da mercadoria que circulava por lá. Aqueles que não serviam ao lucro não tinham proteção alguma da crueldade, ignorada e autorizada pelos novos governantes. Viver naquelas condições era um desafio, que devia ser superado um dia depois do outro. Mas, Uzumaki Naruto, do fundo do seu coração, acreditava que a vida podia ser mais do que apenas sobrevivência. Capa: Imagem de @Snow_124 adaptada por mim. História Sasunarusasu. Naruto e seus personagens não me pertencem, mas também não me abandonam. Enredo original, plágio é crime.


Fanfiction Anime/Manga Sólo para mayores de 18.

#romance #sasuke #narusasunaru #sasunarusasu #narusasu #sasunaru #naruto
1
2.0mil VISITAS
En progreso - Nuevo capítulo Cada 15 días
tiempo de lectura
AA Compartir

Mãos atadas


Olá, pessoal!

Eu sei que não devia estar escrevendo história nova... fugindo do meu foco. Mas eu não me aguento!

Espero que gostem desse pequeno gostinho, por essa fic vai render muito!

Sem delongas, nos vemos nos comentários!



Era o quinto par de mãos intrometidas que tentavam lhe alcançar e impedir sua fuga. Corria o máximo que podia no meio daquela pequena multidão, tentando equilibrar na blusa rasgada os pães que ainda restavam de seu saqueio, antes de ser flagrado. Doía perceber que já havia perdido alguns para a poeira daquela feira imunda.

Por sorte, era mais rápido do que o entendimento das pessoas à sua frente sobre o que se tratava aquela baderna logo atrás e, até então, conseguia escapar. Mas, de todas as possibilidades…

- PARE!

Conhecia aquela voz - muito bem. O arrepio que percorreu cada célula de seu corpo pedindo que obedecesse o comando era quase doloroso. Por mais que suas pernas falhassem e tivesse diminuído o ritmo inconscientemente, corria. E, ainda que não pudesse ver o que acontecia às suas costas, sentia que a multidão se abria milagrosamente para que aquele homem o alcançasse.

Seria pêgo.

Os pães espalhados no chão eram testemunhas disso. Sentia a mão forte o segurando com muita firmeza, interrompendo totalmente sua trajetória e eliminando seu jantar pretendido daquele dia.

- Te peguei.

A voz familiar adentrou seus ouvidos em um sussurro íntimo. Seu braço direito era torcido em suas costas e o agarre fundamentado deixava seu corpo totalmente colado ao de seu captor. O tecido grosso, de qualidade, que sentia contra suas roupas finas e surradas lhe traziam certo pânico; medo de que seus sentidos estivessem o enganando. Reprimiu com todas suas forças a vontade de olhar para trás e tirar sua certeza. Em breve descobriria de qualquer forma.

Sentiu seu corpo ser impulsionado para frente e a bota maltratou sua coluna, o levando sem chance de defesa ao chão.

- Roubando dessa gente honesta, seu maldito.

Sorriu com o rosto escondido, voltado para o chão sujo. Não precisava olhar, já tinha certeza.

- Tenho fome. - Respondeu com toda a raiva que sentia por estar esmagando os preciosos pães sob sua barriga.

- E isso te dá algum direito?

Mais um arrepio. Nem percebeu quando o outro havia se aproximado novamente para segurá-lo, erguê-lo e exibi-lo à todos os curiosos que se amontoavam em círculo em volta deles para assistir à sua desgraça. Com aquela ação pôde olhar pela primeira vez para aquele homem que o impedira.

Era ele. Não esperava vê-lo nos trajes da guarda.

As pessoas em volta comemoravam e aplaudiam o jovem que faria justiça. Ele era, sem dúvidas, jovem demais para aquilo; mas a postura imponente, o comando firme e o olhar impiedoso não deixavam dúvidas de que ele havia nascido para tal. Alguns gritavam castigos a serem aplicados, outros insultos, mas o coro era unânime em ódio contra o ladrão.

Entretanto, naquele momento, todas as vozes eram cochichos distorcidos que rodeavam sua consciência. Tudo que verdadeiramente via era aquele à sua frente e a confusão que se formava em sua mente. Um pequeno e discreto sorriso cínico, tão rápido quanto uma ilusão, foi percebido pelo órfão Uzumaki, antes da enxurrada de vozes lhe atingir novamente e quase lhe ensurdecer.

- Ele estragou meus pães! Ele tem que pagar. - Ouviu antes de desviar de uma pedra deferida em sua direção.

O comerciante furtado estava vermelho de ódio e pela longa corrida que foi obrigado a fazer. Naruto estava familiarizado com aquela cena, conhecia bem aqueles olhares. Quantas vezes ao longo de seus quase 18 anos não passou por aquilo?

- Pague o homem. - Ditou após deixar a multidão expressar sua repulsa até estarem satisfeitos, e olharem para si esperando alguma atitude.

Todos se calaram ao ouvir aquela voz fria e firme.

- Não tenho dinheiro. Se tivesse, não teria roubado. - Respondeu como se fosse a coisa mais óbvia do mundo, indignado por acharem que roubava por prazer.

- Então, você vem comigo. - Avisou antes de começar a amarrar as mãos do meliante com a corda que trazia presa à cintura.

A forma bruta com que foi amarrado, maltratando a pele de seus pulsos, obrigava o Uzumaki a segurar sua voz na garganta. E, por mais que não fosse sensato dizer nada naquele momento, fez questão de passar a mensagem claramente pelo seu olhar: aquilo teria volta.

Sabia que seria compreendido.

- Meu caro senhor, sinto que tenha sido perturbado de tal forma. Os guardas estarão o esperando até o fim do dia para tomar as providências de seu prejuízo.

Naruto trincou os dentes ao perceber a adoração com que a platéia encarava aquele homem e dizia palavras amáveis à ele. Tinham a mesma idade, mas recebiam tratamentos totalmente diferentes.

- Quanto à esse aqui - Sentiu-se desequilibrar ao ser puxado com brusquidão pela outra extremidade da corda. - Vou garantir que receba sua punição o mais rápido possível.

Sombrio. Aquilo atiçava ainda mais a multidão, empolgada com seu sofrimento.

- Vamos, idiota. - Mais um puxão violento antes de iniciar a trajetória.

Quis sorrir com o tratamento, mas era loucura. Apenas colocou-se a andar à poucos centímetros do outro, curvando os ombros para baixo, rendido e humilde. Apenas respondeu quando já estavam suficientemente longe da feira e as pessoas estavam entretidas demais narrando as grandes ações do Uchiha, que tinham simplesmente acabado de presenciar, aumentando ainda mais a história.

- Cretino.

- Cala a boca.

Naquele momento não segurou o sorriso, que mostrava quase todos os dentes, já apressando os passos para andar ao lado do outro. O pequeno sorriso, que sempre parecia cínico ou sem vergonha nos lábios finos também estava presente; porém, bem visível, diferente do anterior.

Tomaram um caminho praticamente deserto até uma parte inabitada da cidade, onde ninguém ousava ir por ser amaldiçoado. Os passos iam se tornando cada vez mais apressados, até que Naruto sentiu o corpo ser tragado para dentro de uma das muitas casas abandonadas e bater firme contra a parede.

Não teve tempo de dizer nada, era beijado com tanta urgência que a única reação possível era agarrar aquele uniforme com as mãos unidas pela corda, trazendo o homem que amava ainda mais para perto, como se fosse tudo que precisava.

Sasuke se deixava levar pela adrenalina de momentos atrás e pelo desespero que sentia toda vez que Naruto se metia em confusão. Nunca ia se esquecer do dia em que se conheceram e situações como aquela deixavam aquela memória muito presente.

- Por que você tem que ser tão… - Tentava achar uma única palavra que resumisse tudo o pensamento perturbado que tinha no momento.

- Irresistível? - Perguntou, puxando novamente a farda para mais perto, querendo retomar o que pararam.

- Burro. - Respondeu de forma dura.

Naruto encostou a cabeça na parede fitando com tédio aqueles olhos negros que o repreendiam. Sasuke sabia como ninguém estragar o clima.

- Tudo que você precisava fazer era esperar um pouco. Mas não, você tem que sair metendo os pés pelas mãos e estragar tudo.

- Desculpa. Parecia fácil demais, ninguém tinha me visto. - Respondeu fitando o chão, constrangido por perder a comida. - Acho que estraguei nosso jantar de hoje.

E isso era um grande problema. Ainda era apenas terça-feira. Os comerciantes daquela cidade litorânea só iam se mover e ser substituído por outros próximo ao sábado, quando já tivessem uma nova carga e trocado as mercadorias que pretendiam. Não era uma boa ideia ficar marcado como ladrão tão cedo.

Os dois sobrassaltaram-se com o som de alguém pigarreando para chamar atenção próximo à janela.

- Oi, pivetes. - O homem extremamente parecido com aquele à sua frente saudou com um sorriso amigável.

- Naruto fez merda de novo, Itachi. Sem chance de conseguirmos comida hoje e vai ser difícil com um a menos nos próximos dias.

Queria dar um soco em Sasuke, já estava sentindo culpa o suficiente pela fome do trio sem que ele dissesse nada.

- Bom, - Começou sua frase arremessando uma grande sacola feita de pano, cheia de alimentos, através da janela para dentro da casa. - Aproveitei o show dos pombinhos para fazer a feira.

Os olhos de Naruto brilhavam encarando o mesmo sorriso que Sasuke tinha, porém, o do mais velho era ainda mais aparente e fácil, pelo menos era para eles.

- Eu te amo, Itachi! - Naruto respondeu inocente ao olhar assassino que o caçula Uchiha lhe direcionava. Itachi recriminava o irmão mentalmente por ser tão ciumento; aquele loiro só tinha olhos para ele nesse mundo.

- Só consegui porque vocês foram bem convincentes, nem deu trabalho com todo mundo interessado na perseguição... Aliás, bela roupa, Sasuke. - Sentia que era melhor mudar o foco das atenções ou Sasuke ficaria com aquela carranca a noite inteira.

- Verdade, onde você conseguiu essa roupa, bastardo? - Naruto perguntou, conferindo toda a vestimenta. Não acreditava que o Uchiha pudesse ficar mais atraente do que era, mas Sasuke vivia o surpreendendo.

- Estava secando em um varal. - Deu de ombros como se não fosse nada importante. - Achei que ia ser mais agradável andar por aí sem me esconder. E você deu muita sorte.

- Aaaauu. - Naruto contorceu o corpo reagindo ao beliscão nada delicado em suas costelas. Já se preparava para retaliação quando foi interrompido.

- Ok. Parem de baixaria e me ajudem a preparar o jantar.

Sasuke ia se afastar, mas as mãos do outro ainda o seguravam. O olhar baixo de Naruto e a forma que ele mordia o lábio inferior com força chamou a atenção dos irmãos Uchiha que levantaram a sobrancelha quase sincronizados.

- Na verdade, Tachi... - Ergueu os pulsos mostrando as amarras e finalmente soltando o outro. - Sou um prisioneiro e não sei o que meu captor vai fazer comigo ainda.

Sasuke sorriu, de forma discreta constrangido por seu irmão presenciar a falta de vergonha de seu companheiro. Aliás ,discreto era algo que o Uzumaki nem tentava ser perto do outro. Sabia que Naruto adorava provocá-lo na frente do irmão para que ficasse envergonhado; tentava não transparecer, mas sempre o afetava, e era difícil escapar dessas situações já que os três viviam juntos, contra o mundo.

Contudo, Itachi já estava longe da casa. Pedia aos deuses que nunca perdesse sua paciência com o jeito descarado de Naruto já à caminho do mato, na intenção de buscar algo para fazerem uma fogueira e preparar a comida mais tarde.

Percebendo a ausência do mais velho, Sasuke mediu o outro de cima à baixo, deixando que o tesão com aquela brincadeira transparecesse em seu olhar e começou a puxá-lo pela corda para dentro da casa, em direção aos trapos onde dormiam. Naruto começou a rir baixo em expectativa.

- Calado. - A ordem veio firme e sua voz falhou no meio da risada. Era muito custoso à sua sanidade resistir aos comandos dele e pela segunda vez no dia sentiu as pernas tremerem de leve.

- Nossa, ele é mal. - Naruto debochou, querendo que a irritação deixasse Sasuke ainda mais intenso.

Em um segundo estava andando, no segundo seguinte sentiu a vertigem de ser girado com muita força e velocidade. Uma mão de Sasuke puxava seus pulsos unidos para baixo e a outra segurava seu maxilar, mas o impulsionando para cima, agarrando firme para que o encarasse.

- Você não imagina o quanto...

Naruto soltou o ar que prendera inconscientemente no susto, e o som quase pareceu um gemido. Não iria mais imaginar, iria sentir e estava ansioso!

...ooo00ooo...

Naruto estava com a pele sensível, fervendo em expectativa. O Uchiha sempre era mais falante e carinhoso quando estavam sozinhos, não escondia suas reações e não era preciso interpretar o que os olhos diziam, porque seu corpo e suas expressões os acompahavam sem amarras. Porém, Sasuke não falava nada desde que entraram no cômodo, e aquilo era tão incomum e excitante quanto a fantasia que brincava com sua mente, devido à farda que Sasuke usava.

O Uchiha abria a parte de cima da roupa com lentidão e paciência, apenas para amenizar um pouco o calor. Apesar da noite quente, manteria as roupas, apenas para brincar ainda com aquele desejo repentino de Naruto. Não negava nem admitia que aquilo era muito divertido para si também.

O simples ato do outro, faziam as mãos do Uzumaki formigarem, tanto pela circulação interrompida, quanto pela ânsia de se agarrar a ele. Por mais que o corpo inteiro tremesse (dividido no conflito entre ser espontâneo e ativo, como sempre era, ou obedecer ao outro), fazia seu melhor para permanecer imóvel até que o amante ditasse seus desejos.

Naruto apreciava o torso pálido, meio despido, com pequenas gotas de suor que começavam a se formar. Há muito tempo não eram mais crianças fofas que seriam acolhidas por uma família caridosa, se preparavam o máximo que podiam para enfrentar as fugas e o peso da vida nas ruas. Treinavam muito juntos e competiam bastante. A visão os pequenos músculos que marcavam discretamente o abdômem de Sasuke, era um bônus muito bem vindo.

Os dedos corriam livres pela sua cintura, adentrando sua camiseta surrada e a levantando devagar, um arrepio tomou toda a pele bronzeada com os toque suaves. Sentir os póros contraídos com a ponta dos dedos agradou o Uchiha, e o sorriso de lado que ele mantinha, nos lábios que pareciam tão deliciosos e distantes dos seus, deixava Naruto ainda mais necessitado de contato.

Tentou aproximar o rosto e viu a careta de desagrado do Uchiha. Sua roupa foi tirada com mais pressa, quase prendendo em sua cabeça, atrapalhando mais ainda seus cabelos loiros e rebeldes. O tecido foi abandonado próximo das mãos do Uzumaki, por causa da corda que impedia que fosse totalmente retirada. Como punição pelo atrevimento, Sasuke segurou o queixo de Naruto com a mão erguendo seu rosto e decidido a beijar tudo que queria, menos a boca dele.

Os dois sabiam que aquilo não era punição alguma. Naruto arfava com os olhos fechados, adorando os beijos em seu pescoço, ombros e peito. A mão do falso guarda segurava seus cabelos perto da nuca com força obrigando sua cabeça a ficar sempre jogada para trás. Queria poder acelerar logo aquela brincadeira, queria Sasuke tomando conta de todo seu corpo, não só o provocando.

Estava tão envolvido nas carícias em seu pescoço, que mal percebeu que tentata tomar uma atitude para trazer Sasuke mais para perto. Muito atento às reações e movimentos de seu prisioneiro, o Uchiha percebeu o sutil movimento do outro na tentativa de levantar as mãos e pisou na ponta da corda. Naruto o olhou sem graça mordendo o lábio, mas não por muito tempo. Sasuke virou seu torso fazendo com que andasse à sua frente até ficar praticamente beijando a parede, pela mão que impulsionava sua nuca o prendendo ali.

Sorriu com a bochecha colada à superfície fria. Sabia que Sasuke olhava suas costas, ele sempre tinha esse momento antes de tocá-lo novamente, mas nunca achou que era por qualquer problema em sua aparência. Mesmo sem querer, aquele era o motivo de ter encontrado o Uchiha no fim das contas. Uma leve carícia foi feita por cima de suas cicatrizes, de cima até embaixo. Naruto gostava daqueles carinhos, talvez um dia o questionasse sobre aquilo. Talvez.

A mordida em sua nuca o trouxe de volta de seus pensamentos e gemeu mais alto com o toque mais agressivo, o que incentivou mais beijos e mordidas. O corpo de Sasuke o pressionava também contra a parede e Naruto tinha que deixar o quadril empinado para ter espaço para as mãos amarradas. Sentir a ereção de Sasuke contra sua bunda o deixava ainda mais fora de si.

O Uzumaki apertou o próprio pau por cima das roupas e impulsionou o quadril para trás, querendo simular a penetração. Queria que Sasuke o acompanhasse e que saíssem em breve das preliminares, antes que perdesse seu pouco juízo. Em vez disso, recebeu um puxão quase doloroso nos cabelos:

- Se você vai se satisfazer sozinho eu vou ficar dalí só assistindo. - Naruto ofendia Sasuke em sua mente de todas as formas, por entrar no personagem daquela forma torturante.

- Você vai me matar desse jeito, bastardo. - Disse, em tom de súplica.

Apesar de suas palavras, Sasuke gostou do estado de impaciência e tesão de Naruto. Envolveu o outro em um abraço apertado, com uma mão em seu peito e a outra estimulando sua ereção.

- Achei que eu podia fazer o que quisesse com meu prisioneiro.

Naruto sentiu o corpo inteiro queimar, que os deuses o ajudasse a ter controle. Cedeu o peso de seu corpo contra o peitoral do Uchiha para aproveitar o abuso das mãos, tão familiarizadas consigo.

- Sou todo seu, Uchiha. - Disse em um suspiro, satisfeito com os novos estímulos.

Sasuke o virou e deu um beijo cheio de tesão e vontade em seu companheiro, mantendo-o bem colado em si. Era um vício comum dos dois, a necessidade da boca do outro, por isso Sasuke sabia a tortura que era privá-lo de seus beijos.

Naruto sentia a ereção do outro tão próxima de sua mão que enlouquecia, mas fez seu melhor para não fechar os dedos em torno dela. Sasuke sorriu satisfeito com a obediência repentina e decidiu que iria satisfazê-lo primeiro.

- Mãos atrás da cabeça. - Ditou firme ao interromper o beijo.

Naruto o olhou com dúvida, sem entender se aquilo era algum tipo de retaliação ou não. Sentiu o corpo ser empurrado para trás novamente, de encontro à parede e obedeceu passando as mãos da forma que era possível para trás da cabeça. Sentir suas calças sendo abaixadas até os joelhos, em um único movimento, apagando de vez a dúvida em seu olhar, ficando apenas expectativa, ânsia.

Não conseguia decidir o que era melhor: ver o prazer de Naruto ao chupá-lo, ou receber um oral do mesmo. Há tempos não praticavam penetração por falta de recursos… uma vez encontraram um loção (provavelmente descartada pela validade) usada no tratamento de queimaduras. Sem saber direito o que era aquilo que havia encontrado, Naruto questionou Itachi e ele lhe disse que aquilo era bom para irritações na pele. A mente criativa do Uzumaki logo associou uma coisa à outra e Sasuke aceitou fazer a experiência. Tiveram transas incríveis na época. Os dois sempre espreitavam as tendas dos boticátios da feira, mas não era tão simples conseguir pegar algo de lá. Então, se satisfaziam da forma que podiam: com as mãos e a boca - não que tivessem algo a reclamar, na verdade.

Certamente Naruto não reclamava no momento. Observava atentamente os movimento de Sasuke, tão sexy aos seus olhos, o devorando com gula e dedicação. Tentava segurar a voz e gemer baixinho, o suficiente para mostrar ao outro que estava na direção certa, mas sem correr o risco de chamar atenção de qualquer curioso metido a corajoso que inventasse de explorar a área naquele dia.

Estava tão atento à boca que o envolvia com gula que nem reparou o momento em que Sasuke havia aberto as calças e começado a se masturbar. Aquele simples ato parecia ter aumentado ainda mais a temperatura do quarto, sentia as mãos suando frio.

A atenção dos dois foi roubada pelo barulho da pedra arremessada pela janela, para dentro do quarto. Não sabiam bem de que direção vinha, mas era um aviso de Itachi: alguém estava se aproximando.

Naruto teria grunido irritado se pudesse fazer algum barulho. Surpreendeu-se ao sentir Sasuke manuseando suas pernas para tirar as calças que estavam apenas abaixadas. Seus olhos acompanhavam, curioso, até que ele envolveu a corda que o prendia na mão e o puxou em direção à janela, deixando Naruto apreensivo, sem ideia do que ele planejava.

O Uchiha desceu mais a própria roupa e se sentou no chão trazendo Naruto para seu colo. O Uzumaki queria rir da imprudência de Sasuke; o riso queria escapar pelos lábios, mesmo quando os mordia. Sasuke ajeitou a postura do outro para que suas ereções ficassem bem próximas e tapou a boca do uzumaki com força, para que ele ficasse quieto, enquanto ele garantia o prazer de ambos.

Naruto curvou o corpo para frente, para que sua cabeça não fosse vista pelo lado de fora, e para aproveitar mais do calor do corpo de Sasuke, tão quente quanto o seu. Também aproveitava que o Uchiha não podia reclamar no momento para rebolar e se mover contra a mão dele. Sabia que Sasuke adorava aquilo, o suspiro quente que bateu contra sua orelha servia de confirmação e como gatilho para deixá-lo à beira do orgasmo.

A adrenalina da situação deixava os dois mais sensíveis, com todos os sentidos aflorados. Naruto agradeceu mentalmente pela mão que esmagava sua boca ou seria ouvido no outro quarteirão, quando Sasuke acelerou os movimentos de sua mão, fazendo-o gozar. Sasuke veio logo em seguida, com o rosto totalmente contorcido em prazer, com a boca levemente aberta sem emitir som algum.

Naruto sentia o corpo mole e as mãos pulsando forte devido à corda. De forma preguiçosa, bateu as costas da mão contra o peito de Sasuke para chamar a atenção dele às amarras, para finalmente livrar-se delas. Seu pedido foi atendimento prontamente, e, uma vez liberto, recebeu uma pequena massagem para ajudar na circulação do sangue e na dor da pele agredida pela fricção constante com a corda.

Sasuke continuou usando uma das mãos para massagear os pulsos de Naruto e a outra para fazer uma carícia no cabelo loiro de seu amado, que recuperava o fôlego com a cabeça deitada em seu ombro. Ficaram assim, em silêncio, por um bom tempo, o suficiente para qualquer um que estivesse por alí já tivesse desistido e ido embora.

Pelo som do trote que ouviram, ainda bem distante deles, devia ser a patrulha à cavalo. Provavelmente era; eles nunca avançavam muito naquela área, apenas olhavam um pouco envolta, próximo aos portões e voltavam. Ficavam tempo suficiente para que seus superiores achassem que haviam feito a ronda completa e desapareciam com o rabo entre as pernas, com medo dos mortos.

Naruto, Sasuke e Itachi vivam naturalmente naquele lugar. Os mais novos não estavam cientes de toda a história por trás da fama da área, mas se aproveitavam muito bem dela. No fim das contas, grande parte da sua sobrevivência era garantida por aquela proteção. Claro que, vez ou outra, Sasuke aproveitava para assustar Naruto de alguma forma. Adorava a forma que ele se fazia de valente, mas dormia muito mais grudado durante a noite.

- Itachi deve voltar daqui a pouco. - Disse cutucando as costelas de Naruto para que ele se mexesse. - Vamos lá ajudar ele com o jantar.

- Só mais um pouquinho, bastardo. - Respondeu se remexendo com preguiça, buscando retomar sua posição confortável no colo de Sasuke.

Sasuke olhou preocupado para a cor da pele dos pulsos de Naruto. Ele sugeriu aquela ideia e não havia reclamado nem uma vez das cordas, não imaginou que elas estivessem o machucando tanto. No momento da confusão, havia amarrado bem apertado; queria que tudo parecesse bem convincente e que não os seguissem depois, mas acabou se distraindo com a proposta do Uzumaki e deixou as coisas chegarem naquele ponto.

Sasuke pegou uma mão por vez e beijou os pulsos de leve, apenas como carinho. Moveu Naruto de seu colo, mesmo sob protestos, e o ajudou a deitar sob os panos que lhes servia de cama. Um trapo jogado por ali foi usado para limpar ambos e Sasuke cobriu apenas o quadril do Uzumaki para que ele não ficasse exposto.

- Fica aqui, eu já volto. - Beijou a têmpora do outro e apertou a nuca dele algumas vezes para que relaxasse ainda mais e deixasse que aquela preguiça pós-orgasmo o deixasse quieto na cama.

Voltaria com a janta pronta e um pequeno sermão pelos pulsos machucados.




E entãããoo? Que acharam? Surpresos?

O que acham que vem daqui, heim?

;*

3 de Septiembre de 2019 a las 18:02 2 Reporte Insertar 2
Leer el siguiente capítulo Não há descanso para os vivos

Comenta algo

Publica!
KL Kitsune Lyra
Aí eu amei, achei uma fofura os dois, adorei o desfecho inesperado da primeira cena e a sutileza do itachi kkkk fiquei super curiosa pela continuação, please nao tira as mãos do meu Narutinho kkkk
8 de Septiembre de 2019 a las 21:43

  • Donna Dan Donna Dan
    Kitsune! Obrigada por comentar! Espero que esse capítulo não tenha dado falsas esperanças, ainda tem um bocado de agst na história... Postei o capítulo 2 agora, sofrendo junto com o naruto, socorro! 16 de Septiembre de 2019 a las 23:08
~

¿Estás disfrutando la lectura?

¡Hey! Todavía hay 1 otros capítulos en esta historia.
Para seguir leyendo, por favor regístrate o inicia sesión. ¡Gratis!

Ingresa con Facebook Ingresa con Twitter

o usa la forma tradicional de iniciar sesión